Brand

A Preparação – Podcast #09

A Preparação – Reflexões de um YogIN Contemporâneo Podcast #09 –

Este episódio é parte do conteúdo do novo curso do YogIN App  – o curso trata sobre o tema do medo, analisando-o segundo escrituras antigas da Índia com a Katha Upanishad e o Mahabharata.

O objetivo de abrir essa reflexão é pensarmos o quanto o medo nos paralisa e impede que expressemos nossa real Natureza.

Patañjali já havia observado isso, e não à toa coloca dois tipos de medos como impedimentos da expressão da nossa verdadeira identidade.

Dvesha = aversão (medo gerado por uma experiência dolorosa)

Abhinivesha = apego à vida ou medo da morte.

Os medos são importantes, eles nos protegem de ameaças, mas inegavelmente também dificultam muitas das nossas atitudes.

Nesse podcast, eu trouxe o exemplo de uma etapa muito importante no processo de despertar mais ousadia que é A Prepração.

Dois aventureiros profissionais, tentaram ao mesmo tempo conquistar o Polo Norte em 1911, um deles chegou um mês antes e com toda a equipe em boa saúde. O outro, apesar de ter as tecnologias de ponta e mais recursos, viu a Bandeira do outro país cravada no ponto dos 90º.

Links do episódio:

 

Transcrição desse episódio

 

A Preparação #9

Olá, meu nome é Daniel De Nardi e está começando mais um “Reflexões de um YogIN Contemporâneo”. Hoje também nós tem uma música muito especial, Rhapsody in Blue, que ao final vai ser tocada aqui.

O episódio de hoje vai falar sobre preparação, a preparação para um grande desafio, a preparação pra gente vencer um obstáculo. Isso pode parecer um pouco clichê a priori, mas eu vou trazer um exemplo muito bom aqui que a gente vai conseguir comparar o quanto uma preparação pode ser boa ou não. Esse podcast está sendo gravado hoje, porque estou no meio da produção de um novo curso que vai tratar sobre Abhinivesha. Abhinivesha é uma das principais dificuldades que nós temos, segundo Patanjali, pra encontrar a nossa real identidade. E o Abhinivesha é o apego demasiado a vida ou o medo da morte, e esse medo acaba se derivando em múltiplos medos, então a ideia desse curso é trazer reflexões, referências de textos indianos, então eu estou pesquisando. A base toda desse curso é a carta Upanishad, que é um texto antigo que trata reflexões sobre os medos do ser humano, então isso está inserido no curso, junto com técnicas, com a minha experiência pessoal, está ficando um curso muito bacana. Recomendo muito para quem está gostando do podcast que estou produzindo aqui, dê uma olhada na nossa página de cursos. Eu vou deixar o link aqui na descrição, então você pode ver a descrição completa, ali vai ter o link para essa página de cursos e quem está gostando mesmo dos podcasts eu recomendo porque vai gostar dos cursos.

O podcast a gente faz aqui uma reflexão aqui sobre alguns temas, uma reflexão de quinze, vinte minutos, ás vezes, meia hora e o curso consegue desenvolver melhor, elaborar melhor esses temas, tem todas as referências que você consegue ver, tem as descrições, os links e tem um acompanhamento, depois, em grupos on line. Esse curso já está disponível, quem quiser já por ir lá dar uma olhada, as duas primeiras aulas são abertas, mais esse podcast, e ele vai sendo disponibilizado aos poucos agora, mas está muito interessante, e eu acredito mesmo que essa reflexão vai produzir em você uma vontade maior de realização, um ímpeto maior. Tentar vencer barreiras que a gente tem e que são fundamentadas em aspectos psicológicos, aspectos que precisam ser trabalhados com auto-observação e com reflexão, então, a ideia dele é trazer essa reflexão para os medos que nos impedem de ser nós mesmos, os medos que nos travam, os medos que não nos deixam a vontade na vida.

