Blog

yogaemcasa


nao pule o shavasana
Podcast de Yoga | 12 maio 2021 | Fernanda Magalhães

Não Pule o Savasana – Yoga Falado #31

Não Pule o Savasana! Para alguns, a parte mais difícil na prática e na vida é saber relaxar. Permitir a quebra, um momento de pausa e renovação é tão essencial quanto negligenciado na rotina da vida moderna. Vivemos bombardeados com estímulos externos, executando multitarefas e mantendo nossas mentes sempre em alerta. Estar ocupado é ser importante. Este estado mental superestimulado suga nossa energia e perdermos desempenho. É como se estivéssemos no piloto automático executando tudo ao mesmo tempo, não sendo capaz de voltar atenção para aquilo que é importante naquele momento, ou, focar, concentrar. Como fazemos com o computador ou o celular, também precisamos “reiniciar” quando não funcionamos direito. Mas antes que seja necessário clicar no restart, podemos criar um hábito de incluir pausas nos nossos dias, evitando chegar até o estado de fadiga física e mental para tal. Se praticamos diariamente, essa pausa acontecerá obrigatoriamente após uma sequência de asanas. Ainda que possa acontecer antes e durante também. Aparentemente fácil e desejada por muitos, o relaxamento, em algumas práticas chamado de Savanasa, é a postura mais difícil da sequência. Enquanto nos alongamos, movimentamos e executamos exercício de força, colocamos toda nossa atenção no corpo, mas no momento em que o corpo para, naturalmente a mente entra em foco. Então surgem as projeções de futuro, a lista do supermercado para quando sair da aula, a reunião no trabalho no dia seguinte ou os julgamentos do passado sobre algo que não aprovo da forma como aconteceu. Na direção oposta, alguns deitam em relaxamento e acabam adormecendo, o que também não é o objetivo no momento. O objetivo aqui é o relaxamento com consciência, e não o sono. Essa consciência é o que permite relaxar corpo e mente por esses preciosos minutos.   Mas se o relaxamento é o momento mais importante da prática, porque não ir direto para ele? Existem empecilhos físicos e mentais para que o relaxamento ocorra naturalmente, então é preciso que seu corpo e mente estejam cansados e distensionados o suficiente para condicionar a liberação do estresse. Dependendo do seu momento de vida, do que ocorreu durante o seu dia ou até mesmo como foram seus minutos antes da prática, simplesmente deitar e entrar no estado de relaxamento é muito desafiador. Eu costumo dar um pequeno relaxamento inicial nas minhas turmas de quinta-feira a noite por considerar que é um dia propício, onde as pessoas já chegam exaustas da semana que passou, e estão aptas a soltar. Mas em geral, o estado mental dos praticantes deve ser conduzido ao longo da sequência de posturas, do fogo e agitação (Yang) até a passividade e acolhimento (Yin) para que a entrega final ocorra. Além disso, trabalhar o diafragma praticando uma sequência de asanas antes de savasana permite que sua respiração flua livremente durante o relaxamento tornando-se quase invisível. Se você pratica sua sequência de asanas em turma, é possível que o professor oriente este relaxamento, guiando-o mentalmente pelo seu próprio corpo e buscando os pontos de tensão. Este direcionamento ajuda aqueles que possuem a mente hiperativa e sofrem em ficar parados. Mas se você pratica sozinho, precisará estudar e experimentar a melhor forma de trazer essa liberação física e emocional. Estender-se no chão e aguardar o tempo passar, além de ser praticamente impossível, não é suficiente, é necessário soltar o corpo e a mente e observar o estado de consciência que surge. Então, para soltar, deite-se no seu tapete. Afaste os pés um pouco mais que a largura do quadril e permita que seus dedos pesem para fora. Os braços afastam levemente do corpo e as palmas das mão voltam para cima, deixando que o dorso das mãos toque o chão. Feche os olhos e verifique seu conforto nesta postura. Se a lombar reclama, é necessário suspender os joelhos em uma almofada deixando-os levemente dobrados. Se há questões na cervical, ou na parte alta da coluna, use um travesseiro ou até mesmo suspenda o corpo em um apoio inclinado. Você é sua própria experiência neste caso, coloque-se confortável. Faça uma inspiração profunda e exale com som liberando toda tensão que puder junto com o ar. Essa respiração leva uma mensagem ao sistema nervoso parassimpático de que é seguro relaxar. Agora você está pronto para permanecer imóvel pelos próximos minutos. Quantos minutos você permanecerá na postura também deve ser negociado com sua rotina, necessidade, intensidade da prática e outros fatores, mas 10 minutos é um bom começo. Use os primeiros minutos para fazer um tour pelo seu corpo, de baixo para cima soltando todos os seus músculos, ligamentos, tendões e junções ósseas mentalmente. Não economize tempo nesta tarefa. Lembre-se daquela aula de anatomia da escola e vá visitando cada parte do seu corpo. Concentre-se na coluna. A cada exalação, intensifique a entrega física e mental. Observe aqueles pequenos instantes entre os pensamentos e vá permitindo que eles cresçam. new RDStationForms(\'e-book-as-origens-da-meditacao-e-do-yoga-84b39b698136958eda59-html\', \'UA-68279709-2\').createForm();   Para sair de savasana, volte a atenção ao seu corpo percebendo-o deitado ao chão. Faça uma inspiração profunda e inicie lentamente a movimentação dos dedos das mãos e dos pés. Amplie aos poucos seu movimento e espreguice, boceje ou faça o que seu corpo pedir. Mantendo olhos fechados, passe pela postura fetal, deitando para o lado direito e recolhendo os joelhos no peito por algumas respirações. Empurre o chão com a mão esquerda e direita até que se sente com a coluna alinhada. Neste momento é provável que seu corpo e mente estejam preparados para a meditação. Então, se puder, permaneça por alguns minutos em silêncio. Leve as mãos em prece ao peito, direcione o rosto para as mãos e agradeça a você mesmo pela experiência proporcionada. Um bom relaxamento ativa o sistema parassimpático diminuindo a atividade mental e o metabolismo, trazendo serenidade. Pesquisas sugerem que descansar a mente após o aprendizado permite melhor absorção do conteúdo estudado. Estudar o dia todo de forma automática e absorver pouco não é melhor que estudar poucas horas de forma eficiente. Assim também funciona com nosso auto-estudo. Durante o savasana, o prana que correu livremente pelo corpo encontra os chakras e as energias são equilibradas. É neste momento que os benefícios de sua prática são absorvidos. Já falamos sobre as crises de choro durante posturas de abertura de quadril no artigo anterior, mas não se surpreenda se ao soltar o corpo em savana, suas lágrimas rolarem livremente acompanhando ou intensificando esta entrega. Uma pausa é sempre bem vinda quando estamos em ritmo acelerado, no tapete ou fora dele. Não pule o Savasana.     Ouça também via Spotify ou Soundcloud.    

