Blog

yogaposturas


YogIN App
Filosofia do Yoga | 27 abr 2020 | Lucas De Nardi

O Yoga jamais o abandona

O Yoga está sempre presente. No ano passado, enquanto buscava um aplicativo sobre treinamento físico, cheguei ao Freeletics. Ele prometia deixar-me em forma, dar-me mais força e resistência com um treinamento que utilizava-se apenas - e isso foi o que mais me atraiu - o peso do meu corpo. Eu me tornaria um atleta livre, daí o nome do app. Achei a proposta interessante e os exercícios desafiadores. Baixei, fiz duas semanas de teste e acabei deixando o treinamento funcional de lado para dedicar-me apenas ao aplicativo por algum tempo. É claro que o início foi penoso, especialmente porque você mesmo define quando irá treinar. Não há compromisso com mais ninguém além de você. E isso exige uma disciplina e uma força de vontade enormes. Foi então que me dei conta que uma das coisas que mais me cativou na prática do Yoga foi justamente isso, sua capacidade de dar ao praticante autossuficiência e a necessidade de quase nada para ser praticado, apenas um corpo, uma vontade e o chão. Nem mesmo o silêncio é essencial, dias atrás fiz meu sádhana praticamente ao lado de um show de reggaeton. Lembro-me que alguns meses depois de começar a praticar Yoga, mudei-me para Ibiraquera, perseguindo o sonho de tornar-me surfista. Lá não havia uma escola, nem professores, muito menos colegas de prática. Mesmo assim, o Yoga foi comigo e eu o praticava pelo menos três vezes por semana. Depois que comecei a lecionar, mudei-me para São Paulo. Tinha turmas bem cedo e passava algumas horas da manhã sozinho na escola. O surf tinha me deixado, já que na capital paulista não poderia praticá-lo, mas o Yôga acompanhou-me diariamente em minhas horas de solidão matinal. O Yoga nunca o abandona. Isso porque a partir do momento que você o aprende, ele estará sempre dentro de si, fará parte da sua visão de mundo, pois em algum momento de sua história, ele o fez olhar para dentro e conhecer-se melhor. O Yoga estará sempre aí, acessível e disposto a fazê-lo evoluir. Porque o Yoga só existe quando você o pratica. E somente você pode fazer isso para si. Ninguém o fará. Mesmo dentro de uma classe, o professor o ensina a praticar, ele lhe transmite as técnicas, mas jamais poderá fazê-las por você. Nunca poderá insuflar em seu corpo a evolução que esta filosofia produz. E mesmo que você conheça pouco, mesmo que tenha esquecido de uma parte, mesmo se achava que não era bom o suficiente ou que nunca atingiu os resultados almejados ainda assim o Yoga não o abandona. Porque ele pode ser praticado de maneiras muito simples. Ele pode estar presente no momento que você se determina a manter o foco para realizar uma tarefa exigente da sua rotina, naquele mantra que você se esforça por lembrar e lhe traz um contentamento espontâneo enquanto esta preso num trânsito caótico, numa atenção plena que você escolheu viver ao conversar com um amigo, em uma invertida que você fez depois de um dia inteiro em pé a produzir algo, no momento em que você decidiu parar de pensar um pouco para clarear as ideias, num dia que você resolveu expressar gratidão aos que lhe fazem bem, quando manteve a consciência no corpo enquanto praticava seu esporte favorito ou quando fez aquela série bem simples de alongamento ao final de um dia de trabalho extenuante. Existem atividades que cessam quando não temos os elementos essenciais para sua execução, tal como tentar surfar sem ondas, jogar tênis sem quadra ou andar de skate sem asfalto. Mas o Yoga não exige nada, apenas seu corpo, sua vontade e o chão, quase como o aplicativo que passei a usar para me exercitar. Portanto, não é por falta de tempo ou vontade que você deixou o Yoga, é uma questão de escolha. Basta escolher vivenciá-lo que ele estará disponível, mesmo que de maneira muito singela. E quanto mais você o pratica, mais gana terá de conhecê-lo e conhecer-se melhor. E ele estará sempre ali, pronto para a próxima prática. Pois o Yoga jamais o abandona.    

