Blog

Yoga para iniciantes


Satya, A Verdade
Filosofia do Yoga | 14 fev 2020 | Daniel De Nardi

Satya, um valor yogin – Podcast #28

Satya, um valor yogin - Podcast #28 A verdade é busca primordial dentro da cultura indiana, não é a toa que no brazão da índia está escrito \"A Verdade triunfará no final.\" Satyameva jayate! https://soundcloud.com/yogin-cast/satya-um-valor-yogin-podcast-28 LINKS Curso de Especialização para Professores de Yoga -   https://yoginapp.com/curso/especializacao-em-yoga-curso-para-professores-de-yoga   Documentário Callas que passou no GNT -\'Callas\' no GNT: documentário imperdível - Patrícia Kogut, O Globo https://t.co/W2avw9SgE7 via @PatriciaKogut — Daniel De Nardi (@danieldenardi) August 10, 2017   Documentário - Maria Callas, Life and Art      Playlist da Série Reflexões de um YogIN Contemporâneo   https://open.spotify.com/user/yoginapp/playlist/2YCabHrhxWDjZAYxdVwusa       Transcrição do Podcast #28   Satya, Um Valor Yogin – Podcast #28 Olá, meu nome é Daniel De Nardi. Você está ouvindo Maria Callas cantando uma ópera de Puccini. Estamos começando o 28º episódio de “Reflexões de um YogIN Contemporâneo”. Nesse final de semana nós gravamos, como eu falei no podcast passado, o curso de especialização para professores de yoga. Então será um curso voltado para aqueles que já fizeram alguma formação, seja no YogIN App ou em uma formação presencial em algum lugar. O curso é voltado para quem já está dando aula ou para quem já fez a formação e tem interesse em dar aula. Foi um curso muito especial, com conteúdo muito rico. Nós começamos com a Renata Mozzini, ela trabalhou com a questão de como montar uma aula de acordo com aquilo que você gosta, ou que o seu aluno precisa, depois a Bianca Vitta falou muito sobre as correções, do toque, o ajustamento perfeito e a adequação da prática para os diferente níveis de dificuldade dos alunos, e a Sá Souza filmou especialmente sobre yoga pra gestantes, como proceder quando uma aluna gestante estiver em aula, embora isso pareça simples e tenha algum tipo de orientação nos cursos de formação, ela falou mais de três horas coisas extremamente interessantes. Então, valeu muito a pena, eu mesmo aprendi bastante, e os próximos cursos estão sendo gravados, vamos montar com seis professores, vai ficar muito bom para aqueles que estão na jornada como professor de yoga. O assunto de hoje do podcast é Satya, que é a verdade. A verdade é um valor muito importante, muito precioso para os yôgins porque a Índia, como um todo, ao longo da sua história, sempre fez uma busca pela verdade. Nos textos indianos é muito mais uma busca pela verdade do que um discernimento entre o bem e o mal, a verdade é aquilo que se busca. A verdade na expressão de si mesmo e como uma coerência existencial. O brasão da Índia tem a frase “Satyameva jayatê”, da Mundaka Upanishad, que significa “no final a verdade triunfará”, porque se você constrói algo em cima da mentira, aquilo se desmancha. Só a verdade que se sustenta, então efetivamente o que nós somos é uma verdade, porque o que a gente realmente é fica e é aquilo que a gente tem que manifestar mais, então é muito importante, dentro do processo do yoga, a gente fazer esse trabalho e esse questionamento interno, se estamos realmente sendo coerentes, verdadeiros. Essa coerência é muito importante para o estilo de vida de um yôgin, entre aquilo que sente, que percebe, aquilo que pensa e aquilo que efetivamente age. Existe um episódio clássico da vida de Gandhi, em que ele foi dar uma conferência no Parlamento inglês, e ele acabou colocando tudo aquilo que realmente acreditava, que a colonização não estava sendo boa para a Índia, falou num certo assim, um pouco agressivo, de forma a desconcertar muitos dos parlamentares, o discurso durou cerca de duas horas. Ao final os repórteres que o viram discursando perguntaram ao assessor de Gandhi como ele discursou durante duas horas sem ter nenhuma anotação como apoio e consulta, o assessor respondeu que quem necessita de papéis para verificar as anotações eram eles, incluindo a si mesmo, que estavam acostumados a falar uma coisa e sentir outra. Como Gandhi buscava uma vida de coerência, claro que como ser humano certamente tinha os seus defeitos, mas ele tinha essa busca pela verdade, pela coerência, então ele não precisava, segundo o assessor, consultar alguma referência. O que ele falava era o que estava sentindo e pensando, e ele manifestava aquilo através da voz. Isso é muito interessante porque é uma demonstração de espontaneidade, de algo verdadeiro. E o Satya e Sat tem o mesmo prefixo que é o de existir, então a verdade é o que existe. Algumas coisas que a gente pode observar, que pode nos ajudar nessa busca de coerência, nesse trabalho de coerência vão muito do cumprimento de contratos, sejam internos, aqueles que você faz consigo ou de externos, com outras pessoas. Não existe muito uma dissociação, então cumprimentos de contrato, quaisquer forem. Essas duas habilidades andam lado a lado, uma vez que você cumpre o que diz a si mesmo, acaba tendendo a cumprir com outras pessoas. Daí você me diz “ah, eu vou ficar muito quadrado, nunca vou poder mudar de planos”. Claro que mudar de planos é sempre necessário, devemos estar abertos para o erro, mas o ponto é que se você não cumpre a sua palavra começa a perder uma força interna, uma força mental de execução. Quando você cumpre o que diz, vai criando uma confiança que aumenta à medida que você cria projetos mais elaborados. Se não cumpre o que diz para si, pode achar normal também não cumprir para com as outras pessoas e isso