Blog

stress


Postura de Lótus
Meditação | 5 mar 2021 | Daniel De Nardi

A experiência prática da meditação

A experiência prática da Meditação Esse ano, faz 20 anos que comecei a meditar. Foi em 96 que comecei a me aventurar na experiência de aquietar a mente. Antes mesmo de começar o Yoga, já lia e fazia alguns exercícios de meditação. Foi um treinamento que valeu a pena. Me trouxe muita coisa bacana pra minha vida. Dentre elas, reduzir minha dispersão quando preciso fazer alguma tarefa que exige atenção máxima, como escrever, ler ou ver algum filme. Sinto que essa capacidade de abstração dos sentidos, como o sábio Patañjáli, pai do Yoga dizia, me ajuda a explorar melhor tudo me interessa. Uma das coisas que esse tempo de prática me ensinou, é que nosso cérebro tem um princípio de conservação de energia. Esse instinto de sobrevivência dificulta muito qualquer tipo de mudança, mesmo começar um exercício que faz bem para nós como a meditação. O cérebro não quer fazer coisas diferentes, vai resistir até onde conseguir e criará desculpas para que você não mude seus hábitos. Ele não quer gastar energia, logo prefere que você continue lendo os mesmos tipos de livros, assistindo filmes com temas parecidos e também mantendo os exercícios físicos que você está acostumado a fazer. Nem isso o seu cérebro quer que você mude. Ele sempre trabalha pra fazer as coisas com o mínimo gasto de energia, logo mudar é forçar o cérebro a sair da sua zona de conforto e isso faz bem para sua capacidade de adaptação. Se você já teve alguma experiência com Meditação, provavelmente achou desconfortável e se nunca teve, pode esperar por uma experiência árdua. No começo é difícil mesmo. Você luta contra instintos de preservação da sua vida (pode acontecer até mesmo de você abrir os olhos no meio do exercício com medo que algo aconteça enquanto você está de olhos fechados). A proposta da meditação é algo que desafia o cérebro a mudar. Ficar atento a uma só imagem, força seu cérebro a não dispersar a atenção, algo que ele está acostumado e adora fazer. Por isso, ele não vai facilitar a vida e tentará buscar sensações e memórias que façam você parar com o exercício, abrir os olhos e voltar a olhar para as atualizções do seu celular. Persista. Não embarque nessa necessidade de dispersão, pois ela não é tão necessária assim, espcialmente enquanto você estiver meditando. Se deseja vencer, pelo menos alguma parte, dos seus turbilhões mentais, persista. Da mesma forma que cérebro rejeita a mudança, a medida que ele vai aprendendo a permanecer mais tempo focado no mesmo pensamento, a experiência da meditação trasforma-se completamente. Se você já praticou corrida sabe do que estou falando, no início parece insuportável, com o tempo pode até viciar. Meditar é conseguir dar mais atenção a você mesmo. Pense se você ficasse olhando para uma flor durante 5 minutos, sem pensar em mais nada, quantas informações você teria sobre ela que você nem sabia? Agora pensa fazer 5 ou 10, ou 15 ou 20 minutos deste mesmo exercício com você mesmo. Quanto você também não sabe sobre você?

Filosofia do Yoga | 25 jan 2021 | Daniel De Nardi

O Yoga pode ajudar na redução do Stress?

