Blog

Filosofia do Yoga


Filosofia do Yoga | 6 mar 2021 | Daniel De Nardi

O tapas de Shackleton

O tapas de Shackleton O conceito de tapas (auto-superação) acompanha o Yoga desde de seu surgimento. A auto-superação pode ter infinitas variáveis, mas um único princípio - tirar-nos do conforto, gerar incômodo para que alguma mudança aconteça. Sem incômodo não há mudança. Espera-se pelo dia que bastará tomar um único remédio e poderá comer tudo o que der vontade, sem fazer nenhum esforço físico para manter-se em forma. Ou pelo dia que que tomaremos uma pílula antes de dormir e acordaremos com dezenas de assuntos assimilados e prontos para serem colocarmos em prática. YogIN App - Studio de Yoga OnLine · A Autossuperação (tapas) de Shackleton - Podcast #95   Não duvido que a ciência possa gerar esse tipo de remédio em alguns anos, mas até agora a verdade é clara - se quiser mudar, terá que estressar as áreas importantes. Stress aqui no seu conceito de esticar, ampliar, gerar desconforto para modificações. Se quer emagrecer, ainda terá que ser como sempre foi (ou faça muito exercício ou coma pouco ou os dois juntos) mas você precisa gerar um incômodo, seja por parte da fome ou do desconforto nas pernas. Se quer aprender algo novo, saiba que a primeira reação da sua mente será convencê-lo que não vale a pena, que você está bem e não precisa perder tempo com isso que não vai te levar a nada. Se mesmo assim sua mente não convencê-lo, vai tentar levar sua atenção para coisas mais simples de resolver, como zerar suas notificações na rede social. Ela vai te incomodar. Estudos do cérebro da Universidade de Ohio mostraram que novos aprendizados começam a ser identificados pelo seu cérebro pelas mesmas áreas da dor física. Para o cérebro: mudança = dor Mundo horrível esse da mudança. Mas saber que o processo terá desconforto pode ajudá-lo quando pensar em desistir. Vamos lá! Tem a parte boa também. O desconforto, tanto para aprendizado intelectual quanto para mudanças físicas vai diminuindo com o tempo até se tornar prazer. Quem nunca correu, não consegue imaginar que alguém possa sentir prazer correndo os últimos 2km de uma maratona. Mas garanto que isso é possível, apesar das primeiras experiências da corrida serem torturantes. A minha estréia na corrida, não faz muito tempo, foi em 2005. Eu não era um sedentário, praticava Yoga regularmente e depois de 2o minutos tive que parar de tanto sentir aquela dor que dá do lado da barriga. Pensei \"tudo bem fazer isso pra perder peso, mas acordar pra correr por prazer, impossível.\" Não é apenas com a corrida que isso acontece. Todo novo aprendizado, seja ele físico ou mental, passa por desconforto. Você não lembra da sua primeira experiência com os asanas ou com a meditação. As mudanças começam a se sedimentar quando nesse momento do desconforto, que todas as variáveis apontam para o bom senso da desistência, você diz - não vou tentar mais um pouco. [caption id=\"attachment_16482\" align=\"alignright\" width=\"378\"] Essa é uma das primeiras fotos do meu Instagram. Me emocionei quando vi as fotos originais de Shackleton[/caption] Isso é tapas! Tapas é quando, mesmo consciente do desconforto, você persiste por saber que o que você realmente quer está na frente do desconforto. Tapas pode ser confundido com auto mutilação. Na Índia, há sadhus fazendo as coisas mais esdrúxulas em nome de tapas, como enrolar o pênis numa cabo de ferro para demonstrar o domínio da mente sobre o corpo. Faquirismo não é sinal de uma vida bem vivida. Está muito mais pra exibicionismo que o verdadeiro significado de mudança através da auto-superação. A História, está cheia de exemplos de pessoas que venceram situações tidas como incontornáveis auto-superando-se. Um desses exemplos para mim sempre foi o aventureiro irlandês Ernest Shackleton que teve sua vida descrita em muitos livros. Conheci a vida de Shackleton pelo Amyr Klink. Amy não é apenas o maior aventureiro brasileiro, mas um estudioso e sábio. Ontem, tive a sorte de ouvir esse podcast que conta a história da expedição de Shackleton. A certeza que tudo de ruim é capaz de passar até que se chegue onde se quer é o maior ensinamento da vida de Shackleton. Podemos tudo, só depende de quanto suportamos esse querer. De brinde, abaixo do podcast, Amyr Klink completando tudo o que eu quis dizer até aqui, sem dificuldade, não há mudança. Boas viagens!   https://open.spotify.com/episode/7Hw6D20nXCEytlPEivXDTi https://youtu.be/wFfeolX-Rrg  

Filosofia do Yoga | 28 fev 2021 | Daniel De Nardi

Porta Afora na Índia

Porta Afora na Índia O Fábio Porchat tem um canal no Youtube falando apenas de viagens. Essa semana, ele fez um programa sobre a Índia, achei boa a conversa, embora não fale de temas relacionados ao Yoga mostra bem a visão dos turistas na Índia. Ele também dá ótima dicas de comidas e lugares bonitos para visitar. Confira abaixo!   https://youtu.be/Jmj1ZxTKywU

