O CORPO E O ÁSANA

HOME > BLOG > O CORPO E O ÁSANA

YogIN | 8 Maio 2019 | Daniel De Nardi


O Corpo e o Ásana


UM POUCO DE HISTÓRIA

A proposta deste texto é falar sobre a parte corporal do Yoga, o ásana. O Yoga é uma filosofia de vida que tem como objetivo o perceber sua verdadeira identidade uma Identificação com o EU. Para alcançar essa meta, o Yoga dispõe de uma variedade de técnicas que vão obrigando o YogIN a prestar mais a atenção em si mesmo. É como se o YogIN ligasse uma chave de consciência e a deslocasse ora para respiração ora para uma parte do corpo. Com isso o YogIN aprende a lidar com sua capacidade de observador, característica da identificação com a consciência – observar-se mais. 

As técnicas para que o o YogIN aprenda a habilidade de comandar a direção do seu complexo (mente/emoção) vão desde exercícios com as mãos (mudrás) até meditação (samyama), podemos também citar os respiratórios (pranáyámás), vocalização de sons e ultra-sons (mantras) e a técnica corporal (ásana), a qual iremos abordar. Cada uma dessas técnicas atua em diferentes áreas do ser humano a fim de que ele possa ampliar sua capacidade de auto observação e ganhar mais energia vital para realizar seus objetivos.

O Tantra divide as técnicas em dois gurpos 

Shivas – voltadas para a aproximação desta consciência pura 

Shaktis – técnicas de geração de energia, processo indispensável ao desenvolvimento do YogIN.

Apesar de poder se meditar em um ásana (dhyanásanas), a prática de ásanas que envolvem movimentação e diferentes níveis de esforço tem como objetivo esse movimento da energia no corpo, prána. Tanto para desobstruir canais de energia (nadís) quanto para gerar mesmo energia, com bandhas e outras técnicas.

Quando o yogin começa a fazer uma posição é muito importante que ele se sinta bem executando-a, pois no Yoga valoriza-se a permanência e é muito difícil permanecer muito tempo se você não está se sentindo bem na posição. Da permanência longa depende a evolução na execução, ganhando-se alongamento, força e flexibilidade e também a ampliação a capacidade de auto-observação já citada como um dos objetivos da prática.

Mencionei também os respiratórios (pránáyámas) que podem ser praticados a parte, em qualquer posição sentada, ou dentro do ásana. Escolas como o Ashtanga, aconselham a execução do ujjay um respiratório que aquece o corpo e produz um soa parecido com ressoar. A respiração é uma das ferramentas mais importantes do Yoga. “A mente é senhora dos sentidos, mas a expiração é senhora da mente.” diz o Hatha Yoga Pradipika, principal obra de ásanas no Yoga. Com a respiração consciente, consegue-se atuar na melhor administração do emocional e na redução do desgaste, seja este físico ou por uma situação de stress.

O princípio disso é que assim como o nosso emocional influencia a respiração, podemos fazer o caminho inverso e a partir da respiração também influenciar o emocional. Não significa que você vai parar de sentir ou que nunca ficará cansado, mas o fato é que sempre quando sentimos um stress muito grande ou um cansaço forte o corpo fica se desgastando para se recuperar. Liberando diversas substâncias, nem sempre saudáveis para as células. Essa recuperação poderá ser mais rápida a medida que se controla o processo respiratório. Dentro do ásana a respiração vai contribuir nesses dois sentidos, diminuindo o desgaste físico e permitindo um mergulho maior para dentro de si a medida que se executa a posição.

Além disso, pode-se aplicar vocalizações (mantras), meditações em alguma parte do corpo (samyama) e mentalizações. Tudo isso, amplia a vivência e os efeitos de cada posição.

O QUE AS ANTIGAS ESCRITURAS HINDUS DIZEM DO ÁSANA

Que fique bem claro: não se trata em absoluto de convidar os doutos europeus a praticar Yoga (o que aliás é menos fácil do que dão a entender certos amadores), nem de propor às diversas disciplinas ocidentais que aplique métodos do Yoga ou adotem sua ideologia.

Uma possibilidade que nos parece bem mais fecunda é estudar o mais atentamente possível os resultados obtidos por tais métodos de investigação da psique.

Assim, abre-se ao pesquisador europeu toda uma experiência imemorial referente ao comportamento humano em geral.

Seria imprudência não se tirar proveito disso.

Mircea Eliade, Yoga Imortalidade e liberdade.