vai enfraquecendo a sua capacidade de realização e, até mesmo, a sua coerência interna porque sente que deve fazer algo, diz, pensa e age de forma coerente, agora sentir e não fazer por preguiça e em outro momento não fazer também vai criando um nível de incoerência a ponto de que a mentira sempre revela esta incoerência. Um pouco de mentira faz parte da vida, não tem como a gente viver em uma sociedade sendo cem por cento sincero, mas o ponto aqui, o que vale mesmo é o que se faz consistentemente na vida, se você tem uma coerência na sua existência, uma coerência de constância, isso traz espontaneidade. Não criando papéis para interpretar, simplesmente manifestando aquilo que efetivamente é você. Essa coerência vem com essas coisas aparentemente que não tem uma relação como esse cumprimento de verdades nas suas palavras ou atitudes. E esse tipo de treinamento, de cumprir as coisas, precisa ser pensado antes de se fechar o acordo. Por exemplo, se combina algo com alguém, mas no ato não está muito afim, inventa uma desculpa e não vai, isso vai criando uma aceitação da mentira. Quando decide ter tarefas é importante ter certeza se elas tem real sentido para você e se vai consegui entregá-las, porque se não, não se comprometa, é melhor assim do que no final não dar um resultado prometido. Ao fazer uma meditação, por exemplo, pode-se treinar isso, ao fazer uma meditação de dez minutos, que é um tempo muito bom (meditação de dez a quinze minutos tem um tempo excelente, o recomendado), mas aí em cinco minutos após começar já se começa a reclamar e mais dois minutos depois você para. É uma quebra de contrato, houve o comprometimento em se fazer com dez. Ou se faz uma meditação de cinco minutos ou não se faz, porque cumprir com o que se determinou, é parte do processo meditativo. A mente sempre vai dizer o que é mais importante no momento da meditação, ela vai tentar desviar do que é prioridade. “Ah, então eu vou ficar sempre em cinco minutos?” não, eventualmente você vai ter que se desafiar, sair da zona de conforto, perceber que faz sentido sair dela e, então, vai passar dos cinco para os dez. Mas o dia em que se decidir fazer dez ou quinze, precisa cumprir com o prometido, no dia seguinte você pode até recuar, mas precisa cumprir o que determina, isso vai criando um poder interno, crescente, porque a cada contrato cumprindo se ganha uma confiança interna, e se cumpre um contrato com uma pessoa também se ganha confiança e mais crédito com ela. A confiança, que é baseada na verdade, cresce e nos dá mais poder de realização e de manifestação da nossa espontaneidade. Então o que eu queria falar hoje é sobre o Satya que é esse yama muito importante, um dos conceitos éticos do yoga. Hoje escolhi uma ópera, apenas no episódio quatro que coloquei uma – A Flauta Mágica –, e hoje trouxe uma de Puccini que é o compositor de ópera...acho que ele e o Verdi são os mais populares, inclusive essa que você vai ouvir agora, Madame Butterfly, uma das óperas mais populares que já foi escrita. Para quem não sabe, o Japão, no final do século XIX e início do XX, era um país extremamente fechado, não tinha abertura para nenhum país próximo e muito menos para o ocidente, esse processo foi começando aos poucos, mas o que aconteceu foi que os EUA começou a fazer investigações no Japão, levar militares para lá, que tiveram casos com muitas japonesas deixando-as por lá, depois. A história de Madame Butterfly é contada neste contexto, final do século XIX, um militar americano chega ao Japão, compra uma terra e ganha uma gueixa, uma menina de dezesseis anos, e promete casar com ela. O amigo dele, cônsul do Japão, alerta ele de que será muito difícil para ela, ele a fará sofre demais, ele não dá muita bola, mas vai embora dos EUA e diz que vai voltar. A menina fica a sua espera, recebe um pedido de casamento de um outro home, mas não aceita e todos ficam tentando alertá-la de que ela vive uma via ilusória, ela não acredita. Um dia ele volta, porém com a esposa americana, a Butterfly, a gueixa, havia tido um filho dele e leva o menino para uma casa e acaba se suicidando na frente dele. O Japão tem um alto incide de suicídio, muitos causados pela verdade, pela honra. Quando ela se suicida, retira do baú um punhal, que e o pai dela havia cometido um seu, conhecido como haraquiri, um suicídio, um ritual de suicídio. No punhal estava escrito: com honra morre aquele que não mais com honra pode viver. A verdade fere esta ideia antiga, mais do que a vida. Vocês vão ficar com Maria Callas, que foi uma das maiores cantoras de ópera de todos os tempos. Passou um série sobre ela no canal GNT, chamado Callas, quem puder ir atrás, no site da Net pode-se acessar programas antigos, vou deixar um link com a reportagem sobre esse documentário. Maria Callas a vida inteira cantou a ópera, e no fim, quis viver aqueles dramas todos. Teve um relacionamento com Onassis, largou o marido dela para viver com ele, porém este era uma galanteador, ele estava mais preocupado em fazer fama e ela era uma das mulheres mais desejadas no mundo todo, na época e ele a abandonou, fazendo com que ela viesse um final de vida sofrido. Tem um filme sobre Maria Callas que concorreu ao Oscar alguns anos atrás, focando, principalmente no final de vida dela, quando a voz dela começou a falhar e após os problemas amorosos sofreu muito, após o término com Onassis entrou em depressão. Uma das vozes mais lindas da ópera, das mais conhecidas, equivale ao nosso tempo o que é Luciano Pavarotti, com vocês um trecho de Madame Butterfly cantado por Maria Callas. Até o próximo Podcast.    