YogIN App
Filosofia do Yoga | 27 fev 2020 | Cherrine Cardoso

A síndrome do “Ser Guru”

A síndrome do “Ser Guru” Estamos passando por uma fase interessante no desenvolvimento na classe humana, já reparou? Parece que estamos entrando num despertar coletivo na busca de algo que faça mais sentido para a grande dúvida do homem: quem sou eu? qual minha missão nessa vida? Pois bem, a resposta não vem de forma simples e juntamente com este despertar e com as perguntas, surgem aqueles que garantem te conduzir ao caminho das descobertas. Na verdade, os questionamentos não são recentes e nem a busca incessante por encontrar as respostas o são. Tanto que já passaram por este planetinha centenas de filósofos e profissionais ligados a psique humana para contribuir com essas dúvidas. E por conta deste ciclo, em que mais pessoas tem buscado algo que lhes auxilie nestas questões, surgem profissionais de vários calibres falando sobre autoconhecimento, alta performance, coachings, mentores, entendidos de todos os assuntos. Como em todo mercado a procura gera a demanda, né? Mas, como saber em quem confiar? Essa sim é uma pergunta difícil de responder. E por quê? Porque todos somos gurus em potencial. Todas as pessoas que somam experiências de vida, podem ser grandes professores. Cada coisa que aprendemos pode ser compartilhada e servir para alguém em sua jornada. No entanto, eu dividir com você coisas que aprendi nas fases da minha vida, não necessariamente servirão para as suas. Porque cada vida é uma e cada pessoa é um universo diferente e cheio de possibilidades. Os profissionais destas áreas, que visam contribuir para que você encontre o seu caminho e as suas verdades, têm um papel importante sim, mas é preciso um bom filtro para saber quem é o certo para você. E se a pessoa que você está seguindo têm algo real a contribuir; se só fará você se perder mais no seu caminho ou se estará fazendo você desperdiçar um tempo precioso no processo. new RDStationForms(\'e-book-o-yoga-e-o-stress-ebbbd5c51665ef24833c-html\', \'UA-68279709-2\').createForm(); Não existe profissional perfeito, porque o profissional em si é uma pessoa. E todas as pessoas carregam suas imperfeições. E, não estamos imunes a elas. Mas dentro de uma gama bem ampla de opções, ainda mais nos dias de hoje com o advento da internet e redes sociais, você precisa deixar seu botão de alerta ativo, para que encontre profissionais sérios e não somente os grandes charlatões. E olha, tem vários. Bons mentores, bons professores, bons coachings são aqueles que escutam e contribuem com um norte para quem os segue, sem doutrinar ou impor as suas verdades. Profissionais sérios são aqueles que continuam estudando por toda a vida, pois só assim somam mais conhecimentos. Guru bom é o que não se vangloria de sua posição e nem guarda pra si o que aprende por medo de dividir seu conhecimento com outros, com receio de que sejam melhores do que ele. E por que esse assunto é importante? Para que seu crivo te ajude a escolher o melhor para você. Podemos ter vários gurus ao longo de nossa existência. Se parar para analisar, seus primeiros professores estavam dentro da sua casa. Foram seu espelho e referência pelos primeiros anos de sua vida até que chegassem os outros. E neste caminho, tantos puderam te levar a muitos aprendizados. Mas quando o questionamento é existencial como: quem sou eu, o que eu tenho que fazer, qual minha missão? Sua escolha deve ser cuidadosa, pois o caminho que seguir poderá te ajudar ou só deixa-lo ainda mais confuso. Uma outra dica que eu vejo como importante é: gurus que usam muito o pronome EU, talvez ainda estejam demasiadamente envoltos numa cortina de seu próprio ego. Eu sei, eu posso, eu consigo, eu conheço o melhor caminho para..., eu tenho as respostas... esse EU incessante demonstra pouca humildade e uma necessidade de reconhecimento constante. Dessa maneira, em algum momento, a admiração que temos por quem tem algo a nos ensinar, passa para uma grande frustração por alguém que promete e fala demais, mas não aplica seus próprios conhecimentos. Estamos todos neste caminho? Sim. Mas há quem reconheça que segue aprendendo, mesmo na polaridade de ensinante; e há quem já se julgue sábio o suficiente, a ponto de não precisar de feedbacks de ninguém. Destes, corra!  