kumbha mela
Filosofia do Yoga | 24 fev 2021 | Daniel De Nardi

Kumbha Mela – O maior agrupamento de gente da história do planeta Terra

Kumbha Mela - O maior agrupamento de gente da história do planeta Terra Num episódio do #diariodeumYogIN que encontro um casal de monges que mora cuidando de um templo a 300 metros de altura, a monja me falou muito sobre o Kumbha Mela. Agora pesquisando sobre o evento, que ela dizia ser a maior vibração de fé e força que se podia imaginar, achei esse curta metragem que foi campeão do prêmio TPOTY em 2014. A monja falava muito das milhares de tendas de sadhus e do quanto eles tem preferências nos banhos sagrados dos rituais. Esse vídeo é muito diferente da nossa realidade. [embed]https://vimeo.com/114207815[/embed] Se quiser se inscrever no nosso Canal do YouTube com vídeos semanais sobre Yoga, clique abaixo.   new RDStationForms(\'e-book-as-origens-da-meditacao-e-do-yoga-84b39b698136958eda59-html\', \'UA-68279709-2\').createForm();

yoga-e-ironman - podcast 19
Filosofia do Yoga | 15 fev 2021 | Daniel De Nardi

IronMan e Yoga – Podcast #19

Quais as relações entre IronMan e Yoga ? O primeiro livro escrito sobre Yoga, fala de conceitos como a disciplina (abhyasa) e vairagya (desapego, no sentido de abrir mão do que não é importante). Esse podcast apresenta um caso prático desse treinamento com a preparação para uma prova de grande resistência como o IronMan. https://soundcloud.com/yogin-cast/yoga-e-ironman-podcast-19 Links do podcast #19 Carruagens de Fogo, filme completo A Preparação - Podcast #9, fala de Jim Collins, o escritor do livro lido no início do podcast Livro lido no início do podcast Empresas feitas para vencer: Por que algumas empresas alcançam a excelência... e outras não https://t.co/Am3zgDEYnw — Daniel De Nardi (@danieldenardi) June 1, 2017 Podcast com a trilha sonora do cinema, Nino Rota https://yoginapp.com/duvidando-eu-alheio-podcast-17/ Artigo para o Blog do YogIN App, mostrando algo que falo no podcast em que tudo é uma questão para onde você vai canalizar sua atenção Relato do primeiro Ironman, 2014 Textos do meu blog sobre o IronMan PDF Yoga-Sutra, tradução Carlos Eduardo Barbosa Neste texto eu falo sobre a largado do IronMan e a utilização da respiração para diminuir a tensão https://yoginapp.com/yoga-e-ansiedade   Texto sobre o processo meditativo em longos períodos de treinos https://yoginapp.com/esportes-e-meditacao/ 1492 - trilha sonora do filme new RDStationForms(\'newsletter-yogin-formulario-1c3fb174b015350a9cd5-html\', \'UA-68279709-2\').createForm(); Trilha sonora da série Reflexões de um YogIN Contemporâneo https://open.spotify.com/user/yoginapp/playlist/2YCabHrhxWDjZAYxdVwusa https://yoginapp.com/reflexoes-de-um-yogin-contemporaneo-serie-de-podcasts-yoga-pro-seu-dia-dia/   Transcrição do Podcast   Yoga e Ironman #19 “Isso me lembra uma experiência pessoal em minha própria família, que busca uma diferença básica entre a bravata e a compreensão. A minha mulher, Joanne, começou a participar de maratonas e triatlos no início da década de 1980, à medida que acumulava experiência, tempos de trilhas, revezamentos de natação, resultados de corrida, ela começava a sentir o ímpeto do sucesso. Um dia, ela entrou numa corrida com várias das melhores triatletas do mundo e, apesar de um desempenho fraco na natação em que ela saiu da água muitas posições atrás das principais nadadoras, e de ter de empurrar um bicicleta pesada e pouco aerodinâmica na subida de um morro alto, conseguiu cruzar a linha de chegada entre as dez primeiras. Algumas semanas mais tarde, na mesa do café, Joanne desviou o olhar do seu jornal e comentou calma e tranquilamente: ‘acho que eu poderia vencer o Ironman’. O Ironman, o campeonato mundial de triatlos envolve 3800 metros de natação em mar aberto, 180km de ciclismo e tudo isso culminando com uma maratona de 42km na costa de Kona, no Havaí, região quente e galvanizada por lavas. ‘É claro que eu teria de sair do emprego, recusar as propostas de pós-graduação (ela havia sido admitida em pós-graduação em várias das melhores universidades) e me comprometer em tempo integral, mas...’. Suas palavras não denotavam bravata, publicidade, agitação ou pedida de socorro, ela não estava tentando me convencer, ela simplesmente observou que o que havia compreendido era um fato, uma verdade tão chocante quanto afirmar que as paredes estavam pintadas de branco. Ela tinha paixão, tinha a genética e se vencia corridas, tinha o modelo também, a meta de vencer o Ironman fluiu para a compreensão inicial do conceito de porco espinho que apresento agora neste livro. Então, ela decidiu que sim, que iria disputar o Ironman. Deixou o emprego, desistiu da pós-graduação, ela vendeu as fábricas, mas me manteve dentro do barco, e três anos mais tarde, no dia quente de outubro de 1985, ela cruzou a linha de chegado do Ironman do Havaí em primeiro lugar, Campeã Mundial. Joanne decidiu que iria vencer o Ironman, ela não sabia se iria se tornar