Como eu falei, eu consegui um exemplo nítido desta questão da preparação, o curso ele acaba sendo mais amplo do que isto, mas esse aspecto da preparação é parte dessa reflexão que eu vou trazer no curso. Bom, quando você pesquisa em biografias você sempre vê que há um esforço grande, o personagem principal passa por um processo de sacrifício mesmo para conquistar aqueles objetivos, mas é muito difícil a gente mensurar o quão realmente a pessoa se esforçou o quanto aquele esforço produziu aquele resultado ou não, porque você nunca tem um ponto de comparação, então você vai estudar, por exemplo um livro que ficou famoso recentemente, a história do André Agassi, daí você vê todo o esforço dele, mas você não tem exatamente alguém com o mesmo objetivo ao mesmo tempo, com condições, até que no esporte você consegue fazer essas comparações, mas são difíceis até porque, no caso do Agassi,  são várias  gerações que ele passou de jogadores, então até isso é difícil você comparar o quanto a preparação influenciou de fato os resultados ele conseguiu. Mas eu consegui um exemplo de um livro do Jim Collins, que é um pesquisador, ele faz pesquisas sobre empresas que são bem sucedidas e empresas que não são bem sucedidas. E, neste caso, no último livro dele, ele está estudando líderes e empresas que passaram por desafios muito grandes. Ele compara sempre com grandes aventuras, com expedições. O Jim Collins tem esse background que é de aventura, de analisar o quanto o esforço, a preparação, o método fez com que a expedição desse certo ou não. E nesse livro ele traz a história de dois aventureiros, esse processo de busca por aventuras era feito de maneira profissional, a ciência ia na frente, primeiro houve-se uma busca pelo Polo Norte e, conquistado, houve-se um esforço pra chegar ao Polo Sul, não era só chegar a Antártica, mas chegar no Polo sul exatamente onde você tem o centro do mundo, então essa começou a ser a grande busca, em termos de aventura, no final do século XIX ao início do século XX. E o interessante desse exemplo é que nós temos duas pessoas com o mesmo objetivo e na mesma época e com idades próximas, você consegue comparar precisamente quais foram os resultados das expedições de um e de outro, então esses dois personagens são a Roald Amundsen e Robert Scott que era um inglês.

O Robert Scott contava com toda a tecnologia de ponto porque ele era inglês e a Inglaterra tinha muito interesse nessa época em expedições, então ela colocava muito recursos nestes projetos, era muito incentivado pela coroa britânica essas expedições. Por outro lado, o Amundsen dependia basicamente dos esforços dele, ele não tinha nenhum governo patrocinado ele como o Scott tinha e os seus recursos dele eram limitados. Para começar a explicar sobre os resultados que eles tiveram, o Jim Collins neste livro, Vencedoras por opção, ele começa a falar sobre um conceito que ele chama de “Marcha da vinte milhas”, que significa você estabelecer algo que você realmente consegue fazer e repetir. Então ele dá esse exemplo porque ele fala que isso é muito presente nos líderes que conseguem mais resultados, que é você manter uma consistência de ação e não “quando tá bom você faz muito, quando está mal você faz quase nada”, mas conseguir uma consistência independentemente do ambiente em que você se encontra, então quando você pode mais você não vai porque você se preserva.

Eu vivenciei muito isso quando eu treinei triathlon para o Ironman, porque o grande ponto de treinamento pra um triathlon – eu já treinei corrida apenas, mas não acontece isso porque você treina quatro vezes por semana, consegue fazer muitos esforço na maioria dos treinos chegando ao seu limite – não pode estar constantemente trabalhando no seu limite, porque sempre tem um treino no dia seguinte de uma modalidade diferente, então você precisa se preservar. Então é muito mais importante você manter uma consistência de treino e não levar no limite pra que você não ter a queda depois, ficar lesionado ou ter overtraining, que é quando você fica desgastado demais. Esse ponto da consistência da caminhada, que são as vinte milhas, é essencial para grandes conquistas e o Jim Collins fala disso, sobre a importância da consistência, ele fala, inclusive, que a marca da mediocridade é a inconsistência crônica, é o exemplo básico do regime da segunda-feira, mas a gente pode observar isso em diferentes pontos da nossa vida. Você tem muito esforço, mas você não consegue resultado porque você colocou muito esforço, e para. Então precisa ter, para fazer uma construção grande, uma consistência de trabalho, uma repetição daquilo você criar habilidades físicas ou mentais ou emocionais, para isto é necessário repetição, consistência.