YogIN App
Dicas de Yoga | 26 fev 2020 | Fernanda Magalhães

Paschimottanasana

Paschimottanasana Talvez você esteja se perguntando o porquê de um texto sobre uma postura tão simples. É que eu gosto das posturas simples. É muito fácil para o nosso ego se sentir estimulado a entrar em um asana difícil, ou tentar. Lutar pelo desfiador é estimulante, é o que nos move. E não me leve a mal, não é errado. Somos humanos, sem o desejo, não nos movemos, ficamos estagnados. Mas o que acontece quando praticamos focados no ego, é que as posturas ganham valores diferentes, quando, na verdade, o exercício mais importante da prática é a presença. E presença é SER, em todas as posturas com o mesmo empenho. Se você já praticou Yoga alguma vez na vida, é bem provável que você já tenha executado um paschimottanasana. Uma das mais tradicionais posturas do Hatha Yoga, descrita no Hatha Yoga Pradipika, o texto sagrado escrito há mais de 500 anos atrás, é também uma postura muito popular.  Por ser classificada como de fácil execução, aparece com frequência nas sequências de asanas sentados. Mas não se engane pela aparente simplicidade do movimento, há muito trabalho envolvido neste alongamento posterior intenso… Paschima - Oeste, considerando a parte traseira do corpo quando se é praticado conforme a tradição, voltado ao nascer do sol (leste). Uttana - Alongamento Intenso. Asana - Postura Sânscrito: पश्चिमोत्तानासन;   PASCHIMOTTANASANA   Segundo Lino Miele, no Astanga Yoga, o controle de mulabandha e uddiyanabandha durante a execução, permite que o ar estimule Sushumna Nadi. A inalação e exalação ativam o fogo digestivo (agni) ajudando a purificar os órgãos.   Paschimottanasana A, B, C e D por John Scott - Astanga Yoga, Lino Miele Sushumna Nadi é o canal mais importante do nosso corpo energético por onde passa a energia mais preciosa para a prática de Yoga, a Kundalini. Sushumna segue pelo eixo da coluna vertebral até a extremidade da cabeça. “É considerável seu efeito (de paschimottanasana) sobre baço e rins, Vitalizando os centros nervosos lombares e sacros, beneficia todos os órgãos por eles inervados (sexuais, bexiga, próstata e reto). É de excepcional eficácia contra os distúrbios do estômago, onde estimula a produção de suco gástrico. Normaliza fígado, rins e intestinos, varrendo deles o catarro, curando também a prisão de ventre. Para melhor efeito contra hemorroidas, pode-se associar a este abençoado asana o que os yoguins chamam de aswini-mudra - contrair e descontrair o esfíncter. É especificamente indicado para vencer a dilatação do baço e fígado. Controla e estabiliza o diabete e polução noturna. Vence insuficiência hepática e restaura o apetite. Tem sido constatada, por médicos de institutos da India, a cura do lumbago cronico e das dores ciáticas. Incomparável para rejuvenescimento e emagrecimento. É indicado para restaurar a força das senhoras depois de seus trabalhos diários. Tanto são os benefícios que os yoguins o chamam de - a fonte da energia vital” - Hermógenes, Autoperfeição com Hatha Yoga Paschimottanasana ainda é conhecido por energizar o manipura chakra, aumentando a autoconfiança e a energia. new RDStationForms(\'e-book-o-yoga-e-o-stress-ebbbd5c51665ef24833c-html\', \'UA-68279709-2\').createForm(); Alonga toda a parte posterior do corpo dos tornozelos até a cabeça. E além de tudo isso, é uma delícia! É uma postura revigorante e introspectiva. É espetacular o quanto você consegue se sentir relaxado apesar de todas as ações que ocorrem durante a execução.   