Dicas de Yoga | 10 maio 2021 | Daniel De Nardi

Como Fazer – Bhujangasana, a postura da Cobra

Como Fazer Bhujangasana Conhecida como postura da cobra, o bhujangasana é um dos asanas mais importantes do Yoga. Uma excelente compensação de posturas como o paschmottanasana e adho mukha. A professora Fernanda Degilio explica como executar perfeitamente essa postura no vídeo abaixo. Confira:   new RDStationForms(\'e-book-as-origens-da-meditacao-e-do-yoga-84b39b698136958eda59-html\', \'UA-68279709-2\').createForm();      

gesto da paz
Dicas de Yoga | 7 maio 2021 | Fernanda Magalhães

O Gesto da Paz

O Gesto da Paz O gesto (Mudra) mais conhecido no mundo o Yoga também é um gesto muito conhecido mundialmente. Unir as palmas em frente ao corpo, remete a imagem de uma pessoa em oração, mas o anjali mudra, na verdade é um gesto de saudação. Em sânscrito, mudra significa gesto, selo, senha ou chave. Provém da raiz mud, alegrar-se, gostar, e refere-se não apenas a gestos sagrados de mão, mas também a posições do corpo inteiro que provocam um certo estado interior ou simbolizam um significado particular para o Yoga. Anjali mudra é apenas um dos milhares de tipos de mudras que são usados ​​em rituais hindus, dança clássica e yoga. Añjali significa saudar, elevar, invocar, trazer, cultivar. Transmite sentimentos positivos, cordialidade e boas intenções. new RDStationForms(\'e-book-yamas-e-niyamas-1f965e8db29fe9c4625b-html\', \'UA-68279709-2\').createForm();   Na Índia, este gesto equivale ao nosso aperto de mãos. Quando você coloca as mãos na frente do coração, conecta poderosamente os lados esquerdo e direito do cérebro unindo seu feminino e masculino. Descansar as mãos no centro do peito alinhado ao chakra cardíaco, reforça a conexão coração-mão, manifestando gratidão, amor e paz. Este gesto pode dirigir-se à deidade quando as mãos estão unidas sobre a cabeça; ao mestre, com as mãos frente à testa ou a saudação entre as pessoas, com as palmas frente ao peito. Ao executar este mudra, não provoque tensão nas mãos ou punhos gerando pressão entre as palmas. Conecte especialmente as pontas dos dedos e as bordas das mãos permitindo um espaço no centro das palmas, como uma flor que irá se abrir pelos seus dedos, podendo transformar o anjali mudra em um lotus mudra. Encoste os dedões no esterno e sinta a conexão com seu coração. O Anjali Mudra conecta o praticante com a espiritualidade e promove o respeito por si mesmo e pelos outros. Não importa a quem você está saudando, sempre coloque o coração na sua intenção. Hari Om  