No exemplo desses dois navegadores, quando eles chegaram na Antártida, o Amundsen, que acabou chegando primeiro, ele sempre mantinha vinte milhas, de quinze a vinte milhas, porque ele sabia que se ele levasse a equipe dele ao esgotamento e naquele momento em que eles estivessem esgotados acontecesse uma tempestade de neve, poderia fazer com que a expedição acabasse. Já o Scott teve um momento muito bom inicial, andou muito e depois não conseguiu, ficou cansado e pegou uma tempestade.  A consistência ela não é só você se esforçar nos momentos difíceis, mas é você não ir a mais também nos momentos em que as coisas estão fáceis. E voltando ao exemplo de treinamento de triathlon, aí você pode observar para a meditação, para o treinamento de asana, qualquer tipo de treinamento, você pode dizer “ah hoje eu tô muito bem, vou fazer muito, muito”, mas daí no dia seguinte você tem queda de performance, então é melhor você manter consistente e ir repetindo, ganhando corpo e aumentando progressivamente. O que constrói realmente as coisas são essas marchas das vinte milhas e é essencial que a gente se pergunte “quais são as minhas vinte milhas?”,O que eu estou fazendo consistentemente na minha vida para produzir a transformação que eu quero?”,Então o que eu venho reproduzindo regularmente?”. Isso é de fato o que vai construir o que você quer, e está ligado uma outra pergunta que é: “Se eu morrer, se eu desaparecer quem é que vai sentir falta do que eu faço, ou de mim? E por que essas pessoas vão sentir falta?”. Esta pergunta está ligado ao que o hinduísmo chama de Dharma, que é a sua própria vivência essencial, o que você tem que fazer que vai te gerar a satisfação.

O sânscrito tem uma palavra chamada shraddha, que pode se traduzir por fé, mas essencialmente é aquilo que você tem certeza que quando você faz você está certo, então a própria Bhagavad-Gita tem uma passagem que diz que você é o seu shraddha, porque no fundo você é aquilo que você faz e que você tem certeza, é esse encontro da certeza que vai fazer com que você consiga manter consistente as suas vinte milhas. Se você não encontrar o seu shraddha você não vai conseguir manter consistentemente algo para impressionar os outros, é impossível isso, você só consegue manter algo consistente quando aquilo é realmente seu. No meu outro curso de aprendizado, tem uma passagem que eu falo que a disciplina tem muito mais a ver com uma boa escolha do que com “ah eu sou o Super-Homem que me supero e venço todos os obstáculos”, não, a disciplina tem muito mais a ver com “isto realmente é meu, eu sou isso”, então eu vou repetindo isso até construir aquilo que eu acredito, vai passar por dificuldades, vai passar por transformações, mas como Jim Collins falou a marca da mediocridade é  você realmente não querer expressar algo seu, ficar na média, seguir só os seus condicionamentos, seguir o que todo mundo faz, fazer várias coisas, não ter consistência na construção.

Ele começa a falar também sobre a criatividade, que também é essencial nesse processo. Só a disciplina não adianta – isso eu também eu abranjo no curso sobre aprendizado – a disciplina sem aprendizado não faz sentido, ela só faz sentido quando é a repetição vinda como aprimoramento, este aprimoramento tem a ver com criatividade e então ele cita um tipo de criatividade que é a empírica, que fez diferença no caso do Amundsen e do Scott.

