Blog

yoga app


Filosofia do Yoga | 27 jun 2021 | Daniel De Nardi

O Oriente encontra o Ocidente, o início do Yoga por aqui – Podcast #13

Como o Yoga começou por aqui - Podcast #13 No podcast de hoje vamos entender quando o Yoga chega ao ocidente trazido pela influência de um violinista. O desconhecido no mundo do Yoga e famoso no mundo da música Yehudi Menuhin, primeiro aluno ocidental de B.K.S. Iyengar. A primeira aparição do Yoga no ocidente acontece em 1893 na Conferência Internacional das Religiões em Chicago. Vivekanada, o yogin que primeiro falou sobre o Yoga no ocidente foi homenageado com o nome dessa rua na cidade onde a conferência aconteceu. Depois disso, as ideias do Yoga não criaram raízes no pensamento ocidental. A prática de Yoga começa a ganhar força apenas na década de 50 quando o violinista Yehudi conhece Iyengar e começa a traze-lo regularmente para palestrar no ocidente. Primeiro na Suíça em 1952 e depois em várias cidades americanas, onde funda escolas e começa a difusão do Yoga no Ocidente. Iyengar conheceu Menuhin em 1952 em Bombaim, Índia. Menuhin estudou com Krishnamurti que recomendou que Iyengar ensinasse Yoga ao violinista. Quando se encontraram, Menuhin disse que estava muito cansado e que não ia poder ficar muito tempo com o professor. Iyengar lhe ensinou uma invertida e o músico executou. Menuhin adorou a técnica e ficou praticando por mais uma hora com Iyengar. Menuhin começou a perceber que o Yoga melhorava sua performance na música. Tornou-se um yogin disciplinado e estudioso. Manteve contato com Iyengar por toda a vida dedicando seu mais famoso livro - Light on Yoga ao seu aluno Äo meu melhor professor de violino.\"B.K.S. Iyengar.             Links Álbum gravado por Yehudi e Ravi Shankar - West Meets East Curso de Formação do YogIN App https://yoginapp.com/curso-yoga-formacao-de-professores Trilha Sonora da série - Reflexões de um YogIN Contemporâneo Praça de Chicago onde há uma ruela homenageando Vivekananda   Documentário sobre Menuhin Yehudian https://youtu.be/sMTFMVvzHfQ Curso de Mantra com Sandro Shankar - Audiobookm de Iyengar B.K.S. Iyengar O que Iyengar pensa da evolução do Yoga https://youtu.be/mv4SkZVGxU8 Iyengar foi homenageado na página do Goolge em seu \"97\" aniversário https://youtu.be/Jot8PoRASh0   https://yoginapp.com/aulas/hatha-yoga-com-props/   Yoga com Props com Mariel Gunsch Aulas YogIN App Apresentação da aula de Yoga com Props no YouTube https://youtu.be/4DwvplhcYJg   Planos de assinatura de aulas de Yoga online Boas reflexões e até o próximo Reflexões de um YogIN Contemporâneo. Transcrição do Podcast   O Oriente Encontra o Ocidente, O Início do Yoga por Aqui #13 Olá, o meu nome é Daniel De Nardi e hoje é o dia em que a gente vai unir a música clássica com o nascimento do yoga no ocidente ou a vinda do yoga para o ocidente. No curso de formação do YogIN App, nós temos uma aula bem extensa que explica detalhadamente qual é o contexto histórico tanto na índia quanto no ocidente quando o yoga passa a ser difundido e praticado e reconhecido. Hoje a gente vai falar um trecho desta história porque vamos comentar sobre quem canta esta música com Ravi Shankar, é um violinista chamado Yehudi Menuhin, podemos considerá-lo o padrinho do yoga no ocidente. Oficialmente o yoga chega ao ocidente em 1893, na Conferência Internacional da Religiões, um grande mestre de yoga indiano chamado Vivekananda é convidado para falar sobre o yoga e o hinduísmo e ali se pode dizer que o yoga foi explicado como conceito pela primeira vez no ocidente, em Chicago. Inclusive, na praça principal da cidade, onde tem alargada da maratona de Chicago, tem uma ruela chamada Vivekananda way, em homenagem ao mestre, por ter trazido o yoga ao ocidente. Mas após a palestra o assunto não fica presente, não cria raiz, tanto que passa-se muitos anos e demora para que se tenha uma escola de yoga por aqui. Fala-se que em 1940 abriu a primeira escola de yoga, de uma russa em Cuba, porém não foi nada expressivo. O yoga começa de fato ser conhecido no ocidente a partir desse violinista, o Yehudi que eu já mencionei. Yehudi Menuhin não é muito conhecido como popstar, mas dentro do meio da música clássica ele é bastante reconhecido, ele foi um dos maiores violinistas do mundo de sua época, ele nasceu em 1916 e morreu em 1999, e ele era um prodígio desde o início de sua carreira ele tocava de forma magnifica, começou muito cedo e tinha muita habilidade para aquilo. E ele esgotou os recursos da música ocidental e começou a pesquisar os padrões orientais, ele começou a observar que a Índia não seguia o mesmo padrão de notas musicais e ritmos, e passou a estudar a música inicialmente indiana, mas você fizer um estudo profundo sobre a música indiana (e a gente tem um outro curso de mantra do Sandro Shankara que pesquisa a música indiana clássica) vem junto muitos conceitos do hinduísmo não é só a música pura. E, a partir dali, Menuhin começa a travar contato com a inteligência indiana, filosofia, modo de viver, especulações sobre a vida, então ele começou a estudar um autor famoso no ocidente chamado Krishnamurti que recomendou a ele que conhecesse o Iyengar e praticasse yoga. Um dia Menuhin estava na Índia e chamou o Iyengar para fazer algumas posições pra ele (esta história é conhecida ela, inclusive, está na página do Iyengar), ele estava muito cansado e, então, o Iyengar chegou lá e disse que ensinaria um exercício que iria melhorar o cansaço dele, pediu para que ele levantasse as pernas, provavelmente pediu para que ele fizesse um sarvangasana – uma invertida sobre os ombros – , Menuhin gostou daquilo, sentiu os efeitos e ficou mais de uma hora praticando com Iyengar. Depois passou a chamá-lo porque sentiu-se muito bem, assim tornou-se um exímio praticante. Em 1952 ele chama Iyengar para ir a Suíça para dar uma palestra, foi aí que o yoga começou, realmente, a criar raiz no ocidente.  Depois Iyengar vai para os EUA e começa a fundar as primeiras escolas de yoga, então o yoga funda-se realmente como uma estrutura, como uma marca indiana no ocidente, a partir desse movimento desses dois importantes ícones da cultura do yoga e foi esse acaso que fez com que o yoga fosse difundido, porque ele ganha corpo no ocidente com o Iyengar que, inclusive em 2004, entrou para a lista da revista Times como um dos cem homens mais importantes do mundo, ele chegou a um patamar que nenhum outro mestre de yoga chegou, e talvez chegue, ele foi mundialmente reconhecido e quando você vê entrevistas ou estuda a obra dele (eu sempre falo da audible, que tem muitos livros dele para quem gosta de ouvir, mas que gosta e ler tem a obra toda traduzida para o português) percebe que e não era a intenção dele ficar conhecido no mundo todo, tanto que ele ficou morando na cidade dele a vida toda. Ele era um difusor, ele sobre levar a mensagem do yoga com um aspecto terapêutico, mostrando fato os efeitos que prática fazia nos praticantes e adequando a pratica como um estilo de vida para a vida inteira. Ele inclui props que são aquele bloquinhos e também faixas. Se você for muito tradicionalista você vai dizer “ah, imagina, na antiguidade não se praticava com bloco e nem com faixas” mas e daí? Na antiguidade se dormia na pedra, então vamos dormir também? Isso não faz sentido, o yoga é um filosofia que venceu ao tempo justamente pela sua adequação, ele não ficou preso a dogmas inflexíveis, e foi mantendo o centro essa busca por uma paz interna, por uma sensação de auto-observação mais precisa, o yoga manteve isso apesar das técnicas irem mudando ao longo do tempo e isso se preservou e isso é o que se tem de mais valioso no yoga, agora, “não vou usar o props porque os primeiros praticantes não tinham” isso eu acho uma besteira muito grande, eu uso e me ajuda muito na prática, assim como as faixas, determinadas posições você não consegue realizar (como alcançar o pé ou levantar a perna)  e você não vai usar a faixa porque é um tradicionalista, mas se usasse conseguiria realizar a posição, relaxando o músculo sem fazer força, qual é a escolha mais inteligente? Então o Iyengar trouxe esses materiais e a adequação do yoga como um estilo de vida para as pessoas praticarem ao longo dos anos, inclusive ele era um crítico dos altos, no Ashtanga ele dizia “como é que você vai saltar aos 80 anos?”. A prática dele tem esse objetivo, ficar a vida inteira praticando (como ele, existe imagens dele bem velhinho praticando) porque ele usou desse método, se o yoga é uma prática que desenvolve longevidade, precisa ser uma prática que você consiga levar para a longevidade, então o estilo de yoga do Iyengar faz esse trabalho. A gente tem uma aula de yoga com props da professora Mariel, eu vou deixar o link pra quem for aluno e quiser praticar, pra quem não for aluno eu vou deixar uma apresentação dessa aula que a gente tem o YouTube e também o link das nossas aulas, pra você ver quantas aulas o YogIN App tem disponível. A gente mais de cem aulas e o aluno pode escolher por diferentes períodos e estilos, você poderá fazer uma triagem de acordo com as suas necessidades, praticar quantas vezes quiser, salvar nos favoritos, então você poderá acessar facilmente essa aula e fazer tudo isso pelo aplicativo ou pelo site. Quem não conhece e quer conhecer aproveita que a gente está por um período, que eu não sei quanto tempo irá durar, para baixar o aplicativo e tem trinta dias grátis para experimentar, pode cancelar antes dos trinta dias, sem custo. Uma oportunidade para você que não pratica yoga começar. A ideia não é substituir a aula presencial, algumas pessoas não tem a possibilidade de frequentar aulas de yoga, às vezes não tem na cidade delas, então para ela seria interessante. Quem  faz em uma escola pode conciliar, aulas online tem essa vantagem de a gente fazer na hora que a gente quiser ou nos momentos em que não tem aula, hoje, por exemplo, eu estou gravando numa sexta-feira de feriado e muitas escolas podem estar fechadas e quando o aluno quiser praticar ele tem a opção do yoga on line, pode fazer um plano simples, tem planos a partir de R$29,00 e escolher um plano pra você ter como um plano B. E pra quem faz regularmente e só tem essa opção, eu sugiro que faça um plano que vocês consigam interagir com os professores (é uma opção, você pode continuar com a aula gravada), o plano Premium a gente consegue interagir e vê-los durante a prática. Então eu encerro por aqui, esse foi mais um Reflexões de um YogIN Contemporâneo, e eu vou deixar o link do álbum que eles gravaram do Menuhin com Ravi Shankar que começa a ligação do yoga com o ocidente, vou deixar o álbum pra quem quiser ouvir. Até o próximo podcast. Om Namah Shivaya!     https://yoginapp.com/reflexoes-de-um-yogin-contemporaneo-serie-de-podcasts-yoga-pro-seu-dia-dia

