Blog

asana


Quais asanas estimulam o chakra do coração
Filosofia do Yoga | 22 ago 2021 | Daniel De Nardi

Quais asanas estimulam o chakra do coração?

Quais técnicas do Yoga podem estimular so chakras - Descobertas da neurociência mostram que estímulos corporais modificam a estrutura do cérebro. Sim, dependendo do que sentimos mudamos o formato do órgão dentro da nossa cabeça. Quando aprendemos algo novo por exemplo, o cérebro modifica sua estrutura física para conectar os neurônios necessários na assimilação do novo conhecimento. Pode acreditar, isto está acontecendo com você agora mesmo enquanto você lê e pensa sobre esse texto. Do lado YogIN, essas investigações começaram antes, durante o período chamado de Renascimento Indiano, no séc. X d.c. Explorar o corpo era a palavra de ordem deste movimento cultural que tinha como objetivo dar mais liberdade aos indivíduos. O sistema de castas mantinha o poder nas mãos dos brahmanes, os sacerdotes que conduzem os rituais e ensinam as escrituras sagradas. Estes pregavam que a única forma de realização pessoal seria seguir exatamente o que está escrito nos Vedas e nas outras escrituras importantes. Só que um grupo de YogINs começou a questionar essa infalibilidade das escrituras. Começaram a investigar o que o corpo, em suas diferentes formas de manifestação, tem a dizer em relação às verdades de cada um. Para eles, o corpo seria o local onde estariam nossas respostas Isso incomodou os brahmanes que perderam poder à medida em que as pessoas entendiam que sentindo mais o corpo poderiam saber mais sobre elas mesmas e não ouvindo os rituais. Estas definições do corpo humano vão além do que se pode ver ou tocar. Os YogINs elaboraram explicações minuciosas de conceitos como prana, chakras e nadis. Escreveram sobre esses assuntos durante séculos até que no séc. XIX, intelectuais ocidentais como o pesquisador Sir John Woodroffe traduziram os principais deles para o inglês. Nesta época, assuntos relacionados ao Yoga eram vistos como religiosos ou filosóficos e não eram verificados por pesquisas científicas. Hoje em dia, a precisão das ferramentas de mensuração e das pesquisas tem aproximado cada vez mais as visões de corpo humano segundo os antigos indianos e o que a ciência sabe sobre nós. Muitas das comprovações podem ser encontradas no livro A  Moderna Ciência do Yoga do jornalista americano Willian Broad. Desprezar as observações feitas por toda a Índia ao longo de séculos é pensar que o conhecimento só passou a ser válido depois da criação dos métodos científicos propostos por Descartes no século XVII. Muita verdade foi relatada nesses textos, obviamente com linguagens diferentes e menos precisão que um artigo de Harvard, mas nem por isso menos valioso.   Chakras possuem estreita relação com partes importantes do nosso corpo Quando falo de importância, me refiro a quantidade de neurônios presentes na região. Possuímos neurônios espalhados pelo corpo todo; e claro, as partes que contem mais neurônios têm mais sensibilidade que as que possuem poucas terminações nervosas. Uma terminação nervosa é um acúmulo de neurônios, como se fosse um cabo formado por esse tipo de célula. Os neurônios são responsáveis por transmitir comandos de reação ao corpo. Quanto mais elaborada é a função de uma parte do corpo, mais neurônios precisará para cumprir seu papel. O cérebro é a região do corpo que mais concentra esse tipo de célula, mas também há grande quantidade deles no abdômen por causa das funções relacionadas a digestão e também ao longo da coluna. Para deixar claro, se alguém bater com bastante força a perna, a maior probabilidade é que tenha problemas apenas nessa região. Agora se a pessoa se ferir com violência em qualquer parte da coluna, corre risco de perder todos os movimentos voluntários do corpo. Regiões com grande quantidade de terminações nervosas, são as partes mais caras ao corpo. Voltando para o Oriente, os YogINs fizeram grandes descobertas de sensações relacionadas aos 6 principais chakras. Todos eles, localizados ao longo da coluna em pontos com grande quantidade de terminações nervosas. Se pensarmos de forma totalmente científica e começarmos a percorrer o corpo dos pés em direção a cabeça, qual é o primeiro ponto onde encontramos uma grande quantidade de neurônios ? No joelho? NÃO!!!!! Resposta correta = períneo; região situada entre o anus e os órgão genitais. Mesmo local em que os textos descrevem o primeiro chakra: muládhara (mula = raiz). Esta é uma parte do corpo que canaliza muitas dessas terminações nervosas para dentro da coluna, afetando diretamente o sistema nervoso central. É uma região muito sensível e essencial para o funcionamento dos órgãos genitais e de funções como o movimento das pernas. O Hatha Yoga Pradipika, importante tratado do Yoga do Renascimento Indiano, fala de um canal central no campo energético