Blog

yoga exercícios


YogIN App
Respiração e Relaxamento | 31 maio 2021 | Ellen Lima

RESPIRE COM CONSCIÊNCIA, SAIA DO AUTOMÁTICO

RESPIRE COM CONSCIÊNCIA, SAIA DO AUTOMÁTICO Respirar é um ato tão involuntário e automático que damos pouquíssima ou nenhuma atenção a ele. A questão é que respiração e emoção estão diretamente ligadas, uma influencia a outra, portanto se reaprendermos a respirar desenvolveremos uma ferramenta muito poderosa para o controle emocional. O yoga já tinha como foco, há mais de 4000 anos atrás, o que a ciência vem comprovando por meio de pesquisas e estudos relativamente recentes: a respiração, embora seja ato involuntário, deve ser realizada de maneira correta (nasal), e pode ser alterada de forma voluntária e com consciência, o que contribui de forma significativa para a melhora na qualidade de vida das pessoas que praticam essas técnicas (pranayamas). Pantanjali inicia os Yoga Sutras definindo yoga como supressão da instabilidade da mente. No Bhagavad Gita, canto VI, verso 19 diz: “o yogue que tem a mente dominada e, recolhido em si mesmo pratica a yoga, é como uma chama luminosa que, ao brigo do vento, não sofre nenhuma oscilação.” No Hatha Yoga Pradipika diz que a mente pode ser estabilizada através da respiração: “Enquanto a respiração for irregular, a mente permanecerá instável; quando a respiração se acalmar, a mente permanecerá imóvel e o yogi conseguirá a estabilidade. Por conseguinte, deve-se controlar a respiração.” Hatha Yoga Pradipika, II:2 Em Árvore do yoga, comparando a respiração á uma arvore, Iyengar demonstra a importância dos pranayamas: “Como as folhas que arejam a árvore e fornecem nutrientes para que seu crescimento seja saudável, também o Prāṇāyāma alimenta e areja as células, os nervos, os órgãos, a inteligência e a consciência do sistema humano. Quando estamos realizando um àsana-(postura física), só podemos entender plenamente o corpo se sincronizarmos a respiração com o movimento. Prāṇā é energia. Ayama é criação, distribuição e manutenção. Prāṇāyāma é a ciência da respiração, que leva à criação, distribuição e manutenção da energia vital.” A respiração é algo tão importante que a Associação Brasileira de Rinologia, lançou no ano passado (2015) uma campanha chamada “Cuide Bem do Seu Nariz”, onde abordou a importância da respiração correta, a começar pelo fato da respiração adequada ser nasal e sua função: “Quando inspirado pelo nariz, o ar é umedecido, aquecido e filtrado, evitando que as impurezas cheguem ao organismo. Por sua vez, a respiração pela boca não prejudica apenas o sistema respiratório, mas também gera impactos no desenvolvimento da estrutura óssea facial. Além disso, a vida social de quem sofre deste problema também é prejudicada. “Em todas as faixas etárias, quem não respira pelo nariz apresenta irritação, ansiedade e depressão. Outros têm problemas com a audição, voz e até nas atividades sexuais. Por estes motivos, o desempenho no trabalho e nas atividades sociais é afetado”, afirma Roithmann. “A pessoa que respira bem pelo nariz tem melhor qualidade de vida em relação ao que respira mais pela boca. A respiração oral atinge a garganta, o sentido do olfato, a qualidade do sono, a função pulmonar, além de trazer muitos outros malefícios”, afirma o otorrinolaringologista. Mas não basta uma respiração nasal, é preciso trazer consciência para o ato de respirar. Não inspiramos apenas oxigênio para dentro no corpo, mas também energia prânica. As técnicas de pranayama tem como objetivo a expansão dessa energia vital. “O pranaiama não é uma respiração normal, nem simplesmente a respiração profunda. É a técnica de gerar energia vital. Somente as técnicas do pranaiama, que regulam, canalizam e (ao reter a respiração) represam o fluxo para melhor controlar e extrair sua energia inerente, é que produzimos energia suficiente para realizar todo nosso potencial. A jornada para o centro infinito da existência é árdua. Só a energia prânica pode nos levar até lá.” (Luz na Vida, Iyengar) São inúmeros os efeitos das técnicas respiratórias no organismo como: estabilização do sistema nervoso autônomo, aumento da variabilidade da frequência cardíaca, diminuição da pressão arterial, aumento da função pulmonar, aumento do sistema imunológico, melhora na qualidade e padrão de sono e aumento do bem estar e qualidade de vida. (Tecnicas de respiração para redução do estresse em terapia cognitivo-comportamental) No seu livro Treinamento YogIN de Respiração, Daniel De Nardi ensina como realizar as técnicas respiratórias através de um treinamento passo a passo, e tem uma frase que deixo para terminar esse texto, que nos faz repensar na importância da respiração: “O ser humano é capaz de ficar dias sem comer, horas sem tomar água, mas não passa minutos sem respirar. A vida depende desesperadamente da respiração, por tanto se respiramos melhor, vivemos melhor. Quanto mais ar, mais vida.”   Para saber mais sobre conteúdo de Yoga aperte este botão

