Solitude e Kaivalya – Podcast #50

HOME > BLOG > Solitude e Kaivalya – Podcast #50

Filosofia do Yoga | 22 jan 2019 | Daniel De Nardi


Solitude e Kaivalya – Podcast #50

Nesse episódio fala-se sobre a importância de momentos de isolamento para o processo de autoconhecimento.

 

 

 

LINKS

 

Kaivalya

From Wikipedia, the free encyclopedia
Kaivalya (कैवल्य), is the ultimate goal of Raja yoga and means “solitude”, “detachment” or “isolation”, a vrddhi-derivation from kevala “alone, isolated”. It is the isolation of purusha from prakṛti, and subsequent liberation from rebirth.

 

 

Ouvindo o bobo da corte – Podcast #14

 

 

 

 

 

 

O Yoga do Autoconhecimento – Audiobook

Transcrição:

Solitude e Kaivalya – Podcast #50

 

Essa música é a 5º Sinfonia de Sibelius e ela vai abrir o 50º episódio de “Reflexões de um YogIN Contemporâneo”, um podcast semanal a respeito de espiritualidade e com algumas curiosidades do dia-a-dia essenciais para vivermos melhor.

O episódio de hoje fala sobre isolamento, kaivalya, que é uma palavra bastante conhecida no meio do yoga, o primeiro livro de yoga, o Yoga Sutra, tem quatro capítulos e como se fosse quatro níveis de evolução. O quarto e último capítulo, que seria o objetivo final, chama-se Kaivalya, que significa isolamento. Neste caso a gente pode ampliar esta visão de isolamento e ela não seria o isolamento de indivíduo, aquele isolamento que Patanjali se refere, que é aquele ainda maior da consciência, se distanciando da matéria. Hoje, nós vamos falar sobre esse isolamento específico, que quando sem tem momentos de solitude, que é muito diferente de solidão. Solitude é a solidão voluntária; a solidão, é quando ninguém quer ficar perto de você e acaba ficando completamente isolado. A solitude é um momento de opção feita quando é necessário se retirar.

Os antigos iogues eras considerado saniassem, que são os renunciantes, aqueles que abrem mão de tudo o que existe no meio social para se dedicar apenas a vida espiritual, apenas a busca da essência. Esses homens são bastante comuns até hoje na Índia, alguns são charlatães querendo ganhar uns trocados, mas existem renunciantes de verdade, essas pessoas são mais raras, geralmente de uma casta elevada ou de um extrato social mais alto, ele teve que abrir mão de algumas coisas para se dedicar a vida de retirante.

Shiva era considerado um saniassem, ele ia aos povoados, às cidades e às pequenas aldeias ensinar o que ele aprendeu nesses retiros. Isso é bastante comum na literatura indiana, esse momento de retiro para reflexão ou para um entendimento mais profundo e um retorno para transmitir o conhecimento. O famoso livro de Nietzsche, “Assim Falou Zaratustra”, conta a história de um homem que também se retira nas montanhas e volta como um grande sábio e começa a ensinar através da poesia, da mesma forma fazia os rishis, os primeiros sábios que escreveram os vedas ou que ditaram os vedas, porque naquela época no era comum nem os sábios saberem escrever.

Esses retirantes saiam da sociedade, viviam uma época fora, numa floresta ou em alguma montanha ou se isolavam em alguma caverna e voltavam depois para transmitir os seus insights.

A solitude é ideal para o auto estudo, essencial para o auto aprendizado. É claro que aprendemos muito quando estamos com os outros, isso é notável, nitidamente você recebe feedback das pessoas queridas, elas querem o seu melhor. Claro que nós não temos que seguir todas as orientações, mas é sempre bom levar em conta um feedback, mesmo que aquilo incomode, mas o fato é que a reflexão profunda, a verdadeira essência é encontrada quando você está consigo mesmo. Ninguém vai poder te indicar qual é a sua verdadeira direção na vida, para isto, precisa de momentos de introspecção que a meditação e o yoga possibilitam, mas vale a pena exercer momentos de solitude no seu dia-a-dia ou na sua semana ou no seu mês, eventualmente até viajar sozinho para ver que tipo de reflexão aquilo irá causar. Os momentos em que a gente está sozinho, a gente cresce e aprende muito com a gente mesmo, eles são essenciais para entender a verdadeira natureza, para entender que determinados comportamentos só existem com o objetivo de agradar aos outros ou porque se está em um ambiente que influencia este tipo de atitude, mas ele muitas vezes não é um comportamento seu. Não estou falando de um isolamento a ponto de entrar num estado de depressão, inclusive Sibelius, que é o autor da música que abriu este podcast e que irá tocar no final, tinha uma casa em que se isolava. Ele era da Finlândia e na década de 40 e 50, pós Guerra, ele se isolava para compor. Sibelius, inevitavelmente, tinha um ouvido muito aguçado como tem os bons compositores, e ele ficava irritado com o barulho do encanamento da casa dele, ele se incomodava com o barulho que a água fazia ao percorrer a tubulação. Chegou a confessar a um crítico, em uma entrevista, que o seu isolamento e solidão estavam o deixando ele maluco.