meditacao profunda
Podcast de Yoga | 25 abr 2021 | Daniel De Nardi

O que é vivenciado em um estado de meditação profunda – Podcast #12

Reflexões de um YogIN Contemporâneo - episódio 12 Em 1861, o escritor e crítico de arte Baudelaire, ao assistir a estréia de Tannhauser de Richard Wagner em Paris ficou tão fascinado que escreveu um livro para tentar explicar o estado de consciência que tinha vivenciado aquela noite. \"A partir [...] do primeiro concerto, fui possuído pelo desejo de penetrar mais a fundo na compreensão dessas obras singulares. [...]. Minha volúpia tinha sido tão forte e tão horrível que eu não podia me abster de querer retornar a ela incessantemente. No que eu havia experimentado, entrava, sem dúvida, muito do que Weber e Beethoven já me haviam feito conhecer, mas também algo de novo que eu me achava incapaz de definir, e essa incapacidade causava-me uma cólera e uma curiosidade associadas a uma rara delícia. Resolvi me informar do porquê e transformar minha volúpia em conhecimento [...].\" No podcast de hoje, vamos refletir sobre o que seria um estado de meditação profunda e como ele pode ajudar o yogin na expressão da sua verdadeira identidade. Os estados da mente comentados no podcast Links   Trilha Sonora da série - Reflexões de um YogIN Contemporâneo Novo Curso - Refletindo sobre os medos que nos travam Yoga-Sutra - Tradução Carlos Eduardo Barbosa Livro do Baudelaire - Tanhauser em Paris Quora - site de perguntas e respostas de tudo  Minha resposta sobre Meditação no Quora  Curso do Dr. Roberto Simões - Neurofisiologia da Meditação  Transcrição do Podcast   Estado de Meditação Profunda #12   Olá, o meu nome é Daniel De Nardi essa música é “Tannhauser” uma música de Richard Wagner, está começando o 12º episódio de “Reflexões de um YogIN Contemporâneo”. No final do século XIX, mais precisamente em 1861, Baudelaire, que era um famoso poeta, já havia escrito livros e peças de teatro, vocês já devem ter ouvido falar dele, o livro mais famoso dele se chama “Flores do Mal”. Ele era um agitador cultural, um dia ele foi a uma casa de ópera, em Paris, para assistir à estreia da ópera de Richard Wagner. Wagner já era uma pessoa muito polemica na época por levar a estrutura da ópera a outro patamar, antes de Wagner a música era essencial e havia uma produção modesta, mas não era algo cinematográfico, Wagner faz o primeiro movimento do cinema (no sentido de superprodução) como entendemos hoje, ele era detalhista e queria que cada detalhe fosse executado com o máximo de perfeição, então ele fez com que várias frentes da arte se encontrassem na ópera (figurino, artes plásticas, dança, artes cênicas), mostrando que a ópera era a única que conseguiria unir todas as artes. O que não é mentira, só tenho apenas um contraponto, se você vai a ópera o enredo precisa ser simplificado porque a música faz parte, assim como nos musicais, tem muito tempo de música, que se repete. Mas tanto os musicais quanto a ópera trazem o que há de humano, uma expressão com a música que é um catalisador de emoções, a história fica simplificada, mas a música amplia a experiência, quem já foi em musicais ou em ópera sabe do que estou falando.   Baudelaire era um artista das artes em geral, e era um crítico de arte, ele entra pra ver a ópera de Wagner e fica muito tocado, entra em um estado diferenciado de consciência, quando sai da ópera, se sente obrigado a defender a obra de Wagner que era bastante atacado na época. Baudelaire escreve para Wagner, que é sempre seco e não dá muita abertura pra ele, eles se encontram e não há uma interação, não há a necessidade de querer contribuir para o livro que Baudelaire escreve a seu respeito, é um livro bem curto chamado “Baudelaire, Richard Wagner e Tannhauser de Paris” e conta a incompreensão que Wagner passou, a dificuldade que ele teve de mostrar que estava mudando a cara da ópera, hoje você pode achar óbvio, mas na época ele recebeu diversas críticas, além de não ser uma pessoa fácil, era megalomaníaco e perfeccionista, mas Baudelaire tenta escrever o livro para reparar esta imagem de Wagner. O interessante é que Wagner tinha muito claro qual era o papel dele, as críticas não tinham relevância porque ele sabia que o que estava construindo era a sua verdade e fazia sentido, havia uma importância histórica para a arte. Baudelaire tenta ser o defensor de Wagner diante da crítica francesa, porém não teve tanta ajuda para tal. E essa posição de Baudelaire surge por querer entender o que de fato sentiu ao assistir a ópera de Wagner, Tannhauser em Paris. Neste livro que eu mencionei, tem uma passagem que ele diz: “A partir do primeiro concerto fui possuído pelo desejo de penetrar mais a fundo na compreensão dessas obras singulares, minha volúpia tinha sido tão forte e tão horrível que eu não podia me abster de querer retornar a ela incessantemente. No que eu havia experimentado entrava sem dúvida muito do que Weber e Beethoven já haviam feito conhecer, mas também algo de novo que eu achava incapaz de definir, e essa incapacidade causava-me uma cólera e uma curiosidade associada a uma rara delícia, resolvi me informar do porquê e transformar a minha volúpia em conhecimento.” Baudelaire queria explicar a sensação, o que ele havia vivenciado, então, ele faz por meio da sua habilidade: a crítica de arte. Além de escrever peças de teatro e livros, ele também era um crítico de arte, ele une o entendimento pessoal ao intelectual. Daí tem que ler o livro para saber se ele teve êxito em seu intento ou não. A nossa ideia hoje aqui é tentar entender o estado de meditação a partir do que temos de experiência e de literatura relacionada a meditação.  Literatura sobre meditação é praticamente infinita nos dias de hoje, especialmente a partir do momento em que “Mindfullness” ganhou notoriedade porque, até então, a meditação era assunto de uma pesquisa ou outra, porém não havia um sistema acadêmico, científico, com uma proposta (eles chamam de protocolo – quando existe um sistema de pesquisa envolvendo o alvo do estudo, no caso, a meditação), quando o Mindfullness foi registrado como um método, as pesquisas cientificas sobre a meditação cresceram muito, pois se havia uma campo amplo de pesquisa. Mas a meditação vai além, pois tem pontos que a ciência atualmente não consegue tocar e, ai você pode acreditar nisso ou não, muito disso está ligado a questão da consciência. A ciência, academicamente, não reconhece a consciência humana como algo existente, porque há um pressuposto que o objeto e estudo precisa ser medido, palpável. Então, a voz da consciência é fácil ser negada, porém você não pode negar que ela está internamente, pode ser uma criação mental, a gente pode trabalhar com essa hipótese, os cientista tentam provar que a consciência nada mais é que uma maneira sofisticada de a gente justificar as nossas decisões, que não existe e que tudo é puramente físico. Particularmente eu não concordo com esta afirmação, acredito que de fato exista essa consciência que o Sankhya chama de Púrusha e que Patanjali vai expressar muito como aquele que vê. O que nós vamos fazer é tentar entender um pouquinho – não vamos nos aprofundar totalmente no assunto – o que seria o estado que Baudelaire entrou, um estado que não precisa ser gerado a partir de um exercício de meditação, o estado em si pode ser gerado a partir de qualquer tipo de repetição, a partir de qualquer exercício que te faça concentrar com o máximo de atenção durante um bom tempo, claro que a meditação tem essa proposta e isso contribui muito; é a mesma coisa – por exemplo – você pode emagrecer caminhando durante o dia ao invés de usar tanto o transporte, mas é mais fácil se tiver um exercício focado para o emagrecimento, como uma corrida de 30 ou 40 minutos, isto teria um efeito maior. E é o mesmo caso, você pode entrar num estado diferenciado de consciência, um estado meditativo em qualquer atividade, inclusive ouvindo esse podcast (embora aqui tenha um pouco mais de agitação mental), algo que prenda a sua atenção fixamente. Isso pode te levar a um estado diferenciado, de meditação e independe se é yoga, se é tai chi, se é olhar e admirar um quadro, não importa, o que importa é que você estabilizou a sua mente e agora a gente vai entender o processo que acontece e como o yoga se enquadra dentro desse processo. Essa minha análise começou com uma resposta que eu dei em um site chamado “Quora”, um site de perguntas e respostas, há uma votação e a melhor resposta é votada e fica em destaque. Mais ou menos como funciona no Yahoo, mas é uma comunidade e tem muitos expert, eu já fiz perguntas sobre a NASA, por exemplo, e quem me respondeu foi um engenheiro da SpaceX, que é uma empresa grande de engenharia espacial. Você faz perguntas e solicita para que os eventuais especialistas da área respondam, geralmente eu respondo as perguntas do no site para treinar o meu inglês, que não é muito bom, mas faço como um exercício e contribuo com a área de yoga e meditação que é o que eu sei e que estudei. E lá tinha uma pergunta mais ou menos assim: “O que seria ou o que se vivenciaria num estado de meditação profunda?”