a melhor triatleta do mundo, mas ela entendeu que podia, que aquilo estava dentro das possibilidades, que ela não estava vivendo uma ilusão. E esta distinção fez toda a diferença. É uma distinção que todos aqueles que desejam transformar algo bom em algo excelente e precisam captar, e aqueles que fracassam no projeto de se tornarem excelentes, em geral, nunca conseguem perceber.” Olá, o meu nome é Daniel De Nardi e estamos começando o 19º episódio de “Reflexões de um YogIN Contemporâneo”. Então eu acabei de ler um livro de um escritor que eu gosto, ele faz pesquisas relacionadas a empresa, mas que são muito aplicáveis a nós seres humanos, porque empresas nada mais são do que grupos organizados com um objetivo em comum. Ele traz muitas reflexões interessantes, o nome dele é Jim Collins (eu também usei um outro livro dele no episódio nove, sobre preparação, que a gente leu e comentou), aqui ele está falando sobre vocação, buscar e batalhar por algo que faz sentido, que é a algo realmente importante pra você. Acabei de voltar de Florianópolis, a minha voz está um pouco rouca, agora está bem melhor, mas na segunda-feira estava bem ruim, fui acompanhar dois amigos meus que participaram da prova do Ironman. Sempre quando eu volto dessa prova ela me traz muitas reflexões porque eu passei por esse processo, fiz o Ironman em 2014/2015. Tem muita gente que me pergunta como cheguei ao Ironman, como eu realizei esse grande projeto. De fato, exige um nível bastante grande de dedicação e de saber que algo é importante, ninguém consegue construir ou fazer um Ironman se não tiver um significado pessoal. Pode até ser exibicionismo, mas aquele exibicionismo precisa ser muito importante para a pessoa a ponto de ela treinar em um nível pesado para se isto, sendo que ela poderia fazer outras coisas que conseguir se exibir mais. Mas, então, é necessário uma questão pessoal envolvida. Acredito que tudo isso vem com o plano das ideias, vem a partir daquilo que a gente consome em termos de conteúdo que vão criando os nossos pensamentos e os nossos pensamentos e as nossas ideias. Essa foi a primeira vez que eu li e comecei a visualizar uma prova de Ironman e vi que poderia ser alcançado por pessoas comuns, porque ela não era uma profissional, era a esposa do escritor que competia, mas que em determinado momento se propôs a ser excelente em algo, fazer algo muito importante, como essa prova. No meu caso também começou no plano das ideias porque eu já ouvia falar quando ele foi para Florianópolis, que foi a família de um amigo meu quem trouxe a competição da Bahia para Florianópolis e, a partir daí ela passou a ser realizada anualmente na cidade. Uma vez eu conversei com o organizador da prova, o Galvão, ele me mostrou uns vídeos, mas era algo muito distante da realidade, algo que eu não conseguia vislumbrar, até sentia vontade pelo desafio, mas não conseguia imaginar. Depois, eu não lembrava mais o contato que tive com o Galvão. Em 2005 eu comecei a correr com um amigo meu que morava comigo na época, que já tinha corrido e me estimulou, fiz alguns amigos, mas não pensava em participar de nenhuma competição, já achava uma maratona algo muito distante, eu me sentia bem correndo 10, 12, 15 quilômetros no máximo. Acabei fazendo a minha primeira maratona em Porto Alegre, em 2010, continuei os meus treinos, e decidi que eu queria fazer um Iron. Então eu consegui completar um Ironman em 2014. Pra mim, o que é mais valioso dessa reflexão é o que o Iron trouxe de fato pra minha vida, o que aquilo construiu em mim. Por que não é totalmente distante, o processo de conseguir terminar um Ironman bem (tem pessoas que se matam, se arrastam a provar inteira o que não é interessante, acho que deve ter uma preparação para fazer o que se tem predisposição, o processo de treinamento é o mais valioso e não terminar a prova em si), não é distante da proposta de Patanjali. Como que funciona o treinamento para realizar uma prova como essa? Como o próprio Jim Collins cita no livro, a prova consiste em 3800 metros de natação, na hora você acaba fazendo mais de quatro quilômetros. 180 quilômetros de bicicleta, para quem conhece Florianópolis é a distância de ir e voltar do aeroporto duas vezes, para quem mora em São Paulo, é a mesma distância de ir e voltar de Maresias e depois, no final há uma corrida de 42 quilômetros. Para construir isso, é necessário uma modificação no corpo para que o corpo resista a longos períodos de exercício sem interrupção, é um processo de transformação, é preciso repetir muito para que o corpo entenda que uma mudança estrutural é necessária. Isso se dá passo a passo. O processo do Ironman ensina isso, que se você quer algo grande, como fazer a prova abaixo de 11 horas, por exemplo, é preciso uma construção diária e não no momento da realização da prova. Acordar a noite praticamente todos os dias da semana pra treinar, treinar durante a semana duas modalidades várias vezes e aos finais de semana treinar de