Filosofia do Yoga | 6 mar 2021 | Daniel De Nardi

O tapas de Shackleton

O tapas de Shackleton O conceito de tapas (auto-superação) acompanha o Yoga desde de seu surgimento. A auto-superação pode ter infinitas variáveis, mas um único princípio - tirar-nos do conforto, gerar incômodo para que alguma mudança aconteça. Sem incômodo não há mudança. Espera-se pelo dia que bastará tomar um único remédio e poderá comer tudo o que der vontade, sem fazer nenhum esforço físico para manter-se em forma. Ou pelo dia que que tomaremos uma pílula antes de dormir e acordaremos com dezenas de assuntos assimilados e prontos para serem colocarmos em prática. YogIN App - Studio de Yoga OnLine · A Autossuperação (tapas) de Shackleton - Podcast #95   Não duvido que a ciência possa gerar esse tipo de remédio em alguns anos, mas até agora a verdade é clara - se quiser mudar, terá que estressar as áreas importantes. Stress aqui no seu conceito de esticar, ampliar, gerar desconforto para modificações. Se quer emagrecer, ainda terá que ser como sempre foi (ou faça muito exercício ou coma pouco ou os dois juntos) mas você precisa gerar um incômodo, seja por parte da fome ou do desconforto nas pernas. Se quer aprender algo novo, saiba que a primeira reação da sua mente será convencê-lo que não vale a pena, que você está bem e não precisa perder tempo com isso que não vai te levar a nada. Se mesmo assim sua mente não convencê-lo, vai tentar levar sua atenção para coisas mais simples de resolver, como zerar suas notificações na rede social. Ela vai te incomodar. Estudos do cérebro da Universidade de Ohio mostraram que novos aprendizados começam a ser identificados pelo seu cérebro pelas mesmas áreas da dor física. Para o cérebro: mudança = dor Mundo horrível esse da mudança. Mas saber que o processo terá desconforto pode ajudá-lo quando pensar em desistir. Vamos lá! Tem a parte boa também. O desconforto, tanto para aprendizado intelectual quanto para mudanças físicas vai diminuindo com o tempo até se tornar prazer. Quem nunca correu, não consegue imaginar que alguém possa sentir prazer correndo os últimos 2km de uma maratona. Mas garanto que isso é possível, apesar das primeiras experiências da corrida serem torturantes. A minha estréia na corrida, não faz muito tempo, foi em 2005. Eu não era um sedentário, praticava Yoga regularmente e depois de 2o minutos tive que parar de tanto sentir aquela dor que dá do lado da barriga. Pensei \"tudo bem fazer isso pra perder peso, mas acordar pra correr por prazer, impossível.\" Não é apenas com a corrida que isso acontece. Todo novo aprendizado, seja ele físico ou mental, passa por desconforto. Você não lembra da sua primeira experiência com os asanas ou com a meditação. As mudanças começam a se sedimentar quando nesse momento do desconforto, que todas as variáveis apontam para o bom senso da desistência, você diz - não vou tentar mais um pouco. [caption id=\"attachment_16482\" align=\"alignright\" width=\"378\"] Essa é uma das primeiras fotos do meu Instagram. Me emocionei quando vi as fotos originais de Shackleton[/caption] Isso é tapas! Tapas é quando, mesmo consciente do desconforto, você persiste por saber que o que você realmente quer está na frente do desconforto. Tapas pode ser confundido com auto mutilação. Na Índia, há sadhus fazendo as coisas mais esdrúxulas em nome de tapas, como enrolar o pênis numa cabo de ferro para demonstrar o domínio da mente sobre o corpo. Faquirismo não é sinal de uma vida bem vivida. Está muito mais pra exibicionismo que o verdadeiro significado de mudança através da auto-superação. A História, está cheia de exemplos de pessoas que venceram situações tidas como incontornáveis auto-superando-se. Um desses exemplos para mim sempre foi o aventureiro irlandês Ernest Shackleton que teve sua vida descrita em muitos livros. Conheci a vida de Shackleton pelo Amyr Klink. Amy não é apenas o maior aventureiro brasileiro, mas um estudioso e sábio. Ontem, tive a sorte de ouvir esse podcast que conta a história da expedição de Shackleton. A certeza que tudo de ruim é capaz de passar até que se chegue onde se quer é o maior ensinamento da vida de Shackleton. Podemos tudo, só depende de quanto suportamos esse querer. De brinde, abaixo do podcast, Amyr Klink completando tudo o que eu quis dizer até aqui, sem dificuldade, não há mudança. Boas viagens!   https://open.spotify.com/episode/7Hw6D20nXCEytlPEivXDTi https://youtu.be/wFfeolX-Rrg