Meditação e Positividade
Filosofia do Yoga | 6 maio 2021 | Fernanda Magalhães

Dharana – Dhyana – Samadhi = Meditação

Dharana - Dhyana - Samadhi = Meditação Os passos de Patanjali nos levam da ignorância ao conhecimento do verdadeiro Eu. A diferença de caminhos convencionais, onde se parte de um lugar a outro, o caminho do yoga é direcionado para dentro.  É como se fossemos precisássemos remover camadas em nós mesmos que “encobrem” o Eu verdadeiro através do processo de purificação proporcionado pelas práticas dos passos iniciais, vistos até agora. Chegamos, hoje, aos três últimos passos descritos no ashtanga Yoga de Patanjali nessa nossa sequência sobre o tema. Dharana, Dhyana e Samadhi são frequentemente estudados em conjunto e chamados de antaratma sadhana, a busca mais interna. Os primeiros quatro passos (Yama, Niyama, Asana e Pranayama) são ações externas sendo os últimos dois, técnicas bastante visíveis. Pratyahara, o quinto membro, como falamos no último texto, marca a transição de uma consciência externa para a interna.  Os três últimos descrevem o processo e o produto de voltar-se para dentro. Dharana, a concentração, é feita quando focamos num objeto. Ainda há percepção do que se passa ao redor e pode ocorrer de pensamentos de distração aflorarem. Essa concentração surge quando algo prende a nossa atenção, como quando aprendemos algo novo e estimulante. Dharana também é atingido na prática de asanas ou pranayama quando o foco é levado integralmente ao físico. Este tipo de foco faz parte da busca do yogin, mas acredito que dharana pode ser encontrado por qualquer pessoa totalmente presente em uma atividade ou focada em um objeto. Quando estamos completamente focados, não pensamos em outro assunto, curando conflitos internos. Dharana como exercício é um dispositivo mental para evitar a distração. Como muito se acredita, buscar “esvaziar” a mente para meditar é um trabalho anti-natural. A natureza da mente é pular de ideia em ideia, dependendo dos estímulos dados no momento. E, atualmente, o que não nos falta é estímulos, não é mesmo? Concentrar-se na respiração, em um som, em um objeto ou em uma parte do corpo  preenche a natureza de movimento da mente e impede que ela se desvie para pensamentos dispersos, simulando esta concentração natural de quando estamos absorvidos em um assunto de nosso interesse. Dhyana, o sétimo passo, também traduzido como foco contínuo, acontece naturalmente quando a concentração se alonga e os pensamentos deixam de pipocar na mente.  Também pode surgir em plena prática de Asanas, quando nos tornamos um com a postura.  Samadhi é a última parte do ashtanga yoga de Patanjali. Não faz parte do processo, se refere ao produto dos sete anteriores. Samadhi não é feito, mas sim algo que acontece. É uma experiência em que o meditador se torna um com o objeto da meditação.  Em samadhi experimentamos a tão esperada união, onde não há dualidade.  Não há caminho no Yoga sem meditação, afinal Yoga é uma “purificação” da mente -  “Yogaś-citta-vr̥tti-nirodhaḥ” (Yoga Sutras de Patanjali) - Yoga é o cessar das flutuações mentais.  Dharana, dhyana e samadhi são aspectos da meditação, que ocorrem linearmente, ou não, e se entrelaçam, não podendo ser definido limites claros entre eles. Por isso se tornam assunto de um mesmo tema - antaratma sadhana. Somente através do físico, com os primeiros passos do ashtanga, podemos entrar em um estado favorável para que ocorra os três últimos. Quanto maior nossa identificação com essas camadas vestidas pelo nosso verdadeiro ser, mais trabalho físico é necessário para se criar a estabilidade na mente. Desta forma, no ocidente damos muita ênfase no trabalho físico do Yoga, e se faz necessário e valioso utilizá-lo, mas não se engane, Yoga é um trabalho espiritual. “Pratique e tudo virá” - Sri K. Pattabhi Jois. new RDStationForms(\'newsletter-yogin-formulario-1c3fb174b015350a9cd5-html\', \'UA-68279709-2\').createForm();  