chamado sushumna. Dele brotam os principais chakras. A medula espinal é considerada um centro de transmissão de informações que recebe e transmite mensagens do cérebro para as partes periféricas e delas para o cérebro. Até mesmo as informações de estímulos involuntários como a digestão ou o piscar dos olhos, passam pela coluna. Nossa coluna funciona como um grande chip que distribui informação por aqueles canaizinhos que  partem para a borda. Tanto na visão anatômica científica quanto na visão de um corpo sutil, a parte central do corpo é essencial para o funcionamento de todo o resto. O sistema nervoso central precisa estar funcionando bem, com seus comandos sendo atendidos, para que a pessoa desempenhe suas funções, especialmente aquelas relacionadas a sensações ou pensamentos elaborados. Na visão YogIN, o canal central sushumna, tem que estar desobstruído para que uma energia situada na base da coluna chamada kundaliní seja despertada. Kundaliní é descrita como uma serpente adormecida ou como uma chama congelada. Refere-se ao potencial humano, oprimido por falta de autoconhecimento. Para que esse potencial seja despertado, tanto as funções do sistema nervoso central devem estar funcionando perfeitamente quanto na visão indiana, a sushumna deve estar desobstruídas. Há muitos outros casos em que essas duas formas de entender o corpo humano se assemelham. Por exemplo na relação entre amígdalas e o vishuddha chakra. A região da garganta é conhecida por inflamar em estados de stress quando o corpo dá respostas a algum perigo eminente. O vishuddha é relacionado aos pensamentos e como externalizá-los (voz). A ciência sabe que pensamento acelerado é um dos efeitos de altos níveis de stress. A proposta do Yoga com suas diferentes técnicas é canalizar prana (bioenergia) para os chakras. O direcionamento da atenção para uma parte do corpo, pode ampliar a circulação sanguínea naquela região. Se você não acredita, comprove com um experimento que está ao alcance das suas mãos. Ele também demonstrará a capacidade que você possui de interferir no seu corpo e que provavelmente não usa.  Olhe para as palmas das suas mãos. Se conseguir fotografe-as. Mantenha durante 5 minutos, sem nenhuma interrupção (sem Whatsapp até), toda sua atenção apenas em uma delas. Observe se não há diferença nas sensações das mãos e na cor delas. A mão que recebe mais atenção costuma aumentar a circulação de sangue. E o que isso tem a ver com os chakras? A concentração de sangue é usada no nosso corpo como um recurso para modificações. Quando uma parte do corpo começa a dar sinais de fraqueza, o corpo envia sangue como um mecanismo de resposta ao problema. Junto com o sangue, irão todos os nutrientes que o corpo possui para tentar resolver o problema. Mas não apenas quando estamos doentes o corpo usa sua capacidade de concentração sanguínea. Quando fazemos exercícios e precisamos melhorar o desempenho de algum músculo, ele também direciona mais sangue para a região trabalhada. A concentração de sangue contribui para diversos tipos de mudanças que vão desde o ganho de resistência, passando pela regeneração celular, oxigenação das células até a cura. O Yoga atua de diferentes forma para estimular os centros de força Mentalização (manaskriya) - o direcionamento de atenção para diferentes partes do corpo é parte do treinamento YogIN em qualquer tipo de prática (sadhana). Compressões de glândulas (bandhas) - compreensões estimulam a circulação do sangue (aqui você também pode fazer um teste simplesmente apertando sua mão com força por alguns segundos) esses movimentos de contração atuam em regiões com grande quantidade de neurônios. Períneo estimulado pelo mula bandha, e o plexo solar, que é região do abdômen onde há milhões de terminações nervosas por causa da digestão (manipura chakra); Posturas (asanas) - através do alongamento forçamos o corpo a direcionar sangue às partes mais trabalhadas. E finalmente respondendo a pergunta do título -  Quais asanas estimulam o chakra do coração? Portanto, não apenas o asana, mas toda técnica que estimule o fluxo de consciência/sangue/prana vai estimular o funcionamento de uma parte sensível e por isso mesmo, importante ao funcionamento do corpo. Mentalização, bandhas e asanas que atuam estimulando a região do coração ou do anahata chakra vão ajudar a trazer à tona informações que estão ali presentes e que podem ser muito úteis ao seu desenvolvimento pessoal. Boas práticas e muito amor!   Entenda mais sobre como o Prana pode ser compreendido assistindo a Live: O Prana é real?   https://youtu.be/ibNTVL5tM3A Quer saber mais sobre os Asanas, posturas do Yoga, baixe o livro gratuitamente new RDStationForms(\'ebook-asana-posturas-do-yoga-20927af5b3e8c03b81b9\', \'UA-68279709-2\').createForm();

Bakasana
Dicas de Yoga | 18 jun 2021 | Daniel De Nardi

Bakasana – Garça ou Corvo?

