Blog

yogaonlineparainiciantes


Yoga e India
Dicas de Yoga | 4 maio 2021 | Cherrine Cardoso

A prática de yoga NÃO substitui outras práticas! – Yoga Falado #29

A prática de yoga NÃO substitui outras práticas!   Esta dúvida sempre surge quando as pessoas começam a praticar yoga. E por um tempo até eu achava que praticar yoga era o suficiente. Afinal, dentro de uma aula você tem trabalho de força, resistência, flexibilidade, respiratórios, relaxamento e até meditação, o que mais seria necessário, né? Pois é, mas o corpo precisa de um conjunto e da soma de várias coisas para ter resultados específicos. Por exemplo: se você quer ser um triatleta o yoga é uma ferramenta poderosa para te conduzir a sua meta, ou seja, terminar uma maratona. Por quê? Porque vai te dar estabilidade emocional para vencer os maiores desafios que encontrar com o treinamento intenso. Você é levado a limites e muitas vezes eles não são físicos. Numa modalidade como esta, o que muitas vezes impede o competidor de chegar ao fim é se conectar com as dores físicas de forma emocional e não dar os estímulos mentais positivos que precisa pra chegar ao fim e o yoga poderá auxiliar nesse processo. Mas não substitui nunca o treino de corrida, natação e pedalada, certo? Da mesma forma para aqueles que querem ter um corpo de halterofilista. O yoga não servirá para esta meta, porque mesmo fazendo muita repetição dos ásanas (posições físicas), você não vai conseguir fazer seu músculo crescer tanto quanto num treino de musculação. No entanto, se você praticar yoga junto aos treinos de hipertrofia chegará num bom resultado dos músculos, mantendo a flexibilidade articular, muscular e nervosa do seu corpo, algo que muitas pessoas que treinam musculação apenas para crescer, perdem!   Há também quem questione parar com suas sessões de terapia porque praticam yoga. Este é um outro erro comum, achar que o yoga poderá substituir profissionais especializados em tratamentos. Não, não vai. Ele poderá auxiliar em uma melhora? Sim! Praticando você será levado a percepções muito íntimas do que acontece com você e de quem você é.     Ouça também via:   A terapia te induz a isso? Dependendo do caso sim. Mas em casos de tratamentos por conta de situações mais sérias, seria um erro parar o acompanhamento médico só porque está praticando yoga ou se sentindo melhor com a prática. Até porque, o yoga te mostra aos poucos o que você tem de melhor, mas também o que você tem de pior. E algumas pessoas não sabem lidar bem com essas autopercepções. Quem pratica disciplinadamente poderá resolver isso progressivamente, mas se já está em tratamento, não pare logo de cara. Faça os dois! Se observe. Perceba o quão você está bem efetivamente (e principalmente, quando o seu médico virar para você e disser que poderá diminuir sessões ou até parar com elas) ou se de repente a terapia virou uma muleta, que com o tempo você pode abrir mão.   Outro erro comum é achar que porque você é um yogín (praticante de yoga) não precisa de médicos ou da medicina. Praticantes a médio e longo prazo naturalmente precisam menos de uso de medicação ou vão menos à médicos porque sua imunidade aumenta. O praticante está em observância do que come, de que hábitos são bons ou nocivos para seu corpo etc, e uma vez se sentindo bem e tendo menos tendência a ficar doente, obviamente precisará menos de consultas. No entanto, não significa que não sejam necessárias ou que quando você sentir algo acontecendo com seu corpo, deva negligenciar isso.   Justamente por estar mais consciente do que acontece com você da pele para dentro é que tem que ouvir o seu corpo e respeitá-lo, buscando auxílio sempre que necessário. Mas, naturalmente, você aprende mais como pode evitar o consumo exagerado de remédios para qualquer desconforto que sinta. Dores de cabeça, dores de barriga por consumo exagerado de algo que comeu, dores musculares, nariz entupido, enfim, uma série de pequenas coisas que por vezes sentimos e que automaticamente por hábito recorremos a um remedinho, pode ser evitado e você com algumas técnicas pode eliminar o desconforto. Isso tudo só acontece com tempo, com dedicação, com auto-estudo. Portanto, voltando ao título de hoje: yoga não substitui efetivamente nada, ele é um complementar e te auxilia a ser melhor, a estar melhor, a se sentir bem e a ter resultados melhores em outras práticas físicas e no desenvolvimento de suas reais habilidades como ser humano. Por si só já é incrível, combinado com outras coisas então, imagina, é maravilhoso!!    