A criatividade empírica é quando você faz testes com coisas que já existem, e então você faz uma grande inovação, uma grande disruptura, e não tenta fazer uma disruptura sem nenhuma base. O exemplo do Amundsen e do Scott, o primeiro valorizava o que já tinha sido descoberto e o que existia de conhecimento em relação a viver e se deslocar no frio, ele foi para o Alasca, viveu com os esquimós e, durante este tempo, ele aprendeu muitas coisas e começou a ver o que de fato funcionava. Ele observou por exemplo, que os esquimós de deslocam sempre devagar, porque a pior coisa que pode acontecer no frio é transpirar e quando isso acontece o suor congela dentro da roupa e você tem o pior cenário, o gelo diretamente na sua pele. Naquela época eles não tinham equipamentos, estamos falando de 1890 por aí. Ele descobriu, por exemplo, que eles usavam cães para se deslocar no frio, porque cães trabalham em grupo, tem habilidades de deslocamento rápido e a outra vantagem é que, se acabar a comida – infelizmente, mas em caso de vida e morte –, eles se alimentam uns dos outros, algo diferente do que o Scott acabou adotando.

O Amundsen observou tudo isso, fez esta experiência e levou para Antártica o que ele tinha aprendido, então ele teve uma criatividade empírica, acrescentou algumas melhorais ao que já existia. Já o Scott quis fazer uma disruptura total, ele criou o trenó a motor que congelou assim que chegou na Antártica e não funcionou. A segunda opção, como ele não havia feito uma preparação assim como o Amundsen, foi tentar se locomover com pôneis, porém, eles não comem carne (cavalo é um animal vegetariano) e as patas dos equinos congelavam, Scott acabou perdendo todos os pôneis e teve de seguir caminhando. Enquanto o Amundsen tinha cães puxando trenó, algo mais organizado e eficaz.

Você já começa a observar as diferenças de preparação que fizeram diferença no resultado: o Amundsen chegou trinta dias antes ao Polo Sul, foi a primeira pessoa a chegar no centro da Antártica e retornou com toda a equipe viva; já a equipe de Scott, além de ter chegado trinta dias depois, faleceu em seu retorno, tentando voltar para o barco.

Então eu vou deixar um link de uma palestra que eu encontrei disponível para download no Vimeo e que eu acabei colocando no meu canal. É uma palestra do Jim Collins sobre o livro, quem quiser assistir, infelizmente é em inglês a palestra, não sei se tem tradução, mas é bem simples, o inglês não é sofisticado, mesmo quem não é bom no inglês consegue entender, ainda mais com as referências do podcast. Uma sugestão de estudo para quem quiser se aprofundar, assim como o livro, eu vou deixar o link para quem quiser comprar. Como eu já disse eu prefiro ouvir, pra mim é muito mais rápido, você consegue otimizar o seu tempo, eu sei que esse livro tem na audible, tem disponível em audiobook em inglês, ainda não tem em português, mas é um livro que vale a pena ler. A Bhagavad-Gita fala que devemos ter um propósito muito claro, você precisa seguir o seu proposito que tenha sentido e clareza pra você, só então você consegue construir algo seu, pessoal, sem seguir tendências ou vozes e opiniões. Para isto, você precisa passar por um processo de trazer o seu melhor a tona, o que não é simples, mas o yoga como um todo tem esse intuito, trazer o que há de melhor na pessoa através de diferentes técnicas e, o que estamos fazendo aqui, reflexões, debates, pensar sobre, e não acreditar que o normal é a vida seguir algo que foi determinado. Pode ser que você realmente esteja num bom caminho e que você esteja conectado com a sua voz interior, mas pode ser que haja momentos de desconexão ou coisas que você pode aprimorar ou que você sabe que pode ser melhor. Então, para isso, a prática do yoga e essas reflexões são bem construtivas e produtivas, e o livro fica como contribuição no sentido de dar um reforço para essas perguntas que muitas vezes nos incomodam: “o que eu tô fazendo consistentemente pra construir algo que eu quero”, “o que eu tô fazendo consistentemente que tenha a ver com o meu ideal de vida, como o meu Dharma?”.

O Jim Collins faz um triângulo para explicar isso, a gente falou sobre criatividade empírica, que é você fazer os pequenos testes, ele faz uma comparação com tiros de revólver e balas de canhão, que é você dar tiros primeiro par testar, no caso do Amundsen ele foi lá, fez os testes, viu o que dava e o que não dava e, depois, você faz realmente o tiro de canhão, você vai para o objetivo maior, que foi quando ele partiu para a Antártica. Já o Scott lançou a bala de canhão, o seu primeiro plano já era algo inovador e disruptível, o trenó a motor que nunca tinha sido testado. Chegou lá, já deu uma bala de canhão, não funcionou, o trenó congelou, segunda bala de canhão que ele tinha, os pôneis, não funcionou, daí ele teve de dar tiro com o 38/32 dele que foi caminhando.