Bakasana postura da garça ou do corvo? O Bakasana é uma postura tradicional do Yoga. Conhecida também pelo nome de kakasana, mas isso, provavelmente foi um erro de transmissão de conhecimento, visto que o nome bakasana aparece apenas numa escritura do sul da Índia chamada Hatha Radha Navali, no entanto, escolas do norte da Índia, como a Shivananda, visitaram o sul para aprender posturas e entre elas estava o bakasana que depois começou a ser ensinado com o nome de kakasana em algumas escolas do Norte. Baka significa garça e Kaka corvo. Comparando a postura com os dois animais fica evidente que a postura assemelha-se muito mais a uma baka, garça, que a um corvo kaka.     Baka é uma expressão usada tanto para pureza quanto para a falsidade, hipocrisia. Como algo pode ser puro e ao mesmo tempo falso? Religiosos indianos (vaishnas) chamam de baka o falso devoto, aquele que se diz devoto, mas não é. Eventualmente, os vaishnas chamam os yogins de bakas ou falsos devotos. Isso acontece, porque os yogins, reconhecem que a divindade está dentro de si, o que para os religiosos não passa de uma egolotria. Já os yogins usam a expressão baka para tratar da pureza. Na visão do Yoga, o que é divino e verdadeiro não precisa ser buscado fora, já está no nosso interior. Textos yogins como as Upanishads, consideram que Brahman, o divino, está dentro do coração de cada pessoa. Para reforçar esse conceito, Yogins usam a expressão, Shivoham que significa Eu Sou Shiva, Eu Sou Deus. A postura do bakasana pode ser executada com uma Meditação sobre as aparências, onde o que é falso a partir de um ponto de vista pode ser verdadeiro quando visto sob outra ótica. Se você acredita na divisão entre humanos e divindades, baka pode significar hipocrisia, já se reconhece o divino dentro de si, baka é a pureza, a verdade.   Aprenda mais sobre as posturas do Yoga, os asanas baixando o ebook! new RDStationForms(\'ebook-asana-posturas-do-yoga-20927af5b3e8c03b81b9\', \'UA-68279709-2\').createForm();  