Yoga e India
Dicas de Yoga | 4 maio 2021 | Cherrine Cardoso

A prática de yoga NÃO substitui outras práticas! – Yoga Falado #29

A prática de yoga NÃO substitui outras práticas!   Esta dúvida sempre surge quando as pessoas começam a praticar yoga. E por um tempo até eu achava que praticar yoga era o suficiente. Afinal, dentro de uma aula você tem trabalho de força, resistência, flexibilidade, respiratórios, relaxamento e até meditação, o que mais seria necessário, né? Pois é, mas o corpo precisa de um conjunto e da soma de várias coisas para ter resultados específicos. Por exemplo: se você quer ser um triatleta o yoga é uma ferramenta poderosa para te conduzir a sua meta, ou seja, terminar uma maratona. Por quê? Porque vai te dar estabilidade emocional para vencer os maiores desafios que encontrar com o treinamento intenso. Você é levado a limites e muitas vezes eles não são físicos. Numa modalidade como esta, o que muitas vezes impede o competidor de chegar ao fim é se conectar com as dores físicas de forma emocional e não dar os estímulos mentais positivos que precisa pra chegar ao fim e o yoga poderá auxiliar nesse processo. Mas não substitui nunca o treino de corrida, natação e pedalada, certo? Da mesma forma para aqueles que querem ter um corpo de halterofilista. O yoga não servirá para esta meta, porque mesmo fazendo muita repetição dos ásanas (posições físicas), você não vai conseguir fazer seu músculo crescer tanto quanto num treino de musculação. No entanto, se você praticar yoga junto aos treinos de hipertrofia chegará num bom resultado dos músculos, mantendo a flexibilidade articular, muscular e nervosa do seu corpo, algo que muitas pessoas que treinam musculação apenas para crescer, perdem!   Há também quem questione parar com suas sessões de terapia porque praticam yoga. Este é um outro erro comum, achar que o yoga poderá substituir profissionais especializados em tratamentos. Não, não vai. Ele poderá auxiliar em uma melhora? Sim! Praticando você será levado a percepções muito íntimas do que acontece com você e de quem você é.     Ouça também via:   A terapia te induz a isso? Dependendo do caso sim. Mas em casos de tratamentos por conta de situações mais sérias, seria um erro parar o acompanhamento médico só porque está praticando yoga ou se sentindo melhor com a prática. Até porque, o yoga te mostra aos poucos o que você tem de melhor, mas também o que você tem de pior. E algumas pessoas não sabem lidar bem com essas autopercepções. Quem pratica disciplinadamente poderá resolver isso progressivamente, mas se já está em tratamento, não pare logo de cara. Faça os dois! Se observe. Perceba o quão você está bem efetivamente (e principalmente, quando o seu médico virar para você e disser que poderá diminuir sessões ou até parar com elas) ou se de repente a terapia virou uma muleta, que com o tempo você pode abrir mão.   Outro erro comum é achar que porque você é um yogín (praticante de yoga) não precisa de médicos ou da medicina. Praticantes a médio e longo prazo naturalmente precisam menos de uso de medicação ou vão menos à médicos porque sua imunidade aumenta. O praticante está em observância do que come, de que hábitos são bons ou nocivos para seu corpo etc, e uma vez se sentindo bem e tendo menos tendência a ficar doente, obviamente precisará menos de consultas. No entanto, não significa que não sejam necessárias ou que quando você sentir algo acontecendo com seu corpo, deva negligenciar isso.   Justamente por estar mais consciente do que acontece com você da pele para dentro é que tem que ouvir o seu corpo e respeitá-lo, buscando auxílio sempre que necessário. Mas, naturalmente, você aprende mais como pode evitar o consumo exagerado de remédios para qualquer desconforto que sinta. Dores de cabeça, dores de barriga por consumo exagerado de algo que comeu, dores musculares, nariz entupido, enfim, uma série de pequenas coisas que por vezes sentimos e que automaticamente por hábito recorremos a um remedinho, pode ser evitado e você com algumas técnicas pode eliminar o desconforto. Isso tudo só acontece com tempo, com dedicação, com auto-estudo. Portanto, voltando ao título de hoje: yoga não substitui efetivamente nada, ele é um complementar e te auxilia a ser melhor, a estar melhor, a se sentir bem e a ter resultados melhores em outras práticas físicas e no desenvolvimento de suas reais habilidades como ser humano. Por si só já é incrível, combinado com outras coisas então, imagina, é maravilhoso!!    

Meditação | 3 maio 2021 | Daniel De Nardi

Ebook – Como funciona a Meditação

Ebook ! Este livro é o 3º da série Yoga e Meditação e ele aborda o ponto como - A consciência pode ser medida? Se não pode ser medida, pode-se afirmar que existe? O livro traz esse embate de ideias científicas e filosóficas tendo a Meditação como um instrumento de verificação dessas verdades. Baixe gratuitamente o livro Como funciona a Meditação clicando no botão abaixo.    