forma prolongada, como aos finais de semana, geralmente, os competidores não trabalham, eles conseguem se dedicar e fazer treinamentos longos. Não pode sair à noite na sexta ou no sábado, porque haverá treinos longos no dia seguinte. Para conseguir isso é preciso ter muito claro o que se quer, saber que terá de abrir mão de muita coisa para conseguir algo maior, algo que escolheu. Isso está escrito no Yoga Sutra, de Patanjali, e agora eu vou citar mais uma vez a tradução do Carlos Eduardo Barbosa, ele fala sobre disciplina, isso é interessante no Ironman, todos tem condições de terminar a prova, tudo é uma questão de decisão pessoal. Claro que uma pessoa que nunca praticou esporte terá mais dificuldade e irá demorar mais, tanto no treinamento ou na prova. Mas é acessível a todos, é uma questão de decisão, dedicação em um ano totalmente focado. Fazendo isso, qualquer pessoa tem acesso, não são todos que chegarão entre os primeiros, não são todos que que irão conseguir uma vaga para o mundial (em Kona), porque está ligado a vocação, mas terminar a prova, que é o principal objetivo, está acessível a todos, o que determina de fato é a disciplina. No terceiro sutra Patanjali fala sobre dois conceitos que são base para o yoga que são Abhyasa e Vairagya. Abhyasa é a disciplina, você repetir algo até atingir a excelência. Vairagya é o desapego, para que saiba o que é importante pra você para que consiga abrir mão do que for irrelevante. Se quer terminar a prova bem é necessário fazer um desapego do que não for importante. Na frase doze Patanjali começa a falar sobre o recolhimento, no caso dele é o recolhimento das atividades da mente para que se encontre a essência, nesse caso do esporte é de se recolher para cumprir o que acha importante. “Seu recolhimento, ou seja o Nirodha, advém da disciplina e do desapego, a disciplina é o esforço em se manter nele”, você escolher e repetir, neste caso ele fala sobre se manter no recolhimento. Então ele fala sobre o processo meditativo, quando você se recolhe, escolher sustentar a atenção, esse é o primeiro conceito que é Abhyasa. Abhyasa e Vairagya são essenciais dentro do processo do yoga. “O desapego é o sinal da vontade perfeita daquele que está indiferente aos objetos já vistos ou dos quais se ouviu falar”, então o desapego é saber o que se quer, saber o que é importante pra si e seguir o rumo porque essa é a vontade. Em decorrência a isso, do desapego, é a indiferença as qualidades matérias nas quais a essência se revela, então quando você abre mão dessas tentações de sentidos, você traz algo muito seu, a sua vontade verdadeira. E, então, você tem um conhecimento intenso que ele chama de Samprajñãta, que surge a partir de suposição, avaliação, sensação de realidade. Então voltando ao texto, o Jim Collins fala que a esposa não quis convencer, dar um discurso, ela simplesmente percebeu que aquilo era importante pra ela, “Suas palavras não denotavam bravata, publicidade, agitação ou pedido de socorro, ela não estava tentando me convencer, ela simplesmente observou que o que havia compreendido era um fato, uma verdade tão chocante quanto afirmar que as paredes estavam pintadas de branco.”, então esse conhecimento intenso, é o 17 de Patanjali, surge a partir de suposição, de avaliação, de sensação de realidade. Então ela não estava viajando num sonho absurdo, ela estava conectada com a realidade e percepção da própria individualidade, conhecendo as limitações e as potencialidades dela ela percebeu que poderia ser campeã. Assim, como no meu caso, eu comecei a construir a partir do momento em que eu vi que no plano das ideias era viável, depois eu fui aumentando a minha carga de treino, em seguida eu percebi que era possível terminar um Ironman, mas pra isso houve todo esse processo de abrir mão daquilo que não era importante pra mim, ou que eu tinha decidido de fato abrir mão, para algo maior. Trazendo para Patanjali, para meditação, é entrar na meditação e saber que todos os pensamentos que vem naquele momentos são estão relacionados aos sentidos e não a essência, se você se ligar a ele vai continuar mantendo a mente no funcionamento dela, não vai trazer algo diferente ou a essência, vai continuar fazendo as conexões já conhecidas. Lembre-se sempre, repetir, sustentar a disciplina ou a Abhyasa e por outro lado é o Vairagya, o desapego do que não for importante. Então, escolha bem os seus objetivos, siga na trilha sempre com Abhyasa e Vairagya. A música é Carruagens de Fogo, que é um filme lindíssimo, todos devem conhecer essa música, mas o filme em si(...) eu vou deixar aqui o trailer do YouTube, é sobre uma competição, a Olimpíadas de Paris de 1924. Ele ganhou o Oscar de melhor filme em 1981 e a música ganhou, também, de melhor trilha sonora. Aqui a gente mais um exemplo assim como vimos no episódio 17, que é o Nino Rota que compõe para o cinema. Aqui é Vangelis que também compor trilhas para o cinema como no caso dessa música e do famoso filme 1942.

