De uma ciência materialista para uma ciência filosófica

HOME > BLOG > De uma ciência materialista para uma ciência filosófica

Filosofia do Yoga | 4 mar 2018 | Daniel De Nardi


De uma ciência materialista para uma ciência filosófica

Recentemente publiquei um artigo  que tratava dos documentários relacionados a desenvolvimento pessoal que mais fizeram sucesso nos últimos tempos. Obviamente a lista era composta por Quem Somos Nós que traz bastante da física quântica.

O texto abaixo escrevi há uns anos e é uma explicação sobre o início desta forma moderna de ciência. Vale como um adendo ao assunto.

———————————————————————————–

Quando visitou o Palácio de Versalhes, René Descartes, matemático e filósofo francês do século XVII, ficou admirado com todos os truques que Luís XIV havia colocado por ali. Águas saltavam, música

Descartes foi responsável por criar métodos que determinaram o que passou a ser ciência e o que não.

Descartes foi responsável por criar métodos que determinaram o que passou a ser ciência e o que não.

tocava e o famoso Netuno saía de dentro da fonte de maneira automática. Essa visão inspirou-o a formular uma tese com a qual ele tentou provar que o mundo também funcionava de maneira mecânica, onde tudo poderia ser previsto. Baseado nisso, Descartes propôs que houvesse uma divisão clara para a atuação da ciência e da religião. A primeira estudaria a matéria e a outra atuaria nas esferas mais sutis, como mente e espírito.

A liberdade que os cientistas ganharam a partir daquele momento foi fundamental para que Isaac Newton fizesse suas pesquisas sem a intervenção da Igreja e chegasse a conclusões que, em outras épocas, o condenariam à morte. A ciência foi ganhando cada vez mais poder à medida que comprovava no

Newton acreditava que a ciência poderia medir e prever todas as variáveis do Universo

Newton acreditava que a ciência poderia medir e prever todas as variáveis do Universo

cotidiano uma a uma de suas leis. No início do século XVIII fervilhava tanto otimismo científico que um colega de Newton, Pierre-Simon de Laplace, escreveu a seguinte constatação “Uma inteligência que, em qualquer dado momento, conhecesse todas as forças através das quais a natureza é animada e os estados dos corpos do quais ela é composta, abrangeria – se ela fosse vasta o suficiente para submeter os dados à análise – na mesma fórmula os movimentos dos grandes corpos do universo e os átomos mais leves: nada seria duvidoso para essa inteligência e o futuro, tal como o passado, seria o presente aos seus olhos.”

Pobre do livre-arbítrio humano que tinha acabado de sair das mãos da Igreja e caía imediatamente numa máquina mecânica totalmente programada.

Assim como A.A. Michelson, autor da frase “basta adicionar algumas casas decimais aos resultados já obtidos”, a maioria dos cientistas do início do século XX acreditavam que se descobrissem uma ou outra lei que faltava tudo seria desvendado e o universo caminharia numa direção previamente calculada.

Entretanto, nuvens cinzentas resistiam em permanecer no horizonte da ciência. Questões simples como: Porque nos bronzeamos no sol e não quando estamos na frente da lareira uma vez que as duas fontes de calor emitem radiação? Não conseguiam ser respondidas com o arsenal de conhecimento materialista que os especialistas possuíam.

Foi no início do século XX quando a ciência foi abençoada pela conjunção de vários gênios, como Max Planck, Einstein, Niels Bohr, De Broglie e Erwin Schrödinger trabalhando simultaneamente na mesma linha de pensamento que nossa maneira de ver o mundo mudou completamente. Esse grupo rompeu com toda a previsibilidade newtoniana fazendo uma revolução no pensamento científico.

Tudo começou quando Planck propôs que eram os elétrons que carregavam a energia como se fossem minúsculos pacotes que pegavam o calor emitido pela madeira incandescente ou pelo sol e o transferiam sob a forma de radiação. Quando liberavam essa energia, perdiam força e saltavam da órbita que estavam para outra abaixo. Para liberarem os raios ultravioletas precisavam dar um grande salto quântico o que dependia de muito calor, que a luz da lareira não possuía. Pois é justamente este tipo salto, chamado de salto quântico, que começou a desmanchar o sonho dos antigos cientistas de preverem tudo o que aconteceria na natureza.

Quando os pacotes de energia dos elétrons saltavam de uma órbita para outra, não se transferiam de maneira previsível, tal como tendemos a imaginar. O que de fato acontece é que o elétron desaparece daquela órbita e surge em outra, sem passar pelo espaço intermediário naqueles breves instantes. Bohr ampliou essa teoria provando que todos os átomos e não apenas os da luz produzem esses saltos. O que levou a imprevisibilidade do funcionamento do universo para tudo o que existe e ampliou as possibilidades da existência.

Em seguida Einstein trouxe outra incógnita mostrando que a luz pode ser tanto partícula (fóton) quanto uma onda, dependendo apenas de como decidimos tê-la. Caso a coloquemos em uma câmara de condensação a luz se torna matéria (fóton) e quando acendemos a lâmpada do quarto ela é onda. Assim como Bohr observou que o comportamento dos elétrons no átomo da luz se estendia para os outros átomos, De Broglie também conseguiu provar que todos os átomos podem ser matéria ou onda e, mais uma vez, a escolha do homem é que determina a formação da natureza.