Dicas de Yoga | 6 set 2019 | Fernanda Magalhães

Alguns Alinhamentos para seu Cachorro Olhando para Baixo

Alinhamentos Cachorro Olhando para Baixo. Quem não conhece o cachorro olhando para baixo?  A postura de Yoga mais conhecida no mundo é muito utilizada como transição entre posturas, sendo inclusive, parte da famosa saudação ao sol (surya namaskar). Ao mesmo tempo que serve de descanso em práticas vigorosas, ela é utilizada também como  postura para fortalecimento de braços, pernas e troncos. O nome vem do sânscrito adhas, que significa \"baixo\", mukha, que significa \"rosto\", svana, que significa \"cachorro\" e asana, que significa \"postura\". O nome descreve a ação feita pelos cachorros para se espreguiçar descendo o peito ao chão com o quadril para o alto, o que se assemelha muito à estética desta postura de Yoga.  Com tanta naturalidade do movimento realizado pelos cães, pode parecer que entrar em adho mukha svanasana é simplesmente subir o quadril e deixar as mão e pés no chão partindo de uma posição de quatro apoios, mas a postura exige uma grande ativação do corpo por inteiro necessitando de alinhamentos sutis em todas as partes.     Para não negligenciar mais esta postura que é repetida diversas vezes em práticas de fluxo, traremos a consciência para os pontos principais a serem observados durante a execução. Começamos a destrinchar os detalhes de alinhamento observando o tal do cachorro se espreguiçando. Podemos perceber que o cão leva o peito ao chão durante o movimento. Não devemos imitar literalmente este movimento ao entrar em adho mukha, permanecendo com as costas retas, o que pode ser um desafio para os mais flexíveis. Uma movimentação das escápulas ajuda a proteger a superexposição do peito. Costumo dizer que devemos girar as axilas em direção ao rosto, direcionando os cotovelos para trás, sem alterar a posição das mãos no chão. Dedo do meio permanece apontando para a frente. Esse movimento encaixa as escápulas “para fora e para baixo” criando espaço entre os ombros para o relaxamento do pescoço. Ao mesmo tempo, para os menos flexíveis, o esforço é o contrário, pois as costas tendem a arquear para fora, como se desenhasse uma corcunda. Se seus isquiotibiais estão rígidos ainda, dobre os joelhos, mas mantenha a coluna alongada e alinhada. Não se apresse em chegar com os calcanhares no chão, aqui é mais importante direcionar os ísquios para cima e sustentar o espaço da coluna. Acredito que posição e ativação das mãos no chão tem um enorme impacto no sucesso desse alinhamento. É a partir delas que seu corpo vai ser “empurrado” para a postura. Assim como os pés funcionam como base das posturas de pé, as mãos são as impulsionadoras do cachorro olhando para baixo.  Mantenha as mãos sempre abertas com seus dedos bem afastados entre eles com o dedo do meio direcionado para a frente. Sinta a conexão com o solo mantendo todas as partes da mão tocando o chão e bem ativas. Existe uma tendência de elevar a parte localizada entre o indicador e o dedão. Resista a esta tentação empurrando a almofada dos indicadores contra o chão. São as partes em contato com o solo que mais vão ajudar na fundação sólida da postura. Lembre-se de trazer essa energia do solo através das suas mãos até seus braços esticando-os mas mantendo a posição das escápulas conforme descrito anteriormente. Os braços estão na largura dos ombros. A energia flui do contato das mãos com o solo passando pelo seu corpo e chegando aos ísquios, em direção ao céu. E então relaxe a tensão do pescoço e deixe sua cabeça pendurar naturalmente entre os braços. A ideia é realizar um “V” invertido com seu corpo levando essa energia das mãos em contato com o solo para os calcanhares no chão, mas não sem antes atingir seu ápice nos ísquios.      E por falar em calcanhar, se estiver vendo grande parte deles ao soltar a cabeça, talvez seja necessário afastá-los partindo de um giro de rotação interna das coxas desde a cabeça do fêmur no encaixe do quadril. Aqui, é como se você quisesse deixar a lateral externa dos seus pés bem paralelas à linha lateral do seu tapetinho. Por último e não menos importante, utilizar a ativação de uddiyana bandha ajuda na subida desta energia sustentando os ísquios na direção correta. Tente colar seu umbigo nas costas a cada inspiração ativando bem a musculatura frontal das coxas. Adho Mukha Svanasana ajuda na digestão, alivia dores de cabeça, insônia, dores nas costas e cansaço e combate pressão alta, asma, ciática e sinusite. Também é conhecida por ajudar a aliviar os sintomas da menopausa e o desconforto menstrual. É uma ótima postura para aumentar o sistema imunológico. Além desta série de benefícios físicos, acredita-se que acalma a mente, mas energiza e rejuvenesce o corpo aumentando a circulação sanguínea nos órgãos do tronco e na cabeça. E assim, fazemos como os cães, espreguiçamos e acordamos o corpo, alongando e energizando-o. O que você está esperando para energizar seu cachorro olhando para baixo? Pratique! Namaste!   new RDStationForms(\'e-book-o-yoga-do-autoconhecimento-31f024e0c3c56e215246-html\', \'UA-68279709-2\').createForm();