O Yoga pode ajudar na redução do Stress? Pergunte aos seus amigos, o que é o stress? Alguns dirão, nervosismo, tensão muscular, outros frio na barriga, palpitação. Eles não estão errados, mas isso são os efeitos físicos do stress; o stress mesmo começa bem antes. Quando o cérebro entende que estamos numa situação de perigo, ele avisa ao corpo para que se proteja da ameaça. Não são apenas os humanos que se estressam, todo animal possui algum tipo de defesa em casos de risco. A sensação de medo aciona o sistema simpático ( que de simpático não tem nada, pois é o sistema responsável pela luta ou fuga, o sistema simpático é responsável pelos instintos mais primitivos de sobrevivência). Quando isso acontece, todas as sensações descritas pelas pessoas, começam a aparecer, o batimento cardíaco aumenta, os vasos sanguíneos se contraem para que menos sangue seja perdido caso haja corte, os sentidos se aguçam, as pupilas de dilatam para vermos mais detalhes, o sangue sai de órgãos como estômago ou intestinos e se desloca para o cérebro e músculos. Estamos prontos para lutar bravamente pela vida, só que como será a digestão de alguém muito estressado durante vários dias?  O que desencadeia o stress é uma percepção subjetiva de um risco aparente. Cada pessoa, internamente identifica algum tipo de ameaça e aquilo vai afetá-la na proporção direta do seu medo. Em outras palavras, o stress começa por causa de alguma insegurança, um medo que quanto maior, maior o estado do stress. O stress em si não é ruim, ele já salvou nossas vidas inúmeras vezes. O ponto é que há um preço a ser pago pelo corpo por todas essas alterações hormonais. Como o corpo gasta muita energia para entrar no estado de luta ou fuga, se o estado for repetido constantemente, o sistema imunológico cai, a recuperação do corpo é prejudicada e mesmo dormindo, alguém com altas taxas de cortisol, permanece cansado. No médio prazo, pode aparecer efeitos como tristeza e depressão. A Organização Mundial de Saúde vem chamando a atenção para a gravidade de doenças relacionadas ao coração. 90% das pessoas com diabetes ou doenças cardíacas desenvolve esses sintomas por causa do estilo de vida. É uma unanimidade entre especialistas, que o maior risco de doenças cardíacas se dá em pessoas com pressão alta, altos níveis de colesterol e açúcar no sangue. Fatores relacionados às respostas do stress e má alimentação.   O stress quando salva nossa vida é bem vindo, o problema é quando geramos o stress em situações desnecessárias, por motivos que não valiam esse esforço luta/fuga. Passar constantemente por situações estressantes, desequilibra a vida, tira a pessoa do eixo.   Centenas de estudos como este, demonstram melhorias importantes relacionando meditação a redução de ansiedade e depressão. Hoje é comum praticantes procurarem o Yoga para baixar os níveis de cortisol ( um hormônio que indica um estado constante de stress),   Mas será que o Yoga consegue fazer isso? A primeira definição do Yoga foi feita por Patanjali, um importante mestre de Yoga dizia que o Yoga é a suspensão das agitações mente/emoções. Numa leitura científica, Patanjali estaria dizendo que deve-se evitar usar demais o sistema simpático (aquele que ativa fuga/luta) e que também deve-se usar o outro sistema o parasimpático, responsável pelo descanso e digestão, por reabilitar o corpo, deixando revigorado. Patanjali propõe um caminho de não agitação, não stress, caminho de equilibrio entre o vigor e a calma. Uma pessoa estressada, sente-se de alguma maneira ameaçada, isso provoca agitação. Ela vive o medo, deixa de ser ela mesma e por isso, passa longe do estado sugerido por Patanjali. Por outro lado, a melhor forma de se ativar o sistema parassimpático, produzindo revigoramento físico e mental é a prática de Yoga. O Yoga apresenta muitas ferramentas para atuarmos melhor nas causas do stress e suas respostas.   