Complexos experimentos científicos à parte, o fato é que o início do século XXI nos traz um mundo de infinitas possibilidades a ser explorado. Um mundo no qual, cada vez mais poderemos perceber a interferência da consciência humana em sua construção. Um mundo que dependerá apenas das nossas escolhas para que seja luz ou escuridão para sempre…

físicos

Foto de 1927 no quinto congresso Solvay de Física, realizado em Bruxelas:

[1] – Max Planck – Nobel de 1918; [2] – Albert Einstein – Nobel de 1921; [3] – Niels Bohr – Nobel de 1922; [4] – Erwin Schrödinger – Nobel de 1933; [5] – Louis de Broglie – Nobel de 1929; [6] – Wolfgang Pauli – Nobel de 1945; [7] – Werner Heisenberg – Nobel de 1932; [8] – Paul Dirac – Nobel de 1933; [9] – Max Born – Nobel de 1954.


Compartilhar: Compartilhar no http://WhatsAppCompartilhar no http://FacebookCompartilhar no http://Twitter

Daniel De Nardi>

Daniel De Nardi

Sou Professor de Yoga há mais de 25 anos certificado pelo Yoga Alliance E-RYT 500, reconhecida como uma marca registrada de treinamento de Yoga de alta qualidade, seguro, acessível e equitativo. Também sou o fundador do YogIN App Escola de Yoga Online que se divide em: YogIN App Studio - Aulas de Yoga Online YogIN App Academy - Cursos de Yoga Online Tenho interesse no estudo do Yoga e das raízes dessa Filosofia Milenar. Sou autor dos livros: Asana: Posturas do Yoga Como o Conhecimento Liberta do Sofrimento Sámkhya: Ancestral Filosofia Moderna O Yoga do Autoconhecimento As origens do Yoga e da Meditação Pra que Meditar? Como Funciona a Meditação O Yoga e o Stress Produzo a série de podcasts "Reflexões de um YogIN Contemporâneo" do YogIN Cast, o canal de podcasts de Yoga mais acessado do Brasil. Instagram: @reflexoesdeumyogin

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados

Técnicas Sexuais do Hatha Yoga
Filosofia do Yoga | 25 mar 2022 | Equipe YogIN App
Técnicas Sexuais do Hatha Yoga

Técnicas Sexuais do Hatha Yoga Há muita asssociação do Tantra com técnicas sexuais, mas será que isso é verdade ou distroção? Entenda neste vídeo!   https://youtu.be/qS0Ej3_0gbc  

Uma visão científica das Energias do Yoga
Teoria do Yoga | 24 mar 2022 | Equipe YogIN App
Uma visão Científica das Energias do Yoga

Uma visão científica das Energias do Yoga Uma visão científica das Energias do Yoga. Para a Ciência somente as energias que podem ser medidas existem. Nesse sentido, entenda como as energias do Yoga podem ser explicadas de forma racional. Entenda nesse vídeo https://youtu.be/IevwOtz8W78

Swásthya Yoga é o Yoga mais Antigo
História do Yoga | 23 mar 2022 | Equipe YogIN App
Swásthya Yoga é o Yoga mais Antigo

Swásthya Yoga é o Yoga mais Antigo Swasthya Yoga é uma linha que mistura um monte de misticismo com técnicas do Shivananda Ashram. O Swasthya foi criado pelo Derose no Brasil depois de viajar à Índia Até aí tudo bem, novos sistemas de Yoga são criados todos os dias em todas as partes do mundo. O que não dá para aceitar é que o derose diga que teve a revelação do Yoga mais antigo que existe, um yoga pre-vedico, que somente ele teve acesso. Neste vídeo explicamos como essa é uma mentira que hoje em dia só engana as pessoas que não tem paciência para fazer uma mínima pesquisa na internet.   https://youtu.be/kt1QOjgZ8XQ

YogAteu, Vantagens de Ensinar um Yoga
YogAteu | 22 mar 2022 | Daniel De Nardi
YogAteu, Vantagens de Ensinar um Yoga sem DOGMAS e sem MISTICISMO

YogAteu, Vantagens de Ensinar um Yoga sem DOGMAS e sem MISTICISMO Nesta live vamos entender as vantagens de ensinar o YogAteu, a linha de Yoga criada por Daniel de Nardi, sem DOGMAS e MISTICISMOS. Essa metodologia é o resultado de mais de 10.000 HORAS de PESQUISA sobre o CORPO e MENTE e 25 anos pesquisando e ensinando Yoga todos os dias. Professor de Yoga há mais de 25 anos, certificado pelo Yoga Alliance E-RYT 500H, reconhecida como uma marca registrada de treinamento de Yoga de alta qualidade, seguro, acessível e equitativo.   https://youtu.be/jLusX6EGQtc   Fundador do YogIN App® Escola de Yoga Online, que existe desde 2015. Divide em: YogIN App Studio - Aulas de Yoga Online YogIN App Academy - Cursos de Yoga Online Estamos com uma promoção somente até 31/03/22 para você fazer parte do YogIN App: Para se tornar aluno do YogIN Studio e praticar aula de yoga ao vivo e gravadas com 40% de desconto, clique no link abaixo: https://bit.ly/3CSrVKl Para se tornar Professor(a) de Yoga sob a chancela da maior Formação em Yoga do Brasil com 30% de desconto, clique no link abaixo: https://bit.ly/3Inxi5v