Blog

yogaonlineparainiciantes


YogIN App
Dicas de Yoga | 26 fev 2020 | Fernanda Magalhães

Paschimottanasana

Paschimottanasana Talvez você esteja se perguntando o porquê de um texto sobre uma postura tão simples. É que eu gosto das posturas simples. É muito fácil para o nosso ego se sentir estimulado a entrar em um asana difícil, ou tentar. Lutar pelo desfiador é estimulante, é o que nos move. E não me leve a mal, não é errado. Somos humanos, sem o desejo, não nos movemos, ficamos estagnados. Mas o que acontece quando praticamos focados no ego, é que as posturas ganham valores diferentes, quando, na verdade, o exercício mais importante da prática é a presença. E presença é SER, em todas as posturas com o mesmo empenho. Se você já praticou Yoga alguma vez na vida, é bem provável que você já tenha executado um paschimottanasana. Uma das mais tradicionais posturas do Hatha Yoga, descrita no Hatha Yoga Pradipika, o texto sagrado escrito há mais de 500 anos atrás, é também uma postura muito popular.  Por ser classificada como de fácil execução, aparece com frequência nas sequências de asanas sentados. Mas não se engane pela aparente simplicidade do movimento, há muito trabalho envolvido neste alongamento posterior intenso… Paschima - Oeste, considerando a parte traseira do corpo quando se é praticado conforme a tradição, voltado ao nascer do sol (leste). Uttana - Alongamento Intenso. Asana - Postura Sânscrito: पश्चिमोत्तानासन;   PASCHIMOTTANASANA   Segundo Lino Miele, no Astanga Yoga, o controle de mulabandha e uddiyanabandha durante a execução, permite que o ar estimule Sushumna Nadi. A inalação e exalação ativam o fogo digestivo (agni) ajudando a purificar os órgãos.   Paschimottanasana A, B, C e D por John Scott - Astanga Yoga, Lino Miele Sushumna Nadi é o canal mais importante do nosso corpo energético por onde passa a energia mais preciosa para a prática de Yoga, a Kundalini. Sushumna segue pelo eixo da coluna vertebral até a extremidade da cabeça. “É considerável seu efeito (de paschimottanasana) sobre baço e rins, Vitalizando os centros nervosos lombares e sacros, beneficia todos os órgãos por eles inervados (sexuais, bexiga, próstata e reto). É de excepcional eficácia contra os distúrbios do estômago, onde estimula a produção de suco gástrico. Normaliza fígado, rins e intestinos, varrendo deles o catarro, curando também a prisão de ventre. Para melhor efeito contra hemorroidas, pode-se associar a este abençoado asana o que os yoguins chamam de aswini-mudra - contrair e descontrair o esfíncter. É especificamente indicado para vencer a dilatação do baço e fígado. Controla e estabiliza o diabete e polução noturna. Vence insuficiência hepática e restaura o apetite. Tem sido constatada, por médicos de institutos da India, a cura do lumbago cronico e das dores ciáticas. Incomparável para rejuvenescimento e emagrecimento. É indicado para restaurar a força das senhoras depois de seus trabalhos diários. Tanto são os benefícios que os yoguins o chamam de - a fonte da energia vital” - Hermógenes, Autoperfeição com Hatha Yoga Paschimottanasana ainda é conhecido por energizar o manipura chakra, aumentando a autoconfiança e a energia. new RDStationForms(\'e-book-o-yoga-e-o-stress-ebbbd5c51665ef24833c-html\', \'UA-68279709-2\').createForm(); Alonga toda a parte posterior do corpo dos tornozelos até a cabeça. E além de tudo isso, é uma delícia! É uma postura revigorante e introspectiva. É espetacular o quanto você consegue se sentir relaxado apesar de todas as ações que ocorrem durante a execução.   Como executar:   Como toda prática física de yoga, é ideal estar com estômagos e intestinos vazios antes de entrar no asana. Programe-se para ao menos algumas horas de jejum. Inicie sentado em Dandasana, pernas esticadas à frente, dedos dos pés flexionados em direção ao seu abdômen. Ao inspirar, sinta o espaço criado entre as suas costelas e a sacro-ilíaca. Rotacione a bacia para trás, de maneira que o cóccix fique voltado para trás. Ao exalar, incline-se para frente a partir das articulações dos quadris, não da cintura, com objetivo de levar seu queixo até canela e deitar seu abdômen em suas coxas. O ventre inferior deve tocar primeiro as coxas, depois o ventre superior, depois as costelas e a cabeça por último. Leve os dedos indicadores e médios abraçando os dedões dos pés para paschimottanasana A, ou segure os pés para as demais versões. Segure firme para ajudar a intensificar a postura, mas não tensione seus ombros. Mantenha pescoço alongado e relaxado. A cada inspiração em paschimottanasana, alongue a sua coluna permitindo-se ir mais a frente. Exalando, tente deitar o rosto entre as canelas. Desta forma, o corpo alonga e flui na postura quase imperceptivelmente junto com a respiração. Talvez você consiga até mesmo esticar os braços além dos pés no chão e segurar seus punhos. Mantenha por no minimo 5 respirações. Para sair da postura, ao inspirar alongue a coluna mantendo o gancho feito com as mãos e esticando os braços. Exale ainda nesta parcial da postura e na próxima inspiração, retorne o corpo a dandasana.   Não deixe suas coxas rotacionarem para fora ou a sola de seus pés se fecharem uma em direção a outra. Mantenha as pernas ativas como se estivesse em pé no chão Não arredonde as costas, afastando o tronco das pernas. Isso criará tensão e inibirá sua respiração, o que pode prejudicar suas costas. Se você é iniciante e/ou necessita de adaptações, dobre os joelhos para manter a coluna alongada. Para maior conforto, coloque um cobertor enrolado ou um bolster abaixo dos joelhos. Outra variação é usar uma faixa passando pela sola dos pés para manter os joelhos esticados. Não se preocupe em tocar os pés. Ou em esticar os joelhos. Escute onde o asana quer te levar mas nunca sacrifique seu corpo para “fechar” uma postura. Com a prática, e o tempo necessário, seu corpo se tornará muito mais flexível. Evite paschimottanasana se tiver asma, diarreia ou estiver grávida. Em caso de lesões nas costas, procure orientação especializada. Eu gosto de paschimottanasana, eu gosto dos asanas fáceis. Daqueles que você sente seu corpo inteirinho entrando na postura. Que você pode relaxar e sentir a expansão a cada inspiração. Que você pode sentir com facilidade. E que se deixa levar à entrega e intensidade de cada exalação. Quando sua consciência percorre cada cantinho seu, e vem um conforto de estar na sua pele. Pratique sua presença onde quer que esteje. Não importa se é em um asana fácil ou na fila do pão.   Om Namah Shivaya  