Contato com sua respiração - fisiologicamente uma das respostas mais imediatas do stress sobre o corpo é a alteração da respiração. Tornar a respiração lenta e profunda muda completamente o estado interno. O cérebro entende a respiração profunda como um momento de segurança e com isso diminuiu as substâncias para defesa como adrenalina e outras.  Relaxamento físico - tanto as posições físicas quanto os exercícios de relaxamento possibilitam descontração muscular, liberando tensões e melhorando a circulação sanguínea. Meditação - o terceiro ponto, relacionado ao quanto, nossa percepção de mundo pode mudar e o quanto isso evita o stress, precisaremos voltar a Patanjali. No seu livro Yoga-Sutra, Patanjali trata de klêshas, obstáculos para alcançar a estabilidade YogIN. Para ele, o que dificulta a vivência constante do EU são esses 5 fatores:   Ignorância; Apego; Aversão Egotismo; Medo.   Podemos explorar os 5 klêshas em outro texto, mas agora, é o último que nos interessa - MEDO! Nos primeiros sutras (aforismos), Patanjali diz que o YogIN só tem duas possibilidades: ou encontra sua identidade ou irá se identificar com personagens, no caso desse klêsha, um personagem tomado pelo medo (stress). Em seguida, descreve diversos sentimentos decorrentes dessa identificação com o medo, tais como angústia, infelicidade e nervosismo. A busca do YogIN é livrar-se do que lhe afasta do EU, os klêshas que impossibilitam a estabilidade mente/psiquismo. A palavra sânscrita satya, verdade, vem de sat, ser, existir. Então a verdade de satya não é no sentido de contar uma verdade, mas de ser verdadeiro. Essa é a maior verdade, uma verdade que gera convicção, pois você é você mesmo e isso é essencial para estar seguro. Patanjali indica satya como um passo importante na libertação do YogIN. Entre todas as suas técnicas, pranayamas, asanas e especialmente na meditação, o que o Yoga se propõe a fazer é revelar o EU. Trazer ao praticante aquilo que ele já é, e sempre foi, mas nem sempre trouxe essa essência para o mundo. Quando há conexão com EU há esse sentimento de Satya, o verdadeiro sentimento de SER quem se verdadeiramente é. Para saber se você tem vivido próximo ao EU, olhe para sua vida e observe se mesmo com os altos e baixos, de uma maneira geral a direção faz sentido pra você. Quando você percebe esse sentido, passa não se incomodar tanto com os obstáculos, mas aprende com eles. A vida se tona mais leve, seu EU é mais presente. Por outro lado, se fazendo a análise você notar que há um desalinhamento, que você parece estar deslocado de lugar, fazendo algo que não gosta, vivendo uma vida que não é sua, provavelmente, por diversas razões, mas o desalinhamento por si só, põe nosso psiquismo em estado de stress.  Viver desconectado daquilo que você realmente é, gera insegurança, você pisa num terreno desconhecido, logo vê perigo a frente o tempo todo e o corpo responde com stress. Diminuir o stress requer prática dos exercícios de Yoga, mas também uma vontade do praticante de vencer esses medos. Encará-los para conseguir distinguir dentro das sensações o que é realmente seu, o que verdadeiramente ameaça-o, o que é pura construção do psiquismo. Meditar é trazer o EU para o eixo e depois tentar trazê-lo para o dia a dia. Encontrar sua estabilidade interna, para agir no mundo, seguro que o seu EU está fazendo o melhor.       Baixe GRÁTIS o e-book - O Yoga e o Stress  