Filosofia do Yoga | 14 fev 2021 | Fernanda Magalhães

O Vinyasa Yoga

O Vinyasa Yoga O Vinyasa Yoga é um dos métodos de Hatha Yoga mais praticados no ocidente atualmente. Muitos acreditam que o Vinyasa é um método vigoroso, onde há necessidade de condicionamento físico prévio para início da prática. Na verdade, a prática de Vinyasa é para todos e pode sim ser dinâmica e estimulante, mas pode também ser suave e restaurativa. Vinyasa vem do sânscrito vi (de forma especial) e nyasa (colocar, dispor). Além de representar um método de Hatha Yoga, Vinyasa também significa a transição feita entre posturas e todo movimento contabilizado para entrar e sair de cada postura. Por exemplo, para entrar na postura do triângulo - Trikonasana - partindo de Tadasana, você precisa de dois vinyasas, um para inspirar afastando os pés e alongar os braços na altura dos ombros e o segundo para exalar descendo lateralmente até que sua mão toque sua canela, o chão, um bloco ou você possa segurar o dedão em gancho com os dedos indicador e médio. De qualquer forma, em todas as três aplicações da palavra, Vinyasa une todo movimento corporal com a respiração. Sri Tirumalai Krishnamacharya (1888 - 1989) foi o responsável por difundir este método desenvolvido especialmente para as pessoas que buscam um caminho espiritual sem abdicar da vida em família (grihastha). Pais de família e donos de negócios, não tendo muitas horas por dia para se dedicar às práticas espirituais, como era costume para os sannyasi (aqueles que renunciam todo interesse nos bens materiais, prazeres, vida familiar, personalidade e vida social dedicando exclusivamente a libertação mental das condições mundanas), se beneficiam da busca espiritual através de uma prática que compila todos os principais passos de uma prática completa em poucas horas. Três pontos de atenção (tristhana) durante a prática contribuem para tal fator - Respiração, pontos focais (drishtis) e posturas (asanas). A aplicação de Tristhana promove a purificação do sistema nervoso, mente e corpo. - Respiração - Além de associar movimento a respiração, a prática é feita produzindo um som na respiração através de uma suave contração na glote assemelhando-se ao som do Ujjayi Pranayama. - Drishtis - Toda postura é associada a um ponto focal, que em sua maioria encontra-se no próprio corpo do praticante. São eles: nāsāgre = ponta do nariz; añguṣṭhamadhye = Dedão da mão; bhrūmadhye = entre as sobrancelhas (terceiro olho); nābicakre = umbigo; ūrdhvadr̥ṣṭi = para o céu; hastāgre = topo da mão; pādayoragre = Dedos do pé; pārśvadr̥ṣṭi = para o lado - Asanas - Neste ponto estão incluídas as posturas físicas e os Bandhas - Mula Bandha, a contração do períneo e Uddiyana Bandha, a sucção do baixo ventre.   Os três pontos de atenção descritos contribuem para a concentração (dharana) do praticante e, por isto, o Vinyasa Yoga é conhecido como meditação em movimento. Dentro da prática de Vinyasa, também é utilizada uma transição entre posturas que pode ser feita através de um Vinyasa completo (com 9 Vinyasas como no vídeo abaixo) ou meio-Vinyasa (chaturanga dandasana - urdhva Mukha Svanasana - Adho Mukha Svanasana) onde você parte de uma postura e retorna a mesma, configurando um ciclo completo. Os Vinyasas são executados entre as posturas para manter o corpo lubrificado e aquecido, facilitando a expansão da respiração e a flexibilidade; treinar a força e limpar possíveis desalinhamentos ocorridos devido a última postura realizada.   [video mp4=\"https://s3.amazonaws.com/yogin-content/2018/07/404385b8-1531446850022.mp4\" loop=\"true\" autoplay=\"true\"][/video] Vinyasa Krama significa caminhar passo a passo para se atingir um objetivo final. As sequências de posturas são estabelecidas de forma a preparar o corpo e a mente para as posturas mais difíceis, traçando um caminho de desenvolvimento crescente durante uma única prática e ao longo da vida do praticante. O foco na respiração, que é constante durante toda a prática (e também na vida), contribui para o reconhecimento do caminho como mais valioso do que o objetivo final. Durante a prática de Vinyasa, as posturas não são sustentadas por longos períodos, remetendo a natureza temporária das coisas. \"A ideia central do Vinyasa Yoga é mudar a ênfase da postura para a respiração... A única coisa permanente na prática é o foco constante na respiração\" Gregor Mahele new RDStationForms(\'e-book-treinamento-yogin-de-respiracao-bdf2969b9eeaf2b1af79-html\', \'UA-68279709-2\').createForm(); Este ponto central no transitório, tirando os holofotes do objetivo final, torna a prática acessível a todos quando cada Vinyasa é executado com a mesma dedicação dada aos asanas. Não só por respeitar a evolução individual de cada um na execução de ásanas, e a progressão na prática, mas também os próprios Vinyasas podem ser ajustados para atender a limitações físicas permanentes ou temporárias. Assim como o Yoga de forma geral, Vinyasa não acontece somente no tapete. Basta observar os ciclos naturais - do começo ao fim retornando ao ponto inicial, como a volta do planeta no eixo em 24 horas ou a volta ao sol em 365 dias, as marés influenciadas pela lua, o ciclo da vida, ou até mesmo de uma única respiração. E eu espero que  você possa apreciar e honrar seus ciclos com a mesma graça, força e consciência que usa para desempenhar um Vinyasa no tapete.   Respire, entregue-se e tenha fé.

PROPS
Filosofia do Yoga | 30 jan 2021 | Fernanda Magalhães

Cuidando de nossas Raízes

Cuidando de nossas Raízes Para que uma planta cresça, é necessário que ela obtenha nutrientes do solo, direta ou indiretamente. Acredito que por isso, é comum transpor esta relação do corpo com o solo durante a prática de vrksasana - a postura da árvore. Para a expansão dos galhos, flores e folhas, é necessário uma raiz forte e saudável, capaz de absorver os nutrientes necessários para este crescimento. Assim, através de vrksasana, visualmente se torna fácil compreender que apesar de não termos raízes físicas que nos prendem ao solo, nossa conexão pela base é tão importante para nossa expansão quanto é para as plantas. Termos como enraizar ou aterrar são comumente utilizados nas posturas de pé durante a prática de asanas. Esse tipo de postura facilita nossa conexão com a terra, fornecendo base sólida para a prática e para a vida. A partir de uma base estruturada, todas as outras posturas se desenvolvem. O aterramento cria estabilidade física e emocional acalmando a mente. Esta estabilidade nos facilita lidar com situações traumáticas e estressantes. Quando estamos muito mentais, estamos “aéreos”, com a energia concentrada na área superior do corpo nos tornando confusos e dispersos. Se você já passou por um momento de indecisão, então sabe o que estar muito mental. Indecisão é falta de confiança, insegurança e medo. Todas emoções ligadas ao nosso primeiro chakra. Tudo que diz respeito à sobrevivência, está relacionado com este chakra: alimentação, dinheiro, abrigo, reprodução. O instinto de sobrevivencia gera essa ansiedade em relação a segurança com o futuro. A elaboração mental criada em um momento de decisão te impede de estar presente, pois concentra suas energias nas possibilidades futuras que sua possível escolha acarretará. Através dos asanas de pé podemos redirecionar essa energia para nosso chakra básico, ou muladhara. Não é a toa que ele também é chamado de chakra raiz. O muladhara representa nossa conexão com a terra, o mundo material. Essa conexão com o nosso corpo físico material é o que nos traz a habilidade de estar no presente.   Estar em Tadasana (ou samasthiti) é a oportunidade de sentir a estabilidade da montanha. As vezes gosto de induzir a visualização de que possuímos uma grande base enquanto estamos em tadasana, o que traz a sensação de segurança que é basica e necessaria ao ser humano. Aproveitar os asanas simples para expandir a consciência trazida pela postura é um dos pontos chave da prática de Yoga. Use seu tadasana para sentir seus pés no chão, distribua o peso uniformemente, sinta o solo tocando cada parte dos seus pés enquanto sua coluna cresce ao céu. E, se possível, leve seu tadasana para fora. Pise no solo natural. Quando estamos em conexão com a terra, nos conectamos a algo maior que nós. Lembramos que todos somos um. A gravidade nos une em um solo de onde podemos nos nutrir e experienciar a vida. Sinta suas raízes através da gravidade. Crie essa conexão com o solo natural andando descalço na grama, terra ou areia. Sinta-se pertencente a natureza e a este grande ecossistema.   Essa sensação de conexão e segurança e proteção estimula nosso chakra raiz desenvolvendo nossa potência como indivíduo.   “Beba água. Tome sol. Você é basicamente uma planta com emoções complicadas.” new RDStationForms(\'e-book-as-origens-da-meditacao-e-do-yoga-84b39b698136958eda59-html\', \'UA-68279709-2\').createForm();