o yoga não vai parar
Filosofia do Yoga | 29 ago 2019 | Mayara Beckhauser

Qual melhor horário para praticar Yoga? Yoga Falado #26

Conheça o Brahma Muhurta, o horário dos yogins     No geral, o melhor horário para praticar Yoga é de manhã e no final de tarde. É importante saber que uma prática feita pela manhã deve ser diferente de uma prática feita a noite. Uma prática feita pela manhã pode ser mais ativa com āsānās, posturas, mais energizantes e uma prática completa. Por exemplo, flexões da coluna para trás são posturas expansivas que podem ser colocadas à vontade em uma prática matinal. Saudação ao Sol aquece o corpo e também deve ser colocada em uma prática matinal. Posturas de equilíbrio trazem enraizamento, aumentando a concentração. Torções estimulam o funcionamento dos órgãos da cavidade abdominal. De manhã podem ser colocadas com udhyana bandha para estimular o fogo digestivo, agni, e ajudar na desintoxicação do corpo; à noite devem ser inseridas para alongar as costas e relaxar ombros e pescoço. Posturas para frente acalmam e relaxam e devem ser colocadas em uma prática noturna ou quando quer desacelerar.   Invertidas A noite o ideal é um aquietamento, evitar kirtans batendo palmas, retroflexões em excesso, evitar invertidas intensas e longas. Ficar mais tempo nas posturas, acalmando a respiração também é indicado. Sempre termine a prática de āsānās em savasana, não importando o horário em que ela foi feita.     Brahma Muhurta Existe um período chamado Brahma muhurta, ou horário de Brahma, que consiste no período (muhurta) 1 hora e 36 minutos (96 minutos = 2 muhurtas) antes do nascer do sol. Por exemplo, se o Sol nascer às 6 da manhã, o período de Brahma muhurta é 4:24. Esse horário de Brahma, horário do Criador, é o horário mais auspicioso para prática de yoga e meditação.   Os horários dos doshas Para o Ayurveda, medicina védica, nós temos três doshas que constituem nosso físico: Vata (ar e éter), Pitta (fogo e água) e Kapha (terra e água). Durante o dia esse elementos aumentam e diminuem no nosso corpo. Do nascer do Sol até 10:00 da manhã é o período de Kapha; das 10:00 às 14:00 é o período de Pitta; das 14:00 até 18:00 é o período de Vata. No final do dia esse ciclo segue a mesma ordem, das 18h às 22h é o período de Kapha, das 22h às 2h da madrugada período de Pitta, e das 2:00 às 6:00 período de Vata. Dessa forma, o Brahma Muhurta acontece durante o período de Vata. O importante é praticar, a hora que der. Nem que sejam nossas aulas de 15 minutos da plataforma. Gravei dois rituais matinais também de 5 minutos, para alongar, espreguiçar, respirar, meditar e começar o dia com sankalpa (afirmações) positivas. Tempo não é desculpa para não praticar com o YogIN App, pois você faz de casa e a hora que melhor se encaixar no seu dia. new RDStationForms(\'newsletter-yogin-formulario-1c3fb174b015350a9cd5-html\', \'UA-68279709-2\').createForm();

yoga falado
Podcast de Yoga | 25 abr 2019 | Fer Degilio

Como o Yoga pode transformar a sua vida, a sua energia  (parte II) – Yoga Falado #12

Como o Yoga pode transformar a sua vida, a sua energia  (parte II) - Yoga Falado #12   Você sabia que o Yoga pode transformar a sua vida muito além dos aspectos físicos?   Vamos considerar que o físico seja tudo o que é matéria (o corpo, a natureza…), o que pode ser observado com os 5 sentidos.   No texto anterior (se não leu, volta no Blog para ler) focamos no corpo físico e hoje vamos falar sobre o que os 5 sentidos não conseguem perceber: A energia!!!   Isso não tem relação com crença, misticismo ou religião. Energia é Física pura, é Ciência… hoje as pesquisas de física quântica por exemplo buscam esclarecer como a energia se comporta…  o que vibra dentro de cada átomo é energia… a junção de vários átomos dará origem a matéria!   Claro que eu descobri isso antes do Yoga entrar no meu cotidiano, mas estudando e me aprofundando nessa filosofia comecei a associar essa informação a todos os aspectos da vida, da minha e da vida que vive fora de mim. new RDStationForms(\'e-book-yamas-e-niyamas-1f965e8db29fe9c4625b-html\', \'UA-68279709-2\').createForm();     A energia no Yoga é chamada de Prana. Os chineses chamam essa energia de Qi ou Chi. Prana é a energia que permeia o Universo. A energia primordial que dá origem a todas as formas de energia que conhecemos: elétrica, magnética, sonora, mecânica…. E para algo existir, o que quer que seja, é necessário energia.  . Assim, vamos parar e refletir um pouquinho sobre isso!   Tudo o que podemos observar, tudo o que identificamos e percebemos… vamos começar pelo o que podemos ver e tocar no mundo externo: é constituído de átomos, uma junção de átomos formam a matéria e cada átomo é formado de pura energia (partículas positivas - prótons, negativas - elétrons e neutras - nêutrons).   Vamos agora ao que não podemos ver ou tocar, mas podemos sentir ou perceber: como nossas emoções e pensamentos… Pensamentos são ondas de energia neuronal geradas no encéfalo (ou seja, potenciais elétricos que caminham entre os neurônios - as células que formam o Sistema Nervoso, que por sua controla todas as funções do nosso corpo).   Cada pensamento (energia elétrica nos neurônios), desencadeia uma emoção, que por sua vez evidencia um sentimento (emoção e sentimentos são energias mais sutis) e esse sentimento muitas vezes direciona o agir.   Concluímos o que com isso?   Que Absolutamente TUDO nessa existência é energia!   Inclusive o que pensamos e sentimos!   O Prana é o que alimenta o nossos corpos mais sutís, o corpo energético por exemplo: formado de canais que conduzem o fluxo energético (semelhantes às artérias e veias do corpo físico denso) e também de centros de energia, chamados chakras.   Temos muitos chakras espalhados pelo corpo, mas os principais estão localizados ao longo da coluna vertebral, da base dela até o topo da cabeça e cada um deles tem uma função e relação com os nossos aspectos comportamentais. Isso significa que é muito importante que eles estejam muito bem nutridos de energia para que seu funcionamento esteja adequado. Quando isso acontece, conseguimos nos manter equilibrados mental e emocionalmente e principalmente em paz conosco, com a vida, confiantes e sensatos.   Então, como manter os chakras com a energia ideal?   A resposta não é simples, porque como sabemos que tudo é energia e a energia responde a todos os estímulos que recebe, tanto estímulos similares, quantos estímulos opostos….são múltiplos e até por que não dizer, uma infinidade de fatores que vão interferir na qualidade e quantidade de energia que estamos absorvendo e acumulando.   Mas vamos falar aqui de alguns principais: o que comemos o que pensamos o que sentimos o que falamos os nossos hábitos Tudo isso, influencia a nossa energia!   Se a nossa qualidade de vida, do que comemos, pensamos, sentimos, falamos não for boa, igual será a energia que nos habita.   Ainda bem que o contrário é verdadeiro, não é mesmo?   Com o Yoga aprendi uma prática incrível que eleva o nível de energia boa do meu corpo, da minha mente, do meu coração. Essa prática é chamada de sadhana. Praticá-la constantemente limpa o corpo e favorece o fluxo livre de energia nos chakras.   Com o Yoga aprendi que o que coloco dentro do meu corpo pela alimentação vai alterar (positiva ou negativamente) o padrão harmônico de energia que busco cultivar. Esse foi um dos motivos (houveram outros) pelos quais decidi me tornar vegetariana: a energia de morte e sofrimento impregnada na carne de qualquer animal que percebe, sente e sofre no momento da morte, é uma energia que não desejo ter em mim.   Quando decidi estudar o Yoga com seriedade, nos cursos de formação, aprendi a função de cada chakra e como usar o Yoga para mantê-los em equilíbrio. Assim, comecei a perceber quando algum deles está desequilibrado e usar os recursos dessa filosofia em benefício próprio nas minhas práticas pessoais.   A partir de hoje, comece a prestar mais atenção à energia que te rodeia e a sua própria energia.   Comece a perceber o que te deixa com a energia mais leve.   Observe por exemplo, qual alimento e qual situação que te deixa bem e qual te deixa mal.   Observe a qualidade da sua energia antes e depois de uma prática de Yoga. E pratique. Pratique muito!   Cultive bons pensamentos, bons sentimentos, tenha boas ações e consuma alimentos mais saudáveis. É assim que o Yoga transforma a minha vida todos os dias!   Namastê   Entre para nossa lista de transmissão de Whatsapp e receba conteúdo gratuito sobre Yoga clicando abaixo:     Ouça também via:    