Como executar:   Como toda prática física de yoga, é ideal estar com estômagos e intestinos vazios antes de entrar no asana. Programe-se para ao menos algumas horas de jejum. Inicie sentado em Dandasana, pernas esticadas à frente, dedos dos pés flexionados em direção ao seu abdômen. Ao inspirar, sinta o espaço criado entre as suas costelas e a sacro-ilíaca. Rotacione a bacia para trás, de maneira que o cóccix fique voltado para trás. Ao exalar, incline-se para frente a partir das articulações dos quadris, não da cintura, com objetivo de levar seu queixo até canela e deitar seu abdômen em suas coxas. O ventre inferior deve tocar primeiro as coxas, depois o ventre superior, depois as costelas e a cabeça por último. Leve os dedos indicadores e médios abraçando os dedões dos pés para paschimottanasana A, ou segure os pés para as demais versões. Segure firme para ajudar a intensificar a postura, mas não tensione seus ombros. Mantenha pescoço alongado e relaxado. A cada inspiração em paschimottanasana, alongue a sua coluna permitindo-se ir mais a frente. Exalando, tente deitar o rosto entre as canelas. Desta forma, o corpo alonga e flui na postura quase imperceptivelmente junto com a respiração. Talvez você consiga até mesmo esticar os braços além dos pés no chão e segurar seus punhos. Mantenha por no minimo 5 respirações. Para sair da postura, ao inspirar alongue a coluna mantendo o gancho feito com as mãos e esticando os braços. Exale ainda nesta parcial da postura e na próxima inspiração, retorne o corpo a dandasana.   Não deixe suas coxas rotacionarem para fora ou a sola de seus pés se fecharem uma em direção a outra. Mantenha as pernas ativas como se estivesse em pé no chão Não arredonde as costas, afastando o tronco das pernas. Isso criará tensão e inibirá sua respiração, o que pode prejudicar suas costas. Se você é iniciante e/ou necessita de adaptações, dobre os joelhos para manter a coluna alongada. Para maior conforto, coloque um cobertor enrolado ou um bolster abaixo dos joelhos. Outra variação é usar uma faixa passando pela sola dos pés para manter os joelhos esticados. Não se preocupe em tocar os pés. Ou em esticar os joelhos. Escute onde o asana quer te levar mas nunca sacrifique seu corpo para “fechar” uma postura. Com a prática, e o tempo necessário, seu corpo se tornará muito mais flexível. Evite paschimottanasana se tiver asma, diarreia ou estiver grávida. Em caso de lesões nas costas, procure orientação especializada. Eu gosto de paschimottanasana, eu gosto dos asanas fáceis. Daqueles que você sente seu corpo inteirinho entrando na postura. Que você pode relaxar e sentir a expansão a cada inspiração. Que você pode sentir com facilidade. E que se deixa levar à entrega e intensidade de cada exalação. Quando sua consciência percorre cada cantinho seu, e vem um conforto de estar na sua pele. Pratique sua presença onde quer que esteje. Não importa se é em um asana fácil ou na fila do pão.   Om Namah Shivaya  