Chakrasana
Filosofia do Yoga | 28 jan 2021 | Fernanda Magalhães

De Peito Aberto

De Peito Aberto Dentre todos os tipos de posturas existentes na prática de Yoga, em todos os níveis de dificuldade, as retroflexões são as que mais geram desconforto. É impressionante a quantidade de caretas que observo, como professora, no momento do retorno. Não provocando o medo racional como acontece, por exemplo, com as invertidas, os praticantes, a princípio, sentem-se encorajados a executar as retroflexões propostas pelo professor. Às vezes, até podem parecer fáceis visualmente, mas no momento que eles se deparam com o peito aberto e “exposto” é que percebem que independente do nível de dificuldade da postura, da intensidade da retroflexão e da flexibilidade da coluna, o maior desafio a vencer é emocional. Esse desconforto é provocado pelo desconhecimento desse movimento de abertura. É um movimento estranho ao nosso corpo, podendo parecer até mesmo antinatural e com certeza nada familiar. Da mesma forma que enrijecemos nossos quadris ao longo da vida com a nossa resposta ao instinto de fuga, também fechamos nosso peito. Se você ainda não leu, falei sobre as emoçoes armazenadas no quadril aqui https://yoginapp.com/para-soltar-o-proximo-passo/#axzz5hudVe6Bc A mesma postura de proteção ao perigo, curvando-se para frente e puxando as pernas de encontro ao peito, que torna nosso quadril rígido, também bloqueia nossa coragem de se entregar, curva nossos ombros para frente protegendo o peito. Ao longo da vida, os traumas,  rejeições e inseguranças que passamos vão transformando nossa postura em uma armadura. Além disso, não há atividades no nosso dia a dia que estimulem a retroflexão. Passamos nossos dias curvados e encolhidos no computador, no carro ou até mesmo na bicicleta. Assim vão se acumulando cada vez mais emoções em nosso corpo. Em nível físico, a retroflexão da coluna abre ombros e o peito, liberando tensão; alongando os flexores do quadril e aumentando a força  nas pernas, braços e músculos das costas e a mobilidade na coluna ajudando a neutralizar os danos da má postura. Analisando pelo corpo energético, a postura trabalha e ativa nosso anahata chakra, o chakra cardíaco, onde reside nosso verdadeiro Eu e onde a compaixão e o amor se manifestam. Insegurança e ansiedade contribuem para um desequilíbrio deste chakra. Então você chega na sua aula de yoga e, de repente, você executa uma abertura de peito que te provoca sensações estranhas. Você faz careta, reclama, evita expor tanto o esterno na próxima vez ou até mesmo foge das aulas. Respostas de medo naturais ao enfrentar o desafio de lidar com toda essa emoção armazenada bloqueando seu Eu. E é realmente assustador se abrir profundamente e descobrir o que está escondido sob a superfície. Partes de você que não estão conscientes são reveladas.   As retroflexões ativam o sistema nervoso, provocando uma sensação de alerta e até mesmo tensão. Com o peito exposto, emoções prontas para serem liberadas e o sistema nervoso informando situação de perigo ao seu corpo, tudo que você quer é fugir. new RDStationForms(\'e-book-o-yoga-do-autoconhecimento-31f024e0c3c56e215246-html\', \'UA-68279709-2\').createForm(); Mas para que o trabalho do Yoga aconteça é necessário limpar essas camadas de proteção. As retroflexões do Yoga oferecem a oportunidade de limpar esse caminho através de desafios físicos e mentais. Exigindo coragem e entrega, em níveis físicos e emocionais, a insegurança e o medo são vencidos. Observe se seu medo de subir em Urdhva Danurasana, o arco completo, é somente por achar que não suporta o peso nas mãos. Já ouvi essa justificativa de pessoas bem fortes mas que não se sentiam capazes de tentar. Se você sente ansiedade, tristeza, angústia ou dor física quando pratica retroflexões, o segredo é aprender a lidar com a dificuldade. Foco no momento presente e na respiração (especialmente na respiração), não dê importância às emoções que afloram. Se permita sentir se for necessário, mas não entregue o controle a estas emoções. A tendência natural do ser humano é fugir quando as coisas ficam difíceis. O grande aprendizado da prática de  Yoga é encontrar o seu caminho através de quaisquer obstáculos que possam surgir em sua experiência de vida. E não há caminho sem obstáculos. É preciso coragem para permanecer aberto quando a vida nos dá razões para fechar, mas lembre-se que o arco-íris surge após uma tempestade. E, enquanto isso, banhe-se de chuva.   Namastê!      