asana para ficar sarado urdva mukha
Dicas de Yoga | 9 maio 2021 | Ellen Lima

Asana para ficar sarado

Asana para ficar sarado   Diz um ditado popular que hoje em dia é necessária muita coragem para amar e demonstrar sentimentos. Eu diria além, é preciso muita sabedoria e entendimento para entender que amar e demonstrar os sentimentos são os melhores remédios para o corpo e para o espírito, não apenas uma necessidade, mas um estado natural do verdadeiro Eu, que é puro e sábio. Em tempos onde controlamos e economizamos cada vez mais nossas emoções, chorar virou sinônimo de fraqueza, dar gargalhadas altas somos taxados de escandalosos, admitir que temos medo de algo então, cruzes! Vão dizer que sou fraco, frouxo; e a vontade dizer a alguém que está com saudade? Melhor deixar passar para não parecer sentimental fora de hora. A questão é que para tudo na vida existe equilíbrio e não falo aqui de se render ao desequilíbrio emocional, que também é desastroso, falo aqui sobre repressão. Hoje em dias as pessoas reprimem suas emoções cada dia mais para se encaixar no padrão da era dos humanos super adultos, controlados e “descolados” onde, já dizia em uma música do Leoni: “a ordem é ser feliz por toda eternidade feito prisão perpétua, entre sorrisos falsos e amenidades, momentos rasos de normalidade, não me apareça aqui com sua bagagem de infelicidade”. E assim somos obrigados a estar bem, parecer normal e passar por cima do que sentimos de verdade, aquele medo que poderia ser desfeito com uma conversa é escondido nos joelhos, aquele ressentimento e aquela situação que você não digeriu se esconde no estômago, aquela dificuldade financeira se esconde na sua lombar, e a carência na parte alta das costas; a culpa? Instala-se meio das costas. Aquela vontade de falar sobre idéia que parece que ninguém vai achar legal se esconde na garganta, e aquele projeto que não sai da sua cabeça, mas toda vez que você quer colocar ele em pratica algo da errado? Você esconde a teimosia em mudar o plano, em olhar por outros ângulos, na nuca, que enrijece e dói! As lembranças difíceis do passado que você não consegue esquecer, se escondem nas suas articulações. Chega uma hora que nem a mente e nem o corpo aguentam, sucumbem em ansiedade, desespero, dores físicas e até mesmo doenças. Aí você procura algo para aliviar e ajudar a se sentir menos o peso do fardo de reprimir tudo e não deixar os sentimentos e a vida fluir. Yoga! Afinal não há um yogIN que não tenha sido ‘salvo’ por essa tal filosofia. Chega à aula de yoga e dói o peito para respirar da forma correta (que você nem sabia mais como era), afinal é difícil mesmo colocar consciência quando a sociedade nos ensina a colocar no automático para render o tempo. Na meditação então? A concentração é prova de fogo, afinal como parar de pensar se é preciso analisar todas as atitudes, cada palavra, pensamentos, sentimentos, relações?! Aí chega a hora dos asanas. Opa, aí sim, aí é domínio físico, racional, então vai ser tranquilo. Você se coloca no asana e ele está fluindo e então você começa a se entregar, porque é bom estar ali, aparentemente no controle e com a cabeça ocupada só com o asana, (na verdade você está concentrado no momento presente e aí começa o yoga) e então você começa a respirar, a estar mais entregue, começa perceber o seu corpo, onde está rígido, onde está se soltando quando expira, começa ouvir seus batimentos cardíacos, começa sentir sua respiração e então se vê alí: você com seu corpo, o silêncio de estar olhando para dentro de você e sentindo uma conexão nunca antes sentida, e vem a inexplicável vontade de chorar. Se você passou por isso, entende o que eu estou dizendo, se você engoliu o choro, perdeu o estado de yoga, perdeu a maravilhosa oportunidade de deixar que seu corpo reprocesse suas emoções escondidas. Chora! Não saia do asana (a menos que ele esteja sendo violento para seu corpo), permaneça, se entrega, deixa o asana colocar tudo no lugar, movimentar a energia da emoção que ficou presa em algum chakra, em algum órgão, algum músculo, deixa o asana fazer efeito, e o efeito do yoga não é te dar um corpo sarado, é devolver uma alma “sarada”, curada de tudo que você reprimiu; deixa o yoga te ensinar a ouvir seu corpo, suas emoções e te aprende a deixar a energia da vida fluir pelo teu corpo e para além dele. Reaprende a liberdade de sentir e de ser. Enxerga a sua verdadeira e pura essência e permaneça no verdadeiro estado de entrega e confiança no seu verdadeiro Eu, que sabe como seguir no único caminho que viemos para trilhar e que nos leva à evolução e libertação: o caminho do AMOR! new RDStationForms(\'newsletter-yogin-formulario-1c3fb174b015350a9cd5-html\', \'UA-68279709-2\').createForm();  