pés de yogins
Dicas de Yoga | 1 maio 2021 | Fernanda Magalhães

Pés de Yogins

Pés de Yogins Há alguns meses a Adri Borges escreveu um artigo sobre um assunto tão importante quanto negligenciado no Yoga e na vida, sobre como ficar corretamente de pé. Porque como acontece no tapete, acontece fora dele, temos tendência a não observar os detalhes mais importantes e básicos quando não estamos exercitando a presença. A ansiedade gerada pelo fluxo constante de estímulos e cobranças do mundo moderno faz com que a gente queira resultados rápidos olhando sempre tão a frente que acabamos por pular etapas de uma construção de caminho.   Se você ainda não leu “A Maneira Correta de Ficar em Pé” da Adri, segue o link: https://yoginapp.com/454684-2/#axzz5Y34P253S . Lendo este artigo, me veio a mente que precisávamos falar sobre nosso pés! Prestar atenção no modo como seus pés se conectam com a Terra pode corrigir problemas nos pés e tornozelos. Sendo nossa base, eles têm o poder de impactar todo o resto de nossa estrutura física, sobrecarregando joelhos e a coluna vertebral quando usados em desequilíbrio.   Conceitualmente todos sabemos quanto importante é a base em um projeto (seja um negócio, um asana ou a criação de uma criança), mas na prática, e digo isso também com minha experiência como arquiteta e não só como professora de Yoga, colocamos todo o valor no que vem acima. Porque, às vezes, a base de uma construção não é nem mesmo possível de ser vista.   Nossos pés são a parte do corpo mais distante de nossa cabeça, talvez por isso tenhamos a tendência a negligenciá-los tanto. Eles ficam alí, o tempo todo só sustentando todo o peso do seu corpo até que você machuca um de seus pés e percebe sua importância. O desequilíbrio de ter um dos pés em funcionamento alterado é um impacto enorme no esforço da sua musculatura para se reequilibrar. E, posso dizer por experiência (após machucar o dedo do pé caindo do pincha mayurasana) a sua musculatura sofre, e você sente!   Agora imagina o impacto de levar uma vida com os pés em desequilíbrio? É claro que todos temos as nossas compensações no corpo como consequência da falta de simetria entre os lados direito e esquerdo, mas existe uma grande quantidade de ações impactando esse desequilíbrio que podem ser suavizadas com uso de consciência corporal.   Os pés são uma das partes do meu corpo que mais mudou com o Yoga. Não só sua forma, mas também como posiciono eles no chão. Lógico que reduzir o uso de sapatos apertados nesse período contribuiu, mas eu considero inclusive essa redução, uma consequência do ganho de consciência corporal. Porque só é possível maltratar seus pés em um sapato apertado se estivermos desconectados do sentir.   Então, o primeiro passo para essa nova consciência é trazer a atenção para os pés. Em Tadasana, como você sente os seus pés no chão? Feche os olhos e observe. Talvez você tenha tendência a colocar seu peso na borda interna do pé, fazendo as pernas se curvarem para dentro, ou na borda externa, fazendo um leve giro externo nos joelhos. E talvez ainda esteja tão desconectado do sentir seus pés que não consiga perceber, então, olhe a sola dos seus sapatos. Eles tendem a estar mais gastos onde você coloca mais pressão e peso.   Use essa análise ao entrar em tadasana e comece a brincar com a mudança do peso para cada parte dos seus pés. Tente sempre separar bem os seus dedos e espalhar o pé no chão. Se ajudar, puxe seu metatarso (ali, na linha do dedão) com as mãos para o mais distante possível da borda externa dos seus pés. Assim, com os pés bem espalhados, ative o arco de seus pés como se “sugasse” eles para o alto. Para quem está familiarizado com o uddiyana bandha, é como se fosse aplicado algo similar no arco dos pés, você vai realizar uma troca com o chão. Enquanto seu peso empurra o chão igualmente em todas as partes do seu pé que estão apoiadas, você tem a sensação de puxar a energia do chão com o arco dos pés.   