Brand

O que é o Yoga?

O que é o Yoga?

Acredito que uma das coisas mais fascinantes do Yoga, foi ele ter passado por todos esses anos de história com liberdade para sua definição. Nem mesmo Patanjali, considerado o pai do Yoga, conseguiu determinar exatamente o que é essa prática. Isto permitiu que o Yoga fosse evoluindo conforme as necessidades dos seus praticantes ao logo da História.

Não tenho a mínima pretensão de fazer uma definição definitiva, mas um pouco do conhecimento da História pode ajudar o iniciante que ainda se vê perdido nesse emaranhado de conceitos.

O primeiro tratado sobre Yoga foi escrito por um sábio chamado Patanjali, no século III A.C. Em seu livro, Yoga- Sutra, ele define o Yoga como um processo para reduzir as instabilidades da consciência e encontrar sua verdadeira identidade. Patanjali acreditava que quando não estamos conectados com essa identidade, vivemos diferentes tipos de angústias (klêshas) tais como ignorância, apego, aversão, egoísmo e medo.

SE QUISER VER O VIDEO SOBRE ESSA DEFINIÇÃO DO YOGA CLIQUE AQUI

O Yoga de Patanjali, tinha um caráter de debates. Discutia-se sobre a existência de uma “alma imortal” que o YogIN deveria descobrir através da meditação e quais seriam as consequências para quem vivia enredado nos papeis que a sociedade impõe. As únicas pessoas que podiam fazer parte dessas discussões eram os brahmanes, sacerdotes que conheciam sânscrito (língua dos textos sagrados), conduziam os rituais e escreviam as escrituras.

Aproximadamente no século VII D.C. um grupo de revolucionários chamados de Nathas, começaram a questionar a autoridade dos Shastras (escrituras dos Brahmanes). Para eles, o que estava escrito era secundário, o importante é o que sentiam quando praticavam. A escritura é mais reveladora de todas só poderia ser o próprio corpo, com suas sensações e memórias de tudo o que vivemos. Tudo está no corpo, experiências, traumas, prazeres… Não como mentir para seu corpo, ele é a sua autobiografia. E o Yoga é uma ferramenta para entender a si mesmo a partir de um contato corporal mais íntimo com seu próprio corpo.

Segundo os Nathas, a doença acontece por algum tipo de desequilíbrio energético, seja por maus hábitos, emoções viscosas ou pensamentos negativos. Logo, o YogIN deve praticar asanas para liberar pontos de tensão que podem geram esses desequilíbrios. Os Nathas criaram boa parte dos asanas que conhecemos hoje e também vários tipos de pranayamas, respiratórios para aumentar a energia corporal.

No início do século XX, professores de Yoga começam a dialogar com acadêmicos britânicos e levam YogINs para dentro de laboratórios. Seu objetivo era provar os efeitos que o Yoga gera no corpo e na mente. Obtém-se muitos êxitos com essas pesquisas e o Yoga passa a ser difundido com embasamento científico para o Ocidente.

Mesmo com todas as modificações que o Yoga sofreu desde a época de Patanjali, os YogINs continuam praticando com o intuito de se aproximar mais da sua verdadeira identidade. Os exercícios corporais, respiratórios e meditações ampliam percepções corporais e melhoram a saúde o que ajuda na conexão com essa essência.

Nos dias de hoje, o YogIN usa a prática como um meio de lidar melhor com o stress e com outras situações emocionais turbulentas. A prática traz o YogIN de volta ao seu eixo, ou seu equilíbrio. Independentemente do tipo de Yoga que você pratica, a busca será sempre uma aproximação desse EU e o YogIN tem o objetivo de trazer esse EU para o dia a dia e não deixar que essa experiência dure apenas o tempo da sua meditação.

Ser você mesmo nas situações cotidianas é o que o Yoga mais deseja despertar em você.

 

Para saber mais sobre conteúdo de Yoga aperte este botão

Botão

 

Daniel De Nardi

Head de conteúdo do YogIN App. Autor de 6 livros sobre Yoga. Pesquisador da História do Pensamento Indiano.

  • Avatar

    SHARLENE DIAS - 7 set 2017

    Texto perfeito Daniel! Eu conheço pouco sobre a história do yoga e estou amando ler seus textos, sempre esclarecedores e objetivos. Gratidão

    • Daniel De Nardi

      Daniel De Nardi - 14 set 2017

      Obrigado Sharlene, fico feliz em saber que está gostando.