YogIN App
Filosofia do Yoga | 27 abr 2020 | Lucas De Nardi

O Yoga jamais o abandona

O Yoga está sempre presente. No ano passado, enquanto buscava um aplicativo sobre treinamento físico, cheguei ao Freeletics. Ele prometia deixar-me em forma, dar-me mais força e resistência com um treinamento que utilizava-se apenas - e isso foi o que mais me atraiu - o peso do meu corpo. Eu me tornaria um atleta livre, daí o nome do app. Achei a proposta interessante e os exercícios desafiadores. Baixei, fiz duas semanas de teste e acabei deixando o treinamento funcional de lado para dedicar-me apenas ao aplicativo por algum tempo. É claro que o início foi penoso, especialmente porque você mesmo define quando irá treinar. Não há compromisso com mais ninguém além de você. E isso exige uma disciplina e uma força de vontade enormes. Foi então que me dei conta que uma das coisas que mais me cativou na prática do Yoga foi justamente isso, sua capacidade de dar ao praticante autossuficiência e a necessidade de quase nada para ser praticado, apenas um corpo, uma vontade e o chão. Nem mesmo o silêncio é essencial, dias atrás fiz meu sádhana praticamente ao lado de um show de reggaeton. Lembro-me que alguns meses depois de começar a praticar Yoga, mudei-me para Ibiraquera, perseguindo o sonho de tornar-me surfista. Lá não havia uma escola, nem professores, muito menos colegas de prática. Mesmo assim, o Yoga foi comigo e eu o praticava pelo menos três vezes por semana. Depois que comecei a lecionar, mudei-me para São Paulo. Tinha turmas bem cedo e passava algumas horas da manhã sozinho na escola. O surf tinha me deixado, já que na capital paulista não poderia praticá-lo, mas o Yôga acompanhou-me diariamente em minhas horas de solidão matinal. O Yoga nunca o abandona. Isso porque a partir do momento que você o aprende, ele estará sempre dentro de si, fará parte da sua visão de mundo, pois em algum momento de sua história, ele o fez olhar para dentro e conhecer-se melhor. O Yoga estará sempre aí, acessível e disposto a fazê-lo evoluir. Porque o Yoga só existe quando você o pratica. E somente você pode fazer isso para si. Ninguém o fará. Mesmo dentro de uma classe, o professor o ensina a praticar, ele lhe transmite as técnicas, mas jamais poderá fazê-las por você. Nunca poderá insuflar em seu corpo a evolução que esta filosofia produz. E mesmo que você conheça pouco, mesmo que tenha esquecido de uma parte, mesmo se achava que não era bom o suficiente ou que nunca atingiu os resultados almejados ainda assim o Yoga não o abandona. Porque ele pode ser praticado de maneiras muito simples. Ele pode estar presente no momento que você se determina a manter o foco para realizar uma tarefa exigente da sua rotina, naquele mantra que você se esforça por lembrar e lhe traz um contentamento espontâneo enquanto esta preso num trânsito caótico, numa atenção plena que você escolheu viver ao conversar com um amigo, em uma invertida que você fez depois de um dia inteiro em pé a produzir algo, no momento em que você decidiu parar de pensar um pouco para clarear as ideias, num dia que você resolveu expressar gratidão aos que lhe fazem bem, quando manteve a consciência no corpo enquanto praticava seu esporte favorito ou quando fez aquela série bem simples de alongamento ao final de um dia de trabalho extenuante. Existem atividades que cessam quando não temos os elementos essenciais para sua execução, tal como tentar surfar sem ondas, jogar tênis sem quadra ou andar de skate sem asfalto. Mas o Yoga não exige nada, apenas seu corpo, sua vontade e o chão, quase como o aplicativo que passei a usar para me exercitar. Portanto, não é por falta de tempo ou vontade que você deixou o Yoga, é uma questão de escolha. Basta escolher vivenciá-lo que ele estará disponível, mesmo que de maneira muito singela. E quanto mais você o pratica, mais gana terá de conhecê-lo e conhecer-se melhor. E ele estará sempre ali, pronto para a próxima prática. Pois o Yoga jamais o abandona.    