Dicas de Yoga | 8 maio 2021 | Daniel De Nardi

Reflexões de um jovem veterano yogin

Reflexões yogin de mais de duas décadas! Eu poderia começar este texto citando Vyása ou passagens das Upanishads. Acho que você não me daria nem duas linhas. Por falar em atenção, vamos ao que interessa - os benefícios do Yoga. Podemos dizer que o mundo está corrompido por um imediatismo e que hoje em dia ninguém se dedica a algo \"pela arte\". Verdade, mas será que nossos ancestrais também não agiam pensando no retorno que seu esforço proveria? Ou - será que o mais puro dos artistas também não age por alguma vantagem pessoal? Acredito que sim, tanto a arte quanto o esporte, trabalho, são meios pelos quais agimos buscando algo em troca.   Isto não tira a nobreza da ação, pelo contrário, se algo se perdura pelos séculos é sinal que de alguma forma aquilo vem gerando benefícios aos seus praticantes. O Yoga está vivo, cinco mil anos depois de sua criação, se não tivesse importância na vida das pessoas, já teria sido perdido ao longo da História. Depois dessa breve introdução - ou seria uma defesa prévia? - posso responder:   PARA QUE SERVE O YOGA? Poderia abrir outro parêntese para falar das mil vantagens de um estado de consciência expandida que os praticantes podem alcançar quando dedicam sua vida a isto, mas no final do dia, aqueles 99% dos praticantes que fazem Yoga 2x por semana, o que eles ganham? Há incontáveis benefícios em parar 2 horas na semana para se observar mais. Diminuir um pouco o inesgotável fluxo de informações que se recebe de fora para dentro o tempo todo. Há gente que não desliga nunca. E se nos aproximássemos mais da voz da consciência, que está sempre presente e que esses turbilhões de pensamentos nos impedem de ouvir com clareza - já seria um bom motivo.   “A voz da consciência é tão delicada que é fácil ignorá-la. Mas também é tão clara que se torna impossível iludi-la”. Madame de Stael        OS EFEITOS MAIS RELEVANTES A disciplina da mente - não é apenas o Yoga que produz esse tipo de habilidade. Se você deseja aprofundar-se em alguma atividade como estudo, esporte ou trabalho, terá que, necessariamente, repetir ações ao invés de ceder à tentação da dispersão. A vantagem que vejo no Yoga em relação às outras atividades é que há técnicas para educar a mente a fazer isto. No dia a dia, a mente quer sempre fugir da repetição. Aí está o poder - decidir de cima, como o senhor que ordena as rédeas das suas atitudes, que agora é o momento do foco e não da distração. No treinamento do ritmo respiratório, quando o praticante trava contato pela primeira vez com a contagem do tempo das fases da respiração, se dá conta que não é tão simples quanto parece repetir o mesmo tempo para inspirar, reter o ar nos pulmões, expirar e reter com os pulmões vazios. A mente, que é dispersa por natureza, não gosta de ritmos cadenciados. Ela sempre vai preferir a diversidade, as variações, é sedenta pelo seu alimento vital - as dispersões. Mas a experiência de se notar que a mente foge do ritmo e ao observar esta atitude, volta a manter a cadência respiratória, nos dá aquela sensação de missão cumprida. E este é apenas um exemplo das dezenas de técnicas do Yoga que atuam neste sentido. Aprender isso com um exercício e depois transferir para as tarefas do dia a dia é algo que a prática nos ensina. A auto-observação - este processo é tão importante dentro da prática que o Yoga Clássico possui entre seus passos iniciais, uma fase chamada de swádhyaya, ou auto-estudo. Vou dar, mais uma vez, um exemplo de técnica, pois no final, Yoga nada mais é que a prática dos exercícios desta filosofia. Quando treinamos as posições de equilíbrio com os olhos fechados, somos obrigados a observarmo-nos internamente. Sem uma percepção de como o peso está distribuído no único pé que ficou no chão, torna-se impossível manter a posição por mais de alguns segundos. Mais uma vez, a técnica ensina o praticante a permanecer no melhor caminho, observando e atuando. Unindo - disciplina da mente e auto observação - temos o melhor dos cenários na busca para se alcançar objetivos desafiadores. Para tanto, é imprescindível que nos aproximemos cada vez mais daquilo que realmente somos, estabelecendo uma ligação mais próxima com a nossa consciência, que é a mais expressiva manifestação da nossa essência. Somente quando a pessoa está intimamente conectada consigo poderá reconhecer melhor seus defeitos e transformá-los em virtudes, conhecer suas vocações para poder realizar seu pleno potencial. A conexão interna nos proporciona uma grande confiança para traçarmos metas audaciosas. Ela nos conscientiza de que só depende da nossa própria capacidade de autoaprimoramento para que alcancemos tais objetivos e o Yoga pode ajudar qualquer um nesse processo. Talvez este seja seu maior benefício. É praticar para crer.   new RDStationForms(\'newsletter-yogin-formulario-1c3fb174b015350a9cd5-html\', \'UA-68279709-2\').createForm();