Dicas de Yoga | 24 nov 2018 | Daniel De Nardi

YOGA PARA INICIANTES – 6 DICAS PARA COMEÇAR

Yoga para iniciantes - 6 dicas para começar já! O começo de qualquer atividade é sempre um pouco estranho. Não conhecemos o meio em que vamos pisar, seus trejeitos particulares ou gestos ocultos. Mas também é sempre a possibilidade de novas descobertas, de outras aventuras e experiências. No final, conhecer algo novo sempre vale a pena, mesmo que seja apenas uma vez, mesmo que seja só pelo novo aprendizado. Iniciar a prática de Yoga é começar a entender um universo de conhecimento que vem crescendo por mais de cinco mil anos. É como acessar um site que vem sendo alimentado por usuários do mundo todo ao longo de séculos. Claro que você não fará o acesso todo de uma vez. Sun Tzu, autor de A arte da Guerra, falava sobre os cuidados que os guerreiros devem ter sempre que pisam em território desconhecido. É preciso ir aos pouco, mas neste caso o começo é bastante simples.   DESEJA SABER O QUE É O YOGA?   Qual melhor tipo de Yoga BLOG from YogIN App on YouTube. INVISTA EM UM BOM MAT Você já deve ter visto as pessoas andando de lá para cá com seus tapetinhos enrolados nas costas. Pois bem, o mat representa para o yogin o mesmo que uma bicicleta para um ciclista - o local onde ele vai viver suas alegrias daquela atividade. Com um tempo geramos uma relação afetiva com o objeto. Um bom mat ajudará muito na sua experiência, é um dinheiro bem gasto que vale a pena o investimento.   ENCONTRE UM LUGAR AGRADÁVEL A medida que você aprimora sua capacidade de foco e abstração dos sentidos, o local passa a ter menos importância, entretanto, especialmente para o iniciante, é essencial que o local de prática seja arejado, iluminado, de preferência pelo sol, limpo e quieto. Nas primeiras práticas, você precisará deste “isolamento” para poder prestar mais atenção no seu corpo, respiração e sensações. Quanto menos dispersão fora, mais experiências dentro.   DESLIGUE O CELULAR Mesmo que você vá usá-lo para colocar as músicas da aula, mantenha-o no modo avião. O Yoga acontece da pele para dentro. É preciso esquecer um pouco o turbilhão de coisas que estão acontecendo lá fora para se dedicar ao que acontece dentro. Deixe as dispersões para depois da prática, você terá muito tempo para elas.   new RDStationForms(\'e-book-yamas-e-niyamas-1f965e8db29fe9c4625b-html\', \'UA-68279709-2\').createForm();     VIVA NO PRESENTE Essa dica pode parecer um pouco clichê, mas não há nada tão importante para a qualidade da prática do que você estar com 100% da sua consciência no momento em que executa alguma técnica. Os efeitos do Yoga muitas vezes são sutis, sensações que nos ensinam sobre nós mesmos, e se você estiver pensando em outra coisa no momento em que essas sensações vierem à tona, elas escaparão como uma mão tentando agarrar o ar.   ESCUTE SEU CORPO Um dos objetivos da prática do Yoga é ampliar a consciência corporal, então, seria discrepante se o praticante não atentasse para os sinais que o corpo envia. Para o progresso dentro da prática é essencial o constante contato com esses sinais. Vejamos, por exemplo, a evolução dentro de um alongamento. Quando alongamos, o corpo precisa de um tempo, que varia de pessoa para pessoa, para começar a se soltar. Se o praticante não presta atenção nesse tempo, irá forçar o alongamento antes da hora e o corpo irá enrijecer num grau que não haverá força que fará ele evoluir no alongamento. É preciso que se respeite este tempo interno do corpo para cada modificação, desprezar isto é adiar em meses o progresso na prática. Além disso, ouvir o corpo é a garantia evitar qualquer tipo de lesão.     ANOTE SEUS PROGRESSOS Tenha um local onde você possa anotar seus progressos. Pode ser aqueles cadernos de anotação indianos que lembram os Moleskines ou uma página no Drop Box. Fazer anotações dos seus insights durante a prática ou de aspectos puramente físicos como o ponto em que suas mãos tocaram as pernas em determinadas posições possibilitará um acompanhamento mais preciso da sua evolução na prática.   new RDStationForms(\'newsletter-yogin-formulario-1c3fb174b015350a9cd5-html\', \'UA-68279709-2\').createForm();