 

Os antigos sábios hindus gostavam de começar suas explanações definindo o que entendiam pelo assunto que iriam abordar. Seguindo seu exemplo, vou começar pela definição de Yoga mais clássica que existe, feita por Pátañjali um importante mestre que viveu na Índia no século III A.C. Pátãnjali tem uma importância muito grande dentro da história desta filosofia, é considerado o pai do Yoga pois ele foi o primeiro a escrever um livro falando somente desta prática, o famoso Yoga Sútra. Este livro é escrito em aforismos, frases concisas repletas de conhecimento, começando desta forma.

I – 1 Agora o conhecimento do Yoga

I – 2 Yoga é a supressão da instabilidade da consciência

Então para o Yoga o importante é reduzir todas as formas de instabilidade, sejam elas físicas, emocionais ou mentais para que a consciência em sua forma mais limpa possa ser vislumbrada. Esse processo vai sendo conquistado de diferentes formas, os yogins aprendem a direcionar sua atenção ora para um som (mantras) ora para a respiração (pránáyáma), ora para uma única imagem (samyama) ou para o corpo (ásana) e neste último ponto que começa o nosso trabalho.

O corpo é portanto, uma importante ferramenta para que o yoga atinja sua meta.

O ÁSANA

Começaremos mais uma vez usando uma definição de Patáñjali para ásana, feita no Yoga Sútra capítulo II, versículo 46 “ásana é toda posição firme e agradável.”

Patánjáli viveu em uma sociedade extremamente patriarcal. No século III A.C., a cultura do guerreiro era bastante presente na Índia. Os arianos haviam dominado o país e imposto sua filosofia comportamental, na qual, a repressão ao prazer era prática regular. Treinamentos militares primitivos eram comuns entre os jovens e os guerreiros gozavam de prestígio dentro da sociedade. Apesar disso tudo, Patánjali define a parte corporal da filosofia que desejava propagar como algo “agradável”, portanto prazeroso. Isto certamente deve ter gerado muitos questionamentos quando foi apresentado. Entretanto, Patánjáli não estava criando um método novo. O Yoga já existia na Índia há pelo menos dois mil anos antes dele escrever seu livro. Os textos mais antigos do hinduísmo, Vêdas, Ithásas e Upanishads já citavam expressamente suas técnicas e efeitos.

 

“É por isso que o YogIN une dessa maneira o prána, a sílaba OM e este universo com todas as suas inumeráveis formas […], razão pela qual esse processo chama-se Yoga. A unidade da respiração da consciência e dos sentidos, seguida pela extinção de todos os conceitos: isso é o Yoga,” Maitri Upanishad (VI, 25)

 

Além disso, selos que datam mais de 6000 anos e que eram usados para marcar mercadorias mostram imagens de YogINs em posições de meditação.

O outro ponto citado por Pátañjali é a firmeza, “firme e confortável.” Essa cartacterística é relacionada com a busca pela estabilidade “supressão da instabilidade da consciência” citada no início. No capítulo 2 versículo 47 Pátañjali fala da técnica corporal “Ela é dominada quando elimina-se a tensão e medita-se no infinito.” Se a permanência fosse sofrida, pois neste caso a luta interna seria para se livrar daquela sensação e não por aprofundá-la. O trabalho de Patáñjali foi resgatar um conhecimento bem mais antigo que ele, de uma civilização anterior a ariana chamada drávida ou harapiana. Esse povo, ao contrário dos arianos, era avesso à guerra e consequentemente valorizava o prazer. Por conta disso, não havia como tirar o prazer da técnica corporal. Do prazer durante a prática, dependia a evolução nessa filosofia. Somente quando o YogIN consegue se sentir bem executando uma posição ele consegue estabelecer uma relação mais íntima com seu corpo, consegue aprofundar a experiência de senti-lo na totalidade. Quando o YogIN se coloca num ásana, é essencial que ali permaneça por bastante tempo para que os efeitos de descobertas e autoconhecimento venham a tona. Isto seria impossível sem o conforto e a permanência longa.

Cada vez mais a medicina e a psicologia modernas tem observado que tudo o que sentimos, de alguma forma fica impregnado no nosso corpo. Uma tensão emocional gera uma tensão dos músculos, assim como uma situação descontraída faz com que eles relaxem. Sendo assim, hoje algumas linhas de psicologia, como a de Reich, tem usado um trabalho corporal para liberar tensões ou até traumas do pisiquismo dos pacientes.