Assim como a má distribuição do peso corporal pode gerar compensações no corpo durante nossa vida, o alinhamento dos pés durante a execução de ásanas pode ter um impacto profundo na postura como um todo. As posturas executadas em pé podem ajudar a construir uma base sólida e estável nos pés, quando executadas com essa consciência. Alongamentos podem aliviar os músculos tensos, os ligamentos e os tendões.   Vamos agora cuidar de nossos pés com algumas posturas, alongamentos ativos e passivos e até massagens. Lembre-se sempre de exercitar a presença em cada uma das atividades sugeridas a seguir.   Adho Mukha Svanasana - Cachorro olhando para baixo Asana excelente para alongar toda a parte posterior do corpo, e em especial, tratando-se dos pés, as panturrilhas e o tendão de aquiles. Aqui o importante é tentar levar seus calcanhares ao chão, mesmo que estejam distantes. A intenção é o que importa e não de fato que eles toquem o chão (quem sabe um dia? ;)) Aproveite para dobrar o joelho direito em direção ao esquerdo levando mais peso para o calcanhar esquerdo e repita do outro lado.   Virasana - Herói Ajoelhe-se com joelhos posicionados na largura do quadril e afaste um pouco os pés para que possa se sentar entre eles. Seus calcanhares ficarão bem ao lado do quadril, um de cada lado. Se seu quadril não conseguir alcançar confortavelmente o chão ou se sentir dor nos joelhos, coloque um bolster ou um bloco entre as pernas para apoio do quadril. Virasana com bloco   Vrksasana -  árvore (variação com bloco) Com um dos pés sobre um bloco eleve a outra perna com o joelho dobrado e rotacionado para fora, apoiando o pé no tornozelo, canela ou coxa (nunca no joelho) da perna que está suportando o peso do seu corpo. O bloco vai desestabilizar o equilíbrio do pé que suporta o peso e ajudar a fortalecer os músculos. Certifique-se de não agarrar o bloco com os dedos dos pés como na foto:   Dandasana - Bastão Sente-se com a coluna longa e pernas estendidas à frente. Talvez, dependendo do seu nível de alongamento, seja necessário elevar o assento com um bloco ou almofada para manter ao mesmo tempo as pernas estendidas e a coluna alinhada. Braços ao longo do corpo, se possivel, mãos apoiadas no chão. Coxas ativas. Empurre os calcanhares para longe do corpo enquanto puxe seus dedos em direção ao seu abdômen. Não esqueça de manter seus dedos afastados e a sola dos seus pés como se estivessem apoiados no chão, não permitindo que elas estejam suavemente direcionadas uma para a outra. O mesmo trabalho pode ser feito de forma mais intensa em paschimottanasana.   Ainda em dandasana, afastando um pouco os pés, podemos trabalhar a mobilidade flexionando e estendendo os pés lentamente e circulando os pés para fora e para dentro.   Traga seu tornozelo direito na coxa esquerda e tente entrelaçar os dedos das mãos nos dedos dos pés. Se te provoca dor entrelaçar todos os dedos, tente tres dedos por vez. Com esse gancho, segure seu pé e massageie a articulação do tornozelo girando  ele para um lado e para o outro. Solte o entrelace e massageie a sola do seu pé e seus dedos com os dedões das mãos. Pare em qualquer ponto de tensão que encontrar. Leve a massagem até os calcanhares e suba para a junção com o tornozelo fazendo movimentos circulares com dedos em pinça. Repita com o pé esquerdo. Liberação da fascia Fique em pé em uma bola de tênis e role-a para frente e para trás sob o pé, trabalhando os dedos dos pés, a bola do pé, o arco e o calcanhar.  Pare a bola um pouco abaixo da almofada dos dedos e permita soltar o peso do seu corpo por um ou dois minutos ali. Após esse tempo, deslize a bola mais para o centro da sola do pé e direcione novamente seu peso por mais um ou dois minutos. Faça isso até onde for possível em direção ao calcanhar. Essa pressão libera a fascia.   Ainda há diversas outras maneiras de cuidar dos seus pés. Experimente a calmaria após um escalda pés com água morna e sais. E esteja presente. Durante o exercício ou o relaxamento, esteja conectado com o sentir. Quanto mais sólida a base, mais firme é a construção. new RDStationForms(\'e-book-o-yoga-do-autoconhecimento-31f024e0c3c56e215246-html\', \'UA-68279709-2\').createForm();