O ponto aqui é falar sobre equilíbrio, claro que pode ser clichê, mas a sociedade como um todo, até com a questão das redes sociais, que aproxima muito as pessoas, o momento de kaivalya não existe mais nos dias de hoje. As pessoas não cogitam viajar sozinhas ou passar um final de semana sem ninguém.   O fato é que todos os dias, para a maior parte das pessoas, você terá que cruzar ou encontrar com outras pessoas, isso é o natural hoje da vida em sociedade. Fazer o movimento contrário não de forma extrema, mas apenas alguns dias de isolamento podem ser muito bons para a sua auto percepção, para o seu autoconhecimento.

Nesse final de ano eu fiquei assistindo a um educador que gosto bastante chamado Murilo Gun e ele está no processo de escrever o seu próximo livro, e eu estava finalizando o meu livro também, e a escrita é uma das atividades mais difíceis que tem porque não se consegue escrever nada bom quando não se está no máximo da energia e de concentração. Por exemplo, e possível ajustar imagens quando se está cansado, ou até mesmo fazer a correção de um texto, mas escrever e criar é praticamente impossível. A escrita exige que o momento seja de concentração máxima, de isolamento, você não consegue meditar conversando com outras pessoas. A escrita exige um grau de concentração equiparável ao da meditação, além disso é necessário externalizar uma informação, não apenas absorver, porque o estudo precisa do máximo de atenção, mas o estudo só é mais passivo, você só está absorvendo, diferente da criação, em que se externaliza algo valioso. E então, Murilo Gun estava travado no processo de criação do livro dele, e no final do ano ele alugou um apartamento em um hotel, aqui em São Paulo, cidade que, aliás, ele mora, e ficou quatro dias se dedicando a escrita.

No caso do Murilo a necessidade era a escrita, mas cada um tem a sua necessidade e está em um momento diferente em que precisa fazer algo e o período também é algo para se encaixar no momento de vida de cada um, o ponto é que depois do período de isolamento, Murilo começou a produzir muito mais do que ele tinha produzido em vários meses. O mesmo vale para o autoconhecimento, para o auto estudo, dois dias sem conversar com ninguém, absolutamente focado em si mesmo, fazendo o que se acha importante, coisas que exijam atenção e quietude, isso faz bem a todos nós.

Nesse final de ano eu passei um tempo com a minha família, mas também precisei de um momento de isolamento porque eu estava no processo final de escrita do meu livro e agora finalmente acabou, estou realmente realizado porque ficou muito bom, do jeito que eu esperava. Até comentei com o meu irmão que acredito ter colocado tudo o que eu sabia e agora tenho que voltar a pesquisar e estudar porque a produção de conteúdo é necessário um aprofundamento, não adianta só colocar pra fora, é preciso consumir e ter vivência do que se está transmitindo. Então agora vou finalizar o processo do audiobook, vou grava-lo, e espero a ajuda de vocês que estão ouvindo o podcast (vou deixar o link para quem se interessar).

Quem quiser adquirir, será entregue o audiobook e links de tudo o que é falado no livro, é um material muito rico, quem gosta de se aprofundar no yoga vai gostar bastante deste audiobook que se chama “O Yoga do Autoconhecimento”, aguardo o feedback e deixe os seus comentários e diga o que você achou.

Uma boa semana e até a próxima!

Satya mevajayate  

 

 


Compartilhar: Compartilhar no http://WhatsAppCompartilhar no http://FacebookCompartilhar no http://Twitter

Daniel De Nardi>

Daniel De Nardi

Daniel é Professor de Yoga há mais de 20 anos. Pesquisador do Yoga e das raízes dessa Filosofia Milenar. É autor de diversos livros: "Aprenda a Meditar com o Yoga", "As Origens da Meditação e do Yoga", "Asana - Posturas do Yoga", "Como a Meditação funciona?", "O Yoga do Autoconhecimento", "Pra que Meditar?", dentre outros. Também é responsável por produzir a série de podcasts "Reflexões de um YogIN Contemporâneo" do YogIN Cast, o canal de podcasts de Yoga mais acessado do Brasil. Instagram: @reflexoesdeumyogin

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados

Filosofia do Yoga | 20 set 2020 | Daniel De Nardi
Karma e Reencarnação

Karma e Reencarnação O hinduísmo passou por fortes rupturas ao longo da sua história, tais como a transferência de poder religioso quando Lutero traduz a Bíblia para o alemão. A Igreja Católica detinha o conhecimento da língua, o latim, e para acessar os ensinamentos de Deus, era necessário uma intermediação dos seus representantes diretos da Igreja. Ao traduzir a Bíblia, Lutero libera aquele conhecimento a qualquer um que soubesse ler. Entretanto, assunto como o perdão e a fé continuaram sendo debates centrais em todas as derivações religiosas que decorreram daquele rompimento. No hinduísmo, o tema do karma e reencarnação continuam sendo centrais desde suas primeiras escrituras. A casta mais alta da Índia é a dos sacerdotes que conhecem os rituais hindus, os brâmanes. Por muito tempo, os brâmanes se posicionaram como os únicos detentores da verdade. No século VII, pensadores e revolucionários indianos começam a questionar a implacabilidade dos Vedas. Esse grupo, os tântricos, criaram seus próprios textos, sua simbologia e trocaram muita informação com jainistas, budistas e ayurvedicos. Nesse caldeirão cultural surge o Hatha Yoga como uma releitura tântrica do Yoga de Patanjali. Nessa releitura, os YogINs tiram a verdade infalível dos textos e a trazem para o corpo. O que sinto e não o que está escrito é que tem valor. Desde aquela época, os YogINs observaram algo que vem sendo comprovado pela neuro ciência, o corpo tem memórias sensoriais. O corpo acumula muita informação sobre nós mesmos e pode nos ensinar sobre traumas e comportamentos condicionados. Além disso, o corpo também envia sinais. quando por exemplo tomamos algum tipo de atitude que sabemos que não é correta ou emocionalmente conflitante, o corpo responde com sintomas de desconforto ou algum tipo de doença. Para os YogINs essas são demonstração de algum tipo de desequilíbrio, energético, emocional ou mental. Tente se lembrar de ter ficado gripado quando estava numa fase muito feliz. Os asanas (posturas) começaram a ser mais explorados pelo Hatha Yoga pois entendeu-se que aumentando a observação das sensações corporais pode-se perceber antes pequenos desequilíbrios e poupar o corpo de desenvolver algo mais grave. Ao longo dos meus 20 anos de ensino e prática de Yoga, pude observar em mim e confirmar com meus alunos essa relação desequilíbrios/doenças e há estudos demonstrando quadros de tristeza com redução do sistema imunológico. O karma é visto no hinduísmo como um conceito de causa e efeito, uma lei universal na qual quando você causa algum tipo de sensação seja angústia ou felicidade aquilo de alguma forma retornará a você. Tem relação também com as respostas do corpo, dependendo do que você gera, terá o retorno. Só que o karma, dependendo da visão filosófica pode ou não ser transmitido para outra vida. A ideia de negar a reencarnação é chamativa, pois é uma ideologia na qual não se tem provas para afirmar. Seria mais racional pensar que o que se tem nessa vida foi o que se plantou, o karma é implacável. Só que quando  vejo casos de crianças, sem nenhuma chance de ter tomado uma atitude tão conflitante a ponto de gerar doenças devastadoras como o câncer, não consigo negar que possa existir reencarnação. Também é cruel pensar que aquela criança, de alguma forma tem que aprender algo dentro do seu caminho de libertação. Acredito que por mais adversa que seja a condição que fomos colocados no mundo, o caminho da liberdade depende apenas de cada um. É claro que o ser humano precisa de condições básicas para desenvolver seu pleno potencial. Não devemos nos cansar de ir ao encontro de própria identidade. Para o hinduismo, é o encontro com a essência (purúsha) que encerra o ciclo de reencarnações, interrompendo o karma e todo o sofrimento residual.    

Filosofia do Yoga | 19 set 2020 | Daniel De Nardi
Dharma e Yoga

Dharma e Yoga - Vídeo sobre a busca do propósito. O Dharma é conceito muito caro ao Yoga. A busca sobre seu papel no mundo e a expressão do EU através da ação é assunto presente em textos antigos como o Bhagavad Gíta. Como o Yoga pode ajudar você a entender melhor o seu Dharma é o assunto desse vídeo. https://youtu.be/H6uD6jMPtsI   Se preferir ouvir como podcast, clique abaixo ;) https://soundcloud.com/yogin-cast/o-que-e-o-dharma Se quiser saber mais sobre o assunto, conheça o novo curso do YogIN App que trata desse assunto. https://yoginapp.com/curso/refletindo-sobre-os-medos-que-nos-travam-dvesha-abhinivesha   Bons estudos!  

yoga para crianças
Dicas de Yoga | 18 set 2020 | Daniel De Nardi
O QI pode aumentar com a prática do Yoga?

Você conhece o Quora? O Quora é uma rede social de perguntas fundada por dois ex-funcionários do Facebook na qual você pode fazer qualquer tipo de questionamento e ser respondido por grandes pensadores como o fundador da Wikipedia, um professor de Harvard ou outro especialista do Silicon Valley. Recentemente, o próprio Obama respondeu perguntas sobre o programa nuclear do Irã. As respostas mais votadas vão subindo no ranking e se tornam \"the answer\" para aquela questão.   Um usuário perguntou - Como eu aumento meu QI? Houve mais de 100 respostas e a mais votada, com 2.500 votos, foi do empreendedor Corobi Soyn que elencava 30 itens. Obviamente apareceu: aumento de leitura, sugestão de sempre tomar notas, hidratar-se, ver menos TV, etc. O que mais chamou a atenção foi a quantidade de técnicas do Yoga que também foram citadas.   Medite ‰- Quando você medita, acalma o cérebro. Essa paz e tranquilidade são cruciais para a construção do intelecto. Exercite-se ‰- Exercícios mantém seu corpo aperfeiçoado e energizado; isto é um ótimo caminho para aumentar sua produtividade e inteligência. Simplifique mentalmente – Inteligência é a habilidade de adquirir e aplicar conhecimentos e habilidades. Tente organizar seus pensamentos e processar as informações uma de cada vez. Você verá que ficará não apenas mais produtivo, mas com uma melhor capacidade mental. Respire ‰- Oxigênio é crucial para o cérebro e ele não consegue sobreviver muito tempo sem ele. Você deve praticar técnicas de respiração e dar ao cérebro o quanto oxigênio ele precisar.      \"Você não precisa saber as respostas. Ninguém é esperto o suficiente para fazer todas as perguntas.\" Autor desconhecido Faça pausas ‰- Seu cérebro é como um músculo e trabalhá-lo demais pode causar problemas. Faça pausas periódicas para manter seu cérebro fresco e produtivo. E nunca se esqueça de dormir. Foco ‰- Inteligência é largamente baseada em quanto foco você consegue ter num determinado período de tempo. Pratique foco nas tarefas cotidianas e lute contra as dispersões. Não desista ‰- Qualquer um pode tornar-se mais esperto e melhorar sua inteligência então, nunca desista e continue tentando. Para concluir com minhas palavras - o Yoga pode ajudá-lo muito nesse processo. Mais uma vez,  é praticar para crer.  

Gunas: tamas rajas e satva
Filosofia do Yoga | 17 set 2020 | Equipe YogIN App
Os Três Gunas – Rajas, Tamas e Sattva

Gunas Gunas são as qualidades da matéria e segundo a visão indiana são divididas em 3 tipos: Tamas, Rajas e Sattva ou Inércia, Agitação e Harmonia. ”Sattva adere à felicidade, Rajas à ação, enquanto Tamas, verdadeiramente encobrindo o conhecimento, adere à negligência.” BHAGAVAD-GITA (14:9). Os três Gunas - Sattva, Rajas e Tamas - são considerados como as qualidades fundamentais da natureza, ou Prakriti. Na  interpretação hindu da criação e da dissolução do universo, diz-se que de tempos em tempos o universo se dissolve e depois é recriado. Quando ele está em sua fase não-definida, não manifestada, ele permanece em um estado latente no decorrer de um certo período. Durante este tempo, os Gunas encontram-se em um estado de absoluto equilíbrio, e Prakriti ou a natureza material, não se manifesta. Enquanto os Gunas permanecem não definidos, Prakriti continua indefinido e o universo existe apenas em um estado potencial. Tudo que existe é consciência, o Ser Puro ilimitado (Purusha) e não-manifestado, Brahma, o Absoluto Imutável, que não tem começo nem fim. Logo que o equilíbrio é perturbado, tem início a recriação do universo. A partir da consciência imutável, o universo, em constante transformação, é mais uma vez criado. Os Gunas participam de uma enorme variedade de combinações e permutações, em que um ou outro predomina sobre os restantes. Isso dá origem à interminável variedade de fenômenos físicos e mentais que formam o mundo que vivenciamos. Os Gunas, ou atributos da substância universal, são muito bem explicados no Bhagavad Gita: \"...  Sattva, iluminação, Rajas, atividade, e Tamas, passividade - são os três poderes que nascem da Natureza e prendem o espírito infinito a este mundo finito. Desses três, Sattva, por ser puro e luminoso, possui o som de dar alegria e beatitude à alma livre de pecado e fascinada pela verdade. Rajas, porém, a paixão que cria cobiça, empolga a alma pelo apego às obras. Tamas nasce da ignorância e é causa da auto-ilusão em todas as coisas - um nada que domina o mundo inteiro e liga a alma pela inércia da passividade.\" Podemos ter uma característica da nossa personalidade predominante de sermos mais rajasicos, mais ativos, ou tamasicos, mais parados, mas é importante que haja equilíbrio entre essas forças da Natureza em nossas vidas, se uma delas estiver predominante nascem os desequilíbrios. Temos inclusive alimentos que ajudam a regular essas forças, muito conectados com os doshas na Ayurveda. O importante é o auto estudo, swádhyaya é dele que nascerá a percepção de que força está predominante e se você deve parar e meditar ou fazer um pranayama que pacifique trazendo sattva (equilíbrio) ou; se você está tamasico e precisa de asanas revigorantes como invertidas e pranayamas acelerados como bhastrika para atingir esse equilíbrio. Deixe sua consciência ser seu Mestre, apenas proporcione a pausa para ouvi-la. Em síntese as características de cada guna (qualidade, atributo): • Sattva  - qualidade de inteligência, virtude, harmonia e equilíbrio;  - possui a qualidade da leveza e da luminosidade;  - fornece felicidade, contentamento e paz;  - promove introspecção, auto-conhecimento e espiritualidade;  - Sattva puro leva à transcendência  - tem movimento centrípeto (para dentro) e ascendente (para cima).   • Rajas  -  possui a qualidade da agitação, atividade e desequilíbrio;  - é motivado pela ação que busca um fim que leva ao poder;  - é um movimento para fora;  - a ação é egoísta ou \"umbigocêntrica\";  - a busca é pelo prazer nas paixões, nos sentidos;  - pode gerar emoções desequilibradas e levar a conflitos.   • Tamas  - tem qualidade de inércia, embotamento, escuridão e ignorância;  - funciona como a gravidade, com movimento descendente;  - promove ilusão, sono e perda da consciência;  - é pesada, obscura e estagnada;  - promove fadiga, falta de energia e depressão. A prática do Yoga estimula atitudes mais satvicas, voltadas para o equilíbrio entre a inércia (sattva) e a agitação (rajas). Quando terminamos uma aula de Yoga e sentimos aquela sensação de paz e equilíbrio é a qualidade de sattva expandida no nosso corpo. Experimente observar melhor essa sensação na sua próxima aula de Yoga. Namaste! Quer saber mais sobre Energia e seus canais no nosos Corpo (nadis) ? Clique na IMAGEM ABAIXO   https://yoginapp.com/nadis-e-polaridades-o-prana-a-energia-vital/   Conheça o Canal do YouTube do YogIN App