O Yoga já vem trabalhando nesse sentido há todos esses anos. Atuando não necessariamente em casos extremos como Reich, mas para todas as pessoas que desejam se conhecer mais. A medida que paramos alguns minutos numa posição e observamos às reações do nosso corpo à ela, conseguimos obter informações importantes para a nossa melhoria como ser humano. Uma pessoa ansiosa por exemplo, que consiga se superar no sentido de estabilizar o corpo por um tempo, terá invariavelmente um reflexo positivo disso em seu comportamento.

Além disso como o corpo é agitado e arritmico por natureza, movimentando-se até mesmo quando dormimos, estabilizá-lo pode significar um controle sobre humano. O Yoga tem essa ambição de tornar seus praticantes mais que simples viventes, mas pessoas que conseguem algo a mais que simplesmente seguir seus condicionamentos e boa parte desses resultados é conquistado graças ao ásana.

    

Para saber mais sobre conteúdo de Yoga aperte este botão

Botão


Compartilhar: Compartilhar no http://WhatsAppCompartilhar no http://FacebookCompartilhar no http://Twitter

Daniel De Nardi>

Daniel De Nardi

Daniel é Professor de Yoga há mais de 20 anos. Pesquisador do Yoga e das raízes dessa Filosofia Milenar. É autor de diversos livros: "Aprenda a Meditar com o Yoga", "As Origens da Meditação e do Yoga", "Asana - Posturas do Yoga", "Como a Meditação funciona?", "O Yoga do Autoconhecimento", "Pra que Meditar?", dentre outros. Também é responsável por produzir a série de podcasts "Reflexões de um YogIN Contemporâneo" do YogIN Cast, o canal de podcasts de Yoga mais acessado do Brasil. Instagram: @reflexoesdeumyogin

2 comentários

    YogIN App edna apolinario |

    bem esclarecedor os artigos , estou gostando é realmente um aprendizado , tenho pos em hatha yoga e gosto de aprender , grata pela contribuiição

    YogIN App Bianca Vita |

    Que bom que está gostando! OM NAMAH SHIVAYA!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados

proposta do Yoga para o Autoconhecimento
Filosofia do Yoga | 3 jul 2020 | Lucas De Nardi
Qual a proposta do Yoga para o Autoconhecimento

Como o Yoga desenvolve o autoconhecimento e a espiritualidade - proposta de autoconhecimento! O Yoga é conhecido como uma prática milenar que desenvolve o autoconhecimento, mas de que forma o Yoga se propõe a fazer isso? Entenda a proposta do Yoga para o Autoconhecimento Neste vídeo você vai entender como o Yoga usa suas técnicas para despertar melhor a percepção de si e a evolução pessoal. https://youtu.be/BXPUHKbm8PQ     Este trecho é parte de uma aula completa que você pode assistir aqui mesmo no nosso canal, clicando aqui      https://youtu.be/mUJc-93j1zU   Neste outro trecho da aula você pode entender melhor a relação do Yoga com as posturas, asanas. O corpo pode ser ao mesmo tempo uma ferramenta, mas também um obstáculo à libertação. CLIQUE ABAIXO PARA ASSISTIR   https://yoginapp.com/como-o-corpo-pode-ser-uma-ferramenta-ou-uma-armadilha-na-libertacao/     Namaste! new RDStationForms(\'newsletter-yogin-formulario-1c3fb174b015350a9cd5-html\', \'UA-68279709-2\').createForm();

Bhuta Shuddhi – A limpeza periódica do corpo
Filosofia do Yoga | 2 jul 2020 | Equipe YogIN App
Bhuta Shuddhi – A limpeza periódica do corpo