. Pra gente entender meditação, essa questão do vedor e da consciência, a gente precisa ir ao texto mais clássico do yoga que pé o Yoga Sutra. Eu cito recorrentemente ele aqui, sempre deixo um PDF de uma tradução que eu gosto muito, a do Carlos Eduardo Barbosa, um estudioso de sânscrito e de cultura hindu, e ele traduz do original do devanagari, ele domina o sânscrito e o devanagari, a leitura do yoga sutra dele é muito coerente porque o sutra é chamado de aforismo, mas o aforismo é uma frase que se resolve por ela mesma, é uma sentença de verdade que não tem muito o que negar, por exemplo: a agressão a outros seres humanos não faz bem à sociedade. É um aforismo, não tem como negar, a agressão é um ponto desnecessário, é um caso extremo e não faz bem à sociedade como um todo. Agora o sutra não é um livro de frases, inclusive o próprio termo sutra significa cordão, o sistema de sutras é de ligação, um sutra é continuidade do anterior, tanto que a sugestão é lê-lo de uma só vez, a estrutura do yoga sutra precisa ter uma coerência, não é simplesmente uma tradução você entender a palavra, se não há coerência, não é uma tradução boa. A tradução do Carlos é compreensível e o importante é que ele faz comentários nos sutras mais relevantes, chamando a atenção para o que for mais importante. Eu vou deixar o PDF, quem quiser baixar e ler, acho que vale bastante a pena, vou ler os primeiros sutras traduzidos pelo Carlos, lembrando que o yoga sutra é o primeiro livro a ser escrito sobre o yoga, a primeira frase diz: “Eis os postulados mais elevados do yoga” Eu não vou ampliar a explicação, mas esse “atha” (atha yoga shasana) é um tipo de recurso que era usado na época em que o yoga sutra foi criado, nesta época começou a haver uma série de compilações de vários outros textos, então os sábios se reuniam para compilar os textos de acordo com o assunto a ser tratado (por exemplo na área jurídica, na literatura ou no yoga). Patanjali acaba determinando quais textos seriam de maior valor e elevação para a compilação do yoga (Atha Yoga Shasana). A segunda frase é a famosa “yoga chita vritti nirodha”, que diz “yoga é a redução da atividade mental”. Vamos voltar ao yoga sutra para entendê-lo melhor, Patanjali começa dizendo o que é o mais importante do yoga “Atha yoga shasana” (Eis os postulados mais elevados), na primeira frase ele fala “quer chegar ao estado de yoga, quer entender o yoga, quer saber sobre o yoga, então diminua a atividade da sua mente”. E para que isso? Porque “aquele que vê, o percebedor, se manifesta na sua natureza mais autentica”. Esses três sutras já explicam o que é o yoga e o que é a meditação. A meditação é um processo pelo qual você consegue diminuir a agitação mental para trazer a voz da consciência, para trazer esse vedor, trazer a real natureza dele, a natureza mais autêntica. Esse é o processo elo qual o yôgin deve buscar, então a meditação é muito diferente de você estar num estado e de repente “bum!” – e isso muita gente busca como algo totalmente transcendental –, “entrei no estado de samâdhi, resolvi todas as equações da vida, descobri o mundo, tive um momento de êxtase, de luz, de felicidade, de plenitude, agora eu sou sábio”. Este tipo de pensamento é tão ingênuo e infantil, se você parar para analisar isso não faz sentido com a proposta do yoga e com o que Patanjali e os demais falam. Quando você diminui a atividade da mente você não vai ter uma revelação do universo, você chegar num momento para que informações internas e pessoais suas sejam reveladas, para que a sua verdade venha à tona a sua verdade não a dos outros, o que for sucesso pra você, não para o outro. Estas verdades surgem no processo da meditação. Quando a gente pensa nos estados da mente (você já deve ter ouvido falar em alfa, beta, teta, delta...é interessante a gente entender porque faz sentido dentro da proposta de meditação de Patanjali), a ciência classifica a mente em três estados segundo os níveis de hertz detectados, atividades do pensamento. O Estado Beta: 14 a 21 ciclos por segundo, esse é o estado de vigília e de autopercepção dos sentidos, é um estado em que a gente está muito alerta, pensa no estresse, que é o oposto do estado meditativo porque é um estado em que você tem o máximo de atividade da mente, muita percepção dos sentidos, uma percepção mais aguçada pode te defender de uma ameaça, então o corpo se coloca em estado de defesa, de sobrevivência, o oposto de você ouvir a sua voz interna, a sua voz da consciência (aí entra um ponto que é, nesse patamar  não existe certo ou errado, o estado é o que depende do momento, se você ficar no estado de tranquilidade você não vai conseguir viver em sociedade, assim como um estado de excitação e de euforia traz um cansaço mental, ansiedade, depressão, você impede que haja um fluxo mental tranquilo e que os pensamentos se tornem profundos); o Estado Alfa: de 7 a 14 ciclos por segundo, aqui se começa um outro estado de consciência, há espaço para a informação pessoal de cada indivíduo (vamos pensar nessa onda como o mar, quando está agitado você não consegue ver nada, não há percepção das coisas, no estado alfa existe um movimento mais suave e um espaço para que as ideias surjam tranquilamente); o Estado Teta: de 4 a 7 ciclos, um estado de relaxamento total e meditação, nesse estado vem a informação de forma verdadeira (já deve ter acontecido com você antes de dormir ter alguma ideia verdadeira e profunda e não conseguir resgatá-la depois, ali você estava em estado de Teta, quase entrando e Delta, há a liberação de um espaço na mente para que este tipo de informação apareça); o Estado Delta: de 0 a 4 ciclos, que é o sono profundo e que não há mais consciência do que está acontecendo. No dia a dia não tem como informações profundas virem, a gente está preso a informações imediatas, do ambiente, a meditação possibilita justamente um estado próximo a “quase dormindo”, em que as ondas mentais estão com menor frequência e, e segundo o sutra, o yoga é a diminuição do estado mental e faz sentido com a análise que a ciência tem sobre as frequências mentais. O que você deve buscar e perceber num estado de meditação profunda não é a resolução do mundo, nem um “orgasmo transcendental”, é um percepção própria que o ajudará a encontrar a sua própria verdade. Como Patanjali falou “aquele vê se manifesta na sua natureza mais autêntica”, pense nisso, realize a sua meditação pensando em um autoaprendizado, um autoestudo, não pensando em se tornar um mestre iluminado que levará a verdade ao mundo, pense na sua própria verdade, o que na sua vida te faz expressar o que há de melhor em você, quando você copia alguém não existe verdade, e a meditação nos possibilita isso. Essa é a proposta que, no meu ponto de vista, que é mais coerente com a meditação exposta por Patanjali, do que algo transcendental que é vendido por pessoas “iluminadas”. Iluminado pra mim é aquela pessoa que acorda de manhã feliz com a vida que tem, sabe as adversidades, mas vive o que é verdadeiro. Essa pessoa que vai manter um estado, que vai ter quedas e ascensões, mas que a constância é algo que tem verdade, com sentido, que o faz acordar de manhã, cuidar da sua família e criar um mundo melhor, um entorno melhor. Uma ótima semana, no vemos no próximo podcast.