aula de yoga parque do povo lotada
Dicas de Yoga | 20 mar 2021 | Daniel De Nardi

O QUE DEVE CONTER UMA BOA AULA DE YOGA

Claro que o caráter dessa pergunta é bem pessoal. Cada um, tem sua própria busca dentro da prática e evidentemente a resposta desta questão estará carregada pela minha visão do que é o Yoga e para onde essa prática deve me levar. O que mais valorizo dentro de uma prática, seja quando estou fazendo aula ou praticando sozinho é a exploração da vivência da técnica. A teoria é muito relevante para o praticante que quer se aprimorar, entretanto, é a vivência que fará diferença na sua vida. Quando ensino, procuro contextualizar ao máximo as técnicas, deixando claro o que elas produzirão de efeitos, mas sempre procurei priorizar a profundidade da vivência do meu aluno - neste caso, experimentar é viver. “Mas o risco de não ensinar é muito grande. Se você simplesmente ensinar as pessoas a fazer um ásana sem levá-las a estados mais profundos de percepção, os ásanas delas serão sempre uma batalha.”  Glen Black, professor de Yoga no livro A Moderna Ciência do Yoga. Deve haver atenção por parte de quem ensina, sobre a capacidade de execução da técnica por cada aluno. O melhor professor não é o que ensina o mais difícil, mas aquele que consegue estimular o aluno a chegar no máximo que ele pode naquele momento. Valorizo demais uma aula que me desafia, mas ao mesmo tempo que não faz eu sentir que aquilo não dá para mim.   Também valorizo uma aula em que eu sinta meu progresso, que sinta que, por mais sutil que tenha sido minha melhoria, ela aconteceu.   Agora, se falarmos em termos de técnicas essenciais numa aula de yoga, o critério também poderá variar bastante. Como por exemplo a questão da meditação - em uma ou outra aula podemos ficar sem fazer meditação, mas se a meta do Yoga depende da meditação, não faz sentido ficarmos muito tempo sem executá-la. Os respiratórios são essenciais em todas as aulas, mesmo que seja apenas na execução dos ásanas ou como preparatório da meditação. Pránáyáma tem que ter e ponto final, é como respirar. Ásana - as técnicas corporais costumam chamar mais a atenção das pessoas e geralmente ocupar a maior parte das aulas. Uma aula pode perfeitamente ser preenchida sem a execução de técnicas corporais. No entanto, o corpo é um veículo que temos que não podemos negligenciar, é o templo onde acontecem todas as experiências. Acho que o mais importante deste texto é dizer que a vivência é a grande chave do Yoga. É a vivência que produz insights e faz com que aprendamos mais sobre nós mesmos - vivencie Yoga e viva mais.            Para saber mais sobre conteúdo de Yoga aperte este botão

Dicas de Yoga | 3 mar 2021 | Daniel De Nardi

COMO COMECEI A DAR AULAS DE YOGA

COMO COMECEI A DAR AULAS DE YOGA Eu e meu irmão começamos a praticar Yoga em 97 e juntos nos apaixonamos pela prática. Temos uma casa na praia de Ibiraquera que quando éramos jovens estava sempre lotada de amigos que iam para lá para surfar. Praticávamos todos os dias e nos finais de semana não era diferente. Só que nossos amigos não faziam Yoga então para não atrapalhar nossa disciplina, tínhamos a condição \"ou vocês praticam conosco ou terão que ficar em silêncio.\" Como adolescentes não sabem ficar em silêncio, preferiam praticar conosco. Um dia era eu que dava a aula e no outro o Lucas. Agora, graças ao Yogin App, poderei voltar a fazer a aula dele que certamente é um dos melhores professores do Brasil.   Assista ao depoimento das alunas que fizeram o curso de Formação de Yoga online do YogIN App

YOGA PARA INICIANTES - 6 DICAS PARA COMEÇAR
Dicas de Yoga | 13 jan 2021 | Daniel De Nardi

YOGA PARA INICIANTES – 6 DICAS PARA COMEÇAR

Yoga para iniciantes - 6 dicas para começar já! O começo de qualquer atividade é sempre um pouco estranho. Não conhecemos o meio em que vamos pisar, seus trejeitos particulares ou gestos ocultos. Mas também é sempre a possibilidade de novas descobertas, de outras aventuras e experiências. No final, conhecer algo novo sempre vale a pena, mesmo que seja apenas uma vez, mesmo que seja só pelo novo aprendizado. Iniciar a prática de Yoga é começar a entender um universo de conhecimento que vem crescendo por mais de cinco mil anos. É como acessar um site que vem sendo alimentado por usuários do mundo todo ao longo de séculos. Claro que você não fará o acesso todo de uma vez. Sun Tzu, autor de A arte da Guerra, falava sobre os cuidados que os guerreiros devem ter sempre que pisam em território desconhecido. É preciso ir aos pouco, mas neste caso o começo é bastante simples.   DESEJA SABER O QUE É O YOGA?   Qual melhor tipo de Yoga BLOG from YogIN App on YouTube. INVISTA EM UM BOM MAT Você já deve ter visto as pessoas andando de lá para cá com seus tapetinhos enrolados nas costas. Pois bem, o mat representa para o yogin o mesmo que uma bicicleta para um ciclista - o local onde ele vai viver suas alegrias daquela atividade. Com um tempo geramos uma relação afetiva com o objeto. Um bom mat ajudará muito na sua experiência, é um dinheiro bem gasto que vale a pena o investimento.   ENCONTRE UM LUGAR AGRADÁVEL A medida que você aprimora sua capacidade de foco e abstração dos sentidos, o local passa a ter menos importância, entretanto, especialmente para o iniciante, é essencial que o local de prática seja arejado, iluminado, de preferência pelo sol, limpo e quieto. Nas primeiras práticas, você precisará deste “isolamento” para poder prestar mais atenção no seu corpo, respiração e sensações. Quanto menos dispersão fora, mais experiências dentro.   DESLIGUE O CELULAR Mesmo que você vá usá-lo para colocar as músicas da aula, mantenha-o no modo avião. O Yoga acontece da pele para dentro. É preciso esquecer um pouco o turbilhão de coisas que estão acontecendo lá fora para se dedicar ao que acontece dentro. Deixe as dispersões para depois da prática, você terá muito tempo para elas.   new RDStationForms(\'e-book-yamas-e-niyamas-1f965e8db29fe9c4625b-html\', \'UA-68279709-2\').createForm();     VIVA NO PRESENTE Essa dica pode parecer um pouco clichê, mas não há nada tão importante para a qualidade da prática do que você estar com 100% da sua consciência no momento em que executa alguma técnica. Os efeitos do Yoga muitas vezes são sutis, sensações que nos ensinam sobre nós mesmos, e se você estiver pensando em outra coisa no momento em que essas sensações vierem à tona, elas escaparão como uma mão tentando agarrar o ar.   ESCUTE SEU CORPO Um dos objetivos da prática do Yoga é ampliar a consciência corporal, então, seria discrepante se o praticante não atentasse para os sinais que o corpo envia. Para o progresso dentro da prática é essencial o constante contato com esses sinais. Vejamos, por exemplo, a evolução dentro de um alongamento. Quando alongamos, o corpo precisa de um tempo, que varia de pessoa para pessoa, para começar a se soltar. Se o praticante não presta atenção nesse tempo, irá forçar o alongamento antes da hora e o corpo irá enrijecer num grau que não haverá força que fará ele evoluir no alongamento. É preciso que se respeite este tempo interno do corpo para cada modificação, desprezar isto é adiar em meses o progresso na prática. Além disso, ouvir o corpo é a garantia evitar qualquer tipo de lesão.     ANOTE SEUS PROGRESSOS Tenha um local onde você possa anotar seus progressos. Pode ser aqueles cadernos de anotação indianos que lembram os Moleskines ou uma página no Drop Box. Fazer anotações dos seus insights durante a prática ou de aspectos puramente físicos como o ponto em que suas mãos tocaram as pernas em determinadas posições possibilitará um acompanhamento mais preciso da sua evolução na prática. new RDStationForms(\'newsletter-yogin-formulario-1c3fb174b015350a9cd5-html\', \'UA-68279709-2\').createForm();

YogIN App
Filosofia do Yoga | 9 jan 2021 | Daniel De Nardi

Os dois olhares do Pavão – Mayurasana

O pavão é um animal original da Índia, por isso é um dos símbolos mais importantes do país.  O pavão aparece como o veículo de divindades como Saraswati, a deusa da sabedoria, e Skanda, filho de Shiva e deus da guerra.  A cauda do pavão apresenta desenhos que se parecem com olhos. Quando o pavão abre sua cauda deixando “os olhos” o observarem, cria um cenário que parecesse com o teatro, pois ele fica a frente sendo observado pelos diversos “olhares” da sua cauda.O olhar da cauda pode ter dois caminhos, quando representam olhos externos estimulam a vaidade e o egocentrismo. Entretanto, os olhos da sua cauda também podem representar um movimento de observação interna. Na postura do mayurasana, também pode-se adotar essa postura com as duas visões. Se o yogin a pratica o asana unicamente para demonstrar como consegue executar posturas avançadas, desenvolverá unicamente a vaidade. No entanto, a cauda aberta, pode ser um estímulo para uma auto observação profunda do corpo no processo de autoconhecimento, caminho que consideramos mais acertado na visão do Yoga. O Mayurasana é uma das posturas citadas em uma das escrituras mais importantes do Yoga, a Hatha Yoga Pradipika: “I:30. Mayúrásana: colocam-se as mãos firmemente no solo e eleva-se o corpo no ar, apoiando o ventre sobre os cotovelos; o corpo fica reto como um bastão. I:31. Este ásana cura diversas doenças como o inchaço do abdômen e moléstias digestivas e outras enfermidades abdominais; elimina as disfunções provocadas pelo desequilíbrio entre vata, pitta e kapha; facilita as digestões pesadas e ajuda a digerir incluso o mais poderoso dos venenos.” As escrituras nathas feitas pelos criadores do Hatha Yoga são textos cifrados, com diversos conceitos que precisam de um conhecimento prévio para serem compreendidos. No caso do mayurasana, obviamente a postura não impede o envenenamento, “ ajuda a digerir incluso o mais poderoso dos venenos. Essa citação é usada para demonstrar o poder purificador que essa postura pode produzir. Ao comprimir o cotovelo contra os órgãos abdominais estimula-se o funcionamento destes, bem como a eliminação de toxinas que podem se acumular nessas partes do corpo. Nas últimas duas semanas, os professores do YogIN App tem ensinado nas aulas ao vivo diversas variações desta postura bem como treinamentos para dominá-la. Já fez alguma dessas aulas ? E aí , conseguiu dominar a postura? Se sim, lembre-se que o caminho é o do autoconhecimento e não o da exaltação da vaidade. Boas práticas a todos e muita limpeza do Mayurasana.    Está acompanhando a Semana do Yoga do YogIN App?  Quer participar? Basta clicar no Botão abaixo e fazer sua inscrição gratuita para acompanhar todo o conteúdo incrível que preparamos para você!          

