Blog

prática de yoga


Como Fazer Bhastrika - A Respiração Acelerada
Dicas de Yoga | 11 jul 2021 | Equipe YogIN App

Como Fazer Bhastrika – A Respiração Acelerada

Como Fazer Bhastrika - A Respiração Acelerada Aprenda sobre a Respiração Acelerada, Bhastrika Este respiratório é chamado bhástrika e tem o efeito de intensificar a eliminação de gás carbônico gerando uma sensação de revigoramento corporal. Katil Udupa, médico da universidade indiana de Benares, cidade sagrada do Ganges, produziu um vasto estudo comprovando a atuação das técnicas de Yoga no sistema hormonal. Os experimentos mostraram que o yoga poderia reduzir o cortisol, o hormônio responsável pelo instinto de luta ou fuga. Katil publicou sua pesquisa no livro Stress and Its Management by Yoga, numa tradução livre A administração do stress pelo Yoga. O mais interessante da sua pesquisa é que ele não apontou apenas os ganhos de redução de cortisol, mas os inesperados aumentos de testosterona, hormônio responsável pela atividade sexual tanto masculina quanto feminina. A testosterona é também uma importante aliada na capacidade de realização, é a energia que precisamos para fazer as coisas acontecerem.   [embed]https://youtu.be/ZX_wppAsGuI[/embed] O bhástika estimula plexo solar e consequentemente toda a produção hormonal desta região. Foi uma das técnicas escolhidas por Katil na sua pesquisa. O respiratório é descrito por Iyengar em Light on Pranayama, como uma respiração que cria um estado de euforia. Agora vamos praticar! Sente-se com a coluna ereta. Inspire pelo nariz e expire de forma rápida também pelo nariz sentindo o abdômen ir para dentro, como se estivesse fazendo força para o abdômen ir pra dentro ao mesmo tempo em que expira forte, curto e rápido. Movimentando o diafragma que é o músculo da respiração. Tente não sacudir os ombros e contrair tanto os músculos da face. Para começar, entre 10 e 30 repetições. Mas se puder, repita de 20 a 50 vezes. E Se por acaso ficar com tontura, pare! Relaxe! A tontura é normal, uma vez que há hiperventilação. O bhástrika deve ser feito sempre que o YogIN precisa de uma energia extra para vencer seus obstáculos e é um ótimo aliado para o controle do frio. new RDStationForms(\'newsletter-yogin-formulario-1c3fb174b015350a9cd5-html\', \'UA-68279709-2\').createForm();

aula de yoga parque do povo lotada
Dicas de Yoga | 20 mar 2021 | Daniel De Nardi

O QUE DEVE CONTER UMA BOA AULA DE YOGA

Claro que o caráter dessa pergunta é bem pessoal. Cada um, tem sua própria busca dentro da prática e evidentemente a resposta desta questão estará carregada pela minha visão do que é o Yoga e para onde essa prática deve me levar. O que mais valorizo dentro de uma prática, seja quando estou fazendo aula ou praticando sozinho é a exploração da vivência da técnica. A teoria é muito relevante para o praticante que quer se aprimorar, entretanto, é a vivência que fará diferença na sua vida. Quando ensino, procuro contextualizar ao máximo as técnicas, deixando claro o que elas produzirão de efeitos, mas sempre procurei priorizar a profundidade da vivência do meu aluno - neste caso, experimentar é viver. “Mas o risco de não ensinar é muito grande. Se você simplesmente ensinar as pessoas a fazer um ásana sem levá-las a estados mais profundos de percepção, os ásanas delas serão sempre uma batalha.”  Glen Black, professor de Yoga no livro A Moderna Ciência do Yoga. Deve haver atenção por parte de quem ensina, sobre a capacidade de execução da técnica por cada aluno. O melhor professor não é o que ensina o mais difícil, mas aquele que consegue estimular o aluno a chegar no máximo que ele pode naquele momento. Valorizo demais uma aula que me desafia, mas ao mesmo tempo que não faz eu sentir que aquilo não dá para mim.   Também valorizo uma aula em que eu sinta meu progresso, que sinta que, por mais sutil que tenha sido minha melhoria, ela aconteceu.   Agora, se falarmos em termos de técnicas essenciais numa aula de yoga, o critério também poderá variar bastante. Como por exemplo a questão da meditação - em uma ou outra aula podemos ficar sem fazer meditação, mas se a meta do Yoga depende da meditação, não faz sentido ficarmos muito tempo sem executá-la. Os respiratórios são essenciais em todas as aulas, mesmo que seja apenas na execução dos ásanas ou como preparatório da meditação. Pránáyáma tem que ter e ponto final, é como respirar. Ásana - as técnicas corporais costumam chamar mais a atenção das pessoas e geralmente ocupar a maior parte das aulas. Uma aula pode perfeitamente ser preenchida sem a execução de técnicas corporais. No entanto, o corpo é um veículo que temos que não podemos negligenciar, é o templo onde acontecem todas as experiências. Acho que o mais importante deste texto é dizer que a vivência é a grande chave do Yoga. É a vivência que produz insights e faz com que aprendamos mais sobre nós mesmos - vivencie Yoga e viva mais.            Para saber mais sobre conteúdo de Yoga aperte este botão