Como montar uma seita
Podcast de Yoga | 25 mar 2021 | Daniel De Nardi

Como montar uma Seita – Podcast #08

Como montar uma Seita - Podcast #08 Esse podcast vai falar sobre o perigo de sistemas coletivistas usando como exemplo o maravilhoso filme com Edward Norton e Brad Pitt - Clube da Luta.   Links Podcast falando de Chuck Palaniuk Playlist da série - Reflexões de um YogIN Contemporâneo  Meu curso - Yoga, Aprendizado e Liberdade Namastê!   Transcrição do Podcast #08 Como montar uma seita #08 Olá, meu nome é Daniel De Nardi e estamos começando mais um “Reflexões de um YogIN Contemporâneo”, o episódio de hoje vai falar em como montar uma seita. A busca do yoga é sempre uma busca por uma identidade pessoal, a busca por você encontra a sua real natureza e conseguir, de alguma forma, levar isso pro mundo, trazer isso à tona, externalizar aquilo que você tem apenas seu, e tem uma coisa que pode atrapalhar bastante o yôgin nesse objetivo que são ideias coletivistas, você seguir demais uma ideia que não é sua, uma ideia que é de um grupo, ou é formada por alguém e ditada como sendo de um grupo, isso vai automaticamente dificultar você expressar a sua real natureza, a gente vai entender bastante isso que esse é o sistema básico de funcionamento de uma seita, que é você ter ideias coletivista, ideias que aparentemente valem para todo mundo. E no yoga isso é muito presente, existem várias seitas dentro do yoga, grupos que utilizam essa busca das pessoas por um conhecimento diferenciado, e esses mestres ditos avançados, evoluídos acabam gerando uma espécie de doutrina muito particular que nem sempre tem a ver com a identidade de seus participantes. Então como funciona a construção de uma seita ou de qualquer outro grupo coletivista? Acaba-se assinando com algo que aparente é muito bom, existe a necessidade de naquele momento você resolver um problema bastante grande. No caso do yoga, fala-se muito dessa busca por uma vida melhor, de iluminação. De fato o yoga pode conduzir a isso, ele pode gerar nos seus praticantes um bem estar e uma busca e uma vida melhor. Só que isso não necessariamente vai passar por um processo coletivista, algum líder acena com essa resolução de um problema bastante difícil, começa a colocar a mensagem dele pessoal, junto com as técnicas do yoga porque o yoga por ele mesmo já vai produzir isso, ele não precisa da condução de um mestre tão direcionada assim, a prática em si já vai despertando no praticante essa busca de identidade, ele já vai sacando a partir da execução das técnicas o que de fato ali ele está buscando, o que de fato ele é, o que é melhor nele e o que precisa ser mais trabalhado. Pra gente deslocar um pouquinho e tentar entender melhor como esse movimento coletivista acontece, não no yoga, mas em outras áreas, a gente tem nitidamente isso acontecendo na área política, Então fala-se assim “eu vou resolver o problema dos pobres” e aí as pessoas acreditam nisso sem questionar aquela ideia e acabam tendo que seguir as outras coisas que esse líder queria e na verdade esse objetivo não era resolver o problema dos pobres, era um poder pessoal, riqueza pessoal, ele não estava preocupado com a resolução daquele problema.  Então se você tem um problema bastante utópico é mais fácil você vender uma ideia que as pessoas vão acreditar, a mudança ela vai acontecer de um pra um: o professor dando aula para um aluno e o aluno praticando. A mudança não acontece de maneira coletivista, o yoga não tem essa proposta de mudar todas as pessoas, é a pessoa praticando e ela vivenciando a sua própria mudança pessoal. Ela descobrindo a partir da meditação do estado de relaxamento, descobrindo a sua verdadeira natureza e, de alguma forma, externalizando isso. Esse é o processo do yoga, que não é uma pessoa mudando toda a comunidade, é a pessoa buscando a sua própria real natureza. Aí vem um outro ponto, que é dentro da cultura do Sankhya que é a cultura naturalista do yoga, você tem que externalizar essa consciência mais pura, você tem que coloca-la pra fora porque, dessa forma, você está fazendo o melhor uso, melhor proveito da sua vida. Quando você obstrui essa real natureza de ir pra fora você está prejudicando o andamento do mundo, uma rápida explicação, simplificando o sistema do Sankhya. Então na política isso também acontece e isso é muito perigoso, a individualidade não pode ser construída a partir da ideia de uma outra pessoa, ela precisa ser construída a partir de muitas referências que acabam construindo algo que ninguém consegue juntar, porque você tem muitas referências. A partir do momento que você segue uma única ideal coletivista eu faz todo o sentido pra você em todas as áreas da sua vida, a probabilidade de isso estar errado é muito grande porque como eu falei nós somos feitos de referências, se você sempre ouve os meus podcast concorda com tudo que eu falo, tem algo errado não pode estar certo. Eu faço construções a partir do que eu vivi e você não pode pegar tudo o que eu estou falando e achar que descobriu a forma de ser, a forma de ser você tem que construir a partir da sua vivência pessoal, do seu estudo, da sua busca por mais conhecimento, por entendimento próprio e por entendimento das coisas que o rodeiam. Então o ponto é que você tem que ouvir o que estou falando e falar “até entendo o porquê ele está falando sobre isso mas não concordo porque eu tenho um outro ponto de vista”, não ficar um chato questionando tudo, mas se você aceita tudo o que o seu guru está falando, tudo o que ele fala é verdade, não pode porque aquilo pode ser verdade só para ele mesmo, não pode ser mais verdade para outras pessoas. E aí como é que você vai ser essa construção, se ninguém pode te dizer? A construção ela tem que ser pessoal e precisa ser gerada a partir de, como eu falei, de diversas referências, de diversas influências e estudos e que alguns vão fazer sentido para a sua forma de ver o mundo, outros não. Mas se você segue uma única linha coletivista que te fala tudo, isso pode ter uma grande probabilidade de erro, não faz sentido todas as ideias de alguém serem totalmente de acordo com as suas, o mínimo de raciocínio a gente já pode entender sobre isso. Pra deixar uma ilustração mais clara exatamente do que a gente está falando aqui, eu poderia contar a história antes pra depois trazer o conceito, mas eu preferi falar do conceito porque agora a gente tem mais referência para analisar melhor a história. Aí tem um outro ponto, também, que quem não assistiu a esse filme e quer ver pela primeira vez, pode parar o podcast agora e ouvir depois, a partir desse momento, porque agora a gente contar toda a história do Clube da Luta, que é um filme muito famoso, vou falar detalhes sobre ele. Então se você quiser assistir o Clube da Luta pela primeira vez sem saber da história, pare o podcast agora, se você já viu esse filme, eu sugiro que ouça mesmo assim por que a gente vai ver pontos que você não tenha percebido e, também, se mesmo que você tenha visto é interessante depois dessa análise você rever o filme porque é um filme brilhante, com sacadas brilhantes que nos ensina muito sobre a vida, de como a gente segue coisas que não são nossas. O Clube da Luta é um filme bastante famoso no mundo do cinema, ele é muito respeitado como um filme que fez várias inovações, mas no Brasil, especialmente no cinema, ele não fez sucesso porque quando ele foi lançado teve um tiroteio no Shopping Morumbi, não sei exatamente a data, (talvez em 2000) mas naquele ano teve um tiroteio durante a exibição de filme e atirou e matou várias pessoas, uma tragédia aqui em São Paulo. Isso acabou afastando as pessoas desse filme, eu mesmo, depois de ver o atentando eu não vi, só vi depois em DVD. Mas desde a primeira vez que assisti ele já entrou na lista dos meus filmes preferidos, vi como uma ideia brilhante porque foi um filme que quando eu terminei eu pensei “quem de fato sou eu?” eu poderia dizer que foi o filme que mais gerou esse tipo de questionamento, de impacto em que foi qual é a minha real construção? Apesar de eu ser bem novo na época, eu lembro que aquilo reverberou, eu fui dormir com a sensação de quando o filme terminou, porque ele termina com um impacto muito grande, o final é muito forte. Esse filme é adaptado de um livro de um escritor americano chamado Chuck Palahniuk, ele é bem reverenciado no mundo literário, os escritores gostam muito da obra dele. Eu vou deixar um podcast como referência que é sobre um outro assunto que é a Jornada do Herói, que eu estou estudando agora par um outro curso que eu estou produzindo e, nesse podcast, eles falam sobre o obra do Palahniuk porque é uma obra que contradiz a linha do herói. Mas voltando ao Clube da Luta, o filme foi escrito por esse escritor brilhante, e filmado pelo David Fincher, de Seven, ele produziu também o filme sobre o Facebook, O Curioso caso de Benjamim Button, ele é o diretor d House of Cards, então é um diretor que na época o Seven já tinha saído, então ele já tinha uma certa fama, nunca