Abhyasa
Dicas de Yoga | 29 abr 2021 | Fernanda Magalhães

Abhyasa – A Prática Leva a Excelência

Abhyasa - A Prática Leva a Excelência Chove aqui desde a semana passada e o número de praticantes em sala reduziu drasticamente. As últimas aulas antes da frente fria estavam lotadas. Tudo bem que cariocas não gostam de dias nublados, mas vamos encarar o fato, não podemos esperar as condições perfeitas para praticar. Tenho alunos que praticam uma semana inteira e param por duas, outros passam meses firmes na prática e somem por outros meses. As férias das crianças, as viagens, a preguiça, a chuva, o trabalho, o cansaço e aquele drink no dia anterior (ai, ai, como eu ouço sobre esses drinks...) estão te levando para longe do seu objetivo? Praticamos saudáveis ou doentes, felizes ou emocionalmente abalados. Praticamos fortes ou fracos, em jejum ou alimentados, no frio e no calor. Praticamos lesionados, aprendendo a compreender novos limites e a ser gentil com o corpo, desenvolvendo novas formas de se fazer o mesmo. São poucas as justificativas reais para não se praticar. Se não há uma hora inteira de disponibilidade, pratica-se 15 minutos, faz-se 10 respirações conscientes, medita-se no horário de almoço. O maior dos erros cometidos por nós, é negligenciar a prática quando mais precisamos, porque é nestes momentos que não queremos praticar. Permitimos que nosso ego tome lugar de decisão acima dos nossos objetivos reais e nos entregamos a emoções passageiras quebrando a regularidade de prática necessária à evolução. new RDStationForms(\'ebook-stress-b13b1734210d84c18a6a-html\', \'UA-68279709-2\').createForm();   Hoje, observando esse fenômeno de inconstância, decidi escrever sobre um conceito primordial no Yoga, Abhyasa.   Abhyasa, em sânscrito, significa sem interrupção, repetição ou perseverança. Também é traduzido como vigilância. Uma vigilância de si próprio, onde você se supervisiona para manter-se no caminho proposto.   Segundo Patanjali, o controle das flutuações da mente (ou, o objetivo do Yoga, a não ser que você queira somente ficar de cabeça para baixo) é realizado através de repetição e desapego.   Abhyasavairagyabhyam tannirodhah (Yoga Sutras 1.12)   O mesmo foi simplificado por Pattabhi Jois em uma de suas frases mais famosas e, algumas vezes, mal interpretada: “Pratique, pratique e tudo virá” Os Yogis compreenderam muito antes de “O Poder do Hábito” se tornar um best seller que aplicar pequenas rotinas positivas no dia a dia transforma a vida de forma geral. A repetição é aplicada na vida de um Yogi de diversas formas. Através de rotinas de limpeza do corpo físico, da execução diária de asana e pranayama e do canto de mantras - Japa. Todas elas com objetivo de evolução.   Todo conhecimento de yoga era passado, na antiguidade, através de repetição. Assim se mantém na tradição do Ashtanga Yoga, por exemplo. Os mantras, a sequência de asanas, os exercícios respiratórios, tudo é ensinado através da relação mestre-discípulo e repetido inúmeras vezes até que aquela informação esteja totalmente absorvida, demonstrando a capacidade de seguir adiante.   Abhyasa é a repetição por um período muito longo e sem interrupções, o que contrasta com nossa mente imediatista que deseja tudo em curto prazo. Lembre-se que é esta mesma mente que cria grande parte de nossos problemas. Aplicar o caminho reverso é lutar contra esse fluxo viciado de uma mente condicionada para o sofrimento.   Aliás, a repetição também é o que nos causa os condicionamentos mentais dos quais estamos todos batalhando para mudar. Ou você não passou a vida inteira escutando coisas como \"Muito riso é sinal de choro.\" e \"Dia de muito é véspera de pouco.\" Parece bobagem, mas essas frases, repetidas inúmeras vezes durante a infância, são capazes de se tornar condicionamentos enraizados em nossa mente que nos fazem duvidar da abundância existente no universo, trazendo ansiedade. Através da repetição reversa, positiva, acontece a oportunidade de cura. Abhyasa exige dedicação, disciplina e força de vontade. Nem sempre é prazeroso realizar a mesma tarefa diariamente, mas você já deixou de escovar os dentes por isso? A repetição também é excelente ferramenta de auto-estudo. Quando se faz todos os dias a mesma coisa, percebe-se que nunca é realmente feito igual. E não é igual devido a influências externas e como você lida com elas. Esta percepção por si já é svadhyaya - auto-estudo. Abhyasa também é uma prática de repetida lembrança de nossa natureza real. Não se permita esquecer que somos ilimitados. Abhyasa é estar presente.   Pratique!  

Formação de Professores | 20 abr 2021 | Equipe YogIN App

Depoimento das Alunas da 6ª turma do Curso de Formação de Professores de Yoga do YogIN App

Depoimento das Alunas da 6ª turma do Curso de Formação de Professores de Yoga do YogIN App Você sabia que o Curso de Formação de Professores de Yoga do YogIN App pode ser feito 100% online? Ele é, sem dúvidas, o maior  e melhor do Brasil! Nesse vídeo você tem alguns depoimentos das alunas que participaram da 6ª turma do Curso que terminou em dezembro de 2018. Atualmente estamos estudando com a 7ª turma que iniciou em março de 2019. Se você tiver interesse em participar da 8ª (8 é o número do Yoga) que começa em setembro de 2019, acesse o site do Curso:

Filosofia do Yoga | 19 abr 2021 | Fernanda Magalhães

Exercendo a Gratidão para um Encontro com Santosha – Yoga Falado #18

Exercendo a Gratidão para um Encontro com Santosha Pode até ser moda entre a comunidade Yogin, parecer meio bobo, e um pouco otimista demais, talvez, mas o exercício da gratidão pode transformar completamente a sua maneira de ver as coisas. Quem aí não conhece uma pessoa que apesar das adversidades está sempre alegre e ainda consegue elevar o astral de quem se conecta a ela? Mesmo, e talvez principalmente, possuindo poucos bens materiais essas pessoas parecem sempre felizes. Você já parou para pensar nisso? Estas pessoas estão no momento presente, apreciando o pagode de domingo sem pensar em acordar às 4h na segunda-feira... Somos buscadores. É natural que tenhamos desejos e normalmente falhamos em reconhecer o que já está presente em nossa vida. Esta é uma percepção que pode ser alterada para uma vida mais equilibrada, onde nossos desejos não serão mais valiosos do que a realidade.   O ser humano aprende a associar a felicidade com objetos desde o seu nascimento. Objetos, neste caso, também são outras pessoas, ou qualquer coisa que não seja ele mesmo. Tudo que é lido e compreendido neste mundo através de seus órgãos de sentido.   Então buscamos a vida inteira pelo outro, pelo homem ou a mulher, pelo carro, pela casa, pelo filho, pelo emprego, pela estética, pela grama mais verde do vizinho… É uma busca incansável por mais e mais um pouco.   O sentimento de alegria e o reconhecimento da felicidade pode vir quando nos reunimos com o tal objeto de desejo, mas isso é passageiro, porque está relacionado com esse o desejo e não com o objeto em si. O mesmo objeto tem um valor diferente se é desejado ou se já se faz presente.   E esta busca se torna interminável, por toda a vida, desejando o amanhã. Mas assim que conseguimos nosso grande desejo, surge um novo. Reconhece o sentimento?   Tem uma frase que sempre me faz parar e refletir, você já até deve ter lido por aí nas mídias sociais: “Você se lembra de quando você queria o que você tem hoje?”   É aí que colocamos nossa felicidade para depois, quando eu tiver tal coisa. Quando eu estiver em tal lugar. Quando estiver com tal pessoa. Ah, aí sim, eu serei feliz! E a tal felicidade nunca chega. Porque ela não mora em um objeto, ela mora na ausência de desejos a estes objetos. Ao reconhecer que ela já está dentro de você pois é um ser completo, que já possui tudo que precisa.   Se você já possui tudo que precisa, seja grato! Agora! Presença!   Não digo que é fácil, afinal, somos buscadores, é nossa natureza. Mas se mudarmos nossa forma de pensar e começarmos a enxergar o que é no lugar do que queremos?   Aquilo que você pensa, onde coloca seu foco, cresce. E, se sentimentos são resultados de pensamentos, você escolhe o que quer sentir hoje. O que vai ser?   Passei um ano inteiro escrevendo diariamente no meu pote da gratidão e percebi que os dias mais difíceis de reconhecer o que havia para ser grata eram aqueles onde não houveram flutuações, distrações ou inconvenientes. Naqueles dias onde tudo correu bem, dentro da minha rotina. Não era naquele dia onde tudo deu errado, sabe como é esse dia, né? Nos dias “ruins” é ainda mais fácil encontrar razões para ser grato do que em um dia neutro. Eram nestes dias neutros que eu precisava enxergar a vida pelos olhos de Santosha para exercitar minha gratidão.   Santosha, o segundo Niyama do Yoga é o contentamento. Não é alegria exacerbada, estar sempre sorrindo, aquele estereótipo de buda feliz que parece nem perceber o estresse externo. Santosha é equilíbrio. É reencontrar a felicidade que mora dentro de você independente dos cenários externos. É se sentir completo. Santosha é compreender que neste mundo, tudo é finito e mutavel, principalmente as emoções - incluindo alegria e tristeza.   Para mim, gratidão é instrumento ideal para obtenção de Santosha. Todo mundo sabe o quanto é fácil ser grato quando se está alegre. Os momentos turbulentos são reconhecidos e até mesmo enaltecidos atualmente como momentos de grande aprendizado. O difícil de verdade é ser grato pelo “comum”.   A Gratidão precisa se tornar um hábito. Quando exercido diariamente, programa o seu cérebro para se sentir agradecido mais frequentemente, afastando emoções negativas. Hábitos são ações que você se propõe a realizar até que se tornem cada vez mais natural. E pode confiar, essa mudança de olhar acontece. Fica cada vez mais frequente no dia a dia.   Como? new RDStationForms(\'newsletter-yogin-formulario-1c3fb174b015350a9cd5-html\', \'UA-68279709-2\').createForm(); Se ao invés de reclamar do formato do seu corpo, você olhar para todo o complexo funcionamento dos seus sistemas que te permitem estar vivo lendo este texto? Então neste caso, você escolhe no cardápio de emoções que sua mente te proporciona, entre sofrimento pela vergonha e gratidão pela vida que vibra em todo seu corpo.     E durante a sua prática de asanas, você vai reclamar da mão que não chega até o pé ou você vai agradecer por ela abraçar seus tornozelos?   Meu pote da gratidão foi um excelente instrumento para desenvolver essa visão de presença através da gratidão, mas você pode começar apenas com um caderninho mesmo. Todos os dias um motivo de gratidão. Anote, tente não repetir. Use o mesmo horário, todos os dias. Se for fazer a noite, relacione com o dia que passou e se lembre de tudo que você viveu. De quanta vida você tem aí dentro.   Além dos benefícios relacionados a felicidade, segundo Emmons, psicólogo estudioso dos efeitos da gratidão, existem também benefícios físicos relacionados ao exercício da gratidão como: fortalecimento do sistema imunológico, diminuição das queixas de dores, diminuição da pressão arterial, melhora no sono e mais disposição ao acordar.   O exercício da gratidão nos faz perceber que estamos no poder do direcionamento de nossas emoções. Algumas mais fáceis de lidar que outras, certamente... Mas somos mestres da nossa mente e podemos alterar o curso de nossos pensamentos com ferramentas simples como “sou grato”.     Então faça sua mente trabalhar de forma positiva. Tirar o negativismo proporciona fluidez, desbloqueia e abre caminhos. Valorizar tudo que te fez chegar onde você está agora te tira do vitimismo. Você está exatamente onde deveria estar e tudo na sua vida te trouxe para este momento.   Respire, olhe para o lado e perceba, neste momento, do que você pode ser grato?   Sou grata por poder escrever semanalmente para vocês!   Gratidão!   Ouça também via: