Brand

[Série de textos] – O que não é yoga – 1

[Série de textos] – O que NÃO é yoga – #1

Yoga e Religião

Oração é quando você fala com Deus; meditação é quando você escuta Deus.” 

Diana Robinson

 

Certa vez uma pessoa do meu convívio rejeitou um convite para praticar yoga alegando que sua religião não permitia. Após tentar convencê-la do contrário, esta pessoa afirmou que o trecho de uma prática que assistiu em algum momento da vida, se tratava de uma dança que claramente parecia ligada a uma religião.

Para entendermos melhor o conceito de religião, é importante verificarmos sua definição: Crença na existência de um poder ou princípio superior, sobrenatural, do qual depende o destino do ser humano e ao qual se deve respeito e obediência.

Dicionário Online

A definição de religião também está associada ao termo religare que vem do latim e significa: ligar novamente no sentido de retornar às origens, ou seja, ao criador. Prestar culto a Deus, ou a um poder superior de certo modo, doutrina, princípios. Dicionário Informal

 

Independentemente das definições dos dicionários, temos nosso conceito particular do que é religião. 

Alguns compreendem como um sistema de dogmas que se cumpridos corretamente  resultam em uma eternidade de perfeição e recompensas; outros, compreendem a religião como uma maneira de reconectar o homem a Deus. 

 

O ser humano é conduzido por crenças e valores, não me refiro aqui às crenças ligadas a religião, e sim a nossa forma de enxergar o mundo e tudo que nele há. 

 

São as crenças que determinam nossas ações, decisões e comportamentos, e nos levam à construção de hábitos que definem nosso futuro. 

Existem crenças fortalecedoras (positivas) e crenças limitantes (negativas), normalmente as crenças agem de maneira inconsciente e para acessá-las precisamos de autoanálise ou psicoterapia, não é um processo fácil, visto que são formadas a partir de experiências passadas – algumas vêm da infância – e são instaladas como ferramentas para sobrevivência neste mundo.

É como se para cada situação ou decisão que surgisse em nossa vida, nosso cérebro fizesse uma busca em nossa mente por alguma experiência parecida e, a partir desta, definisse se é seguro ou não nos submeter a tal situação. 

Uma crença pode ser prejudicial mas não necessariamente todas são. Lembre-se que esse é um recurso usado pelo cérebro para nos manter vivos e livres de sofrimento.

Por exemplo: Não quero levar meu filho ao parquinho porque é perigoso. Eu já caí do balanço quando criança, me machuquei e não quero o mesmo para meu filho.


 

 

Mediante nossas experiências anteriores  julgamos as novas experiências.

Muitas crenças, senão a maioria delas, são tão intrínsecas e são tão antigas que só com ajuda de um profissional conseguimos identificá-las.

Para trazer equilíbrio entre mente, corpo e espírito o yoga utiliza de algumas ferramentas – como os mantras – que em sua forma de repetição ajudam o ser humano a substituir crenças limitantes, por crenças fortalecedoras. 

 

Do mesmo modo o Sankalpa, que significa construção mental, estimula o praticante a mentalizar afirmações diárias, trazendo o exercício de construção de crenças positivas. O nosso cérebro aprende por repetição, e esse exercício, nos traz domínio sobre um assunto.

 

Assim como os mantras, as histórias de superação de deuses hindus, trazem novos aprendizados, não para que você venere e adore tais deuses, mas para que a partir das histórias de superação, você possa identificar maus hábitos e os substitua por bons hábitos. 

Os deuses podem ser vistos como arquétipos, não como seres superiores com domínio sobre o mundo. 

 

Jesus – de modo parecido – usava as parábolas para ilustração de seus ensinamentos. 

 

O yoga surgiu na Índia, logo as histórias de superação estão ligadas a Ganesha, Shiva, Krishna etc. que são os personagens mais conhecidos dentro da cultura hindu, visto que a Índia não é um país predominantemente cristão.

 

Os asanas, mais conhecidos dentro da nossa cultura, quando repetidos com frequência trazem para o corpo e para a mente flexibilidade e força.

 

Agora você pode estar se perguntando: Tudo bem, entendi o conceito de religião e a influência das crenças limitantes, entendi que o yoga tem como objetivo ajudar o indivíduo a se autoconhecer diminuindo assim o sofrimento. Mas quando você relaciona yoga com espiritualidade, está se referindo a religião?

 

Para termos um melhor entendimento, é preciso que entendamos o que é espírito, válido ressaltar que existem vários usos da palavra, mas o que trago abaixo é o seu significado original.

 

Espírito: “A palavra espírito tem sua raiz etimológica do Latim “”spiritus“”, significando “”respiração”” ou “”sopro””, mas também pode estar se referindo a “”coragem””, “”vigor”” e finalmente, fazer referência a sua raiz no idioma PIE *(s)peis- (“soprar”).”

Wikipedia

 

Para facilitar a compreensão, imagine o corpo, a mente e o espírito funcionando em conjunto como o seu celular. 

 

O aparelho em si, a parte física que você pode tocar seria equivalente ao seu corpo.

 

Os aplicativos (Whatsapp, instagram, facebook etc) seriam equivalentes à sua mente.

 

A bateria do seu celular, seria o sopro de vida, isto é, o espírito – o que mantém o seu corpo vivo.

 

O ideal é que o celular – depois que sai de uma loja – pertença a alguém, servindo a esse alguém e atendendo suas expectativas. 

 

Numa comparação simples um ser humano pode servir a uma religião, atendendo suas expectativas, dogmas e diretrizes. 

 

O corpo do celular sem os aplicativos não tem “personalidade” e ambos não funcionam sem a bateria. Assim como o ser humano. 

 

Já o corpo sem uma mente, não tem personalidade. É apenas matéria. E sem o espírito, o corpo está descarregado. Sem sopro de vida e sem vigor.

 

O yoga se propõe a recarregar as baterias. Mas não define o operador do celular. Ou seja, o yoga se propõe a equilibrar o espírito mas não define a sua religião; a sua fé ou ausência dela.

 

Um indivíduo equilibrado (corpo, mente e espírito funcionando em harmonia) consegue ter conexão com ele mesmo, com o outro e até mesmo com um ser superior. 

 

Para o yoga o equilíbrio espiritual é uma experiência individual. Por este motivo não se propõe a ser uma prática religiosa. Mas isso não impede que a pessoa tenha ou não uma religião.

 

As práticas do yoga, nada mais são do que maneiras de levar o ser humano a um estado meditativo, colhendo diversos benefícios como: Diminuição do estresse; melhora da imunidade; redução dos sintomas da depressão; melhora da qualidade do sono; promoção de bem estar psicológico e emoções positivas.

 

A prática regular de yoga leva à meditação e ao samadhi, que é um profundo estado de paz e quietude mental o qual pode ser alcançado por praticantes assíduos, colhendo assim os benefícios citados e outros tantos, independentemente de cor, raça ou religião.

 

E você? 

 

Tem alguma religião?

 

Deixe agora nos comentários o porquê de você fazer parte dessa religião.

 

Caso você não tenha uma religião, fique à vontade para compartilhar a sua visão sobre o assunto.

 

Vejo você nos comentários.

 

 

Pesquisa bibliográfica:

 

https://www.dicio.com.br/religiao/

https://www.dicionarioinformal.com.br/significado/religião/2890/

http://www.colegioexatus.com.br/blog/carreira/suas-crencas-te-limitam-ou-te-fortalecem.html

http://www.gobetago.com.br/2015/08/19/nosso-cerebro-e-viciado-em-repeticao-repeticao-repeticao/

https://pt.wikipedia.org/wiki/Esp%C3%ADrito

https://www.luzdaserra.com.br/yoga-espiritual-449

https://awebic.com/mente/beneficios-da-meditacao/

 

Cristiana Ferreira

Cristi Ferreira é estudante de Psicologia, formada em Redes de Computadores e Instrutora de Yoga pelo YogIN App e Pequenos Yogis. Instagram e YouTube: @NaOndaDaCristi

  • Willy

    Willy - 8 nov 2019

    Cristi, muito boa a explicação e a analogia com o celular também. Todo mundo precisa se recarregar, pois o estresse diário deixa a todos cambaleantes. Yoga para nós e para o mundo. Grande abraço

  • Avatar

    Nanda Carvalho - 8 nov 2019

    Amei, gratidão!