ganhou o Oscar, mas é um diretor super famoso e tem uma obra que mostra muita construção e vale a pena ser vista. O filme começa, a primeira cena, pra quem não lembra exatamente, eu assisti agora recentemente na casa da minha tia, ela disse que nunca tinha assistido e eu fiquei com uma certa inveja, porque eu queria estar assistindo ao Clube da Luta pela primeira vez, depois que eu vi pela primeira vez eu alguns trechos do filme, mas não tinha assistido ao filme inteiro pela primeira vez. Como é um filme de memória e de mudança de personalidade, ele só fica interessante quando você vê pela primeira vez, como no caso de Os Suspeitos ou daquele outro do menino que vê os mortos, sãos filmes que quando você vê pela segunda vez ele ficam mais interessantes, porque você passa a entender a perspectiva de um outro ponto de vista agora que você já sabe o final. Então vale a pena assistir, eu indico muito, porque o filme é de uma sabedoria para o nosso envolvimento com o grupo e entendimento de ideias coletivistas fantástico. A primeira cena do filme é ele nos prédios, a noite, e ele está preparando para explodir os prédios e ai ele fala isso tudo aconteceu por causa da Marla, aí você se pergunta por que pela Marla? Bom, aí começa a história desde o começo, ele era um rapaz que tinha sido abandonado pelo pai, ele não demonstrava mas isso afetava muito ele, e ele era muito consumista, ele queria ter todas as coisas de lojas famosas, ele era um cara super metódico, super certinho, mas ele não ia até o ponto daquela dor dele, ele não investigava aquela dor daquela vida extremamente vazia e ele tentava resolver isso a partir de remédios porque ele não conseguia dormir, então ele tinha essa aflição. Só que quando ele retornou ao médico, este passou a negar os remédios, dizendo que não havia motivo para prescrição, à medida que ele não tinha dor, pelo contrário, tinha um emprego estável e coisas maravilhosas que todo mundo quer e se ele queria saber, de fato, quem tinha dor de verdade, poderia a ir uma reunião de homens com câncer de próstata. Ele vai por curiosidade, e ali tem outras pessoas que se confessam em exercícios, se abraçam e externalizam o que estão sentindo. Então ele entra numa catarse emocional, e põem pra fora toda a angústia, ele se libera, deixa vir à tona um pouco aquela dor e dorme como nunca tivesse dormido, então ele conclui que a solução para dormir é ir a esses encontros e chorar compulsivamente. Então ele começa a ir ao todo tipo de encontro, homens câncer, caras que não tem grana, viciados em sexo, ele passa a ir a esses encontros para chorar e poder dormir. Só que aparece uma menina, que é o arquétipo da maluca, a Marla, que acabou sendo namorada dele, quando ela chega aos encontros ele percebe que ela é uma farsa, exatamente igual a ele, e isso o deixa constrangido e ele não consegue mais colocar pra fora as angústias dele porque é como se alguém tivesse vendo a farsa. Ele não está colocando de forma legitima, ele está mascarando com um outro sofrimento e deixando a dor vir à tona. A Marla obstrui isso, o que o deixa maluco porque ele passa a não ir mais aos encontros e passa a não dormir mais uma vez. Quando a gente dorme, a gente dá um tempo para o nosso consciente se reorganizar e a gente dá também uma possibilidade de receber informações do nosso inconsciente, essa informação não pode vir a tona, de uma só vez, as informações do consciente devem ser trabalhadas e sendo liberadas gradualmente. No podcast passado eu falei sobre o curso do Roberto que eu estava editando, e eu vou fazer uma referência ao curso dele porque ele conta uma passagem muito interessante lá que é sobre esse retiros de um final de semana, e ele fala que o problema disso é justamente porque funciona ficar um tempo externalizando aquilo, botando pra fora, fazendo dança, liberando, fazendo uma hora de respiração, duras horas de meditação, coisa que você nunca fez antes e , de alguma forma, você traz coisas do inconsciente. Ok! Isso é bom e a gente não pode reprimir essa informação que a gente tem no subconsciente, mas a forma de a gente trazer, sem nenhum filtro, sem nada, ela pode ser bem prejudicial. Então você tem esse caso, de utilização de drogas, as drogas mais alucinógenas pode deixar a psiquê confusa e a pessoa a partir disso ter problemas psicológicos porque vem muita informação de uma vez só. Aí ele fala desses encontros, que informação de uma vez só, e que muitas pessoas acabam tendo consequências desastrosas porque veio muita coisa e, as vezes, ela não queria e o Roberto menciona no curso que o próprio Freud no final da vida falou que “tem coisas que é melhor deixar ali”. No filme, quando você já conhece a história, quando você vê a segunda vez, você começa a entender que quando você não dorme, você começa a trazer muita informação do subconsciente e começa a confundir a sua psiquê. O sono é a parte muito importante para a saúde mental, porque você dorme você reorganiza os seus pensamentos, você libera esse tipo de informação que tem que vir de forma filtrada, você não recebe tudo de uma vez. O narrador na verdade não tem nome – o personagem do Edward Norton é o narrador –, então ele começa a trazer tanta informação dentro do psiquismo dele que ele passa a ser outra pessoa, Tyler Durden, que é o personagem do Brad Pitt, um cara justamente o oposto dele. Então ele sempre tem diálogos em que o Tyler fala “Eu sou o que você queria ser”, então ele coloca todas as “podreiras” que o narrador, de repente, queria fazer: ele trabalha como garçom e faz xixi no prato dos ricos; ele recorta frames, corta na película um pênis, para as pessoas receberem aquele tipo de mensagem sem filtro, porque aquilo é tão rápido que ninguém vê, ele faz todo o tipo de coisa fora do padrão social que eventualmente o narrador queria fazer, mas que ele não conseguia por pra fora e aí ele acabava sendo uma outra pessoa que é o “certinho”. De fato o Tyler é a personalidade real dele ou ele é aquele cara certinho, porque o Tyler traz vários tipos de problemas pra ele, ele sendo dessa forma traz vários tipos de problemas que começam justamente nesse período que ele não tá conseguindo dormir e o Tyler toma conta dele e funda um clube de luta, a ideia do clube era lutar, colocar a sua energia pra fora, ninguém estava ali para se matar ou se machucar, as pessoas estava ali para externalizar as suas angústias, as suas tensões na forma da luta. E aí aquilo passa a ser muito bom para todo mundo que passa pela experiência que passa a ter gratidão pelo fundador, pelo Tyler, e aí dentro do movimento deixava as pessoas mais descontraídas, vivendo uma vida melhor (ele fala, inclusive que como ele passava por dificuldade na luta, o dia a dia do trabalho dele era muito simples porque a luta era difícil) e deram muita voz pra ele, Tyler. Aí surge as ideias coletivistas, porque o Tyler a partir do momento que ele libera a tensão das pessoas, elas passam a admirá-lo e a segui-lo mais ativos no clube da luta, passaram a seguir todas a ideias dele e ele tinha ideias absolutamente malucas. Ele fundou uma seita na casa dele e as pessoas ficavam trabalhando lá e produzindo sabões (ele sabia a fórmula do sabão – eles roubavam gordura das pessoas e produziam um sabão de melhor qualidade) com isso eles começaram a ter mais dinheiro e poder fazer essas loucuras do Tyler cada vez mais, chegando ao ponto de planejar a destruição de todo o sistema financeiro do mundo porque eles queriam destruir as máquinas e os prédios das principais operadoras de cartão e daí aquilo iria dar um bug no mundo. Com essa ideia por trás que ele tinha, que estava resolvendo a vida das pessoas, elas começaram a aceitar tudo o eu ele dizia sem nenhum tipo de questionamento. Então, o grupo tinha algo de repetição, eles repetiam ideias sem questionar, qualquer coisa que o Tyler dizia virava um mantra que ficava sendo repetido pelas pessoas lá de dentro como se fosse a maior verdade, todos falavam aquela mesma verdade e elas eram as verdades do próprio Tyler e aí você começa a perceber que projetos coletivistas sempre partem do objetivo do líder. Chega um momento que o Tyler quer ser demitido do trabalho e ele sabe que para isso acontecer ele precisa apanhar do chefe dele, mas ele sabe que isso não vai acontecer, então chega o ao grupo e diz a ele que todos precisam arranjar uma briga (no filme a ideia é interessante, ele fala de como as pessoas evitam brigas e isso é muito bacana porque as pessoas entendem que ninguém merece ser agredido, então faz-se um pacto por alguns direitos que são de todos, por exemplo, cumprir coisas de um contrato, falar a verdade, isso é um pacto social, todos aceitam e é um direito de todo mundo, isso não é um da ideia coletivista, é um direito de todo o ser humano: não ser agredido, cumprir as suas promessas e seus acordos, não roubar e ser roubado – existem direitos que são naturais, mas existem ideias que não são de todos que esses movimentos coletivistas acabam empurrando como algo bom pra todo mundo) então