medtidacao ganges
Dicas de Yoga | 23 dez 2020 | Juliana Beneton

Cansaço crônico e desânimo? Conheça os sintomas da fadiga adrenal e como o Yoga pode ajudar

Cansaço crônico e desânimo? Conheça os sintomas da fadiga adrenal e como o Yoga pode ajudar Todos nós passamos por situações de estresse - isso é completamente normal – e, muitas vezes, saudável. Nosso corpo realmente foi feito para lidar com esses tipos de situações. Por exemplo, se voltarmos no tempo e pensarmos na época em que nossos ancestrais viviam na selva e sobreviviam da caça, conseguimos entender o quão benéfico seria dispor desse mecanismo eficiente de estresse. Vejamos da seguinte forma: você está caçando, avista um animal perigoso, seu organismo entra em estado de alerta, o coração dispara e você precisa correr! Muito mais do que simplesmente sair correndo, seu organismo irá liberar uma séria de substâncias e hormônios capazes de acelerar seus batimentos e alterar seu metabolismo, ajudando você a sobreviver diante dessas situações de perigo. Bem, a diferença é que nosso corpo não foi feito para viver em constante mecanismo de alerta. As nossas glândulas adrenais (localizadas logo acima dos rins) são responsáveis pela produção de cortisol - e outros hormônios como o DHEA (dehidroepiandrosterona), que são liberados em reposta ao estresse, seja esse proveniente de estresse físico, emocional ou fisiológico. Uma vez que, nos dias de hoje, as situações do dia a dia nos levam a um estado de estresse constante, a produção desses hormônios disparam e ao longo do tempo acabam causando uma \"exaustão\" dessas glândulas, prejudicando a secreção desses hormônios. E daí o nome: fadiga adrenal.   Glândula adrenal (acima dos rins) A fadiga adrenal normalmente causa uma série de sintomas como: * sentimento de cansaço constante; * desânimo e depressão; * irritação e ansiedade; * ganho de peso (principalmente ao redor do abdômen); * dificuldade em pegar no sono; * pressão baixa ou hipoglicemia; * desejo por alimentos doces e também bem salgados; * diminuição da libido; * dificuldade de focar em tarefas do dia a dia. Os sintomas muitas vezes são confundidos com depressão ou distúrbios da tireoide. A propósito, o fato de não existir um exame específico que seja capaz de diagnosticar a fadiga adrenal, muitos pacientes entram em tratamento para depressão. Entretanto, existem análises dos níveis de cortisol que, juntamente com todos os sinais e sintomas, são capazes de traçar um possível diagnóstico. Devido à dezenas de estudos científicos envolvendo esse tema, hoje em dia, muitos profissionais da saúde, extremamente capacitados, apostam no tratamento de fadiga adrenal de forma natural e com incrível sucesso. Mas o que fazer para melhorar o funcionamento das suas glândulas adrenais? Melhorar a qualidade da sua dieta Evitar todos os alimentos industrializados que aumentam a inflamação do seu organismo. Alimentos processados, cheios de sal e/ou açúcar não entram nesse tipo de dieta. Aumentar o consumo de alimentos coloridos, proteínas de boa qualidade e grãos (de preferência sem glúten). Ir para a cama cedo Dormir antes das 23h é obrigatório para qualquer pessoa que sofra de fadiga adrenal. Técnicas de relaxamento e respiração podem ser boas aliadas nesse processo, assim como alguns suplementos capazes de auxiliar na indução do sono. Pratica de Yoga constante para a saúde das adrenais A prática de yoga é conhecida por ter um impacto positivo no que se diz respeito à ansiedade e relaxamento. Um estudo da Universidade de Medicina de Boston, demonstrou que após a prática de yoga, há um aumento nos níveis de GABA (ácido gama aminobutírico ou gamma-aminobutyric acid, em inglês), capaz de melhorar o humor e diminuir a ansiedade. [1] Além disso, yoga também é considerada uma forma de exercício e prática ajuda na liberação dos neurotrasmissores como endorfinas, responsáveis pela sensação de bem-estar. Por yoga ser uma prática mais consciente e mais gentil com o nosso corpo, é mais indicada durante o tratamento de fadiga adrenal. Aposte em suplementos Os suplementos adaptogênicos, como ginseng, rhodiola, awshagandha, licorice e holy basil são excelentes para as adrenais, além das vitaminas do complexo B, bem como as vitaminas C e D; os minerais - como magnésio, zinco e selênio; os aminoácidos - como teanina e as gorduras boas - ricas em omega 3. Aposte nos chás Camomila, melissa, valeriana e mulungu são excelentes contra ansiedade. Hidrate-se Sabe aquela sensação de que mesmo depois de tomar litros de água estamos sempre com sede e com a boca seca? Desidratação é um sintoma de fadiga adrenal. Água mineral e água de coco são as melhores opções. Outra dica é tomar água morna com limão pela manhã e, ainda, você pode adicionar uma pitadinha de sal rosa na sua garrafinha de água. Exercite-se com moderação Exercícios aeróbicos longos e de alta intensidade não são recomendados para aqueles que sofrem de fadiga adrenal. Opte por exercícios leves, como caminhadas pela manhã e yoga, duas vezes por semana. Mude suas perspectivas Hoje em dia, tantas pessoas correm em busca do tão almejado \"sucesso\". Trabalham horas sem cessar, dividem-se na execução de mil tarefas e deixam a vida pessoal em segundo plano. Mas, e você... “Qual é a sua definição de sucesso?” A maravilhosa escritoria, poeta e ativista Maya Angelou diz que: \"Sucesso é gostar de você mesmo, gostar do que você faz, e gostar de como você faz tudo isso\". Espero que você também compartilhe dessa ideia. new RDStationForms(\'e-book-o-yoga-e-o-stress-ebbbd5c51665ef24833c-html\', \'UA-68279709-2\').createForm(); Nota da nutricionista: A administração de qualquer suplemento deve ser feita por recomendação de um médico ou nutricionista. Alguns dos suplementos citados acima não podem ser prescritos em conjunto com antidepressivos e/ou ansiolíticos. Os sintomas de fadiga adrenal são muito mais sutis quando comparados aos de Doença de Addison, para o tratamento dessa doença, especialistas devem ser cosultados para a reposição adequada de hormônios. Referências: Mary Ann Liebert, Inc. (2010). “Yoga’s ability to improve mood and lessen anxiety is linked to increased levels of a critical brain chemical, research finds”. http://www.sciencedaily.com/releases/2010/11/101111160539.htm

Por que meditar a noite ?
Meditação | 21 out 2020 | Daniel De Nardi

Por que meditar à noite?