Dicas de Yoga | 7 abr 2018 | Daniel De Nardi

E-book | As Origens da Meditação e do Yoga

E-book | As Origens da Meditação e do Yoga O livro - As Origens da Meditação e do Yoga retrata como surgiram essas práticas tão importantes nos dias atuais. Para baixar o e-book, basta clicar no botão abaixo. https://youtu.be/XXejJ7cyzvc VEJA AQUI - Curso de Formação Professores Yoga online   Como Salvar um Ebook - PDF from YogIN App on YouTube.   new RDStationForms(\'newsletter-yogin-formulario-1c3fb174b015350a9cd5-html\', \'UA-68279709-2\').createForm();

Dicas de Yoga | 22 mar 2018 | Mayara Beckhauser

Como a prática de Yoga é benéfica para idosos

Como a prática de Yoga é benéfica para idosos Recebemos essa pergunta de uma senhora de 85 anos na nossa página no Facebook: quais os benefícios do yoga para pessoas mais velhas? Os benefícios do yoga não tem idade. Os yamas e niyamas, por exemplo, preceitos éticos e observância interna (assista o vídeo que explico sobre isso aqui), são construtivos e enriquecedores em qualquer idade; respirar de forma consciente, pacificar o emocional, energizar o corpo fazendo o prana fluir, tudo isso faz bem para qualquer ser humano em todas as fases da vida. Acredito que o receio de idosos praticando yoga seja com relação às posturas. Patañjali define asana como \"sthira sukham asanam\", ou seja, aquilo que é estável e confortável é um asana. Assim, qualquer postura, realizada com consciência, de uma forma estável e confortável constitui um asana. O que pode diferenciar a dificuldade de uma posição para um jovem e um idoso, é que o jovem pode achar desafiador fechar os olhos e mergulhar no tempo, ou ainda meditar, deixar a ansiedade de lado, enquanto para o idoso o desafio maior pode ser a parte corporal. Alguns anos atras, uma certa empresa de seguros organizou uma palestra e convidou professores de Yoga, educação física e médicos. O intuito era que os profissionais ensinassem técnicas para ajudar na prevenção de tombos nos idosos. Tal seguradora se queixava sobre o grande número de pessoas de idade internadas para cirurgia e colocação de prótese da articulação do femur e quadril. Nesta palestra foram listadas uma breve lista de como evitar as quedas: - trabalhando visão e olhos - treinando o equilibrio - exercitando a articulação dos pés, joelhos e quadril - mantendo a coluna vertebral sadia e com flexibilidade Assim, o que mais indico para uma prática de idosos são asanas de equilibrio pois é muito comum quedas nessa fase, e podem ser bastante trágicas. Baseado nessa lista cito algumas técnicas do Yoga benéficas para idosos. new RDStationForms(\'e-book-o-yoga-e-o-stress-ebbbd5c51665ef24833c-html\', \'UA-68279709-2\').createForm();  Drishti O drishti é uma técnica de fixação do olhar, pode ser usado durante as posturas e meditação para aumentar sua concentração trazendo sua atenção para um único ponto. Existem vários drishtis, olhar para ponta do nariz é o Nasagra Drishti.   Como executar: em qualquer posição sentado ou deitado, fixe o olhar para ponta do nariz e fique de 30 segundos a 1 minuto sem piscar enquanto alonga os músculos oculares. Em seguida, faça Brumadhya Drishti. Como executar: olhe para o espaço entre as sobrancelhas, região do terceiro olho da mesma forma, permanecendo de 30 segundos a 1 minutos sem piscar. Benefícios: alongamentos dos músculos óticos, irrigação sanguínea da região, foco do olhar.  Talasana Talasana é a postura do coqueiro. Como executar: Fique de pé, afaste os pés a distância dos quadris. Enlace as mãos e inspire elevando os braços esticados e o mais elevado possível. Procure aos poucos tirar os calcanhares do chão treinando o equíbrio, ou com os pés no chão, feche os olhos. Permaneça o tempo que for confortável. Repita 3 vezes. Benefícios: alongamento das costas, ombros e abdomen, flexibiliza a coluna, trabalha o equilíbrio e beneficia os pulmões. Virabhadrasana 2 Postura do guerreiro. Como executar: Afaste os pés além da distância dos quadris, cuidado para não fazer de meias e nem em um piso derrapante. Inspire e traga os braços na altura dos ombros, vire o pé direito para fora. Expire flexionando a perna direita e olhando para sua mão direita. Permaneça de 20 segundos a 1 minuto. Faça para o lado esquerdo da mesma forma. Benefícios: Fortalecimento dos músculos locomotores, fortalecimento das articulações dos joelhos, flexibilização dos tornozelos e quadris.