Dicas de Yoga | 7 maio 2020 | Equipe YogIN App

Como Fazer Bakasana, a postura da garça

Como a postura da garça! O bakasana é uma das posturas mais estéticas do Yoga. É uma postura que treina diferentes habilidades no yogin, entre elas concentração, equilíbrio e força. Aproveite essa aula que além de ensinar tecnicamente a postura dá dicas de treinamento para aperfeiçoamento da execução. Fique de olho nos próximos episódios da série COMO FAZER e deixe nos comentários quais posturas você gostaria de treinar mais? Boa prática !   https://youtu.be/vPvKuiCHdlc   Saiba mais sobre as posturas do Yoga, os Asanas. Baixe gratuitamente o new RDStationForms(\'ebook-asana-posturas-do-yoga-20927af5b3e8c03b81b9\', \'UA-68279709-2\').createForm();

Dicas de Yoga | 27 maio 2020 | Daniel De Nardi

Como Fazer – Bhujangasana, a postura da Cobra

Como Fazer Bhujangasana Conhecida como postura da cobra, o bhujangasana é um dos asanas mais importantes do Yoga. Uma excelente compensação de posturas como o paschmottanasana e adho mukha. A professora Fernanda Degilio explica como executar perfeitamente essa postura no vídeo abaixo. Confira:   new RDStationForms(\'e-book-as-origens-da-meditacao-e-do-yoga-84b39b698136958eda59-html\', \'UA-68279709-2\').createForm();      

YogIN App
Dicas de Yoga | 1 jun 2020 | Fernanda Magalhães

Para Tirar o Peso dos Ombros – Relaxando o Pescoço

Para Tirar o Peso dos Ombros - Relaxando o Pescoço   Nosso pescoço é uma parte importante e delicada do nosso corpo. Além de suportar o peso da cabeça em sua delicada estrutura, recebe toda carga de tensão emocional do dia a dia. Passar horas em frente a computadores e smartphones, padrões de movimentos repetitivos e estresse, podem fazer com que os músculos e ligamentos do pescoço se encurtem e se contraiam. Apesar de mais comum em pessoas que utilizam o computador por muitas horas, a dor no pescoço afeta muitas pessoas. Alongar a musculatura, promover relaxamento e fortalecer a área é a solução para prevenir maiores problemas. A prática de asanas ajuda a recuperar a forma perdida da coluna pela má postura. Algumas posturas também são excelentes para reduzir a rigidez e a tensão nos músculos ao redor da coluna cervical.  Se você é daqueles que fica logo com os ombros e pescoço rígidos nos momentos de estresse, dá uma olhada nessa uma seleção de asanas para descarregar a tensão: Comece sentando confortavelmente. Lembre-se de manter a coluna ereta, e se for preciso, apoie o quadril em uma almofada ou bloco. Comece a elevar o queixo em direção ao teto durante a sua inspiração. O movimento é lento e sincronizado. Suave o suficiente para não comprimir a cervical deixando o peso da cabeça solto para trás. Na exalação, desça o queixo em direção ao peito. Não é necessário encostar, mas vá até onde sua exalação e alongamento permitirem. Repita 6 vezes e retorne o queixo paralelo ao chão.   Agora inicie o movimento para os lados. Exalando, leve o queixo para a direita, tentando alinhar com o ombro direito. Inspirando, retorne ao centro para na próxima exalação, direcionar o rosto para o lado esquerdo. Repita 3 vezes para cada lado.   Com o rosto de volta ao centro, eleve os braços sem suspender os ombros e entrelace os dedos das mãos. Gire as palmas para o teto e exale descendo as mãos com os braços esticados, até que os braços fiquem paralelos ao chão. A coluna curva como se seu umbigo fosse colar nas costas, as escápulas se afastam ganhando curvatura no peito, a cabeça desce alinhada com os braços e o pescoço relaxa. Mantenha por cinco respirações e suba novamente. Gire novamente a palma das mãos para baixo ainda com os dedos entrelaçados e leve-as até a nuca, dobrando os cotovelos. Exale deixando o peso dos braços contribuírem na descida do rosto em direção ao chão. Neste movimento, ao contrário do anterior, a coluna permanece ereta, isolando o alongamento na cervical. Respire e permaneça 8 respirações. Inspire elevando o queixo paralelo ao chão novamente. Solte o entrelace dos dedos e leve as mãos relaxadas sobre os joelhos.   Entre em quatro apoios. Certifique-se que seus punhos se localizam alinhados com seus ombros e joelhos alinhados com o quadril. Faça o movimento gato-vaca arredondando a coluna para frente na inspiração e para trás na exalação. Não comprima a cervical na inspiração e mantenha os ombros afastados das orelhas empurrando o chão com as mãos. Repita 6 vezes, retorne a neutralidade da coluna e repouse em balasana, levando o quadril em direção aos calcanhares.   Se para relaxar em balasana você precisa de um apoio para sentar-se (se seu quadril está muito longe dos calcanhares) use um bloco entre os pés ou um rolo. Agora prepare-se para uma torção suave elevando o tronco um pouco do chão e passando o braço direito abaixo da axila esquerda. Deite seu braço direito completamente no chão deixando a palma da mão para cima, encoste a lateral da cabeça no chão. Leve a palma da mão esquerda sobre a direita e exalando eleve a mão esquerda empurrando o dorso da mão direita contra o chão. Direcione suavemente seu olhar para o dedão da mão esquerda. Permaneça 5 respirações.   Exale descendo a mão esquerda sobre a direita, leve a mão ao chão e empurre para trocar de lado.     Deite-se de barriga para baixo para entrar em bhujangasana (postura da cobra). Mãos abaixo dos ombros, inspire elevando o tronco e esticando o máximo possível os braços. Mantenha os ombros afastados das orelhas, as pernas ativas e a lombar firme. Mantenha cinco respirações. Exale descendo novamente o corpo ao chão, empurre o chão com as mãos e eleve o quadril entrando em adho mukha svanasana (a postura do cachorro olhando para baixo). Vá caminhando com as mãos em direção aos pés. Se for preciso, dobre os joelhos.    Faça algumas respirações relaxando o pescoço. Deixe a cabeça pesar em direção ao chão. Segure o cotovelo com a mão do braço oposto. Faça balanços suaves para um lado e outro. Pare no centro e solte ainda mais a cervical com movimentos como se estivesse dizendo sim (frente e trás) e depois como se estivesse dizendo não (um lado e outro).  Solte novamente as mãos no chão e comece a desenrolar vértebra por vértebra de baixo para cima enquanto sobre o tronco. Cervical desenrola por ultimo. Mantendo a postura com os pés afastados na largura do quadril, coluna ereta , queixo paralelo ao chão, faça giro de ombros partindo das escápulas, para frente e depois para trás. Três vezes girando os ombros para frente e afastando as escápulas e três vezes girando para trás e juntando as escápulas.   Relaxe os ombros e inicie o movimento de enrolar a coluna para descer novamente a cabeça em direção ao chão. Agora o movimento de mergulho é iniciado pela cervical levando o queixo em direção ao peito. Leve as mão ao chão e retorne a adho mukha svanasana caminhando com as mãos no chão. Leve os joelho no chão, sente-se nos calcanhares e deixe o peso do quadril deslizar para o lado esquerdo. Estique as pernas no chão e deite-se.  Inspirando eleve o joelho direito e segure-o com a mão esquerda. Exalando puxe o joelho em direção ao chão. Deite o braço direito no chão na linha dos ombros e olhe em direção a sua mão direita. Respire 10 vezes deixando o joelho pesar mais a cada exalação. Tente manter o ombro direito no chão.   Inspire retornando o joelho direito ao alto, solte a perna e desça ao chão exalando. Repita tudo com a perna esquerda. Agora, o momento mais importante, relaxar. Entre me savasana afastando os pés mais distantes que a largura do quadril. Deixe os braços repousarem afastados do tronco com as palmas das mãos para cima, feche os olhos e solte o maxilar deixando os lábios superior e inferior levemente afastados. Faça algumas respirações profundas exalando pela boca e entregue o corpo ao chão por, no mínimo 7 minutos. De nada adianta alongar a musculatura se não formos capazes de relaxar as tensões acumuladas na área. O pescoço e os ombros guardam todos os prazos apertados, cobranças e exigências da vida em sociedade. Incluir técnicas de respiração profunda e estabilidade emocional, é ideal para minimizar qualquer tensão sobre esta região.   Aproveite seu savasana. Namaste!   new RDStationForms(\'newsletter-yogin-formulario-1c3fb174b015350a9cd5-html\', \'UA-68279709-2\').createForm();