como o Tyler precisava ser demitido ele inventou isso, todos tentam arranjar uma briga, aí ele vai até o chefe e ele vai até o chefe e se automutila, começa a se dar soco e tudo o mais, mas era uma vontade dele e ele  transfere para o grupo. E chega um momento que o narrador percebe o que está fazendo, especialmente quando um amigo morre, o primeiro amigo que ele chora abraçado, não me lembro o nome dele agora, mas é um obeso, que fazia fisiculturismo e ficou com peitos enormes devido ao uso de anabolizantes, este foi um dos primeiros caras que começou a trabalhar na seita do sabão, ele toma um tiro. E o personagem do Edward Norton chega e vê as pessoas trabalhando e fazendo algo normal, empacotando o cara porque ele está morto, e ele fala “cara, o que eu vocês estão fazendo?”, eles respondem “ele estava participando de uma operação e morreu”, “mas ele é um ser humano” porque ele está se dando conta de que aquele inconsciente dele, que era o Tyler, estava fazendo. Então, como eu falei, botar tudo pra fora não é necessariamente uma coisa boa, mas a vida que ele vivia, angustiante de “certinho”, seguindo todas as normas da sociedade também não é, ele tinha que ter referencias diferentes pra essa construção pessoal do significado de vida. Eles mataram o cara, ele tomou um tiro de um policial, na verdade eles estavam botando ele num saco pra enterrar na casa e ele falou “isso não pode, ele era meu amigo” e eles falam pra ele “ninguém tem nome nas operações, senhor”, então você vê que esses processos coletivista não dá valor para o indivíduo, se de fato os coletivistas querem apoiar as minorias, como eles dizem, eles deveriam apoiar a menor minoria que é o indivíduo, se você tem os seus direitos naturais preservados, você não precisa de um outro direito, se você tem o direito à vida, o direito a sua felicidade pessoal, o direito aos seus bens, você não precisa de outros movimentos te protegendo, aqueles direitos bem protegidos eles já são suficientes para a sua felicidade, mas aqueles movimentos coletivistas falam “não vamos ter isso, aquilo mais”, a busca tem de ser da pessoa, ela que tem de busca o seu espaço , ela não pode dar pra outro essa possibilidade de construção, tanto de mérito quanto de satisfação pessoal, e ali e começa a perceber que esse movimento coletivista estava dando problemas, estava morrendo gente e as pessoas estavam tratando como algo normal, ele falava, não esse cara tem nome sim, o nome dele é John D, por exemplo, não me lembro o nome dele agora. E aí você vê que esse sistema de crenças simplifica as coisas, então os membros do clube não pararam pra pensar e falar “morreu um cara, será que isso não significa alguma coisa?”. Não, eles pegam e falam “na morte, os componentes passam a ter nome” e começam a repetir o nome dele como um mantra e ficam repetindo como se fosse uma verdade e se fosse algo inquestionável. Como eu disse a verdade só é inquestionável pra cada um, vindo do outro ela é em parte verdade ou não, a gente tem que aceitar que sempre as coisas podem estar erradas, se a gente parte desse pressuposto que é um pressuposto cientifico, as coisas podem estar erradas, eu estou provando cientificamente, mas pode estar errado, assim como eu estou falando tudo isso aqui, mas pode estar errado, porque pode ser que todos os seus valores casem realmente com o grupo, isso pode acontecer, pensa que a probabilidade é muito pequena, porque cada pessoa constrói a sua vida e seus valores pessoas, vai gostar de determinadas pessoas ou não, tem um grupo que tem determinado comportamento, a cara é perfeita alinha certinho com você, pode ser,  mas isso também tem chance de estar errado. Então como eu estou falando aqui que a construção tem que ser de diferentes referências eu posso estar errado nisso porque pode ser que você tem uma única referência a vida inteira e vive bem, sempre tem uma possibilidade de erro, a gente que aceitar isso e por isso que vale a pena refletir pensando no outro lado. No caso do Clube da Luta ele agia de duas formas, a própria Marla: ele tinha um desejo sexual por ela ele transava muito com ela quando ele era o Tyler, com vinha a vontade do inconsciente, aquele tesão, quando o sexo acabava ele voltava a ser o narrador, o Edward Norton e ele nem queria falar com ela, como um não sabia do outro, ele só acabava sabendo no final, ele não entendia quando ela tratava ele mal, para ele, ele estava sendo ele mesmo, que não tinha nenhuma relação com ela, mas pra Marla ele era o Tyler, com quem acabara de transar loucamente. Ele era duas pessoas em dois momentos diferentes. Então o Edward Norton começa a se conscientizar do processo todo, e vai atrás e descobre que fez operações em várias cidades, então quando ele achava que ele estava dormindo ele estava nas operações em vária cidades como Tyler Durden, ele tenta desfazer as coisas que o Tyler fez, mas as pessoas não deixam, não aceitam a mudança de ideia “não cara, você mesmo falou que ia mudar de ideia, mas não pode mudar de ideia, então a gente vai cortar o seu saco”, ele dá mesmo essa real pra eles. Então a pergunta que fica no final é: será que o Tyler é a real natureza do narrador, será que o Tyler é de fato o que o Edward Norton deveria ser? Eu acho que não, porque quando, no final, ele dá um tiro na boca o Tyler morre, o que demonstra que o Tyler não era ele, sua real identidade, porque se não essa identidade que ficaria, ela sobreviveria. E quem fica é um cara mais equilibrado, um cara que deixou algumas coisas virem à tona e também não seguiram totalmente o sistema, só que aí é tarde, ele já se deu um tiro na cabeça e a obra está construída assim, na verdade a grande merda (a palavra certa é essa) oi feita e os prédios acabam caindo, uma loucura dele porque ele era tão contra o sistema porque a vida dele era baseada naquilo, ele simplesmente  seguia o sistema, então ele criou uma revolta grande em cima disso e ele quis destruí-lo. Só que o sistema era ruim pra ele porque ele via o sistema de forma equivocada, o sistema não era ruim pra todo mundo, ele não tinha o direito de romper e querer destruir totalmente o sistema e usar um monte de pessoas dentro da sua ideia de revolução porque ele não gostava do sistema, porque ele não se adequava ao que estava imperando e que era bom pra muita gente, o sistema que dava liberdade de consumo para um monte de gente. Então aí fica essa questão, vejam o filme, a minha dica é essa e pra finalizar, agora eu comecei a comentar sobre as músicas, essa música como eu tinha planejado essa música para esse podcast eu já até deixei na playlist do podcast, então quem quiser ir lá consultar, é só ir lá, é a última música chamada Leningrado e porque eu escolhi essa música? Ela é de um compositor bastante conhecido no meio musical chamado Shostakovich, ele foi muito grande na época dele, mas ele foi um cara que ficou muito tempo preso no regime comunista, ele não conseguiu sair como outros (Prokofiev; Rachmaninoff; Stravinski, que foi pra França), ele ficou preso no sistema, mas ele ficou ali lutando contra esse sistema que era coletivista que entendia que todos os indivíduos serviam para o estado, um estado que ia resolver o problema das diferenças sociais e tudo o mais, e o Shostakovich ficou preso lá e tentando lutar com isso com a sua música. Leningrado foi bastante criticado na época, porque ela arrebatava as plateias, por onde ela passava ela levava um monte de gente para os concertos, ela fez um renascimento da música porque a música estava num período chato, experimentais com músicas atonais e, por conta disso, por Shostakovich fazer muito sucesso e tocar o público, o povão, na época ele foi considerado um charlatão porque não estava seguindo essa tendência revolucionaria de músicas atonais e tudo o mais. Mas, hoje em dia, tem pesquisadores como Leandro Oliveira, que é um grande pesquisador de música erudita, que considera o Shostakovich o maior e mais influente compositor do século XX, e é um período que tem bastante talento a gente tem o Mahler, tem o Strauss, tem o Sibelius, o Stavinski, que eu mencionei antes, tem o Gershwin, que é um americano que fazia música com jazz e música clássica, então tem muita gente boa e ele considera Shostakovich o melhor porque, de fato, ele tem uma obra forte, e essa música foi feita com o intuito de movimentar o povo mesmo, de fazer uma marcha para a libertação ela, inclusive foi chamada de “O Grito de Libertação” e o Shostakovich deixou uma palavra sobre essa música, ele deixou escrito o seguinte: “A peça não deve ser entendida contra as forças opressoras alemãs, mas contra todas as forças opressoras do mundo”” A música se chama Leningrado que também é um campo de batalha muito grande da Segunda Guerra e agora vou deixar com você o que é mais importante que é ouvi-la. Uma boa semana a todos, a atividade desta semana é assisti ao filme, pensar com a sua própria cabeça e tomar suas decisões, se quiser deixar algum comentário sobre o que você achou do filme, deixe o seu comentário aqui.