Dicas de Yoga | 21 mar 2018 | Mayara Beckhauser

Bhuta Shuddhi – A limpeza periódica do corpo

Bhuta Shuddhi - A limpeza periódica do corpo A limpeza periódica do corpo é uma das características do yogin. O próprio sádhana, prática disciplinada de yoga, é uma forma de limpeza: praticar as posturas é um exemplo de limpeza do corpo, por estimular órgãos de excreção e eliminação, pranayamas e meditação produzem uma limpeza de canais sutis do corpo, meridianos e uma faxina mental, excluindo os pensamentos da mente condicionada. Além disso, no Hatha Yoga tem-se o chamado shat karma, conjunto de seis kriyas clássicos que merece um post especial, só para explica-los, mas comumente ministro alguns deles nas minhas práticas aqui do YogIN App. Esse período que entramos, de mudança de estação, é um período que yogins costumam intensificar suas práticas de limpeza. Bhuta shuddhi é a prática de purificação dos elementos do corpo:  água, ar, terra, fogo e espaço (éter, akasha). Tudo na Natureza é composto por estes elementos, no nosso corpo a composição é de setenta e dois por cento de água, doze por cento terra, seis por cento ar, quatro por cento fogo, e o éter (akasha) seis por cento. new RDStationForms(\'e-book-treinamento-yogin-de-respiracao-bdf2969b9eeaf2b1af79-html\', \'UA-68279709-2\').createForm(); O termo vem do sânscrito, bhuta, que significa \"elemento\"  e shuddhi, que significa \"purificação\". O objetivo da prática é libertar o yogin de sua natureza física e abrir a porta para níveis mais elevados de consciência, de modo que o praticante possa se sutilizar e tornar-se um com Brahman. Praticar  bhuta shuddhi cria mudanças físicas, emocionais e mentais profundas para limpar o corpo, mente e espírito. Algumas referências modernas acabam catalogando bhuta shuddhi como apenas um período de desintoxicação alimentar, o que faz parte do processo de sutilização dos corpos, mas é uma parcela muito pequena da prática. Bhuta shuddhi também não é um kriya. Kriyas são atividades de purificações, como citei acima o conjunto de kriyas clássicos, dos quais o mais conhecido é o nauli kriya. Existem muitas maneiras de praticar bhuta shuddhi, a fim de purificar os elementos. Um método comum é a meditação no bija mantra de cada chakra, no som dos nossos centros de força. Para executar este tipo de bhuta shuddhi , comece com 15 minutos de asanas simples de alongamento que estimulem a coluna e alguns ciclos de  pranayama. Em seguida, continue com 15 minutos de meditação sobre os chakras. Começando com o chakra da raiz indo até o coronário. Temos práticas dos chakras em nossa página de aulas. Meditação nos chakras: Sente-se com as pernas cruzadas e a coluna ereta, feche os olhos e sinta a vibração do seu corpo e de seus pontos de energia. Comece a entoar o som semente de cada chakra da base em direção ao topo da cabeça, como na foto acima. LAM, VAM, RAM, YAM, HAM, OM, silêncio. LAM, VAM, RAM, YAM, HAM, OM, silêncio. Faça por 10 minutos e depois fique 5 minutos em silêncio em meditação em algum chakra específico ou apenas em silêncio, sem pensar, apenas sentindo e mergulhando na pureza de sua essência. Para saber mais sobre limpeza, desintoxicação dos corpos e alimentação para limpar o corpo físico veja o vídeo abaixo.

Dicas de Yoga | 21 mar 2018 | Adri Borges

Quer iniciar sua prática de YOGA – Esse texto é para você!

Quer iniciar sua prática de YOGA - Esse texto é para você! Este texto é para você que pretende iniciar suas práticas de Yoga. Segundo Iyengar, as qualidades exigidas de um praticante de yoga são disciplina, fé, tenacidade e perseverança. As práticas de Yoga devem ser regulares e sem muitas interrupções. O asana ( postura do yoga ) traz firmeza, saúde e leveza aos membros. Eles não são meros exercícios de ginástica, são posturas estáveis e agradáveis (no início pode não ser tanto dependendo da dificuldade de cada um ) confere equilíbrio mental e evita a inconstância da mente. Com a prática, você vai desenvolver agilidade, equilíbrio, resistência, vitalidade, saúde e um estado de completo equilíbrio de corpo, mente e espirito. Através da prática dos asanas você conquistará o Corpo e fará dele um veículo adequado para o espirito. Segundo Iyengar, seu Corpo é um templo que abriga a Centelha Divina. Negligenciar ou negar as necessidades do Corpo e pensar nele como algo não Divino é negligenciar ou negar a vida universal da qual você faz parte. As necessidades do Corpo são as necessidades do espirito divino que vive através do Corpo. O praticante de Yoga não olha para o céu para encontrar Deus, porque sabe que Deus encontra-se em seu interior. Como um vaso de barro que se dissolve na água se não for cozido no forno, o Corpo se degrada rapidamente. Portanto é preciso assar o Corpo no fogo da disciplina do Yoga de modo a fortalece-lo e purifica-lo. Além de exercitar os músculos do Corpo, os asanas atuam nos nervos e glândulas. Eles reduzem a fadiga e acalmam os nervos. new RDStationForms(\'e-book-treinamento-yogin-de-respiracao-bdf2969b9eeaf2b1af79-html\', \'UA-68279709-2\').createForm(); Descrevo abaixo algumas regrinhas do antes, durante e depois da prática. O ideal é que antes de começar sua prática, você esteja com a bexiga vazia assim como tenha evacuado. Quanto menos elementos nos sistemas digestivo e excretor melhor. É preferível praticar o yoga de estomago vazio. Se for difícil, uma xícara de chá ou café, chocolate ou leite pode ser ingerida antes da prática. Caso não exista essa possibilidade experimente praticar sem desconforto uma hora após uma refeição muito leve. Alimentos podem ser ingeridos meia hora depois de terminada a prática. Os asanas são mais fáceis depois de um banho. Após a prática recomenda-se tomar outro banho cerca de 15 minutos mais tarde. Tomar um banho ou uma chuveirada tanto antes quanto depois de sua prática de yoga refresca o corpo e a mente. A melhor hora para praticar é bem cedo pela manhã ou no final da tarde. Pela manhã os asanas oferecem certa dificuldade, pois o corpo está rígido. A mente por outro lado, ainda está fresca, mas sua agilidade e determinação diminuem à medida que o tempo passa. A rigidez do corpo é vencida com a prática regular. A prática matutina ajuda a trabalhar melhor nossa vocação pessoal enquanto a vespertina remove a fadiga do esforço do dia e nos deixa revigorada e calma. Segundo Iyengar, asanas difíceis devem ser feitos pela manhã, quando a determinação é maior. Não pratique asanas depois de se expor muitas horas ao sol quente. Durante a prática não deve haver tensão nos músculos faciais, ouvidos e olhos. A expressão deve ser serena. De preferência carregue aquele leve sorriso nos lábios. Durante a prática de asanas, somente o corpo deve estar ativo, enquanto o cérebro deve permanecer passivo, vigilante e alerta. Se as posturas forem feitas com o cérebro, você não será capaz de perceber seus próprios erros. A respiração deve ser realizada apenas pelas narinas. Não segure o ar ao entrar ou ao permanecer nas posturas. A prática correta dos asanas traz leveza e alegria tanto ao corpo quanto à mente, e um sentimento de unidade de corpo, mente e alma. A prática contínua modifica a atitude do praticante, que passa a disciplinar-se na alimentação, no sexo, no asseio e no caráter e se transforma em uma nova pessoa. Uma vez dominado o asanas ele se torna fácil e sem desconforto. “Ao praticar os asanas, o corpo do aluno assume numerosas formas de vida encontradas na criação- desde o mais baixo inseto até o mais perfeito sábio- e ele compreende que o mesmo Espirito Universal- o Espírito de Deus – respira em cada uma delas. Ele olha para dentro de si enquanto pratica e sente a presença de Deus nos diferentes ásanas que realiza com um sentido de entrega aos pés do Senhor. ” Iyengar “Uma alma sem um corpo é como um pássaro privado de seu poder de voar. ” Iyengar Trechos excluídos do livro Luz sobre o Yoga B.K.S Iyengar Iyengar foi o Embaixador do Yoga no Ocidente. Bellur Krishnamachar Sundararaja Iyengar, mais conhecido como B.K.S. Iyengar, foi o fundador do Iyengar Yoga e foi um dos mais respeitados professores de Yoga no Mundo.