YogIN App
Dicas de Yoga | 16 fev 2020 | Adri Borges

A maneira correta de ficar em pé

A maneira correta de ficar em pé “É portanto essencial dominar a arte de ficar em pé corretamente.” B.K.S Iyengar É necessário prestar atenção à maneira correta de ficar em pé. ⠀ Frequentemente colocamos o peso do corpo sobre os calcanhares ou nas bordas dos pés ou até mesmo deslocamos todo o peso do corpo para os dedos dos pés. ⠀ Isso pode ser notado observando como a sola e saltos dos sapatos se desgastam. ⠀ Devido a má distribuição do peso do corpo sobre os pés adquirimos deformidades particulares que prejudicam a elasticidade da coluna. Passamos muito tempo do dia com os pés presos em sapatos de salto e tênis. Perdemos a aderência da sola dos pés no solo assim como a flexibilidade da musculatura dos pés. ⠀ É importante sentir o contato dos seus dedos dos pés metatarsos e calcanhares no solo. Procure concentrar o peso do seu corpo em ambas partes de forma igual. Sentir o toque dos pés no solo é sentir a nossa relação com a realidade. ⠀⠀ Segundo Iyengar se ficamos em pé com o peso do corpo jogado somente sobre os calcanhares sentimos uma mudança no eixo de gravidade os quadris ficam soltos o abdômen fica protuberante o corpo se inclina para trás a coluna sente esforço e como consequência logo sentimos cansaço e a mente embotada. É portanto essencial dominar a arte de ficar em pé corretamente. Sente-se leveza no corpo e a mente adquire agilidade. Tadasana também denominada a postura da montanha é a postura básica de pé realizada nas práticas de Yoga. Esta postura consiste em permanecer em pé firme e ereto. Permancer em Tadasana além de atuar no âmbito físico atua também no energético equilibrando assim o Muladhara Chakra. O Muladhara Chakra é conhecido também como Chakra raíz ou de base. Muladhara é uma palavra sânscrita que significa “apoio da raiz”, mula significa raiz e adhara, suporte ou apoio. Este Chakra está localizado na base da coluna na região do períneo e está relacionado à sobrevivência. Desequilíbrios neste chakra são comuns em pessoas que não tiveram estabilidade na primeira infância. O sentimento de medo é portanto uma das características do desequilíbrio deste chakra. Medo de ser quem você é ou de mudanças pode estar relacionado a este desequilíbrio. new RDStationForms(\'newsletter-yogin-formulario-1c3fb174b015350a9cd5-html\', \'UA-68279709-2\').createForm(); Mas o que são Chakras? Chakras são centros de energia que se conectam com o corpo físico. São centros energéticos de captação, armazenamento e distribuição de energia vital (o prana) no corpo. Quando tocamos nossos pés corretamente no solo estabelecemos conexão com o elemento terra trabalhando assim nossa segurança e estabilidade. Além do âmbito físico e energético o Tadasana também atua no mental. Quando permanecemos estáveis em Tadasana a mente também ganha estabilidade. Em Tadasana mantemos o queixo paralelo ao solo e a verticalidade da coluna. Os ombros são projetados para trás e para baixo. Quando levamos nossos ombros para trás abrimos o peito aumentando assim nossa capacidade pulmonar. Quando respiramos melhor melhoramos nosso bem-estar nossa saúde e alteramos nosso padrão emocional. A qualidade da nossa respiração está intimamente ligada ao nosso padrão emocional Uma vez em Tadasana quando projetamos o peito a frente e os nossos ombros para trás incorporamos uma atitude corporal de confiança e estabilidade. Observe uma pessoa com ombros arqueados para frente. Uma das causas pode ser a falta de fortalecimento da musculatura da região das costas Por outro lado pode ser sinal de timidez medo de enfrentar as situações ou medo de se expôr ou simplesmente um mal hábito. Atualmente quantos de nós passamos longos períodos com o queixo projetado para baixo por conta do uso abusivo dos computadores e celulares. Com a projeção do queixo para baixo automaticamente arqueamos nossos ombros para frente desestabilizando nossa postura. Desta forma limitamos nosso ângulo de visão assim como reduzimos nossa mobilidade da região cervical. A má postura como esta descrita acima a longo prazo pode gerar padrões corporais e condicionamentos. Trabalhando a permanência em Tadasana através da consciência sobre seu próprio corpo é possível reconhecer esses padrões. Uma vez detectado podemos desconstruí-los. Se não tomamos consciência disso começamos a criar registros e marcas em nosso corpo. Ao permanecer em Tadasana procure afastar seus ombros das orelhas relaxando a região dos ombros onde acumulamos tensões do dia a dia. Muitas das tensões do dia a dia ficam registradas em nossa musculatura gerando dores e limitações de movimentos. Por isso que muitas vezes durante uma prática de yoga algumas pessoas choram pois passam por uma verdadeira catarse de emoções reprimidas uma vez que suas emoções estiveram impregnadas em sua musculatura. Quando relaxamos conseguimos agir sobre os músculos tensionados. Muitas vezes essas tensões estão associadas a acontecimentos passados ou emoções não resolvidas. Segundo Pierre Weil e Roland Tompakow em O Corpo Fala nosso corpo é antes de tudo um centro de informações para nós mesmos. É uma linguagem que não mente. Através de uma postura correta que começa desde o apoio correto dos pés no solo a energia circula melhor assim como o fluxo sanguíneo. A boa postura está relacionada aos aspectos físicos energéticos fisiológicos mentais e comportamentais. Através do corpo também enviamos mensagens. O corpo também é o nosso meio de comunicação. Ele manifesta posicionamentos internos e expressam sentimentos Quando nos comunicamos a maioria da comunicação não é explícita. A comunicação também pode estar implícita na sua atitude corporal. O corpo é uma linguagem não verbal silenciosa. Uma ferramenta poderosa para quem está em busca do auto-conhecimento.  Namastê.  