Filosofia do Yoga | 25 jan 2021 | Daniel De Nardi

O Yoga pode ajudar na redução do Stress?

O Yoga pode ajudar na redução do Stress? Pergunte aos seus amigos, o que é o stress? Alguns dirão, nervosismo, tensão muscular, outros frio na barriga, palpitação. Eles não estão errados, mas isso são os efeitos físicos do stress; o stress mesmo começa bem antes. Quando o cérebro entende que estamos numa situação de perigo, ele avisa ao corpo para que se proteja da ameaça. Não são apenas os humanos que se estressam, todo animal possui algum tipo de defesa em casos de risco. A sensação de medo aciona o sistema simpático ( que de simpático não tem nada, pois é o sistema responsável pela luta ou fuga, o sistema simpático é responsável pelos instintos mais primitivos de sobrevivência). Quando isso acontece, todas as sensações descritas pelas pessoas, começam a aparecer, o batimento cardíaco aumenta, os vasos sanguíneos se contraem para que menos sangue seja perdido caso haja corte, os sentidos se aguçam, as pupilas de dilatam para vermos mais detalhes, o sangue sai de órgãos como estômago ou intestinos e se desloca para o cérebro e músculos. Estamos prontos para lutar bravamente pela vida, só que como será a digestão de alguém muito estressado durante vários dias?  O que desencadeia o stress é uma percepção subjetiva de um risco aparente. Cada pessoa, internamente identifica algum tipo de ameaça e aquilo vai afetá-la na proporção direta do seu medo. Em outras palavras, o stress começa por causa de alguma insegurança, um medo que quanto maior, maior o estado do stress. O stress em si não é ruim, ele já salvou nossas vidas inúmeras vezes. O ponto é que há um preço a ser pago pelo corpo por todas essas alterações hormonais. Como o corpo gasta muita energia para entrar no estado de luta ou fuga, se o estado for repetido constantemente, o sistema imunológico cai, a recuperação do corpo é prejudicada e mesmo dormindo, alguém com altas taxas de cortisol, permanece cansado. No médio prazo, pode aparecer efeitos como tristeza e depressão. A Organização Mundial de Saúde vem chamando a atenção para a gravidade de doenças relacionadas ao coração. 90% das pessoas com diabetes ou doenças cardíacas desenvolve esses sintomas por causa do estilo de vida. É uma unanimidade entre especialistas, que o maior risco de doenças cardíacas se dá em pessoas com pressão alta, altos níveis de colesterol e açúcar no sangue. Fatores relacionados às respostas do stress e má alimentação.   O stress quando salva nossa vida é bem vindo, o problema é quando geramos o stress em situações desnecessárias, por motivos que não valiam esse esforço luta/fuga. Passar constantemente por situações estressantes, desequilibra a vida, tira a pessoa do eixo.   Centenas de estudos como este, demonstram melhorias importantes relacionando meditação a redução de ansiedade e depressão. Hoje é comum praticantes procurarem o Yoga para baixar os níveis de cortisol ( um hormônio que indica um estado constante de stress),   Mas será que o Yoga consegue fazer isso? A primeira definição do Yoga foi feita por Patanjali, um importante mestre de Yoga dizia que o Yoga é a suspensão das agitações mente/emoções. Numa leitura científica, Patanjali estaria dizendo que deve-se evitar usar demais o sistema simpático (aquele que ativa fuga/luta) e que também deve-se usar o outro sistema o parasimpático, responsável pelo descanso e digestão, por reabilitar o corpo, deixando revigorado. Patanjali propõe um caminho de não agitação, não stress, caminho de equilibrio entre o vigor e a calma. Uma pessoa estressada, sente-se de alguma maneira ameaçada, isso provoca agitação. Ela vive o medo, deixa de ser ela mesma e por isso, passa longe do estado sugerido por Patanjali. Por outro lado, a melhor forma de se ativar o sistema parassimpático, produzindo revigoramento físico e mental é a prática de Yoga. O Yoga apresenta muitas ferramentas para atuarmos melhor nas causas do stress e suas respostas.   Contato com sua respiração - fisiologicamente uma das respostas mais imediatas do stress sobre o corpo é a alteração da respiração. Tornar a respiração lenta e profunda muda completamente o estado interno. O cérebro entende a respiração profunda como um momento de segurança e com isso diminuiu as substâncias para defesa como adrenalina e outras.  Relaxamento físico - tanto as posições físicas quanto os exercícios de relaxamento possibilitam descontração muscular, liberando tensões e melhorando a circulação sanguínea. Meditação - o terceiro ponto, relacionado ao quanto, nossa percepção de mundo pode mudar e o quanto isso evita o stress, precisaremos voltar a Patanjali. No seu livro Yoga-Sutra, Patanjali trata de klêshas, obstáculos para alcançar a estabilidade YogIN. Para ele, o que dificulta a vivência constante do EU são esses 5 fatores:   Ignorância; Apego; Aversão Egotismo; Medo.   Podemos explorar os 5 klêshas em outro texto, mas agora, é o último que nos interessa - MEDO! Nos primeiros sutras (aforismos), Patanjali diz que o YogIN só tem duas possibilidades: ou encontra sua identidade ou irá se identificar com personagens, no caso desse klêsha, um personagem tomado pelo medo (stress). Em seguida, descreve diversos sentimentos decorrentes dessa identificação com o medo, tais como angústia, infelicidade e nervosismo. A busca do YogIN é livrar-se do que lhe afasta do EU, os klêshas que impossibilitam a estabilidade mente/psiquismo. A palavra sânscrita satya, verdade, vem de sat, ser, existir. Então a verdade de satya não é no sentido de contar uma verdade, mas de ser verdadeiro. Essa é a maior verdade, uma verdade que gera convicção, pois você é você mesmo e isso é essencial para estar seguro. Patanjali indica satya como um passo importante na libertação do YogIN. Entre todas as suas técnicas, pranayamas, asanas e especialmente na meditação, o que o Yoga se propõe a fazer é revelar o EU. Trazer ao praticante aquilo que ele já é, e sempre foi, mas nem sempre trouxe essa essência para o mundo. Quando há conexão com EU há esse sentimento de Satya, o verdadeiro sentimento de SER quem se verdadeiramente é. Para saber se você tem vivido próximo ao EU, olhe para sua vida e observe se mesmo com os altos e baixos, de uma maneira geral a direção faz sentido pra você. Quando você percebe esse sentido, passa não se incomodar tanto com os obstáculos, mas aprende com eles. A vida se tona mais leve, seu EU é mais presente. Por outro lado, se fazendo a análise você notar que há um desalinhamento, que você parece estar deslocado de lugar, fazendo algo que não gosta, vivendo uma vida que não é sua, provavelmente, por diversas razões, mas o desalinhamento por si só, põe nosso psiquismo em estado de stress.  Viver desconectado daquilo que você realmente é, gera insegurança, você pisa num terreno desconhecido, logo vê perigo a frente o tempo todo e o corpo responde com stress. Diminuir o stress requer prática dos exercícios de Yoga, mas também uma vontade do praticante de vencer esses medos. Encará-los para conseguir distinguir dentro das sensações o que é realmente seu, o que verdadeiramente ameaça-o, o que é pura construção do psiquismo. Meditar é trazer o EU para o eixo e depois tentar trazê-lo para o dia a dia. Encontrar sua estabilidade interna, para agir no mundo, seguro que o seu EU está fazendo o melhor.       Baixe GRÁTIS o e-book - O Yoga e o Stress  