Por que meditar à noite? Eu gosto da ciência e meditar tem sido uma ação muito investigada por ela ultimamente. Muitos efeitos do Yoga a ciência ainda não consegue atingir, por outro lado, tudo o que conseguir provar cientificamente em termos de efeitos da prática, acho válido para o praticante. Hoje tive um dia pesado, sim nós YogINs também temos preocupações. No final da tarde, daria uma aula para uma aluna antiga. Quando cheguei, meu estado emocional estava tão agitado que ela perguntou se eu tinha vindo correndo. Quando começou a prática, lembrei de todas as pesquisas que venho fazendo a respeito de meditação. Lembrava até dos resultados da redução dos níveis de cortisol (substância que ativa o estado de stress) e das divisōes de frequências do eletroencefalograma.     Naquele momento, decidi por o Yoga à prova - me dedicaria com a concentração de um YogIN às técnicas e observaria se as pesquisas são de fato verdadeiras conseguindo de fato alterar meu estado de consciência. Começamos com um longo aquietamento. Depois pránáyáma alternado para reduzir o estado emocional. Fechei os olhos, embarquei na experiência, falava apenas os insights que a prática ia me proporcionando. Quando iniciamos os ásanas, fizemos poucas posições com longas permanências de cerca de cinco minutos em cada. Ali não estava dando uma aula formal, tampouco, buscava performance, meu foco era a experiência do ásana. Ao final da meditação, meu estado era de uma serenidade tamanha que pensei que nenhuma droga conseguiria produzir aquilo em mim. O Yoga venceu a aposta!   Por que meditar à noite? Dentro do cérebro há uma região bastante escondida chamada hipotálamo. O hipotálamo é responsável por manter o corpo em equilíbrio (homeostase). Quando a pressão aumenta, ele envia substâncias para baixar, entre estas substâncias  está o temido cortisol. O cortisol não é uma substância ruim. Como dá para ver pelo gráfico, é liberado todos os os dia em diferentes quantidades ao longo das horas. O cortisol é a substância responsável por estimular os instintos de luta ou fuga precisando produzir grandes mudanças tanto no psiquismo quanto no corpo. Por isso, o problema está quando passamos a liberá-lo constantemente por longo período de tempo. Quando estamos estressados, jogamos doses cavalares de cortisol no corpo, gerando diversas modificações como por exemplo, aumentar a circulação sanguínea nos músculos e diminuir nos órgãos. Num estado natural, o corpo começa a liberar cortisol logo cedo e atinge o ápice da liberação às 8 da manhã. Num organismo saudável, a liberação de cortisol vai diminuindo até a noite para podermos relaxar mais o corpo e descansar. Manter a liberação alta de cortisol pode ser bastante prejudicial à saúde além dificultar a qualidade do sono. Meditar proporciona ferramentas para atuarmos fisiologicamente no corpo. Meditar estimula o sistema para-simpático, contrário ao simpático que gera o stress. Meditar faz os níveis de cortisol baixar conforme as pesquisas de Rinad Minvallev, um fisiologista da Universidade de São Petersburgo que chegaram a detectar até 33% de redução com a prática do Yoga.  Meditar a noite é o momento ideal para fazer seu organismo se reorganizar biologicamente, baixando o cortisol e preparando-se para uma noite de descanso profundo. Namaste!! Clicando na imagem abaixo você pode entender como o Yoga/Meditação podem ajudar a sua intuição. https://yoginapp.com/como-o-yoga-pode-ajudar-na-sua-intuicao/ Assine o Canal do YogIN App no YouTube Clicando AQUI   Boas práticas!