Filosofia do Yoga | 10 fev 2020 | Daniel De Nardi

A maior aula de Yoga do Mundo

A maior aula de Yoga do mundo A maior aula regular de Yoga do mundo . O vídeo mostra uma dessas aulas que acontecem em Red Rocks, no estado americano do Colorado. Esta aula que acontece apenas nos finais de semana e durante os meses de junho a agosto pode ser considerada a maior aula regular de Yoga do mundo. Veja mais informações no vídeo! Obrigado a Raissa de Souza Rossi pelas imagens ;)      

Meditação | 31 jan 2020 | Daniel De Nardi

Meditação, 3ª dica do YogIN App

Meditação, 3ª dica do YogIN App A Meditação é uma das técnicas que mais contribui para o aprimoramento do autoconhecimento. Essa aula faz parte da série PASSO A PASSO DO YOGIN na qual os alunos aprendem sobre os conceitos e como praticar os exercícios mais importantes do Yoga. https://vimeo.com/328025911/c30b714c33 Boa Meditação !

YogIN App
Dicas de Yoga | 6 jan 2020 | Fernanda Magalhães

Por Que o Ashtanga Yoga?

Por Que o Ashtanga Yoga? Começo o texto adiantando que cada um deve buscar seu caminho de autoconhecimento. Principalmente quando colocamos “auto” na frente do conhecimento, fica claro que cada caminho é individual.   Para mim, a prática de Ashtanga Yoga faz sentido principalmente pelo que não é visto nos vídeos do Youtube, muito mais do que a estética de uma sequência de asanas.   Para muitas pessoas, inclusive praticantes de outros métodos, entrar pela primeira vez em um Shala de Ashtanga Yoga pode ser uma experiência intrigante.   O método tradicional para o ensino do Ashtanga Yoga se chama Mysore, mesmo nome da cidade, localizada no sul da Índia, onde está o coração do Yoga disseminado por Shri Pattabhi Jois, o Ashtanga Yoga Instutute (KPJAYI).   “Ashtanga Yoga é um antigo sistema de Yoga que foi ensinado por Vamana Rishi no Yoga Korunta. Este texto foi transmitido a Sri T. Krishnamacharya no início de 1900 pelo seu Guru Rama Mohan Brahmachari, e mais tarde foi passado para Pattabhi Jois durante seus estudos com Krishnamacharya, iniciados em 1927.” - http://sharathjois.com/   Eu mesma me lembro da primeira vez em que entrei em uma sala para a prática de estilo Mysore, onde havia um silêncio rasgado pelo som da respiração dos praticantes em Ujjayi e cada pessoa suava em uma postura completamente diferente da outra. Era verão, então estava realmente quente e úmido, o professor sentado no chão, ao lado de um dos praticantes, falando baixinho. Olhares não se cruzavam, todos absorvidos pela própria prática. A única coisa em comum era o padrão de movimento repetido por todos. O professor notou minha chegada, se aproximou, fez algumas perguntas sobre a minha prática e me instruiu sobre o que fazer. Eu já havia feito algumas aulas guiadas de Ashtanga e tinha alguma noção da série, então prossegui. E toda vez que eu precisava de ajuda, ele estava lá, mas eu estava só. Apesar de amparada, eu estava só, ou melhor, estava comigo mesma pela primeira vez em muito tempo de prática.   Conheço muitos praticantes que não se esquecem de sua primeira aula de Ashtanga Yoga. Provoca um sentimento de estranheza, incomoda, te deixa meio inseguro e te faz olhar para dentro, apesar dos olhos estarem abertos durante toda a prática.   Um grande equívoco pode acontecer observando a prática de longe, que é acreditar que porque as pessoas utilizam a força física e suam, essa é uma prática primordialmente física. Há um perigo sim, e deve ser uma preocupação genuína, de não deixar a beleza e intensidade da prática estimularem o ego. O que pode acontecer em qualquer prática, em qualquer estilo, se o praticante não se conecta com a verdade e a essência do Yoga, que não está no externo, onde a aparência é importante, está dentro de si.   