Filosofia do Yoga | 4 nov 2020 | Daniel De Nardi

Ganesha e Skanda – quem vale mais?

Ganesha e Skanda, filhos de Shiva. Um dia, os dois filhos de Shiva fizeram uma aposta que quem desse a volta ao mundo mais rápido seria o favorito dos pais. Veja o que aconteceu. https://youtu.be/_ba0xE8ygJI    

Podcasts de yoga
Filosofia do Yoga | 10 out 2020 | Daniel De Nardi

Reflexões de um YogIN Contemporâneo – série de podcasts Yoga pro seu dia a dia

Podcasts de Yoga para o seu dia a dia. O YogIN App tem uma série de podcasts semanais que trazem os ensinamentos do Yoga analisados numa visão contemporânea. Se você não sabe como acessar um podcast, nós fizemos um vídeo que vai ajudar o entendimento. O podcast nos ajuda a não perder tempo e aprender enquanto estamos no trânsito ou eu outra espera inútil. Experimente acessar nosso canal e conhecer melhor a série Reflexões de um YogIN Contemporâneo.  

Reflexões de um YogIN
Podcast de Yoga | 18 mar 2020 | Daniel De Nardi

Ouvindo o bobo da corte – Podcast #14

Reflexões de um YogIN Contemporâneo - episódio #14 Neste episódio vamos falar sobre auto-estudo e isso passa por feedbacks sinceros e abertura para ouvir, os outros e a voz do coração. E o bobo? O bobo é um personagem de Rei Lear, obra de Shakespeare na qual, para mudar, o rei tem que ouvi-lo. Entenda o que está por trás disso tudo e como o Yoga entra nessa história. Aproveite o Podcast!   Links Rei Lear filmado em 1910 e pintado a mão Álbum Completo de Romeu e Julieta de Prokofiev  https://open.spotify.com/album/63jpiok5Vr3InKw0a1mPbE Playlist da série - Reflexões de um YogIN Contemporâneo  https://open.spotify.com/user/yoginapp/playlist/2YCabHrhxWDjZAYxdVwusa Mostra de Cinema de São Paulo Imagem Janela Johari Curso sobre Medos que nos Travam https://yoginapp.com/curso/refletindo-sobre-os-medos-que-nos-travam-dvesha-abhinivesha/ Rei Lear ` Filme Rei Lear gravado 1899, um dos filmes mais antigos da História https://vimeo.com/161213926       Transcrição do Podcast   Ouvindo o Bobo da Corte #14   A música é de Prokofiev, ela se chama Romeu e Julieta porque hoje nós vamos falar de Shakespeare. Por que é importante a gente estudar e entender, pelo menos ter uma base, do que foi construído em termos de literatura antiga e a construção de textos antigos? É difícil, hoje a gente arranjar tempo pra ler grandes obras como as de Shakespeare e de outros autores clássicos, é importante a gente valorizar essas obras, quando você tem um contato mais próximo com elas você percebe que, no fundo, elas estão abordando aspectos humanos que a sociedade de hoje, com todo o sistema de tecnologia, está passando pelos mesmos problemas que foram retratados nas obras clássicas. Então os clássicos podem te dar mais profundidade sobre determinadas questões, no sentido de ter sido abordado de outra maneira. Shakespeare, por exemplo, é difícil de ler, eu nunca li nenhuma obra dele, já vi peças e já li críticos falando sobre, mas acabei assistindo no teatro. A primeira obra de Shakespeare que vi foi no cinema foi Rei Lear – aqui em São Paulo tem um evento anual chamado Mostra de Cinema, em que se concentra em duas ou três semanas filmes do mundo todo, passando em diversas salas, quase por 24 horas sem parar, a cidade fica praticamente respirando cinema, ali você vê muita coisa ruim, obviamente, mas muita coisa boa e muitas coisas inusitadas –, o filme foi filmado no século XIX, para a exibição pintaram a película e remasterizaram. O filme tinha efeitos especiais bem precários e foi apresentado ao som de uma orquestra tocando ao vivo (uma pequena orquestra de câmara, cinco músicos, dois violoncelos, um violino, violão também, não lembro ao certo) juntamente com o filme na sala de cinema. Foi uma experiência interessante, a história não deu pra captar totalmente, mas a experiência em si foi bem interessante. O nosso objetivo não é fazer uma análise profunda de Shakespeare, até porque eu não seria capaz disso, tampouco de Rei Lear, porém a obra traz um componente importante para a nossa discussão. Como eu disse anteriormente, alguns assuntos de hoje já foram tratados em outras épocas, Rei Lear foi escrito por volta de 1600, portanto é uma obra muito antiga, e trata de um rei tentando comprar o amor das filhas dele, isso é algo que já acontecia, acontece nos tempos de hoje e continuará acontecendo. Além de ser um debate de como a gente lida e quais as consequências disso, no caso dele tudo não acabou muito bem. O elemento que é importante nesta obra para o nosso debate é que ele leva um golpe das filhas dele, sai do reino e permanece apenas com o Bobo da Corte ao seu lado e mais um outro personagem. O ponto principal é o papel do Bobo, que não é só na obra de Shakespeare que ele está presente, esse personagem é muito presente na Idade Média, na época dos grandes reinados porque o rei era muito protegido dos feedbacks devido a sua posição social, o seu status impedia de saber a verdade, principalmente em relação aos erros que cometia, então, quem trazia a verdade é o Bobo da Corte que com ludicidade trazia as verdades necessárias para o rei (até porque a figura do rei sempre foi bajulada, além das conspirações criadas contra ele). O humor, de fato, é uma forma de trazer a verdade, de a gente aliviar um pouco a dor da verdade, que não é agradável de receber, a verdade é muito importante, o yôgin precisa saber lidar com a verdade porque só com ela a gente consegue construir algo sólido, você não consegue construir algo baseado na mentira, na enganação e no próprio escudo da Índia está la “Satyameva Jayate” (A verdade no final triunfará) uma frase da Mandukya Upanishad que está no brasão da Índia. É importante ter essa busca pela verdade e o humor é uma forma de a gente deixa-lo mais suave, uma forma de a gente encarar e receber o feedback, mas não levar só para o lado da brincadeira, isso é importante também, não se ofender e receber o feedback de uma maneira leve, mas se modificar com aquilo, pegar aquela informação e fazer ela gerar algum tipo de construção, ter algum valor para a sua vida, porque apesar de ter sido uma brincadeira, é aquela história: toda a brincadeira tem um fundo de verdade. Falamos do feedback, dessa questão lúdica do Bobo da Corte, mas na Índia existia um papel que era o Kavi, que era o poeta – o poeta era um Reesh, que é aquele que ouvia – e os poetas que começaram a escrever os primeiros Vedas, o poeta era visto como um grande sábio, porque ele deixava vir à tona a voz do coração, ele não era preocupado com o que os outros iam pensar ou com uma lógica perfeita do que ia dizer, mas ele estava preocupado em expressar a voz do coração. Ele chegava a esse status de Kavi, de poeta, nascendo numa família de Kavi, sabendo expressar essa voz interna, ou passando pelo ritual do Soma, ritual este que era associado ao yoga, no sentido de ter a intenção de pegar a energia dos vegetais a realizar uma ascensão, esse mesmo movimento de ascensão da mente era a busca do yoga desde as primeiras Upanishads, então o yoga está relacionado ao Soma, está relacionado ao ritual de ascensão da mente, e o Kavi era alcançado neste estado, quando você acalmava a mente e deixava a voz interna vir à tona. Então você vê que a gente tem maneiras de receber informações internas ou desconhecidas por diferentes fontes. O humor, já citado, é um excelente ventilador de informação e feedback, e também essa