Meditação | 22 set 2020 | Daniel De Nardi

A meditação na visão de um iniciante

O que é a meditação na visão de um iniciante Normalmente você lê por aqui opinião de professores ou praticantes avançados falando sobre meditação, suas experiências e explicação de técnicas. Hoje ouvi esse podcast do Murilo Gun que é um educador digital que eu acompanho e considero como um cara brilhante. Ele fez recentemente um workshop de meditação e compartilhou nesse podcast suas impressões. Vale a pena ouvi-lo, pois apesar de ser iniciante, Murilo teve sacadas profundas do que é a meditação.   https://soundcloud.com/murilogun/meditacao     Para saber mais sobre conteúdo de Yoga aperte este botão

medtidacao ganges
Meditação | 20 jul 2020 | Equipe YogIN App

Meditação no som do Rio Ganges – Índia

Exercício de Meditação no som do Rio Ganges na Índia! Pratique uma Meditação neste som. Meditar é uma forma excelente para você treinar sua concentração e atingir um estado de profundo aquietamento. O som contínuo do Rio irá ajudar você a silenciar a mente e gerar um estado de consciência propício ao autoconhecimento. Experimente fazer esse exercício de Meditação clicando na IMAGEM AQUI     YogIN App - Escola de Yoga OnLine · #ProjetoYogIN - Meditação ao som do Rio Ganges Este exercíco de Meditação faz parte do Canal de Podcasts do YogIN App. Se quiser fazer outros exercícios como esse e ainda aprender mais sobre a teoria do Yoga. CLIQUE ABAIXO. https://yoginapp.com/podcast-de-yoga-2 Para ficar sabendo mais sobre o Universo do Yoga, deixe seu email no formulário abaixo que indicaremos mais exercícios para você fazer. new RDStationForms(\'newsletter-yogin-formulario-1c3fb174b015350a9cd5-html\', \'UA-68279709-2\').createForm();