A distância que eles tinham que percorrer era de 2200 km, 2200 km é você ir de Porto Alegre a São Paulo e voltar, esta era a distância que eles tinham de percorrer com temperaturas de menos de 38°C, situações extremamente adversas e os dois na mesma época e com o mesmo objetivo, então por isso que esta pesquisa é interessante, porque ela dá um grau de comparação muito preciso.

Então ele fala desses três pontos do triangulo, a criatividade (tiros de revolver, balas de canhão), depois da paranoia produtiva (você manter a constância das 20 milhas independente das situações – no período da bonança e da dificuldade, porque o que faz a diferença é quando as coisas não vão bem – isto tem a ver com a constância na produção) e, por fim, ele fala de uma fanática disciplina. Mas fanatismo de disciplina é basicamente você seguir a sua voz e repetir o que você acredita, isso é você ser disciplinado e ele coloca esta palavra, fanática, mas com uma ênfase que é uma disciplina de quem quer realmente conquistar uma coisa que é importante pra si. Para ter esta constância você precisa estar alinhado com o seu Dharma, você precisa estar ouvindo o que realmente a contribuição que você pode dar ao mundo, se você não está conectado com isso, você não consegue esta consistência, por último, ele fala desta disciplina fanática e começa a mostrar a preparação do Amundsen e do Robert Scott.

Quando o Amundsen foi fazer a tese de mestrado dele, ele tinha de fazer uma expedição a vela na Espanha, e ele morava na Noruega, então ele foi de bicicleta de um país a outro (eram 3000 km de distância), ele não era um ciclista regular, mas tinha um intuito de navegação. Tanto o Scott quanto o Amundsen participaram de expedições para a Antártica (uma coisa é você ir até a Antártica, outra coisa é você chegar até o meio da Antártica, são duas coisas bem diferentes), ele já havia ido, sabia que era difícil e começou a preparação desde muito jovem. Logo em seguida ele começou a tentar comer carne de golfinho pra ver como o corpo dele responderia se tivesse apenas uma fonte de energia. Por que se você vai ser forte só na hora que você precisa, talvez você não tenha a força necessária, você precisa ser forte quando você não precisa. Então, as vinte milhas não são apenas quando o tempo estiver bonito e ensolarado, mas quando o estiver ruim e nublado também, essa repetição que produz a construção, que produz o que a gente precisa para vencer o desafio.

A filosofia do Amundsen era a seguinte:

“Não se espera até estar no meio de uma tempestade imprevista para se descobrir que é preciso ter mais força e resistência, ninguém espera até acontecer um naufrágio para ver se consegue comer carne crua de golfinho, não se espera até estar numa expedição rumo à Antártida para se tornar um excelente esquiador e adestrador de cães, a pessoa se prepara com intensidade o tempo inteiro, para que quando as circunstancias estiverem contra ela, consiga se abastecer em um reservatório de energia bem fundo, da mesma forma nós nos preparamos de modo que quando as circunstâncias estiverem ao nosso favor podemos realizar grandes feitos.”