o nome sirshasana - Sirsasana
Dicas de Yoga | 1 jul 2020 | Fernanda Magalhães

Criando uma base para seu Sirsasana

Sirsasana: montando sua invertida sobre a cabeça! Sirsasana, considerado o Rei dos asanas, também é o queridinho dos aspirantes a Yogin. Não importa se você pertence ao grupo daqueles que tem medo da postura ou daqueles que desejam muito a invertida, o momento da prática onde o professor sugere o Sirsasana em uma turma com pouca experiência na postura é carregado de tensão. A experiência de inverter te tira do padrão conhecido pelo seu corpo e mente e é preciso entregar o controle para vivenciá-la integralmente. Naturalmente a grande maioria expressa medo a princípio, portanto, este é o primeiro desafio a ser vencido. “A melhor maneira de superar o medo é encarar com equanimidade a situação da qual temos receio.” B.K.S. Iyengar Conheço uma tática muito boa que tem funcionado com meus alunos para a liberação do controle e, consequentemente, do medo: cambalhotas! Sim, aquelas que você não se lembra mais como faz, pois parou na infância. Os principais medos da inversão são a queda e a fragilidade da cervical. A maneira mais suave de cair em Sirsasana é a cambalhota, curvando a coluna e suavizando o impacto. Então, etapa 1 na conquista da sua invertida: estenda um colchonete e dê algumas cambalhotas! Passada a questão do medo, trataremos da proteção da cervical, ativando a musculatura necessária para a sustentação da postura. Com o corpo completamente invertido, é necessário possuir um core estruturado antes de se aventurar neste asana. O peso do corpo deve ser mantido nos antebraços e não na cabeça, liberando a cervical de compressões desnecessárias e perigosas. Este fortalecimento é feito com a prática constante de diversos asanas, com ênfase no apoio de braços e na ativação da musculatura da parte superior do tronco, mas podemos também trabalhar com movimentos ativos que auxiliam na compreensão dessa ativação. new RDStationForms(\'ebook-stress-b13b1734210d84c18a6a-html\', \'UA-68279709-2\').createForm(); Algumas contra indicações para a postura e consequentemente para alguns dos exercícios preparatórios são: lesão na coluna dor de cabeça doenças do coração pressão alta menstruação gravidez: somente se já havia prática da postura antes da gravidez e sugere-se realizar a postura com apoio de uma parede durante a gestação. Se você nunca experimentou o Sirsasana, busque acompanhamento de um professor para iniciar sua jornada. Para você que vem conquistando a tão sonhada invertida aos poucos, divirta-se: Kumbhakasana (prancha) Sobre o apoio das mãos e pés, alinhe seu corpo e não deixe o quadril descer provocando uma curvatura na lombar. Distribua bem o peso nas suas mãos ativando também os dedos como se segurasse o chão. Então afaste as escápulas e empurre mais o chão ativando toda musculatura do core como se fosse levar seu umbigo ao teto. Se sentir que a sustentação está sacrificando sua respiração ou se ainda não possuir a força necessária, apoie os joelho no chão realizando uma variação mais suave. Repita o movimento algumas vezes e sustente por 10 respirações. Outra variação, mais avançada, é realizar o mesmo exercício com os cotovelos no chão como a terceira foto abaixo: Navasana Uma das minhas posturas preferidas é uma das mais polêmicas, há quem ame e quem odeie, sem meio termo… Mas há navasana para todos os níveis de fortalecimento de core. Abaixo começamos do mais simples ao mais avançado, da esquerda para a direita. O ponto principal em Navasana é manter os ombros abertos e o tronco longo e sem curvatura. As coxas querem encontrar o baixo ventre, braços paralelos ao chão na altura dos joelhos, mãos com as palmas voltadas uma para a outra. Faça 3 sequências de permanência com 5 respirações cada. Golfinho Partindo de Adho Mukha Svanasana (famoso cachorro olhando para baixo) leve os cotovelos no chão na largura de seus ombros e entrelace as mãos. Mantenha a coluna longa, o baixo ventre sugado, as pernas ativas e o peso nos antebraços, eleve os calcanhares e tente levar seu queixo o mais próximo possível das mãos e retorne a postura inicial. De 3 a 6 repetições só para começar! Preparando a subida: Faço parte daqueles que defendem a subida em Sirsasana somente quando o posicionamento do quadril está estável no ar, sem saltos, e não indicam o auxílio da parede no início. O importante neste método é encontrar a estabilidade da postura pelo correto posicionamento do quadril, para então subir as pernas juntas trabalhando o equilíbrio. Conforme as fotos abaixo, inicie o movimento partindo do golfinho. Coloque o topo da cabeça no chão encostando a cabeça suavemente nas mãos. Leve os pés cada vez mais próximos aos cotovelos. Se você ainda não está com a musculatura posterior da coxa bem alongada, dobre os joelhos quando sentir necessário, mas desta forma, dependendo de suas proporções corporais, pode ficar mais difícil. Você precisa caminhar até que o peso do seu corpo seja transferido dos pés para os antebraços, mas é necessário que neste momento toda musculatura do core esteja ativa e o apoio dos antebraços no chão bem firmes. Naturalmente, com menos peso nos pés, pode-se então dobrar uma perna e iniciar a busca do equilíbrio do seu quadril no ar. Quando sentir segurança, tire também o outro pé do chão e sustente por 5 respirações.   Agora sim você está pronto para subir em Sirsasana com os pés juntos! Lembre-se sempre de compensar a invertida com algumas respirações em Balasana. ASSISTA O VÍDEO DE COMO FAZER A INVERTIDA SOBRE A CABEÇA https://youtu.be/sNvROeMMaOQ Antes de iniciar a preparação para sua invertida sobre a cabeça, compreenda que o Yoga e, qualquer uma de suas ferramentas, exigem um comprometimento duradouro e constante para funcionar. A prática é sempre um trabalho em construção, sem data de entrega. Portanto, tenha paciência e persistência que cada postura chega para você no seu devido tempo. Boa prática! Quer saber mais sobre a Invertida sobre a Cabeça? Clique na imagem abaixo e veja como montar a postura de invertida sobre a cabeça https://yoginapp.com/como-fazer-sirshasana-invertida-sobre-a-cabeca/

yoga quanto tempo - Padmasana
Dicas de Yoga | 5 jul 2020 | Equipe YogIN App

Quanto tempo o yoga demora para “fazer efeito”?