Bhuta Shuddhi - A limpeza periódica do corpo! A limpeza periódica do corpo, conhecida como Bhuta Shuddhi é uma das características do yogin. O próprio sádhana, prática disciplinada de yoga, é uma forma de limpeza: praticar as posturas é um exemplo de limpeza do corpo, por estimular órgãos de excreção e eliminação, pranayamas e meditação produzem uma limpeza de canais sutis do corpo, meridianos e uma faxina mental, excluindo os pensamentos da mente condicionada. Além disso, no Hatha Yoga tem-se o chamado shat karma, conjunto de seis kriyas clássicos que merece um post especial, só para explica-los, mas comumente ministro alguns deles nas minhas práticas aqui do YogIN App. Esse período que entramos, de mudança de estação, é um período que yogins costumam intensificar suas práticas de limpeza. Bhuta shuddhi é a prática de purificação dos elementos do corpo:  água, ar, terra, fogo e espaço (éter, akasha). Tudo na Natureza é composto por estes elementos, no nosso corpo a composição é de setenta e dois por cento de água, doze por cento terra, seis por cento ar, quatro por cento fogo, e o éter (akasha) seis por cento. new RDStationForms(\'e-book-treinamento-yogin-de-respiracao-bdf2969b9eeaf2b1af79-html\', \'UA-68279709-2\').createForm(); O termo vem do sânscrito, bhuta, que significa \"elemento\"  e shuddhi, que significa \"purificação\". O objetivo da prática é libertar o yogin de sua natureza física e abrir a porta para níveis mais elevados de consciência, de modo que o praticante possa se sutilizar e tornar-se um com Brahman. Praticar  bhuta shuddhi cria mudanças físicas, emocionais e mentais profundas para limpar o corpo, mente e espírito. Algumas referências modernas acabam catalogando bhuta shuddhi como apenas um período de desintoxicação alimentar, o que faz parte do processo de sutilização dos corpos, mas é uma parcela muito pequena da prática. Bhuta shuddhi também não é um kriya. Kriyas são atividades de purificações, como citei acima o conjunto de kriyas clássicos, dos quais o mais conhecido é o nauli kriya. Existem muitas maneiras de praticar bhuta shuddhi, a fim de purificar os elementos. Um método comum é a meditação no bija mantra de cada chakra, no som dos nossos centros de força. comPara executar este tipo de bhuta shuddhi , comece  15 minutos de asanas simples de alongamento que estimulem a coluna e alguns ciclos de  pranayama. Em seguida, continue com 15 minutos de meditação sobre os chakras. Começando com o chakra da raiz indo até o coronário. Temos práticas dos chakras em nossa página de aulas. Meditação nos chakras e o Bhuta Shuddhi Sente-se com as pernas cruzadas e a coluna ereta, feche os olhos e sinta a vibração do seu corpo e de seus pontos de energia.   [caption id=\"attachment_16534\" align=\"aligncenter\" width=\"370\"] Bhuta Shuddhi atua nos Chakras[/caption]   Comece a entoar o som semente de cada chakra da base em direção ao topo da cabeça, como na foto acima. LAM, VAM, RAM, YAM, HAM, OM, silêncio. LAM, VAM, RAM, YAM, HAM, OM, silêncio. Faça por 10 minutos e depois fique 5 minutos em silêncio em meditação em algum chakra específico ou apenas em silêncio, sem pensar, apenas sentindo e mergulhando na pureza de sua essência.    

Brahma Muhurta
Dicas de Yoga | 1 jul 2020 | Fernanda Magalhães
Brahma Muhurta – Arte de Acordar antes de Todos

