Blog

foco


Dicas de Yoga | 20 out 2020 | Daniel De Nardi

Disciplina, Determinação e Realização

Disciplina, Determinação e Realização Você nunca se questionou de onde vem a força das pessoas que passam por muitas dificuldades e que, apesar de tudo, perseveram em seus objetivos, conseguindo, com muita luta, realizá-los? Por outro lado, vemos pessoas com tudo aquilo de que precisam a seu alcance e que, apesar disso, levam uma vida sem rumo, nada realizando pela melhoria do mundo em que vivemos. Muitas vezes, a facilidade pode se tornar nosso maior inimigo e a dificuldade, nossa maior dádiva, dependendo apenas de nossas decisões. Fica claro que realizar não depende das condições iniciais, mas da vontade e da determinação daquele que se propôs a “colocar a ideia de pé” Acreditamos que essa força da determinação tem início com o autoconhecimento; na medida em que nos conhecemos mais, vamos descobrindo também qual é o nosso propósito de vida. Quando temos isso muito claro, fica mais fácil agirmos com uma convicção plena de que o sucesso virá, aconteça o que acontecer. Saber para que viemos ao mundo alimenta nossa motivação, tornando-a inabalável. Para chegar a esta descoberta tão íntima, cabe apenas a você o desenvolvimento de um autoestudo muito profundo. Pátañjali, grande mestre de Yoga indiano do século IV a.C., disse que para se conquistar algo extremamente difícil, como a meditação, é necessária “uma disciplina diligente cultivada por um longo tempo, sem interrupção e com profunda dedicação”. Também é necessário “subjugar a compulsão pelas dispersões”. Este pensamento poderia ser de um grande empresário, a respeito da construção de uma empresa; ou de um medalhista olímpico, sobre suas conquistas - mas tem mais de dois mil anos. A persistência sustentada por um longo período torna-se o maior aliado daquele que busca grandes realizações, ou seja é um ativo indispensável à conquista dos nossos sonhos. Mas, afinal, que recompensa poderia ser valiosa quando conquistada num curto espaço de tempo? “O valor das conquistas está diretamente ligado à quantidade de coisas que tivemos que abrir mão para conquistá-las”. Este pensamento, atribuído a Gandhi, complementa o de Pátañjali: a cada dia, maior é a quantidade de diferentes estímulos que recebemos; podemos fazer virtualmente o que quisermos, mas nunca conseguiremos fazer tudo o que o mundo nos oferece. Cabe a cada um, portanto, conhecer suas motivações internas e não deixar que as dispersões lhe tirem do foco da meta. Temos aqui dois pontos indispensáveis para a construção de obras grandiosas ou de realizações com grande valor pessoal: permanecermos focados por muito tempo naquilo que desejamos e não nos dispersarmos com as alternativas que o mundo oferece. A sua percepção interna é que mostrará aquilo que você quer realmente. Uma vez descoberto, será a hora de começar a lutar bravamente para transformar seu desejo em realidade.  