YogIN App
Dicas de Yoga | 1 dez 2018 | Daniel De Nardi

O Yoga e seus ritmos respiratórios

O Yoga e seus ritmos respiratórios Você já parou para pensar o quanto sua respiração é afetada pelas suas emoções? A ansiedade, por exemplo, produz uma respiração mais curta e acelerada, já um estado de serenidade produz uma respiração mais profunda e lenta. É inegável a relação entre padrões respiratórios e estados emocionais ou de consciência. Os YogINs perceberam desde muito cedo antigo povo que criou as técnicas usadas no Yoga, perceberam que se dominassem a respiração conseguiriam interferir nos estados de consciência e controlar melhor suas emoções. LEIA SOBRE O RESPIRATORIO ALTERNADO E SEUS EFEITOS Deixando as coisas mais práticas, quando, por exemplo, você exala o ar mais devagar você se recupera mais rápido, seja de um cansaço físico ou um stress emocional. Não é que você vai deixar de sentir cansaço ou mesmo de ter essa sensação emocional, mas o fato é que existe um desgaste tanto para o cansaço físico quanto emocional. Quando sentimos emoções pesadas, como ódio, medo, stress etc. internamente liberamos uma grande quantidade de toxinas, que, se liberadas em excesso, se tornam prejudiciais à nossa saúde. Além disso, fisicamente, quanto mais rápido nos recuperamos de um cansaço, melhor. Então, o simples fato de conseguirmos controlar melhor a saída do ar, tomando consciência do movimento muscular envolvido na respiração e fazendo com que o ar saia mais devagar, podemos reduzir esse desgaste tanto no âmbito físico como emocional. Os YogINs catalogaram diferentes proporções de ritmos respiratórios para gerar diferentes estados de consciência. O ritmo é sempre descrito como uma proporção e sempre com a ordem Inspiração - Retenção com Ar - Expiração - Retenção sem ar. Quando escreve-se o número pode-se colocar qualquer valor desde que a proporção seja respeitada. Exemplo, ritmo 1-1-1-0. Você deve inspirar, reter o ar e expirar no mesmo tempo e não fará retenção sem ar. Portanto, se inspirar em 4 segundos vai manter a mesma proporção também nas demais fases que tem o número 1.   Os principais ritmos são: 1-1-1-1 - Nossa respiração é arrítmica por natureza e isso interfere também no fluxo inconstante dos nossos pensamentos. Disciplinar a respiração a manter uma cadência é disciplinar a mente a manter foco. O ritmo é algo que nossa mente não gosta. Ela prefere a distração. Veja, por exemplo, quando você começa a batucar uma música. Em sua introdução é mais fácil manter o ritmo. Quando a voz entra entonando a melodia, se você não estiver muito concentrado naquilo irá se atrapalhar e perder a cadência. Concluindo, manter o mesmo tempo para todas as fases contribui para o foco mental e um estado de estabilidade. 1-2-1-2 - Esse ritmo é importante para dar ao corpo mais tempo de assimilação do oxigênio e energia que estão sendo captados na respiração. Dobrar o tempo das retenções produz, na retenção com ar, essa assimilação, e na retenção sem ar, um tempo para uma maior introspecção, pois é isso que a parada sem ar nos pulmões produz. 1-2-3-0 - Essa proporção amplia a saída do ar dos pulmões e isto como já foi explicado ajuda na recuperação do desgaste. Seja ele físico ou emocional. 1-4-2-0 - Esse é o ritmo mais avançado que existe daqueles que foram catalogados e testados por milhares de anos. Segundo as escrituras que descrevem tais técnicas, esta proporção é associada a estados meditativos e à expansão da consciência. Respirar é viver, quem respira melhor vive melhor. Respirando com mais consciência você não estará apenas ampliando sua consciência corporal, mas também emocional e do fluxo dos seus pensamentos. Dominar ritmos respiratórios vai totalmente ao encontro desse propósito, pois a mente gosta de diversificação e manter uma cadência respiratória é discipliná-la para mais foco e produtividade.   Para saber mais sobre conteúdo de Yoga aperte este botão  

YogIN App
Filosofia do Yoga | 2 jul 2018 | Daniel De Nardi

Yoga – definições

Yoga - definições Quando os antigos sábios começavam a falar de um determinado assunto, faziam questão de definir o que entendiam por tal matéria. Patañjáli, criador do Yoga-Clássico, fez isso pegando emprestada uma definição de um texto ainda mais antigo a   Yogashara Upanishad e disse que Yoga é a supressão da instabilidade da consciência. Uma ótima definição, uma vez que buscamos no Yoga, através da estabilidade de todos os nossos planos de consciência, conhecer aquilo que realmente somos.   PARA SABER MAIS LEIA O ARTIGO - O QUE É O YOGA   Minha capacidade de síntese ainda não alcançou o patamar dos grandes Mestres, mas vou me atrever a fazer a minha definição de Yoga. Antes de qualquer coisa gostaria de esclarecer que o Yoga atua em esferas muito profundas do ser humano. Talvez nosso conhecimento intelectual, jamais chegue a entender o manancial de sabedoria que as técnicas do Yoga possuem. O Yoga é, por excelência, uma filosofia que busca revelar-nos nossa verdadeira identidade. É um processo desencadeado pelas práticas de auto-percepção e de permissão que a consciência se manifeste no dia-a-dia. Sinto que quando estou em um período de maior constância de práticas, meu cotidiano se torna uma grande prática e, se passo um tempo sem praticar, acabo por me afastar de minha consciência e me torno menos eu mesmo e conseqüentemente menos feliz. Talvez essa felicidade seja o melhor indicador para a evolução nessa filosofia. Uma felicidade que independe de situações externas, uma felicidade que necessita ser compartilhada e que com mais práticas se torna cada vez mais presente em minha vida.   Para saber mais sobre conteúdo de Yoga aperte este botão