Yoga: quanto tempo os efeitos aparecem. A grande maioria das pessoas começa a praticar yoga por recomendação médica ou por iniciativa própria para resolver algum incômodo. Seja por um problema de coluna, auxílio na recuperação de uma lesão, insônia, ansiedade, depressão. Essas pessoas tem um interesse imediato em saber se a prática de Yoga em quanto tempo resolverá seu problema.. A verdade é que muitos chegam aos estúdios com um objetivo definido, o que, como tudo na vida, tem um lado bom e um lado ruim. Ao mesmo tempo em que essa definição estimula o praticante a persistir nas aulas, ela também gera uma ansiedade. SE PREFERIR, PODE OUVIR ESSE TEXTO CLICANDO NA IMAGEM ABAIXO   Ouça também via:   A imagem estereotipada dos professores e praticantes avançados começa a tomar conta do imaginário, e o recém-chegado nessa longa jornada yogin se deixa levar pelo fim. O aluno com hérnia de disco fica rezando pelo dia em que ele vai poder executar ustrasana (postura do camelo) completamente; aquele que está se recuperando de uma lesão no pulso sonha em tirar uma foto em bakasana (postura do corvo); o insone fica horas acordado pensando em quando terá uma noite de descanso tranquila e reparadora; e o ansioso desenvolve mais uma ansiedade para se livrar da ânsia diária. Não se pode culpar ninguém por esses comportamentos, o estilo de vida atual exige resultados, e eles precisam ser rápidos, pois “tempo é dinheiro”. Isso acaba fazendo o aluno esquecer que o mais importante no yoga é o caminho percorrido e o que se aprende nele. Não é à toa que esta frase, de autor desconhecido, se popularizou na internet: “Yoga is not about touching your toes, it’s about what you learn on the way down.” / “Yoga não é apenas tocar os dedos dos pés, e sim o que você aprende no caminho até eles.” (tradução livre). Todos sabem claramente porquê iniciaram a prática de yoga, mas, quando esse motivo deixa de ser buscado cegamente, a razão pela qual se continua a desenrolar o tapete semana a semana pode ser completamente outra. Durante uma aula, os inúmeros asanas promovem grandes movimentações de prana (energia) no organismo, trabalham vários chakras (círculos de energia espalhados pelo corpo) e até nos coloca em posições nunca antes experimentadas. Todos esses elementos acabam trazendo à tona diversas emoções e nos levam a iniciar uma reflexão profunda sobre pensamentos e ações. Ao conhecer o yoga além dos asanas (yamas, niyamas, pranayamas, prathyahara, dharana, dhyana, samadhi) cada novidade diária já se torna um objetivo alcançado, sem ao menos tê-lo traçado.   Baixe o Ebook - As Origens da Meditação e do Yoga   Se meu corpo não permite ustrasana, eu aprendo a me ouvir, busco os benefícios da gomukasana (postura da cara de vaca) e até me surpreendo com o que o paschimottanasana (postura da pinça) me faz sentir. Se o pulso me impede de postar uma foto em bakasana, eu começo a diminuir meu ego e vaidade e sinto o contentamento em janushirshasana. Se eu perco o sono em sua busca, me lembro dos exercícios de respiração para acalmar a mente e, além dele, muitas coisas novas vêm. Se eu não vejo a hora de ser menos ansioso, me convido diariamente à meditação para me tornar um observador de mim mesmo e entender a razão pela qual a ansiedade me domina. E então? A preocupação ainda é quanto tempo o yoga demora para fazer efeito? Os efeitos começam na primeira aula e não terminam nunca, é só ter a serenidade de aproveitá-los, assim com o professor Hermógenes traduziu perfeitamente em seu mantra “entrego, confio, aceito e agradeço.”   Pratique Yoga Online quando quiser e Onde Estiver O mais importante é praticar, a hora que der. Nem que sejam nossas aulas de 15 minutos da plataforma. Temos aulas de diferentes objetivos e com tempos que podem ser escolhidos por você no filtro das Aulas. Em aulas que vão de 5 a 60 minutos, você poderá alongar, espreguiçar, respirar, meditar e começar o dia com afirmações positivas. Tempo não é desculpa para não praticar com o YogIN App, pois você faz de casa e a hora que melhor se encaixar no seu dia. CLIQUE AQUI PARA CONHECER NOSSAS ASSINATURAS new RDStationForms(\'newsletter-yogin-formulario-1c3fb174b015350a9cd5-html\', \'UA-68279709-2\').createForm();  