yoga e paternidade
Filosofia do Yoga | 5 maio 2021 | Willy Bugner

Yoga e a paternidade

A importância da paternidade Sempre busquei uma vida saudável e algo equilibrada, mas induzido pelo senso comum e pela vaidade pessoal, entendia que a prática de exercícios significava ir à academia e “ ficar forte”. Como a maioria, eu estava absolutamente desconectado da minha saúde mental e emocional. Com a notícia da gravidez de minha esposa e o título de pai batendo à minha porta, minha vida se transformou. Olhei para dentro de mim e vi pouca coisa, pois nunca tinha nenhuma auto-análise. Algo precisava ser feito. Meu objetivo passou a ser o aumento da qualidade e expectativa de vida. Comecei a meditar, abandonei a academia e procurei um estúdio de yoga. Ao final de cada meditação, sentia minha mente renovada. Ao final de cada prática de yoga, sentia meu corpo renovado. Com o nascimento do meu filho e aumento das responsabilidades domésticas, abandonei o estúdio e procurei uma resposta on-line. Encontrei o YoginApp e reencontrei a mim mesmo. Intensifiquei as aulas, a meditação, a dedicação e acabei me tornando, com muito orgulho, um professor de yoga. Enfim, depois desse longo intróito, qual a relação entre o yoga e a paternidade? É simples, o yoga te faz um pai melhor. Por primeiro, os yomas e nyamas te fazem uma pessoa melhor. Conforme o ditado castrense, as palavras convencem, mas o exemplo arrasta. Segundo, os asanas te dão flexibilidade, não apenas físicas, mas emocional e mental. Te ensina a ser flexível com a sua agenda, horários, compromissos, ou seja, com a própria vida. Terceiro, os pranayamas te dão vitalidade e ensinam que respirar é preciso. Quarto, o pratyahara te mostra como esquecer o celular, o trabalho, o sono e se concentrar apenas no objeto principal, seu filho. E, por fim, a meditação - samyama (dharana, dhyana e samadhi), te ensina a ter paciência, calma, aproveitar o momento e esquecer as dificuldades passageiras, como sono, sujeira, falta de tempo pessoal e percalços da paternidade. Hoje tenho não um, mas um casal de filhos que são alegria da minha vida. E ambos adoram subir no yoga mat, brincar como props e dormir ouvindo mantra. new RDStationForms(\'newsletter-yogin-formulario-1c3fb174b015350a9cd5-html\', \'UA-68279709-2\').createForm();

gesto da paz
Dicas de Yoga | 7 maio 2021 | Fernanda Magalhães

O Gesto da Paz

O Gesto da Paz O gesto (Mudra) mais conhecido no mundo o Yoga também é um gesto muito conhecido mundialmente. Unir as palmas em frente ao corpo, remete a imagem de uma pessoa em oração, mas o anjali mudra, na verdade é um gesto de saudação. Em sânscrito, mudra significa gesto, selo, senha ou chave. Provém da raiz mud, alegrar-se, gostar, e refere-se não apenas a gestos sagrados de mão, mas também a posições do corpo inteiro que provocam um certo estado interior ou simbolizam um significado particular para o Yoga. Anjali mudra é apenas um dos milhares de tipos de mudras que são usados ​​em rituais hindus, dança clássica e yoga. Añjali significa saudar, elevar, invocar, trazer, cultivar. Transmite sentimentos positivos, cordialidade e boas intenções. new RDStationForms(\'e-book-yamas-e-niyamas-1f965e8db29fe9c4625b-html\', \'UA-68279709-2\').createForm();   Na Índia, este gesto equivale ao nosso aperto de mãos. Quando você coloca as mãos na frente do coração, conecta poderosamente os lados esquerdo e direito do cérebro unindo seu feminino e masculino. Descansar as mãos no centro do peito alinhado ao chakra cardíaco, reforça a conexão coração-mão, manifestando gratidão, amor e paz. Este gesto pode dirigir-se à deidade quando as mãos estão unidas sobre a cabeça; ao mestre, com as mãos frente à testa ou a saudação entre as pessoas, com as palmas frente ao peito. Ao executar este mudra, não provoque tensão nas mãos ou punhos gerando pressão entre as palmas. Conecte especialmente as pontas dos dedos e as bordas das mãos permitindo um espaço no centro das palmas, como uma flor que irá se abrir pelos seus dedos, podendo transformar o anjali mudra em um lotus mudra. Encoste os dedões no esterno e sinta a conexão com seu coração. O Anjali Mudra conecta o praticante com a espiritualidade e promove o respeito por si mesmo e pelos outros. Não importa a quem você está saudando, sempre coloque o coração na sua intenção. Hari Om  

1 5 6 7