concentracao multitarefa
Dicas de Yoga | 27 set 2020 | Daniel De Nardi

A Concentração Multitarefa

A Concentração Multitarefa Desde que a internet começou a ganhar força no final da década de 90, o senso comum estabeleceu que ser eficiente é ser multitarefa. A famosa geração Y (ou X ou Z cada hora muda, mas falo dos que nasceram após a rede) recebeu um carimbo como a geração que consegue fazer bem mil coisas ao mesmo tempo. O termo multitarefa foi trazido do computador que é um sistema que aparentemente realiza várias funções ao mesmo tempo. O ponto é que o computador não é multitarefa, quem dirá nós. O computador não realiza várias tarefas ao mesmo tempo, sua capacidade é conseguir trocar de tarefas rapidamente mas sempre operando uma de cada vez. Conosco, a história não é diferente.   Pesquisas dizem que 60% dos brasileiros veem Tv mexendo no computador Claro que é possível fazer duas coisas ao mesmo tempo, especialmente se elas forem mecânicas. Entretanto, na pesquisa acima qual foi o grau de absorção do que estava passando na Tv? Ou do que se escrevia no computado? Tarefas repetitivas são possíveis de executar sem precisar prestar muito atenção, por exemplo você consegue tranquilamente dirigir e escutar rádio ao mesmo tempo. Mas e se a estrada fosse repleta de obstáculos e no rádio uma pessoa começasse a fazer perguntas com cálculos matemáticos? Pesquisas feitas por cientistas americanos provaram que a qualidade da condução do automóvel e das respostas matemáticas de quem tenta fazer essas duas coisas ao mesmo tempo se aproxima de uma pessoa embriagada. Infelizmente, ser multi tarefa quando trata-se de tarefas complexas não é possível. Não dá para ler um livro enquanto se vê Tv ou escrever um bom texto enquanto se analisa a letra de uma música. E o perigo da nossa geração está justamente no fato de estarmos tão condicionados a fazer várias coisas ao mesmo tempo que quando precisamos nos concentrar para algo importante temos muita dificuldade. O condicionamento da dispersão está cada vez mais arraigado nos seres humanos e passamos a achar normal não conseguir parar 20 minutos para executar uma única tarefa. Parece que precisamos estar o tempo todo buscando algo a mais para fazer se não, não nos sentimos produtivos. Para executar uma tarefa que dependa do seu talento e concentração, você terá que afastar as fontes de dispersão (celular, computador, Tv, barulhos etc) e manter o máximo da sua atenção naquilo que está executando naquele momento. Cada dia me convenço mais que a grande dificuldade para terminar projetos complexos não está na execução, mas em conseguir não ser interrompido (ou se interromper) enquanto faz as tarefas mais difíceis. Se você começar a se isolar, nem que seja brevemente, das interrupções, terá dado um grande passo. No entanto, há um porém - não conseguimos nos manter focados numa coisa só por muito tempo. Cada pessoa, consegue manter a concentração durante um determinado tempo e você terá que descobrir qual é esse seu tempo. Pode ser 20min, meia hora, 45min, não sugiro que passe de uma hora. Eu costumo trabalhar com 45 minutos de concentração para 15 de dispersão. A mente é como uma criança e se você quer que uma criança pare de perturbar não adianta gritar para ela calar a boca. Mais inteligente é oferecer um sorvete se ela conseguir 45minutos de quietude. A mente é dispersa por natureza e precisa desse tempo de distração para voltar ao foco com empenho. Negocie com ela deixando claro que nesses minutos o foco será numa única tarefa, mas depois ela poderá pensar em qualquer outra coisa. Durante o tempo escolhido, se quiser terminar a tarefa com excelência, isole-se ao máximo das dispersões. Desligue o som e se puder ponha o celular no modo avião (o grupo do whatssapp não vai acabar porque você deixou de vê-lo por alguns minutos) e quando o tempo se esgotar, dê a mente todas as dispersões que ela desejar, mas também por um tempo determinado. Sugiro que esse tempo de dispersão ou de execução de outras tarefas mais simples não passe de 30% do tempo que você ficou concentrado. Depois de estabelecer por quanto tempo irá se concentrar, respeite o acordo, e dê o que ela quiser. Caso contrário, da próxima vez que disser à criança para parar, mesmo que prometa um sorvete, ela não acreditará e não te deixará sossegado. O que os exercícios de concentração e meditação do Yoga desenvolvem é a capacidade de você ir aumentando o tempo e a qualidade da concentração mental sempre treinando o foco para um único ponto que às vezes é a respiração em outras alguma parte do corpo ou alguma mentalização específica. Existe inclusive um conceito dentro do Yoga chamado ekagrata que se traduz por - único ponto e é o único ponto para o qual toda consciência deve convergir. Com o treinamento, você vai aprendendo os truques que sua mente usa para gerar dispersões - monotonia, dores corporais, lembranças aparentemente urgentes e até boas ideias. Conhecendo internamente esses truques e treinando mais a meditação você irá conseguir gradualmente aumentar o tempo de foco e consequentemente executar com mais qualidade a única tarefa que deve fazer.  

Dicas de Yoga | 2 set 2020 | Daniel De Nardi

Motivação – Só Consegue Quem Muito Quer

Motivação é essencial! Duas características são imprescindíveis para vencer na vida em qualquer área. Se você deseja mesmo ser bom naquilo que quer, é importante que desenvolva persistência titânica e senso crítico exigente. A persistência mostra claramente seu valor quando observamos grande parte das pessoas abandonando algo que começaram a fazer antes da sua conclusão. Em pouco tempo, muitos desistem do que se predispuseram a conquistar e, como na estória da lebre e da tartaruga, os persistentes acabam sendo vencedores. Podemos atribuir à continuidade cerca de 80% da importância para uma realização. Não são poucos os casos em que a pessoa comete uma sucessão incrível de erros mas, só pelo fato de persistir, acaba vencendo. A perseverança mede o quanto verdadeiramente queremos tornar nossos sonhos realidade. O ponto fraco do obstinado é que ele normalmente tem dificuldade de se adaptar a uma nova realidade. Aquele que realmente quer acabará conseguindo; pode até demorar um pouco mas, se mantiver o propósito e a ação firmes na rota, não tardará em concretizar seus desejos. Infelizmente, “querer muito” apenas não é suficiente, e nossa história está cheia de exemplos para mostrar isso. O segundo componente é como o timão que, bem pilotado, fará de nosso cruzeiro um sucesso. O senso crítico produz a observação constante e propicia a mudança para o rumo certeiro. Essa característica faz com que aprimoremos aquilo que estamos fazendo até o ponto da satisfação. Ou, em alguns casos, do “estado da arte”, da perfeição. O discernimento imperioso não pode jamais gerar inconstância, que sabota a persistência, principal característica para a vitória. Ele deve sim nos alertar para o momento no qual devemos mudar a direção das nossas ações. De nada adianta persistir para sempre em algo que jamais dará certo. Tendo uma convicção inabalável do que você quer, gerando com isso a persistência necessária, e agregando uma boa dose de senso crítico à combinação, a vitória torna-se uma consequência. Where there’s a will, there’s a way.   new RDStationForms(\'e-book-as-origens-da-meditacao-e-do-yoga-84b39b698136958eda59-html\', \'UA-68279709-2\').createForm();