YogIN App
Filosofia do Yoga | 12 jul 2020 | Fernanda Magalhães

Auto Superação, mas com amor

Tapas, mas com amor Tapas, o terceiro Niyama (as observâncias internas que o yogin deve ter) descrito nos sutras de Patanjali é conhecido como “disciplina”. Significa fogo, calor, a energia que permite controlar o corpo e a mente. A perda de tapas com nosso acesso a tudo de forma rápida e facilitada atualmente cria a dificuldade no autocontrole e reflete em uma sociedade sem foco e direcionamento. A internet nos proporciona essa movimentação acelerada, alimentando a ilusão de que tudo pode vir fácil e dificultando o comprometimento com objetivos que não serão capazes de alimentar nossos anseios na mesma velocidade. A crescente demanda pela profissão de coach (em qualquer área que seja) representa nossa ignorância em encontrar até mesmo nossos objetivos. E, mesmo que estes sejam traçados, ainda sim se faz necessário que alguém crie o caminho para que possamos dar o primeiro passo. Não que ajuda e relacionamentos interpessoais sejam dispensáveis neste plano que habitamos, eles são realmente imprescindíveis para o nosso crescimento. O que diferencia o caminho do autoconhecimento e a ignorância que nos faz transportar a responsabilidade para algo externo, é a dependência.    O yoga te faz independente.    Esta facilidade aparente em buscar satisfação, orientação, felicidade ou até amor em algo externo e temporário pode nos entorpecer por algum período de tempo, mas na verdade nos distancia da independência objetivada no autoestudo.  Tapas está aí para trazer-nos de volta e mostrar que nem sempre os passos do caminho serão agradáveis, mas que é preciso se manter na mesma direção para se atingir o objetivo traçado. Ao mesmo tempo, disciplina não é sinônimo de sacrifício, especialmente o físico, durante a prática de asanas. Praticar é essencial para a alimentação de tapas, mas levar o corpo a exaustão física nem sempre é uma boa ideia. Talvez, só hoje,  aquela prática leve e acolhedora seja mais desafiadora e benéfica para você. Especialmente quando você decide que quer fazer aquela postura de força que viu nas redes sociais. Neste caso, realizar a postura está vindo do imediatismo provocado pela exposição de um belo modelo sorrindo enquanto se sustenta apenas nas palmas das mãos em uma fotografia ou pela real intenção de vencer a voz interna que te jura que você não consegue?  E se está difícil copiar o modelo, qual a sua atitude perante a isto? Desistir? Praticar progressivamente até conseguir? Traçar um plano? Você auto-avalia suas decisões em relação ao seu sadhana diário? Não podemos nos esquecer que nossa busca pelo prazer e satisfação também é refletida em nossa prática, principalmente se podemos escolher o que fazer.  Observe os julgamentos de sua mente em relação às posturas apresentadas pelo seu professor durante a aula e verá isso claramente refletido no empenho depositado em cada movimento seu. Eu pratico a mesma série diariamente... “Nossa, mas não é monótono?”. A questão principal é: isto não importa. A prática não deve ser feita em busca de prazer. Embora haja uma sensação de contentamento ao final de uma prática bem estruturada e focada, esta sensação deve vir do resultado de  reconhecimento do Ser que se encontra abaixo das impurezas da mente.  Gostar, não gostar, monotonia, necessidade por desempenho e qualquer outra classificação ou qualidade associada à prática faz parte deste lixo necessário de ser removido da mente e queimado por tapas.  Fogo, o elemento associado a Tapas, é o elemento da transformação. A transformação acontece quando nos permitimos iniciar a mudança ao pisar fora da zona de conforto. Se as coisas são fáceis o tempo todo, não aprendemos a ser forte. A disciplina que aprendemos através da prática no tapetinho é uma lição para se levar para a vida. Quando respiramos através de situações desafiadoras em uma prática de yoga, como quando vencemos o medo e nos posicionamos de ponta-cabeça, podemos carregar essas lições conosco e aprender a não ouvir aquela voz interior que nos diz que não somos capazes no momento que se faz necessário enfrentar situações desafiadoras na vida. Ao invés disso, aprendemos a respirar e seguir em frente. Mas tapas nada tem a ver com se maltratar. É aprender a calar o medo e a preguiça através do amor. Afinal, o primeiro dos Yamas, que é Ahimsa, a não-violência, deve começar por nós mesmos. Se você perde a mão e a prática de tapas se torna muito intensa, você pode dar um passo para trás, assim como em qualquer postura que é mais dolorosa do que desafiadora. Mas vá em frente se você sente que está apenas lutando com o desconforto de vencer a sua mente.  