Dicas de Yoga | 12 mar 2018 | Adri Borges

Como o Yoga pode ajudar na sua intuição

Como o Yoga pode ajudar na sua intuição   Você acredita no seu poder de intuição? Sabe como o Yoga pode te ajudar? A princípio, você sabe o que é intuição? Segundo o dicionário intuição é: substantivo feminino 1. faculdade ou ato de perceber, discernir ou pressentir coisas, independentemente de raciocínio ou de análise. 2. forma de conhecimento direta, clara e imediata, capaz de investigar objetos pertencentes ao âmbito intelectual, a uma dimensão metafísica ou à realidade concreta. 3. visão clara e direta de Deus como a que possuem os bem-aventurados.Apesar de sermos Corpo Mente e Espírito, quando nos encontramos em algum momento desafiador ou de stress, a tendência é nos focar em nosso lado racional. Quando focamos nosso lado racional, perdemos nossa conexão com nosso lado criativo, com nossas emoções e consequentemente com nosso poder de intuição. Segundo Bill George,Professor da Harvard Bussiness School, jamais deixaremos nossa intuição fluir se não nos observarmos. Ele ainda completa que todas as decisões são intuitivas. Se não fossem poderíamos procurar no computador e teríamos todas as respostas. Muitas vezes nosso pensamento racional domina a situação. Tomamos nossas decisões baseado na nossa mente consciente. Com o ritmo alucinante das grandes cidades, overdoses diárias de informações e obrigações o tempo se torna escasso. Não há tempo para respirar, silenciar e nos observar. Sem esta observação perdemos nossa conexão e nos fechamos para nossa habilidade de intuir. Sobrecarregamos nossa agenda com inúmeras programações: compromissos sociais e profissionais, atividades físicas, projetos intermináveis e happy hours com pessoas que muitas vezes nem nos lembramos os nomes. Todas essas distrações nós chamamos de entretenimento. E são elas que muitas vezes nos afastam de nós mesmos impedindo-nos de nos observar e deixar a intuição fluir. Mas qual seria a importância da intuição em nossa vida? Segundo o psiquiatra e autor Iain Mac Glchirist, a intuição é a tomada da consciência das coisas sutis que estão fora do foco da atenção. Coisas das quais temos consciência de forma inconsciente. Ele ainda completa que se passamos muito tempo focados na nossa mente consciente não vemos o que deveria ser importante e consequentemente, eliminamos essa informação. O que me surpreendeu nesta entrevista, foi quando ele disse que bem pouco de nosso processo mental é consciente. 95% possivelmente 99% não é nada consciente e agem para nos alertar de coisas que nossa mente não está ciente. São portanto coisas implícitas, coisas sútis. Como o Yoga pode te ajudar a despertar sua intuição? A prática da meditação é uma importante ferramenta para que você possa se observar e trabalhar sua intuição. Que tal experimentar? Permaneça sentado com as pernas cruzadas (postura meditativa). Mantenha seus olhos fechados e sua coluna bem ereta. Repouse suas mãos sob seus joelhos mantendo seus ombros voltados para baixo e para trás. Permaneça com seu queixo paralelo ao solo. Agora apenas inspire e expire. É chegado o momento de você se aquietar. Mantenha sua respiração nasal, lenta, profunda e consciente. Através dela você irá cessar o fluxo de pensamentos permanecendo assim em seu momento presente. Preste atenção em sua respiração estabelecendo assim uma conexão com seu mundo interior. Abstraia-se de ruídos externos temperatura do ambiente e peso do seu corpo. Agora apenas se observe. Sem se julgar e se envolver com seus pensamentos. Apenas observe! Quando entramos em estado meditativo e começamos a nos observar não há lugar para escapar exceto em si mesmo. Quando esta conexão se estabelece você realmente começa a ser você mesmo. Você começa a entrar em contato com o que há de mais verdadeiro, a essência do seu ser. A partir da sua observação você abre as portas para sua intuição fluir. Vamos meditar? Namastê. Adri Borges