Blog

asanas do yoga


Bakasana
Dicas de Yoga | 18 jun 2021 | Daniel De Nardi

Bakasana – Garça ou Corvo?

Bakasana postura da garça ou do corvo? O Bakasana é uma postura tradicional do Yoga. Conhecida também pelo nome de kakasana, mas isso, provavelmente foi um erro de transmissão de conhecimento, visto que o nome bakasana aparece apenas numa escritura do sul da Índia chamada Hatha Radha Navali, no entanto, escolas do norte da Índia, como a Shivananda, visitaram o sul para aprender posturas e entre elas estava o bakasana que depois começou a ser ensinado com o nome de kakasana em algumas escolas do Norte. Baka significa garça e Kaka corvo. Comparando a postura com os dois animais fica evidente que a postura assemelha-se muito mais a uma baka, garça, que a um corvo kaka.     Baka é uma expressão usada tanto para pureza quanto para a falsidade, hipocrisia. Como algo pode ser puro e ao mesmo tempo falso? Religiosos indianos (vaishnas) chamam de baka o falso devoto, aquele que se diz devoto, mas não é. Eventualmente, os vaishnas chamam os yogins de bakas ou falsos devotos. Isso acontece, porque os yogins, reconhecem que a divindade está dentro de si, o que para os religiosos não passa de uma egolotria. Já os yogins usam a expressão baka para tratar da pureza. Na visão do Yoga, o que é divino e verdadeiro não precisa ser buscado fora, já está no nosso interior. Textos yogins como as Upanishads, consideram que Brahman, o divino, está dentro do coração de cada pessoa. Para reforçar esse conceito, Yogins usam a expressão, Shivoham que significa Eu Sou Shiva, Eu Sou Deus. A postura do bakasana pode ser executada com uma Meditação sobre as aparências, onde o que é falso a partir de um ponto de vista pode ser verdadeiro quando visto sob outra ótica. Se você acredita na divisão entre humanos e divindades, baka pode significar hipocrisia, já se reconhece o divino dentro de si, baka é a pureza, a verdade.   Aprenda mais sobre as posturas do Yoga, os asanas baixando o ebook! new RDStationForms(\'ebook-asana-posturas-do-yoga-20927af5b3e8c03b81b9\', \'UA-68279709-2\').createForm();  

Kate moss postura de yoga
Filosofia do Yoga | 17 mar 2021 | Equipe YogIN App

Obra de arte com posturas de Yoga feitas pela modelo Kate Moss

Arte com posturas de Yoga feitas pela modelo Kate Moss A obra de Marcquinnart com posturas de Yoga feitas pela modelo Kate Moss. \"Feitas imediatamente após a obra The Complete Marbles - esculturas de pessoas com deficiência, culminou com Alison Lapper Pregnant (2005) em Trafalgar Square - estas esculturas lidam com o oposto - a idealizada imagem irreal do corpo idolatrado. Estas obras descrevem a modelo de moda Kate Moss, que se tornou um ícone de mídia para a nossa idade. Presentado em posturas de yoga contorcidas, as obras exploram a idéia de Moss como uma abstração, uma figura idealizada que é mais de uma alucinação cultural do que uma pessoa real de carne e sangue. A culminação deste A série é Siren (2008), um elenco da escultura Sphinx de Quinn (2005), em ouro sólido de 18 quilates.Quinn diz sobre as obras, \"Os seres humanos muitas vezes criam imagens, começam a adorá-los e, em seguida, esquecer as imagens foram inicialmente inventado por eles . Eles são deixados com uma imagem abstrata que é impossível medir até. Esta é a base de toda a celebridade e imagens religiosas. O ouro é um metal que os humanos decidiram que é um dos materiais mais valiosos do mundo, mas como suas imagens inventadas de perfeição, o ouro em si é um sistema de crenças - inerentemente não mais valioso do que qualquer outro metal. Ao lançar a Sphinx em ouro, Siren cria uma imagem de todos os sonhos impossíveis que atraem as pessoas a destruir suas vidas na costa rochosa da realidade - a alucinação final que leva os seres humanos à loucura \". Quando esta escultura foi exibida no Museu Britânico em 2008 ao lado de seus antecedentes clássicos, também coincidiu com o início da crise financeira global, enfatizando ainda mais a fragilidade de todos esses sistemas de crenças. Em The Road to Enlightenment, Moss é retratada como uma figura emaciada. Este trabalho é baseado em uma escultura budista que tem aproximadamente 2.000 anos de idade, que se relaciona com um momento de iluminação e o nascimento da filosofia budista. O trabalho também faz referência a distúrbios alimentares que podem surgir a partir da busca da perfeição impossível e nos lembrar que podemos ser controlados pelas pelas imagens E fantasias que criamos coletivamente. \" fonte Art Psycho