Tapas é um aspecto da sabedoria interior que nos encoraja a praticar mesmo quando não estamos dispostos, a ir para a cama um pouco mais cedo para que possamos praticar ao acordar, a não beber muito ou comer alimentos pouco saudáveis ​​porque queremos nos sentir bem durante a prática. Tapas nasce de um lugar de amor e devoção, queimando os padrões de pensamentos negativos e hábitos maléficos que possuímos. O fogo de tapas queima as muletas que abraçamos ao longo do caminho e nos ensina a, finalmente, andar por nossas próprias pernas, caminhando em direção ao autoconhecimento.    Om Namah Shivaya   new RDStationForms(\'newsletter-yogin-formulario-1c3fb174b015350a9cd5-html\', \'UA-68279709-2\').createForm();  

YogIN App
Filosofia do Yoga | 13 jul 2020 | Fernanda Magalhães

Pratyahara para uma Mente Mais Leve e Forte

Pratyahara para uma Mente Mais Leve e Forte Na nossa série sobre o ashtanga yoga de patanjali, chegamos a parte onde se faz o elo entre o externo e o interno - pratyahara, o quinto membro é a abstração dos sentidos, onde o praticante é levado à parte mais sutil da prática de yoga, caminhando para a meditação. As últimas quatro partes são vistas como o Yoga externo, aquele que se relaciona mais com o nosso contato com o mundo e podem ser observados de fora. Pratyahara é uma ação individual e sutil. A palavra pratyahara deriva do sânscrito prati - contra ou fora, e ahara - qualquer coisa levada de fora para dentro, ou comida. Quando chegamos a uma aula de yoga, normalmente, o primeiro convite realizado é que deixemos o mundo externo “lá fora”. Conectamos com o corpo físico e descobrimos este espaço completo dentro de nós que não depende de nada externo. Isso não é uma coisa que acontece na primeira aula, para a maioria das pessoas. Nossa conexão com o externo é tão estimulada ao longo de nossa vida que às vezes é difícil de encontrar o caminho até esse lugar. É preciso criar espaço através de prática de asanas e pranayama para que pratyahara chegue e te mostre que ele está lá.   new RDStationForms(\'e-book-yamas-e-niyamas-1f965e8db29fe9c4625b-html\', \'UA-68279709-2\').createForm();   O fluxo constante de informações que recebemos são percebidos pelos nossos cinco sentidos. São estes sentidos, determinados pelos instintos que, normalmente dizem o que a mente deve fazer. Sem controlá-los, seremos escravos deles. E qual o objetivo dos nossos instintos? Sobrevivência. Alimentando nossos instintos através de nossos sentidos estamos estimulando nosso sistema nervoso simpático a trabalhar por nossa sobrevivência. Lutar, fugir ou até mesmo evitar a escassez de alimento. Todas reações automáticas, não conscientes e que geram estresse.  Conforme nos tornamos conscientes, uma das ações que geralmente colocamos em prática é começar a selecionar o que comemos. Mas nosso alimento não é apenas comida. Nos alimenta também toda a informação recebida através de nossos relacionamentos, dos noticiários, da internet e etc. Aceitamos passivamente as impressões sensoriais causadas por estes estímulos. Excesso de químicos na comida faz mal a nosso organismo assim como o excesso de estímulos sensoriais faz mal a nossa mente. E como o corpo se beneficia do jejum, a mente se beneficia de Pratyahara. Pratyahara é parte da purificação.  Ok, não é fácil. Podemos começar a trabalhar pratyahara com algumas técnicas como a combinação de Drishti (o ponto focal) com o som produzido na respiração tipo Ujjayi, onde o som e a visão direcionados bloqueiam estímulos externos concentrando somente na respiração. Ou durante o relaxamento final (savasana) levanto toda a atenção para a audição e amortecendo os demais sentidos. O Yoni Mudra é um gesto bem significativo em direção a pratyahara. Nele os principais órgãos receptores dos sentidos; olhos, ouvidos, narinas e boca; são bloqueados com os dedos das mãos permitindo que a energia se volte para dentro. As técnicas variadas são instrumentos para que possamos aprender a retirar-nos de informações externas e possamos ouvir os sons internos.  Se o barulho externo te impede de meditar ou se concentrar em sua prática, é sinal que você está precisando exercitar seu pratyahara. Sem isto não há meditação. Sem meditação não há yoga. Você anda se alimentando de que?