Reconheço o Ashtanga como uma prática muito íntima e pessoal, onde você se reconhece como único, mas não importante, somente parte de um grande conjunto. Ali você não “segue a manada”, mas está com seus iguais.   Você pode estar se perguntando como estou defendendo um método onde há séries fixas como prática a ser ajustada individualmente.   O fato é que, na verdade, o Ashtanga Yoga é uma semente que contém o conhecimento tradicional e é passada mantendo sua essência, mas adquirindo particularidades individuais.   Tradicionalmente, e foi desta forma que Pattabhi Jois recebeu os ensinamentos de Krishnamacharya, o Yoga era passado de mestre para discípulo individualmente. Não haviam turmas de yoga disponíveis e diversos estilos a escolher como atualmente. Existia o Yoga, baseado nos Sutras de Patanjali, que adquiriu características diferentes de cada praticante. Assim, cada discípulo e suas individualidades formavam um novo mestre.   Dr Ronald Steiner, fundador do método AYI, que une Ashtanga e Yogaterapia,  explicou muito bem isto que estou querendo transmitir com uma analogia sobre iogurtes em um de seus textos. Ele diz que o Ashtanga Yoga é como fermento de iogurte. Se um pouco de fermentação é adicionado ao leite, as bactérias do leite vão transformá-lo em iogurte. Não importa em que país o fermento é adicionado ao leite, o resultado será sempre o mesmo. Ainda assim, o iogurte sempre será um pouco diferente. O fermento permanece o mesmo, mas o leite muda. Da mesma forma, Ashtanga Yoga também sempre tem um sabor ligeiramente diferente, mas no final, permanece Ashtanga Yoga.   O mais importante é compreender o caminho proposto para seguir o seu próprio, mantendo o original, a semente, aquilo que vem sido preservado como essência.   O Ashtanga é, na verdade, quando compreendido, uma prática muito amorosa e acolhedora. Não há quem não possa praticar, existem variações exatamente para tal. Quando se trabalha em conjunto com uma variedade de público, o professor não pode levar o praticante a compreender os seus limites e ultrapassá-los enquanto todos executam em determinado tempo, as variações propostas de uma determinada postura. A série fixa te liberta de aguardar por uma guia constante e permite que você siga o ritmo da sua própria respiração, do seu corpo, sua mente e emoções - a sua prática.   É no momento de troca, mestre - discípulo, que as questões individuais são levadas em consideração e aqueles “aha!” acontecem com mais frequência.   As séries do ashtanga, como toda prática de asanas visa a preparação do seu corpo físico, onde aqui incluo sua mente, para o gerenciamento do prana, a sua energia vital. Não há como trabalhar com profundidade elementos sutis da sua natureza quando seu corpo físico chama atenção com dores e inflexibilidade. Sua mente não foi preparada para a concentração, para superar obstáculos e ser forte. Então a prática é sim, intensa, também fisicamente, para que sua mente, assim como o corpo, supere os limites estabelecidos previamente por condicionamentos adquiridos. new RDStationForms(\'e-book-as-origens-da-meditacao-e-do-yoga-84b39b698136958eda59-html\', \'UA-68279709-2\').createForm(); O que você descobre com alguns anos de prática e entrega ao método é que a intensidade maior da prática não é física. Não há mente forte que não saiba lidar com as próprias emoções.   É então quando essa desintoxicação feita através da prática, se torna completa, nos campos físico, emocional e energético.   E se você pretende seguir este caminho, tenho uma boa e uma má notícia para você… A boa é que você vai ficar mais forte, mas a má, é que antes vai doer.   É por isso que sempre digo aos meus alunos: Coragem!   OM NAMAH SHIVAYA    