Invertida sobre a Cabeça Como fazer shirshasana
Dicas de Yoga | 7 jan 2021 | Equipe YogIN App

Como funciona a Posição Invertida?

 Postura Invertida - Conheça seus benefícios. Postura invertida é o tipo de posição é muito conhecida e executada e isso não é a toa! A mais comum é esta da foto acima, com a cabeça apoiada no solo, mas existem outras variações e tipos de invertidas que se adequam a qualquer tipo de pessoa, cada um tem a sua ideal. Se por exemplo você tem alguma restrição no pescoço, faça a variação do escorpião que está na foto abaixo, onde a cabeça não toca o solo e assim não leva peso algum ao pescoço. Postura invertida As invertidas servem para inverter o fluxo de energia do nosso corpo para a parte superior dele, concentrando uma quantidade maior de prana (energia vital) onde temos os chakras (pontos de captação e distribuição de energia) mais importantes e os órgãos mais vitais. Por isso, o momento ideal para realizar é no final da aula, onde já temos uma quantidade de energia maior e dinamizada pela pratica e que aí será direcionada para a parte superior do corpo. Como as invertidas também invertem o fluxo sangüíneo, são ótimas para quem tem problema de circulação nas pernas e para quem trabalha muito em pé. Uma dica é fazer no final do dia para revitalizar o corpo e aliviar a circulação sangüínea das pernas. Um detalhe importante é sempre fazer um descanso logo em seguida, na postura da criança que está na foto abaixo, para que o corpo normalize o fluxo de energia e sangue e você não sinta nenhum desconforto ou tontura ao elevar a cabeça. Para seus efeitos aparecerem quanto mais tempo você permanecer na posição melhor, mas comece aos poucos e sempre respeitando-se. E assim,com o tempo de pratica você conseguirá permanecer bastante tempo, mas de forma confortável e segura, fazendo sempre uma evolução gradual e metabolizável. Boas invertidas e namastê! new RDStationForms(\'ebook-asana-posturas-do-yoga-20927af5b3e8c03b81b9\', \'UA-68279709-2\').createForm(); Boa prática! Quer aprender outras posturas do Yoga? Clicando na IMAGEM ABAIXO você terá acesso a uma playlist com treinamento de diversas posturas do Yoga. https://yoginapp.com/como-fazer-as-posturas-do-yoga/ Quer saber mais sobre Asana, as posturas do Yoga? Baixe gratuitamente o livro preenchendo o formulário abaixo. new RDStationForms(\'ebook-asana-posturas-do-yoga-20927af5b3e8c03b81b9\', \'UA-68279709-2\').createForm();

Vídeos de Yoga | 4 dez 2020 | Equipe YogIN App

Como Fazer: Postura da Graça – Bakasana

Aprenda a fazer a postura da Garça A postura de hoje da nossa playlist COMO FAZER do YouTube é o bakasana ou kakasana, a postura da garça. Aprenda com a professora Sa Souza valiosas dicas para fazer esse ásana de equilibrio sobre as mãos. https://youtu.be/vPvKuiCHdlc   Quer saber mais sobre Asana, as posturas do Yoga? Baixe gratuitamente o livro preenchendo o formulário abaixo new RDStationForms(\'ebook-asana-posturas-do-yoga-20927af5b3e8c03b81b9\', \'UA-68279709-2\').createForm();