YogIN App
Dicas de Yoga | 21 jul 2020 | Fernanda Magalhães

Sankalpa-Estabeleça!

Estabeleça seu Sankalpa   Tudo nasce do desejo.Sankalpa é a oportunidade de nos conectarmos com esse desejo, inclusive, foi o desejo que iniciou a criação do universo. Sem desejo, não estaríamos vivenciando este mundo material que nos proporciona a oportunidade do desenvolvimento espiritual.   No material temos a possibilidade de discernir nossos impulsos instintivos e desejos verdadeiros, atravessando nossa experiência humana objetivando um propósito maior. Não há necessidade de negar os impulsos instintivos, provenientes do ego, mas sim de reconhecê-los e honrá-los para que as nossas decisões em segui-los ou não sejam baseadas em verdade.   O Sankalpa é a oportunidade de nos conectarmos com estes desejos verdadeiros, a intenção mais elevada do coração.   Sankalpa é uma frase clara, curta, objetiva e positiva feita mentalmente mas que é proveniente do coração. É realizada no início da prática como intenção daquele momento onde você estará dedicado ao seu trabalho espiritual.   O sankalpa não é impulsionado pelo ego como nossos desejos usuais do dia a dia e tem mais relação com a energia que queremos entregar ao mundo.   O termo em sânscrito vem de San - conexão com a verdade e Kalpa - voto ou regra a ser seguida. Sankalpa é nosso compromisso com a verdade.   Existem duas formas de realizar seu sankalpa. A primeira, através de afirmações positivas que não requerem movimento e mudanças, apenas como reconhecimento da verdade interior como “eu sou amor”. A segunda forma reflete a intenção de desenvolver características positivas ou ajustar as negativas em um nível subconsciente, através de metas. Como, quando há alguma doença a ser superada em seu corpo físico, repetir “estou curado” funciona como impulsionador dessa mudança.   Independente do tipo de sankalpa, deve ser realizado sempre através de afirmações positivas, evitando a negatividade.   Entrar em contato com nossos verdadeiros desejos é investigar através dos desejos do ego o que realmente buscamos. Quando desejamos ser aceitos através de qualquer anseio usual como emagrecer ou ser bem sucedido financeiramente, precisamos ouvir o que este desejo nos sinaliza. O que há para ser nutrido por baixo desta superficialidade?   Seguindo este exemplo, precisar ser aceito através de comprovações materiais aprovadas pela sociedade talvez esconda uma crença de que não merecemos amor. Quando na verdade, o amor incondicional não necessita de comprovações, ele apenas existe, disponível para todos.   Trabalhando desde o superficial até o interior desenvolvemos nosso sankalpa de forma mais profunda a cada etapa de autoconhecimento ultrapassada. Podemos começar com “Tudo vem a mim com facilidade” passando para “Eu mereço ser amado”, para “Eu sou amado” até chegar ao “Eu sou amor”. Do material, emoções e questionamentos humanos até o Ser.   Estando relacionado a uma busca da verdade e autoconhecimento, o sankalpa é realizado no momento presente, pois nenhum outro momento é real e nossa mente subconsciente não reconhece outro tempo que não o presente. Não deve ser realizado como pedido ou oração, mas pode surgir em forma de agradecimento.   Usando o momento presente também somos lembrados de que tudo que nos é necessário já existe em nós.   Toda nossa busca humana gira em torno de cessar o sofrimento causado por estes anseios do ego. Se nos permitimos ser soterrados pelas emoções, nos perdemos no caminho da verdade, residente no Ser.   No momento de estabelecer seu sankalpa, traga a sua mente para um estado de unidade, relaxada e calma. Não verbalize seu sankalpa, mas repita mentalmente tres vezes para reafirmar sua intenção. Concentre-se e mantenha o foco com uma intenção de cada vez. Não multiplique desejos a cada etapa de mudança e crescimento e mantenha a mesma direção durante alguns meses. Uma imagem também pode ser associada ao seu sankalpa para fortalecê-lo.   Mudar não é fácil e a resistência é esperada. Use a conexão com seu poder pessoal, residente em seu manipura chakra para impulsionar a mudança desejada. Conecte-se com sua verdade no centro do peito e sua determinação na área logo acima do umbigo no momento de mentalizar seu sankalpa.   Para encontrar seu sankalpa, é necessário apenas focar a mente e conectar-se com seus desejos mais verdadeiros, canalizando a energia para dentro.   Boa prática!     Baixe grátis o e-book  - O YOGA DO AUTOCONHECIMENTO