Lembra das vinte mil milhas que o Amundsen dizia: “eu não posso expor o meu grupo a um desgaste muito grande num momento bom porque depois, quando vier um tempo ruim, a gente pode se prejudicar e até morrer”. Por outro lado, quando você já está conseguindo manter as coisas num momento ruim, quando surge um momento bom é que você faz a grande construção. É aquela velha história, que os grandes se preparam na crise, mas essa preparação precisa ser constante, você tem que repetir as vinte milhas para fazer uma grande conquista. Na expedição, os dois levaram bandeiras pra sinalizar, mas o Amundsen tinha uma preocupação que alguma coisa poderia dar errado, então ele ficava atento ao que poderia acontecer, isso o mantinha mais protegido. O Scott contava com toda uma tecnologia de ponta, era um cara mais relaxado, não tinha tanta atenção, e isso foi observado no plano da expedição. Por exemplo, as bandeiras, o Scott colocou uma bandeira quando saiu e depois só no posto de abastecimento, já o Amundsen colocava bandeira e sinalização a cada um quilometro, depois ele criou um raio de dez quilômetros de sinalização em volta dos pontos de abastecimento para se caso se perdessem em uma tempestade eles conseguissem voltar. Quando eles planejaram a viagem eles tinham um ideia de quanto de alimentos eles precisariam, o Amundsen levou três toneladas para uma equipe de cinco pessoas, o Scott uma tonelada para dezessete pessoas. Então você começa a ver a importância da preparação e qual foi o resultado. O Scott levou um termômetro para a viagem, que congelou e estourou, e quando você não tem termômetro num lugar desses você é perigoso porque você precisa planejar a caminhada de acordo com relação a melhor hora do dia de a temperatura, então ele ficou extremamente irritado com a situação, enquanto o Amundsen levou quatro termômetros.

Então, você pode pensar, “mas um cara teve azar e o outro teve sorte”, o autor fez uma análise em relação ao tempo, e ele foi muito similar no caso de ambos, e isso ele extrapola essa visão de sorte e azar, mostrando que esses fatores (sorte e azar) não depende de você e que muda completamente cenário, seja para o bem ou seja para o mal. Então isso ele conta como um momento de má sorte e isso acontece dentro das empresas, e com os líderes, o ponto é o quanto você estava preparado para aquilo, que é o que a gente viu que no final faz a grande diferença.

Voltando ao livro, ele mostra o quanto Scott reclamava da sorte e o Amundsen não tocava no assunto. Scott falava: “nossa sorte em relação ao tempo é ridícula” em outro registro disse: “isso é muito mais que a nossa cota de azar, quão imenso pode ser o elemento sorte”. O fato é que em 5 de dezembro de 1911, sob o sol claro que brilhava sobre a vasta planície branca, com um ligeiro vento cruzado e uma temperatura de aproximadamente -10°C, Amundsen chegou ao Polo Sul, com sua equipe, fincou a bandeira da Noruega e se desfraldou com um forte assobio e dedicou o platô ao rei do seu país, em seguida, todos recomeçaram o trabalho, ergueram uma tenda e nela amarraram uma carta ao rei norueguês na qual relataram o sucesso da missão. Amundsen, endereçou o envelope ao capitão Scott, presumindo que ele seria o próximo a chegar ao Polo, como medida de segurança, caso a sua equipe sofresse alguma adversidade e perecesse na viagem de volta. Ele não tinha como saber que Scott e sua equipe estavam puxando os seus trenós nos braços, a mais de 500 quilômetros atrás deles. Mais de um mês depois, às 18h30, em 17 de janeiro de 1912 Scott de se viu diante da bandeira da Noruega, afincada por Amundsen, no Polo Sul “tivemos um dia terrível” ele diz. Escreveu em seu diário “para a nossa decepção, um vento de 4 para 5 com uma temperatura de -35°C. Meu Deus, este lugar é medonho, é terrível demais para o trabalho que tivemos para alcança-lo, sem sermos premiados com a honra de chegar primeiro”. Naquele mesmo dia, Amundsen já havia percorrido quase 800 km na direção norte quando atingiu o seu depósito de suprimentos aos 82 graus, faltavam apenas oito dias mais fáceis da caminhada até o final da viagem. Scott, deu meia volta e também seguiu para o norte, percorreu mais mil quilômetros com a equipe puxando trenos a pé, justamente na mudança de estação o tempo piorou com ventos cada vez mais forte e temperaturas cada vez mais baixas e enquanto os suprimentos minguavam e os homens lutavam em meio a neve.  Amundsen e sua equipe, chegaram a base em boas condições em 25 de janeiro, a data exata que ele havia anotado em seu plano. Sem suprimentos, Scott desistiu em meados de março, exausto e deprimido, oito meses mais tarde um grupo de reconhecimentos britânicos encontrou o corpo de Scott e dois dos companheiro em uma barraca pequena e frágil coberta de neve a apenas quinze quilômetros do seu depósito de suprimento.

