O Tempo – Podcast #05

HOME > BLOG > O Tempo – Podcast #05

Podcast de Yoga | 7 mar 2020 | Daniel De Nardi


O Tempo – Podcast #05

Este é o 5º episódio da série de podcast – Reflexões de um YogIN Contemporâneo

No podcast de hoje, falo da relação do tempo com a consciência – o tempo passa para quem apenas observa?

 

 

 

 

 

Links

 

 

Os 3 EUs

Transcrição do Podcast #05

 

O Tempo #5


Olá, meu nome é Daniel De Nardi, está começando agora o quinto episódio de “Reflexões de um YogIN Contemporâneo” e faz tempo que quero falar sobre o tempo.

Antes de começar a reflexão sobre o tempo, eu vou fazer um breve adendo a este podcast remetendo ao primeiro podcast que nós gravamos que é La la Land, o podcast fala sobre a Realização do Eu e porque eu vou começar falando sobre esse episódio? Porque estou gravando este podcast na terça e no último domingo aconteceu o Oscar em que a gente presenciou aquela cena da troca dos envelopes e, ali, foi um acontecimento que tem muito a ver com o que foi dito naquele podcast (agora vou fazer um spoiler, pra quem não viu o filme, pode pular esta parte), na final a Mia (Emma Stone) entra num bar de jazz que é o bar que o Ryan Gosling imaginou a sua vida toda e senta, com o atual marido para ouvir o Ryan Gosling tocar, enquanto ele toca começa uma construção da vida dele juntos, dá a sensação de que no final eles acabam juntos, de repente eles se dão conta do que a vida é, de fato, eles abrem os olhos e percebem que estão separados, mas cada um realizando a sua vida, a sua forma, mas no fundo houve uma realização pessoal, porque o sucesso era pessoal era de cada um, e a cena ao final do Oscar se parece com isso: La la Land ganhou o Oscar de melhor filme, tocou na estatueta, Damien Chazelle – que é o diretor – estava pronto para discursar, produtores já haviam discursado, e, de repente, aquilo se desfaz, o sonho acaba momentaneamente e eles tem que entregar o prêmio para o outro filme, Moonlight, que havia de fato ganhado porque houve uma confusão na troca dos envelopes. De fato, aquilo deve ter tocado muito e, se você olha de fora, La la Land teve uma perda enorme, mas como a gente discutiu nesse episódio, o importante era a experiência pessoal, o que eles queria e o que estavam vivendo, o símbolo de ganhar é secundário diante do trabalho todo que foi realizado, o fato de terem tirado o Oscar das mãos deles só engrandece o filme, tornando-o de fato imortal, o filme não foi feito com o intuito de ganhar a estatueta, Chazelle tinha outros intuitos, ele sonhava em fazer o filme há muito anos, então acabou sendo uma expressão de realização pessoal, mesmo sendo tirado o título,, mas ganhando uma dimensão muito maior e muito mais eterna, por conta daquele acontecimento, porque de fato se eles forem olhar para o que eles construíram é muito maior do que ganhar um título que as pessoas vão dizer que foi ganho. A construção é pessoal e a realização é muito maior mesmo tendo aquela cena engraçada e patética ao final do Oscar.

Aproveitando esse momento em que eu estou gravando, sexta feira foi Shivaratri. Shiva que é um dos deuses da cultura hindu, no original Shiva simplesmente significa fazer o bem, Shiva significa fazer o bem para o mundo, depois com o tempo, com toda a cultura indiana que vem trazendo historias e contando mitos, Shiva além da construção de puranas, que são outros textos que começaram a ser produzidos a partir do século VI d.C., Shiva ganha o que de fato ele é hoje, uma figura, uma representação, uma família, uma esposa, duas esposas, um filho, dois filhos, mas isso não existia originalmente, originalmente Shiva era apenas uma palavra para ase dizer o bem, então Shiva é aquilo que faz bem dentro de nós ou é a gente produzindo o bem e esse aspecto benigno dentro de nós é Shiva. Como figura mitológica, Shiva é considerado o patrono do yoga, o primeiro yôgin ou o yôgin perfeito e, por isso, ele aparece tanto nos kirtans sobre yoga, ele aparece tanto nas histórias, ele ensina yoga, a sua esposa Parvati, então Shiva é muito importante no universo do yoga, e sexta feira foi o dia de comemorar o Shivaratri, é a grande festa de Shiva pela Índia toda, uma grande festa que milhões de seguidores vão as ruas para comemorar, como é tradicional na cultura hindu, mais uma festa.

Bom, nós já estamos falando a algum tempo e não chegamos no objetivo principal desse podcast que é o tempo. O tempo é uma construção que vem sendo discutida, debatida e procurando o entendimento desde a mais remota antiguidade, os gregos já produziram o deus Cronos como uma representação do deus do tempo, na Índia o tempo fica a critério de Shiva.

Shiva, Shivaratri ou yôgin tem algumas relações desenhadas que remetem ao tempo, o primeiro é um hamaru, Shiva usa uma espécie de tamborzinho que ele marca o ritmo do universo, dando a impressão de que o universo é algo como uma repetição, uma cadência, algo que se repete que se reconstrói. Por outro lado, Shiva é mrityunjaya, que é o que conquistou a morte, então Shiva, por ele ter encontrado a sua real essência ele se torna eterno perante o mundo, então ele conquista a morte e ele é mrityunjaya. Além disso a figura mais relacionada ao tempo, que vai aparecer na capa desse podcast chandrashekaraya, a meia lua desenhada em Shiva, representando de fato a conquista do tempo. Shiva tem aquela meia lua que mostra que ele dominou o tempo.

Mas o que seria dominar o tempo?

Tudo o que a gente vem construindo aqui, quem ainda não assistiu, assista o segundo episódio, que fala sobre os três eu’s, que são três formas de a gente se manifestar, e a primeira é uma manifestação interna, pessoal, que vem da consciência; e tem a manifestação externa que vem da mente, do corpo.

O tempo acaba sendo uma construção desse universo externo, digo isso porque o tempo passa e faz com ele se relacione com as nossas sensações, então ele tá ligado com o eu da mente, com o eu do corpo, mas o tempo observado a partir do eu da consciência  não existe, o tempo é uma invenção humana no sentido de que se você atua nesse eu mais profundo, que simplesmente observa não há relação com o tempo, para aquele que simplesmente observa o tempo está parado e ele simplesmente está observando ele não está relacionando-se com o que aconteceu a algum tempo atrás. Quando você chega, por exemplo, numa meditação, em que você chega esse ponto de auto observação, de conexão com a consciência mais profunda, você vence essa relação com o tempo no sentido de você estar tão presente no momento que acaba se dissolvendo a relação com o futuro e com o passado, quando você está de fato presente em algo, você elimina a sua busca de memorias no passado e você elimina a sua projeção do futuro, no sentido de pensar no eu vai acontecer a partir daquele momento. Você está totalmente envolvido e engajado num outro estado de consciência.

O Carlos Eduardo Barbosa que é um professor que eu menciono bastante aqui, ele, inclusive, relaciona o primeiro estágio de samadhi a justamente isso, a um momento em que você tem toa a atenção em todo aquele momento presente, você está cem por cento envolvido naquele momento já é um estágio de samadhi que é o objetivo do yoga. Então o yoga, como um todo, tem uma relação com o tempo, tem uma relação com esse domínio de tempo que Shiva conseguiu, por isso ganha a meia lua em seu cabelo e o yôgin deve buscar  essa relação de vencer o tempo no sentido de estar presente naquilo que está fazendo, aquilo que aconteceu antes, o que vai acontecer depois não importa, o eu do coração, o eu mais profundo dos seus já explicados é o eu que simplesmente observa ele está presente e aquilo faz com que aja  justamente essa eliminação, há eliminação, também, do estado de ansiedade, porque a ansiedade é a busca pelo o que está por vir e há também a eliminação de um estado de saudosismo pensando que no passado a felicidade aconteceu, e a felicidade, a plenitude só pode estar no tempo presente, que é quando, de fato você consegue dominar o Cronos, dominar o tempo, você se torna mrityunjaya, aquele te dominou a própria morte porque você está num estado em que as cosias estão sendo observadas, e aquilo faz com que você busque encontre, se aproxime cada vez mais da sua real consciência. Quando você entra nesse estado em que a relação do tempo ela não é mais tão influenciada pelo o que está acontecendo, você está no estado as coisas vão acontecendo, mas você está num estado de observação, ali, pode-se dizer que você entrou num estado alterado de consciência, inclusive, dependendo do estado, podendo se dizer até um estado de samadhi, um estado em que você está pleno no que está fazendo, um estado em que você domine o tempo, em que você reconhece e vive o seu verdadeiro eu, o eu que está lá no fundo da sua consciência.

A reflexão de hoje fica por aqui e o exercício pra se praticar no dia a dia é observar o quanto o tempo todo você fica nessa vivência de buscar o futuro ou buscar satisfação no passado, o quanto de fato você está no tempo, o quanto você está presente na ação vivendo o presente, ganhando essa dimensão de dominar. Observe isso, a prática da meditação é um exercício desse domínio que pode acontecer em qualquer atividade que você está fazendo, sem pensar no que pode vir, sem pensar no que aconteceu, ali você é mrityunjaya, ali você domina a morte. Então esse vai ser o exercício, de prestar a atenção se está sentido a passagem do tempo, dentro desse estado não há a projeção do tempo a simplesmente a vivência da observação.

Pra finalizar, eu vou deixar a música aqui, como a gente está falando do Oscar eu vou dar uma sugestão, de um filme que eu também vi recentemente antes do Oscar acontecer, que foi Elle, é um filme francês. O filme em si é muito interessante, vale a pena assistir, a Isabelle Rupert concorreu ao Oscar de melhor atriz, inclusive perdeu para Emma Stone, que a gente comentou hoje aqui. Além da histórica ser fascinante, tem duas músicas que dentro das minha músicas favoritas, duas delas aparecem, vai ser muito difícil pra quem não conhece as músicas é a música do podcast 3 e a música de hoje, então pra quem não conhece a música talvez seja difícil reconhece-la durante o filme, mas o filme por ele mesmo já vale a pena, agora se você conseguir identificar as duas músicas, acho que vai dar uma satisfação de um conhecimento maior de música erudita, ela é usada em diferentes situações, inclusive, como trilhas sonoras de filme. As músicas que aparecem nesse filme é a do podcast 3, que é concerto para piano do Rachmanioff, concerto nº2, e a música de hoje que é a sinfonia pastoral do Beethoven, então fiquem com ela. Pra quem não costuma ouvir a música até o final do podcast a gente se despede por aqui, uma boa semana e nos vemos na próxima reflexão.

Reflexão de um YogIN Contemporâneo com Daniel De Nardi, om namah shivaya!

 


Compartilhar: Compartilhar no http://WhatsAppCompartilhar no http://FacebookCompartilhar no http://Twitter

Daniel De Nardi>

Daniel De Nardi

Daniel é Professor de Yoga há mais de 20 anos. Pesquisador do Yoga e das raízes dessa Filosofia Milenar. É autor de diversos livros: "Aprenda a Meditar com o Yoga", "As Origens da Meditação e do Yoga", "Asana - Posturas do Yoga", "Como a Meditação funciona?", "O Yoga do Autoconhecimento", "Pra que Meditar?", dentre outros. Também é responsável por produzir a série de podcasts "Reflexões de um YogIN Contemporâneo" do YogIN Cast, o canal de podcasts de Yoga mais acessado do Brasil. Instagram: @reflexoesdeumyogin

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados

Dicas de Yoga | 21 set 2020 | Ellen Lima
Yoga: você pratica e nem imagina!

Yoga: você pratica e nem imagina! Quando alguém fala em praticar yoga logo vem à mente pessoas de corpos esguios, flexíveis e fazendo asanas (posturas) complicados, mas a verdade é que Yoga vai além de asanas lindos, difíceis e cheios de flexibilidade. O asana é a ponta do iceberg que todo mundo enxerga, uma parte importante do yoga, porém existe todo o resto escondido, submerso e tão maior do que se vê e que são práticas tão importantes quanto os asanas. Na realidade não existe nada separado no Yoga, é um estilo de vida que você aplica à sua rotina, desde a hora que acorda até o momento do seu sono. É bem possível que você, mesmo sem conhecer, mesmo senso sedentário, pratique um pouco de yoga em algum momento do seu dia, de forma inconsciente. Se você acorda e antes de qualquer coisa começa a imaginar tudo que terá que fazer durante seu dia e já deseja e mentaliza tudo dando certo, você coloca uma intenção para que seu dia seja bom, no yoga isso se chama Sankalpa. Criar uma intenção direciona o fluxo de energia para aquilo que você pensou, por isso a importância de mantermos bons pensamentos com a gente. Durante uma meditação, um ralaxamento ou até mesmo durante a prática de asanas criar um sankalpa é extremamente importante, já que você está concentrado e focado durante aquele momento. Você se espreguiça. Você já pensou o que isso significa para seu corpo?! Um bom espreguiçamento promove uma pequena tração das vértebras da coluna, movimenta a energia pelo corpo, acorda o cérebro, libera endorfina, alonga os músculos; a prática de asanas no yoga tem como foco a coluna vertebral, trabalhando seus movimentos, melhorando a flexibilidade e juntamente, promovendo o alongamento dos músculos e o fortalecimento de todo seu corpo físico, energético e mental. Você respira fundo tomando fôlego para encarar o dia; por um instante você colocou consciência e atuou na sua respiração. O yoga trabalha a respiração consciente, o chamado Pranayama, que é o controle da respiração e através dela, a expansão do fluxo de prana, energia vital que absorvemos através da respiração . Existem inúmeros tipos de pranaymas e com finalidades diversas: ganho de energia, diminuição do fluxo de pensamentos. A frase de Iyengar ressalta muito bem a importância da respiração: “A mente é o rei dos sentidos, a respiração é o rei da mente.” Quando você toma banho, escova os dentes, assoa o nariz, lava os olhos, você pratica Saucha, purificação externa. Existem ainda purificações internas de grande valor para a saúde e que poucas pessoas tem conhecimento, são os chamados Kriyas, que são técnicas que visam a limpeza e purificação de órgãos como os olhos, o intestino, os pulmões, o estômago. Yoga é ser tolerante e praticar a não violência, Ahimsa, com aqueles que são diferentes e não pensam como você, é aplicar ahimsa com você mesmo, quando você não alcança os resultados esperados. É ser sempre verdadeiro, praticar Satya, com você, com os outros, com a vida; Satya nas ações, sentimentos e pensamentos. É ser grato e manter uma atitude positiva, de contentamento, Santosha . É observar-se, enxergar-se, conhecer-se, praticar Swádhyaya, para buscar ser melhor. É não desistir diante das dificuldades, é se auto-superar, é praticar Tapas. É ter humildade para reconhecer que, mesmo depois de tanto esforço, se algo não aconteceu é porque existe uma Inteligência Superior que rege o Universo; manter a calma diante dessas situações é aplicar Iswara Pranidhana, entregar-se e confiar nessa Inteligência Superior. A verdade é que yoga não é só aquele momento que você faz no seu tapetinho por uma ou duas horas, desconectado do mundo. Yoga é um estado de espírito, um modo de vida que quando você decide conhecer, se dedicar, praticar e viver, muda não as coisas à nossa volta, mas a maneira como enxergamos e reagimos à vida. Se você já pratica de forma inconsciente, algumas das inúmeras atitudes da filosofia yogin, conhecer essa filosofia e praticar de forma consciente pode mudar a sua vida. A qualidade da sua respiração influencia diretamente no seu estado psicológico, portanto a prática de pranayamas ajuda a ampliar a consciência e o auto-controle; a prática de Kriyas, limpeza interna, melhora sua visão, sua respiração, o funcionamento do seu intestino, fígado, vesícula e pâncreas; a prática dos asanas fortalece seu corpo, ajuda no equilíbrio, movimenta sua energia, estimula seus órgãos e glândulas e afeta diretamente todo seu sistema fisiológico, mental e energético. Aprender Yoga é reaprender a fazer todas as coisas essenciais que fazemos de maneira automática e sem qualidade. Yoga é o respirar, é o pensar, o falar, o fazer, o sentir e também é o aprender a cessar todas essas coisas, yoga é também o asana. Yoga é o caminho para desfrutar e fazer jus ao sopro de vida que existe em cada um de nós!   Para saber mais sobre conteúdo de Yoga aperte este botão

Filosofia do Yoga | 20 set 2020 | Daniel De Nardi
Karma e Reencarnação

Karma e Reencarnação O hinduísmo passou por fortes rupturas ao longo da sua história, tais como a transferência de poder religioso quando Lutero traduz a Bíblia para o alemão. A Igreja Católica detinha o conhecimento da língua, o latim, e para acessar os ensinamentos de Deus, era necessário uma intermediação dos seus representantes diretos da Igreja. Ao traduzir a Bíblia, Lutero libera aquele conhecimento a qualquer um que soubesse ler. Entretanto, assunto como o perdão e a fé continuaram sendo debates centrais em todas as derivações religiosas que decorreram daquele rompimento. No hinduísmo, o tema do karma e reencarnação continuam sendo centrais desde suas primeiras escrituras. A casta mais alta da Índia é a dos sacerdotes que conhecem os rituais hindus, os brâmanes. Por muito tempo, os brâmanes se posicionaram como os únicos detentores da verdade. No século VII, pensadores e revolucionários indianos começam a questionar a implacabilidade dos Vedas. Esse grupo, os tântricos, criaram seus próprios textos, sua simbologia e trocaram muita informação com jainistas, budistas e ayurvedicos. Nesse caldeirão cultural surge o Hatha Yoga como uma releitura tântrica do Yoga de Patanjali. Nessa releitura, os YogINs tiram a verdade infalível dos textos e a trazem para o corpo. O que sinto e não o que está escrito é que tem valor. Desde aquela época, os YogINs observaram algo que vem sendo comprovado pela neuro ciência, o corpo tem memórias sensoriais. O corpo acumula muita informação sobre nós mesmos e pode nos ensinar sobre traumas e comportamentos condicionados. Além disso, o corpo também envia sinais. quando por exemplo tomamos algum tipo de atitude que sabemos que não é correta ou emocionalmente conflitante, o corpo responde com sintomas de desconforto ou algum tipo de doença. Para os YogINs essas são demonstração de algum tipo de desequilíbrio, energético, emocional ou mental. Tente se lembrar de ter ficado gripado quando estava numa fase muito feliz. Os asanas (posturas) começaram a ser mais explorados pelo Hatha Yoga pois entendeu-se que aumentando a observação das sensações corporais pode-se perceber antes pequenos desequilíbrios e poupar o corpo de desenvolver algo mais grave. Ao longo dos meus 20 anos de ensino e prática de Yoga, pude observar em mim e confirmar com meus alunos essa relação desequilíbrios/doenças e há estudos demonstrando quadros de tristeza com redução do sistema imunológico. O karma é visto no hinduísmo como um conceito de causa e efeito, uma lei universal na qual quando você causa algum tipo de sensação seja angústia ou felicidade aquilo de alguma forma retornará a você. Tem relação também com as respostas do corpo, dependendo do que você gera, terá o retorno. Só que o karma, dependendo da visão filosófica pode ou não ser transmitido para outra vida. A ideia de negar a reencarnação é chamativa, pois é uma ideologia na qual não se tem provas para afirmar. Seria mais racional pensar que o que se tem nessa vida foi o que se plantou, o karma é implacável. Só que quando  vejo casos de crianças, sem nenhuma chance de ter tomado uma atitude tão conflitante a ponto de gerar doenças devastadoras como o câncer, não consigo negar que possa existir reencarnação. Também é cruel pensar que aquela criança, de alguma forma tem que aprender algo dentro do seu caminho de libertação. Acredito que por mais adversa que seja a condição que fomos colocados no mundo, o caminho da liberdade depende apenas de cada um. É claro que o ser humano precisa de condições básicas para desenvolver seu pleno potencial. Não devemos nos cansar de ir ao encontro de própria identidade. Para o hinduismo, é o encontro com a essência (purúsha) que encerra o ciclo de reencarnações, interrompendo o karma e todo o sofrimento residual.    

Filosofia do Yoga | 19 set 2020 | Daniel De Nardi
Dharma e Yoga

Dharma e Yoga - Vídeo sobre a busca do propósito. O Dharma é conceito muito caro ao Yoga. A busca sobre seu papel no mundo e a expressão do EU através da ação é assunto presente em textos antigos como o Bhagavad Gíta. Como o Yoga pode ajudar você a entender melhor o seu Dharma é o assunto desse vídeo. https://youtu.be/H6uD6jMPtsI   Se preferir ouvir como podcast, clique abaixo ;) https://soundcloud.com/yogin-cast/o-que-e-o-dharma Se quiser saber mais sobre o assunto, conheça o novo curso do YogIN App que trata desse assunto. https://yoginapp.com/curso/refletindo-sobre-os-medos-que-nos-travam-dvesha-abhinivesha   Bons estudos!  

yoga para crianças
Dicas de Yoga | 18 set 2020 | Daniel De Nardi
O QI pode aumentar com a prática do Yoga?

Você conhece o Quora? O Quora é uma rede social de perguntas fundada por dois ex-funcionários do Facebook na qual você pode fazer qualquer tipo de questionamento e ser respondido por grandes pensadores como o fundador da Wikipedia, um professor de Harvard ou outro especialista do Silicon Valley. Recentemente, o próprio Obama respondeu perguntas sobre o programa nuclear do Irã. As respostas mais votadas vão subindo no ranking e se tornam \"the answer\" para aquela questão.   Um usuário perguntou - Como eu aumento meu QI? Houve mais de 100 respostas e a mais votada, com 2.500 votos, foi do empreendedor Corobi Soyn que elencava 30 itens. Obviamente apareceu: aumento de leitura, sugestão de sempre tomar notas, hidratar-se, ver menos TV, etc. O que mais chamou a atenção foi a quantidade de técnicas do Yoga que também foram citadas.   Medite ‰- Quando você medita, acalma o cérebro. Essa paz e tranquilidade são cruciais para a construção do intelecto. Exercite-se ‰- Exercícios mantém seu corpo aperfeiçoado e energizado; isto é um ótimo caminho para aumentar sua produtividade e inteligência. Simplifique mentalmente – Inteligência é a habilidade de adquirir e aplicar conhecimentos e habilidades. Tente organizar seus pensamentos e processar as informações uma de cada vez. Você verá que ficará não apenas mais produtivo, mas com uma melhor capacidade mental. Respire ‰- Oxigênio é crucial para o cérebro e ele não consegue sobreviver muito tempo sem ele. Você deve praticar técnicas de respiração e dar ao cérebro o quanto oxigênio ele precisar.      \"Você não precisa saber as respostas. Ninguém é esperto o suficiente para fazer todas as perguntas.\" Autor desconhecido Faça pausas ‰- Seu cérebro é como um músculo e trabalhá-lo demais pode causar problemas. Faça pausas periódicas para manter seu cérebro fresco e produtivo. E nunca se esqueça de dormir. Foco ‰- Inteligência é largamente baseada em quanto foco você consegue ter num determinado período de tempo. Pratique foco nas tarefas cotidianas e lute contra as dispersões. Não desista ‰- Qualquer um pode tornar-se mais esperto e melhorar sua inteligência então, nunca desista e continue tentando. Para concluir com minhas palavras - o Yoga pode ajudá-lo muito nesse processo. Mais uma vez,  é praticar para crer.