Brahma Muhurta: o melhor horário para a prática de Yoga e Meditação! O Brahma Muhurta já me acompanha desde que sou criança. Engraçado né? Eu sempre fui uma pessoa da manhã. Sim, criança meio estranha que acordava antes da hora necessária para me arrumar com calma para a escola. Na verdade, durante a infância, dormir não era uma atividade atrativa para mim. Sempre apreciei esse tempo de silêncio, às vezes ainda escuro onde executava as tarefas matutinas com calma, sem  acordar “no susto”. Mas, há uns 6 anos atrás, quando comecei a acordar às 5 horas da manhã para fazer atividade física antes do dia iniciar, esse momento tomou um significado maior. Ele se tornou o meu momento do dia, onde não havia demandas externas a serem atendidas e eu podia me escutar, me conectar. Semana passada, ganhei um livro que se chama “O Milagre da Manhã” que fala sobre como transformar sua vida incluindo certas atividades como meditação, planejamento, exercícios físicos e escrita antes das 8h da manhã. Venho percebido que está crescendo uma onda de acordar às 5h, ou até mesmo as 4h da manhã, para estimular mudança para a qualidade de vida e eficiência. É, inclusive, uma dica dada pelos grandes empresários visando o sucesso financeiro. De fato, senti mudanças internas nesse período que venho acordando 1 hora mais cedo do que o necessário para poder estar comigo. Não sei o que veio primeiro, o ovo ou a galinha, mas o Yoga entrou justamente nessa época na minha rotina, ainda que devagar,  somente duas vezes por semana. Existem pesquisas que indicam até mesmo que quem acorda mais cedo é mais magro e feliz do que a média! Conforme fui estudando o Yoga e compreendendo as diretrizes para a prática, percebi que utilizar este horário matutino para uma prática de autoconhecimento não era uma questão de encaixe perfeito na minha rotina ou gosto pessoal. Eu, ainda sem saber, estava usufruindo dos efeitos de brahma muhurta - \"A Hora de Deus\" ou \"A Hora do Criador\". Brahma muhurta é um período de dois muhurtas (1 muhurta= 48 minutos), ou cerca de uma hora e meia antes do amanhecer, variando de 3 às 6h da manhã, dependendo do horário do nascer do sol. Este período de tempo, quando a alma humana e o Universo se unem, é dedicado a Brahma, Deus da Criação. É o momento em que você se recria para um novo dia. Unindo a sabedoria dos antigos Yogins e a experiência das pessoas eficientes de nossa era, podemos listar algumas das recompensas em atender ao despertador tocando mais cedo: Sincronização com o Ciclo Circadiano Nosso organismo funciona de forma cíclica em relação a produção de hormônios que regulam nossas atividades diárias. Esse nosso “relógio biológico” é controlado pela luz, que comanda a produção de cortisol durante o dia e melatonina durante a noite. [caption id=\"attachment_493577\" align=\"aligncenter\" width=\"620\"] Ciclo Circadiano e o Brahma Muhurta[/caption]   A melatonina é vista como um estabilizador do estado mental, algo que o deixa confortável por um longo tempo. Ficar mentalmente confortável significa que você não sofre flutuações. Respeitar os ciclos biológicos faz com que possamos utilizar nosso corpo em sua máxima potência. new RDStationForms(\'e-book-o-yoga-do-autoconhecimento-31f024e0c3c56e215246-html\', \'UA-68279709-2\').createForm(); Você estará adiantado   Dê adeus aquele pulo da cama para não se atrasar. Você já estará acordado há um tempo quando precisar sair de casa ou iniciar uma tarefa. Estar adiantado te deixa um tempo de planejamento para fazer a programação do seu dia e deixar preparado o necessário como por exemplo, preparar uma marmita saudável se seu plano é melhorar a alimentação no dia a dia. Este fato te deixa também uma vantagem psicológica de que você iniciou seu dia antes de todos, contribuindo para o próximo benefício.   Trabalhar por ação, e não por reação Como eu disse acima, acordar antes de todos te deixa sem demandas externas, fazendo com que você priorize o mais importante e não o mais urgente. Se colocando nesse momento de prioridade, você estará muito mais preparado para atender as demandas quando elas chegarem. Então, não é só começar o dia antes, mas é importante o como começar seu dia. Se você ainda não tem um ritual matinal, recomendo que coloque isso nas suas prioridades. O seu dia deve ser tratado com um evento importante onde a preparação se dá nessa “hora extra”. Silêncio e o Brahma Muhurta Não que precise explicar esse benefício… Mas é criada a atmosfera perfeita para estudo, trabalho, ou qualquer tarefa que exija concentração. Além do silêncio, se estão todos dormindo ainda, não será interrompido por cônjuges, emails ou mensagens no whatsapp. Quando acordamos nossa mente está calma, e clara e a medida que os estímulos externos vão chegando ela vai se poluindo, desfocando. Aproveitar sua mente nesse estado, significa mais produtividade, mais insights, mais controle, que será levado para o resto do dia.   SE QUISER MAIS SOBRE COMO DESENVOLVER DISCIPLINA - CLIQUE NA IMAGEM ABAIXO   https://yoginapp.com/meditar-exige-disciplina/   Disciplina Ok, para a maioria das pessoas, acordar cedo não é fácil (embora grande parte destas apenas não tenha desenvolvido o hábito ainda) mas a determinação em levantar com o despertador mais cedo desenvolve a disciplina. Toda situação que desafia nossa zona de conforto é um excelente trabalho de controle mental. Para alcançar qualquer objetivo, seja a vida de Yoga ou o sucesso financeiro, é preciso aprender a fazer o que deve ser feito e não o que nos convém. Assim desenvolvemos Tapas, a autodisciplina. Vivemos no mundo imediatista, atropelando tarefas importantes em prol de tarefas urgentes. O importante sempre vai sendo deixado para o tempo livre, que às vezes não acontece. Não é só o acordar mais cedo, mas sim colocar as coisas mais importantes em primeiro lugar. Como você passa as primeiras horas do dia determina como será o resto dele. “Pratique, pratique e tudo virá” - Sri K Pattabhi Jois new RDStationForms(\'newsletter-yogin-formulario-1c3fb174b015350a9cd5-html\', \'UA-68279709-2\').createForm();

Melhor Horário para praticar Yoga
Podcast de Yoga | 1 jul 2020 | Equipe YogIN App
Qual melhor horário para praticar Yoga?