YogIN App
Dicas de Yoga | 17 dez 2019 | Equipe YogIN App

A Ciência do Asana – CURSO

CURSO - A Ciência do Asana Entender como o corpo é estruturado e como ele funciona desde os mecanismos mais básicos até a execução e controle de padrões de movimentos altamente complexos é fundamental para a atuação com excelência do professor de Yoga na condução e orientação dos asanas. Este conhecimento por parte do professor garante a segurança da prática para o aluno. Ao contrário do que muitos pensam, o Yoga pode ser lesivo quando praticado de uma forma que não respeite os limites físicos e principalmente os limites de cada indivíduo. O objetivo deste curso é capacitar o professor de Yoga a compreender os conceitos básicos do corpo humano para uma execução segura e saudável dos asanas. CLIQUE AQUI e adquira esse curso agora mesmo! new RDStationForms(\'e-book-treinamento-yogin-de-respiracao-bdf2969b9eeaf2b1af79-html\', \'UA-68279709-2\').createForm();

YogIN App
Filosofia do Yoga | 10 jul 2019 | Equipe YogIN App

Minicurso de Aprofundamento na Sabedoria do Yoga

[Lançamento] Aula 1 - Minicurso de Aprofundamento na Sabedoria do Yoga *** Totalmente online e gratuito *** O YogIN App desenvolveu um material de primeira sobre a Sabedoria do Yoga pensando em você 😃! Hoje lançaremos a primeira aula e os inscritos receberão o acesso via e-mail! Ainda não está inscrito? Inscreva-se agora e GANHE o ebook 📚 \"COMO FUNCIONA A MEDITAÇÃO\" Quem assistir as 6 aulas do minicurso desbloquearemos 🔓 o VÍDEO SECRETO! E ainda faremos um ENCONTRO online ao vivo dia 28 de Julho para tirar dúvidas com o Professor Daniel de Nardi.   Veja abaixo o PROGRAMA do Minicurso:   [AULA 01] O que é a Meditação? [AULA 02] O que dizem as pesquisas recentes sobre os efeitos da Meditação? [AULA 03] Como o Yoga ajuda a meditar melhor? [AULA 04] Qual a relação das posturas do Yoga com a meditação? [AULA 05] Como o Yoga atua na redução da ansiedade? [AULA 06] Como é viver de Yoga?   Inscreva-se para o Minicurso clicando aqui   Namastê 🙏

YogIN App
Filosofia do Yoga | 28 maio 2019 | Equipe YogIN App

Curso Satsang – Autoconhecimento no Yoga

Curso Satsang - Autoconhecimento no Yoga SatSang é tradicionalmente uma conversa de investigação pessoal. Um bate papo sobre autoconhecimento e como a tradição em questão vê a saída do sofrimento. Neste curso, o professor Daniel De Nardi fala como o Yoga propõe essa saída e o que um praticante deve saber para chegar lá.     Clique no botão abaixo e adquira esse curso agora mesmo!