Essa é uma prova, uma demonstração da importância de passar pelo processo, pela dificuldade e estar preparado para quando a dificuldades, as adversidades aparecerem. Quando a gente quer enfrentar um grande desafio, a gente precisa de uma grande preparação e aqui a gente teve um exemplo máximo disso, que é uma preparação extrema para um caso de vida ou morte, um ambiente em que o homem nunca tinha pisado. Então ali eles colocaram todas as forças, toda a tecnologia, passaram pelos maiores sofrimentos, a gente não precisa passar por tudo isso, mas você tem que saber que algum tipo de incomodo, de dor, de frustração precisa acontecer para que você consiga construir algo diferente, se não, você se acomoda e aceita a vida como ela é, isso não é uma opção ruim, ela só não é uma opção que o yôgin que busca a sua real identidade vai seguir, porque ele está buscando externalizar o que ele tem de melhor, a sua voz real, e contribuir com o seu Dharma no mundo, fazer a sua marca, a sua contribuição no mundo.

Então o podcast fica por aqui, vou deixar vocês com uma música que é de um compositor que eu mencionei no podcast passado como um dos principais compositores do século XX, George Gershwin.

Gershwin compunha muita música jazzista, eu não sou uma pessoa muito do jazz, tenho tentado ouvir um pouco mais. O que eu tento fazer com vocês, evangelizando com música clássica, eu tenho recebido esse impacto do Damien Chazelle, do La la Land, e escutado mais jazz, mas não é um tipo de música que geralmente ouço, embora o Gershwin me agrada, ele mistura música clássica com jazz.

O interessante desta música é que ela tem muito a ver com o assunto que a gente falou hoje, no primeiro momento ela é difícil, chata e turbulenta, as coisas não fazem sentido, não cria melodia, fica tudo confuso, te incomoda e você desiste, mas quando chega em torno de 11 minutos, todos esses elementos que eram difusos começam a criar uma harmonia, leve e que vale a pena escutar, então é exatamente o que a gente viu hoje, quando a gente está no processo de treinamento, é duro, chato, vem incômodo, atrapalha, não dá certo, erra, não faz sentido treinar aquilo ou estudar aquilo, mas quando a gente chega no objetivo é como se as coisas se harmonizassem e, então, tudo se encaixa, e temos aquele momento de deleite em que valeu a pena cada sacrifício, valeu a pena cada carne de golfinho.

Uma boa semana e até o próximo podcast.

 

Reflexões de um YogIN Contemporâneo – série de podcasts Yoga pro seu dia a dia [SÉRIE DE CONTEÚDOS]

 

 

 

 

Daniel De Nardi

Head de conteúdo do YogIN App. Autor de 6 livros sobre Yoga. Pesquisador da História do Pensamento Indiano.

  • Avatar

    Bia Cossatis - 2 jun 2017

    Amei a frase: "a marca da mediocridade é a INCONSISTÊNCIA crônica!" é isso! Eu tenho me perguntado, desde de 2015, quem eu quero ser. E eu tenho uma imagem perfeita. Mas, a realidade é bem diferente. E o que entendo é que a distância da Bia que eu quero ser e da que eu sou, é justamente que a Bia de desejo, digamos assim, faz constantemente, e eu não. Eu faço muito hoje e nada por 1 semana. E isso traz muita frustração. E é isso, a disciplina é essa tal constância. Gratidão! Muita paz!

    • Daniel De Nardi

      Daniel De Nardi - 19 jun 2017

      Obrigado Bia!

  • Avatar

    rENE - 8 set 2017

    eSSE EPISÓDIO FOI UM DOS MELHORES EM MINHA OPINIÃO. fOI UMA ÓTIMA SINTESE DE UM FATO REAL, DO LIVRO E FAZENDO UMA COMPARAÇÃO COM OS DESAFIOS QUE CADA UM ENFRENTA TODO DIA. pARABÉNS, dANIEL.

    • Daniel De Nardi

      Daniel De Nardi - 14 set 2017

      Obrigado Rene! Que bom que você gostou!