Entenda o melhor momento do dia para praticar Yoga. O melhor horário para praticar Yoga é de manhã e no final de tarde. É importante saber que uma prática feita pela manhã deve ser diferente de uma prática feita a noite. Você terá que testar em você qual o melhor horário para praticar Yoga. Uma prática feita pela manhã pode ser mais ativa com posturas mais energizantes. Por exemplo, flexões da coluna para trás são posturas expansivas que podem ser colocadas à vontade em uma prática matinal. A Saudação ao Sol, conhecida no Yoga por Surya Namaskar, aquece o corpo e também pode ser uma excelente prática matinal, especialmente se você puder ver o sol nascendo e fazer a sequência neste momento mágico do dia. Também sugerimos que pela manhã, você execute torções estimulam o funcionamento dos órgãos da cavidade abdominal. Pode-se também praticar udhyana bandha para estimular o fogo digestivo, agni, e ajudar na desintoxicação do corpo; As Melhores Práticas de Yoga para à noite Se você praticar ao final de tarde ou à noite insira posturas para alongar as costas e relaxar ombros e pescoço. Posturas de equilíbrio trazem enraizamento, aumentando a concentração o que pode ajudar no sono. Posturas para frente acalmam e relaxam e devem ser colocadas em uma prática noturna ou quando quer desacelerar.   SE PREFERIR, PODE OUVIR ESSE TEXTO CLICANDO NA IMAGEM ABAIXO   Invertidas Se for pratica de noite o ideal é buscar aquietamento. Evite \"mantras\" batendo palmas. Diminua as retroflexões (movimentos da coluna para trás) e evite invertidas intensas e longas. Procre ficar mais tempo nas posturas, acalmando a respiração também é indicado. Sempre termine a prática de asanas em savasana, postura deitada para relaxamento, não importando o horário em que ela foi feita.   [caption id=\"attachment_100219\" align=\"aligncenter\" width=\"573\"] Qual Melhor Horário para praticar Yoga? Você terá que testar em você mesma. A frase em ingês desta imagem diz \"minha melhor postura é a posição de relaxamento (shavasana).\"[/caption] Brahma Muhurta Existe um período chamado Brahma muhurta, ou horário de Brahma, que consiste no período (muhurta) 1 hora e 36 minutos (96 minutos = 2 muhurtas) antes do nascer do sol. Por exemplo, se o Sol nascer às 6 da manhã, o período de Brahma muhurta é 4:24. Esse horário de Brahma, horário do Criador, é o horário mais auspicioso para prática de yoga e meditação. O Brahma Muhurta é seguido em mosteiros de Yoga que são chamados de ashrans. A ideia do Brahma Muhurta é captar a energia dos primeiros raios solares. Praticar Meditação olhando para o Sol só é possível nos primeiros raios da manhã.   Os horários dos doshas Para o Ayurveda, medicina vedica, nós temos três doshas que constituem nosso físico: Vata (ar e éter), Pitta (fogo e água) e Kapha (terra e água). Durante o dia, esses elementos aumentam e diminuem no nosso corpo. Do nascer do Sol até 10h da manhã é o período de Kapha; das 10:00 às 14:00 é o período de Pitta; das 14:00 até 18:00 é o período de Vata. No final do dia esse ciclo segue a mesma ordem, das 18h às 22h é o período de Kapha, das 22h às 2h da madrugada período de Pitta, e das 2:00 às 6:00 período de Vata. Dessa forma, o Brahma Muhurta acontece durante o período de Vata. Para saber mais sobre a relação dos Doshas com a prática de Yoga, ouça a entrevista com a Professora Giselle Correa   https://yoginapp.com/o-yoga-e-os-doshas-podcast-49/   Pratique quando quiser e Onde Estiver O mais importante é praticar, a hora que der. Nem que sejam nossas aulas de 15 minutos da plataforma. Temos aulas de diferentes objetivos e com tempos que podem ser escolhidos por você no filtro das Aulas. Em aulas que vão de 5 a 60 minutos, você poderá alongar, espreguiçar, respirar, meditar e começar o dia com afirmações positivas. Tempo não é desculpa para não praticar com o YogIN App, pois você faz de casa e a hora que melhor se encaixar no seu dia. CLIQUE AQUI PARA CONHECER NOSSAS ASSINATURAS new RDStationForms(\'newsletter-yogin-formulario-1c3fb174b015350a9cd5-html\', \'UA-68279709-2\').createForm();