YogIN App
Filosofia do Yoga | 31 maio 2020 | Daniel De Nardi

Como o Yoga melhora a administração do Stress

Yoga e o Stress! Já que vamos falar de stress, e medo é o maior dos stresses - o Hitchcock, rei do medo, dizia que a parte mais rápida na produção dos seus filmes era filmá-los. Quando começava a filmar, já tinha pensado tanto no tema que era só por em prática. Já fiz o mesmo em relação a stress e Yoga. Pesquisei e  usei essas ferramentas e este texto será um resumo dessa experiência. Entender o funcionamento do stress é essencial para compreender como o Yoga pode atuar na melhor administração deste estado. Stress é bom ou ruim? Acusar o stress de o \"mal da nossa era\" é forçar um rótulo que ele não merece. Stress não é bom nem ruim. Stress é uma energia extra que o corpo consegue produzir num curto espaço de tempo e que como qualquer energia, se for bem usada será benéfica, mal manipulada volta-se contra. Imagine-se na época em que vivíamos dentro das cavernas. Andávamos pela mata tentando caçar algo e repentinamente nos deparávamos com uma onça. Pausa para reflexão - qual a chance de numa situação normal você conseguir fugir de uma onça? Chance quase zero, mesmo que você seja o Usain Bolt. Minha pergunta foi numa situação normal, mas quando o stress acontece não é, ou pelo menos não deveria ser, uma situação normal. Ao ver os olhos da onça, o estado de stress é imediatamente acionado. Tudo muda! O sangue sai dos órgãos em direção aos músculos, as pupilas se dilatam, o coração dispara e todos os sentidos se aguçam. O corpo libera uma quantidade enorme de adrenalina deixando-o pronto para a ação. Você entra num estado de total alerta e somente por causa do stress você terá alguma chance de sobreviver. O stress não é maléfico, desde que você só passe a ver a próxima onça daqui um tempo. Todo bônus tem um ônus e como este estado de alerta demanda muita energia, também gera muito desgaste e se você repeti-lo constantemente, o corpo começará pagar em forma de redução no sistema imunológico, perda de produtividade e aumento dos níveis de irritabilidade.   Para atacar o stress você precisa observar duas frentes: Ganho de energia: uma vez que o stress é gerado quando o desafio é maior que a capacidade, aumente a energia corporal e terá mais capacidade de vencer desafios sem precisar se stressar. Recuperação mais rápida: descansar do desgaste emocional é essencial para a recuperação. Deixando o corpo pronto para o próximo grande desafio.     Ganho de energia  - Bhujangasana   new RDStationForms(\'baixe-gratis-ebook-stress-50040b322edf6548ef67-html\', \'UA-68279709-2\').createForm(); Para mensurar ganhos de energia que atuarão na redução de situações de stress pode-se usar como métrica os níveis de testosterona, hormônio essencial para agirmos nas situações que exigem esforço. Com mais energia, diminuísse a incidência do stress. Boa parte dessa redução se deve a uma diferença entre o stress gerado por animais e pelo ser humano. Os animais geram este estado apenas quando realmente se veem de frente com o perigo, tal como o exemplo citado acima. Entretanto, o ser humano com sua capacidade de imaginação mais aguçada, cria em sua mente situações imaginárias de medo que na prática não estão acontecendo. Com mais energia, a preocupação diminui, pois você sente mais confiança para vencer as ameaças e por isso se stressa antecipadamente. Uma pesquisa conduzida por um fisiologista praticante de Yoga demonstrou que somente a execução do bhujangasana por dois ou três minutos todos os dias durante poucos meses exibiu aumentos que variavam de 2% a 33% nas taxas de testosterona. \"Rinad Minvaleev é pesquisador na Universidade de São Petersburgo e na Medical Academy of Postgraduate Studies. A equipe se limitou a estudar as repercussões fisiológicas daquela única postura. A Cobra, ou Bhujangásana, do sânscrito para “serpente”, é uma das posturas mais antigas do Hatha. O Bhujangásana é elogiada como um fator de ignição. Feita corretamente, a postura exerce muita pressão nos genitais. Como diz Iyengar delicadamente em A luz da ioga, o pupilo deve levantar o tronco “até que o púbis esteja em contato com o chão e fique nessa posição”. Mas o prêmio de maior aumento foi para a única mulher do estudo. Os níveis de testosterona dela subiram acima daqueles dos homens e continuaram crescendo até chegarem a 55%. Corredores, por exemplo, exibem níveis de testosterona mais baixos que não corredores. As quedas podem ser o resultado do contínuo estresse do impacto no chão.\" A Moderna Ciência do Yoga de Willian Broad Essa energia extra que o stress gera, deve ser usada a seu favor. Como foi demonstrado, o stress já nos salvou de muitas situações e quando bem utilizado pode melhorar produtividade e fazer você vencer mais desafios. Por tanto, algo importante a fazer é não entrar em desespero quando os sintomas do stress aparecerem, é o seu corpo tentando trabalhar a seu favor, aproveite isso. Alian Crum, psicóloga da Universidade de Stanford liderou uma pesquisa em que expunha pessoas a entrevistas de emprego em que todos eram severamente criticados. Dividiu os participantes em dois grupos. No primeiro ela explicava os efeitos benéficos do stress, como ganho de produtividade e concentração. O segundo grupo foi para a entrevista sem saber de nada. Todos tiveram os níveis de stress bastante altos, mas o primeiro grupo se saiu melhor, pois a medida que observavam os efeitos sabiam que era o corpo querendo ajudá-los a vencer o desafio. O modo como você encara as coisas determina a reação do seu corpo: se vai disparar ou não uma carga de medo ou ansiedade.     Recuperação mais rápida - sarvangasana [caption id=\"attachment_1654\" align=\"aligncenter\" width=\"367\"] Mick Jagger executando sarvangasana no camarim.[/caption]   Mel Robin escreveu PhysiPhysiological Handbook for Teachers of Yogasana onde apresenta entre outras pesquisas, uma a Postura da Vela explicando que ao pressionar o queixo contra o peito, você aciona sensores nas carótidas que entendem que a pressão corporal aumentou. Com isso o corpo começa a reagir liberando acetilcolina, neurotransmissor que baixar a pressão arterial e os batimentos cardíacos. Os sensores embutidos nas paredes arteriais monitoram a contração ou expansão que indica as mudanças na pressão arterial. Com a liberação deste e de outros hormônios tranqulizantes, o corpo começa a baixar os níveis de cortisol que é o hormônio que sobe quando é gerado o stress. Quando o estado de stress acontece, o corpo trabalha desesperadamente para voltar ao normal, e o sarvangasana assim como a técnica de relaxamento podem contribuir para acelerar a recuperação do desgaste corporal que o stress produz. Além destas técnicas há muitas outras que podem ajudar você a ganhar mais energia, recuperar-se mais rápido e administrar melhor seus níveis de stress. O Yoga é uma forma muito eficiente para reduzir o cortisol, hormônio responsável pelo stress e quando isso acontece o corpo consegue se recuperar mais rápido e estar pronto para o próximo desafio.