voz que você atinge nos momentos em que a mente se aquieta. Quando a mente parava que o Kavi começava a recitar os seus poemas. E sobre essa questão de feedback, a gente vai entender, um sistema já moderno, contemporâneo, este estudo é de 1955, chamado de Janela Johari. Alguns aqui já devem conhecer, quando eu vi esse conceito eu achei bastante interessante, pensei que era algo inspirado no Japão, tem Mata Hari que é a espiã da primeira Guerra, mas tem esse nome devido aos criadores Joseph Luft e Harrington Ingham, e eles tiveram a brilhante ideia de dar esse nome, Johari. É uma ideia sobre o nosso conhecimento pessoal, e aqui entra um ponto muito importante dentro do yoga, porque o yoga é um processo de autoconhecimento, de estudo para a gente expressar aquilo que a gente tem de melhor, para expressar isso você tem que treinar, repetir a habilidade para que saia algo puramente seu. Como no caso da escrita, se eu chegar em você e falar “escreva agora o melhor texto da sua vida”, mas você não está habituado com a escrita como você vai conseguir expressar o seu melhor texto? Para isto é necessário que você passe por um treino de escrita, estudar e copiar outras pessoas, assimilar outras referências até que saia uma escrita realmente sua. Pra você expressar algo seu você precisa repetir muito e para que você repita muito, tem que ser algo que você goste. Então, por isso que o Dharma é muito ligado com a nossa vocação, como a gente vai encontrar o nosso Dharma, como a gente vai encontra a nossa vocação? A mente, quando se aquieta, vai dando voz interna, vai dando voz que o Kavi ouvia, o poeta. Então essa voz vai nos dizendo verdades sobre nós mesmos, habilidades, e vai nos guiando para aquilo que é mais importante, aqui que nós temos que fazer. Então o Dharma ele é um conceito no sentido de aquilo que tem que ser feito, aquilo que tem que ser feito por você Quando é a sua própria Dharma. Então, quando você reconhece a sua Dharma, e a quietude da mente ajuda nisso, você vai repetindo, pegando referências que você gosta, repetindo, copiando, melhorando, trazendo algo seu, modificando e este aprimoramento com muita repetição é que faz nascer algo puramente seu, que você diga “aqui está o meu melhor em termos te termos de texto”, no começo você não consegue, mas para repetir muito tem que ser algo relacionado a sua vocação. E você pode observar esta questão do Dharma, no sentido de quanto você aguenta fazer esse esforço, o quanto você aguenta fazer aquele tipo de tarefa, não é todo mundo que tem a mesma resistência para todas as tarefas, cada pessoa tem uma capacidade de suportar uma tarefa em diferentes graus, e isso já é uma boa avaliação de uma busca do que é importante realizar, o que eu te daria satisfação, sentido de vida, o que é importante você cumprir como a sua missão pessoal. O yoga como esse processo de trazer o melhor de nós mesmos, ele tem de passar por um estudo de si, por uma repetição e uma observação constante e repetida, de “no fundo, o que sobra?” e esse é um questionamento do Rei Lear, ele passa por situações, perde o que tinha e o que sobrou do Rei Lear, quando você descobre o que de fato é você fica mais fácil você expressar a sua Dharma, que é a sua própria vocação, algo que só você pode fazer. Mas para você se tornar bom, precisa passar por um processo de autoavaliação e de avaliação externa, para conseguir isso você precisa passar por um processo de feedback, de aprimoramento, que são essenciais para a gente externalizar o nosso eu, para a gente trazer a voz do poeta, pra gente expressar o que um pessoa falaria brincando o que a gente não quer saber. Para fazer este tipo de autoavaliação é que o Joseph e o Harrington criaram este quadra, a janela Johari, que seria uma janela, com quatro vidros. Então pensa numa janela nesta forma, e pensa no lado esquerdo superior da janela, é o primeiro quadrante: o conhecido, aquilo que você sabe de você mesmo, e que as pessoas sabem e que, numa primeira interação, você expressa aquilo que é de conhecimento comum; o segundo quadrante é o quadrante cego, que as pessoas estão vendo, mas você não, eles brincam que é o quadrante do mau hálito, porque quem tem geralmente não sabe, mas todos ao redor percebem aquilo – essa informação vem muito através do Bobo da Corte, pela brincadeira, de você mesmo se ridicularizar e brincar com você mesmo para trazer aquilo que você sabe que não são o seu melhor, o que te incomoda, deixar vir por meio do humor através de você mesmo ou por meio da interação social, se você for muito fechado pra isto, o seu quadrante dois será grande e as pessoas não terão abertura para chegar e falar com você, às vezes você estará passando vergonha, mas ninguém vai te alertar, é importante você aceitar o humor e outras formas de feedback, para diminuir o que é cego pra você, para diminuir este quadrado que não é estático, ele vai se modificando de acordo com a sua interação social, a ideia é você ter o máximo de transparência com você mesmo – ; o quadrante 3 é o quadrante oculto, são as coisas que você sabe, mas as outras pessoas não, esse quadrante pode ser desde habilidades que você domina e que muitas vezes você não tem coragem de manifestar, ou pode ser coisa que você não quer que as pessoas saibam, de fato todo mundo tem segredos que são da ordem privada  e não deseja compartilhar, e isso é a escolha de cada um, mas há coisas que você tem medo de manifestar, mas te traria benefícios, isso está na parte do oculto e está relacionado ao medo de você levá-lo ao quadrante 1, que é o quadrante sobre o conhecido, então essa transição não precisa acontecer de uma vez, se tem algo que você quer expressar, você pode fazer isso aos poucos, eu falo sobre isso no meu curso sobre medo (vou deixar o link aqui embaixo), sobre esses testes para deixar o que é importante acontecer; e, por fim, vem o quadrante 4, que é o quadrante do desconhecido, tanto pra você quanto para as pessoas, que também é uma área que você não precisa trazer o tempo todo “vou tomar droga trazer tudo o que está inconsciente”, como vai ficar depois a sua psique, o quadrante 4 não é “ deixa vir tudo e tal, vou passar por m experiência, sete dias numa montanha sem falar com ninguém, praticando oito horas de meditação por dia” não é por aí, as coisas tem o seu tempo, a informação interna precisa vir aos poucos, se ela vem de uma vez ela pode causa traumas que nem sempre são benéficos, então é mais importante a gente passar por esse processo de autoconhecimento gradualmente. O quadrante 3, que é o quadrante oculto, das coisas que você tem em potencial e não quer revelar, é a voz do poeta, do coração, é aquilo que você sabe que pode fazer, essa voz vindo à tona é a parte da busca yoga, que é a parte da realização do svadhama, então lide bem com o Bobo da Corte, lide bem com a sua voz de poeta, a voz que muitas vezes não faz sentido lógico, mas que é uma certeza sua, uma certeza que você sabe que vai cumprir, é uma certeza de vida. Uma boa semana e até o próximo podcast. Obs.: Eu ia colocar isso no final, mas no final da conversa em que o Lear fala com o Bobo, ele abriu-se e disse “Então me diz bobo, onde foi que eu errei” e aí vem a frase mais famosa desta obra que é “O que você errou Lear, foi ter ficado velho, antes de ficar sábio”.   https://yoginapp.com/reflexoes-de-um-yogin-contemporaneo-serie-de-podcasts-yoga-pro-seu-dia-dia