Filosofia do Yoga | 22 jan 2021 | Daniel De Nardi

Disciplina na prática

Disciplina na prática O YogIN App produziu uma série de aulas para quem está começando no Yoga e quer aprender a fazer os principais exercícios da prática e precisa de disciplina. Essa série é chamada Passo a Passo do YogIN e está disponível para todos os nossos alunos. A 6ª aula da série trata de como desenvolver a persistência na prática. Este post é uma coletânea dos conteúdos mais importantes sobre esse tema que produzi.   DETERMINAÇÃO E REALIZAÇÃO https://yoginapp.com/disciplina-determinacao-e-realizacao/   A PREPARAÇÃO – PODCAST #09   IRONMAN E YOGA – PODCAST #19 https://yoginapp.com/ironman-e-yoga/   O YOGA E A REPROGRAMAÇÃO DE CONDICIONAMENTOS – PODCAST #47 https://yoginapp.com/o-yoga-e-reprogramacao-de-condicionamentos-podcast-47/   MEDITAR EXIGE DISCIPLINA   ESPORTES E A MEDITAÇÃO https://yoginapp.com/esportes-e-meditacao/   Leia mais no Blog do YOGIN APP

Filosofia do Yoga | 10 jan 2021 | Livia Aranha

Psoas, Ansiedade e Equilíbrio

O músculo Psoas relação direta com o sistema nervoso e com respostas emocionais A ansiedade é algo que pode atacar qualquer um de nós de modo inesperado, todo mundo hora ou outra passa por um momento d nervosismo, preocupação e ansiedade de tempos em tempos. Sentir-se ansioso é algo tão natural quanto beber água, e quando não percebida a tempo pode tomar conta do nosso corpo, mente e alma. Semana passada, eu estava me sentindo assim muito ansiosa, bateu um bode danado. A mudança de país, a preocupação com o projeto novo, a necessidade de sair o tempo todo para conhecer pessoas, formar vínculos em uma cidade nova, tudo isso pra quem presa muito o silêncio como eu foi se acumulando dentro do meu corpo, e quando menos percebi acordei chata, triste e sem perspectiva. Acordei completamente perdida, me achando feia, me dei nomes, e me comparei aos outros. Eu não entendia o que estava acontecendo, parecia que tudo o que eu tinha aprendido entre a India e o Nepal, fazendo trilha sozinha, praticando yoga, estudando o Sutras, tudo tinha evaporado. Confesso que a minha primeira reação foi querer não fazer nada, queria passar o dia todo olhando o Instagram, mas de repente olhando minhas próprias fotos, algumas bem antigas com frases de incentivo que eu mesma escrevi, achei uma de mais ou menos um ano atrás em que eu estava em EKA PADA RAJA KAPOTASANA pela primeira vez. Era dia de filmagem, eu tinha trabalhado 14hs seguidas e mesmo assim cheguei no hotel, fiz alguns Suryas Namaskars e tentei fazer a pose. Deu certo! O que isso tem a ver com o Psoas e a minha ansiedade? Simples, essa foto me lembrou de que mesmo na correria de filmagens, trabalhando sem parar e quase sem energia, eu achava tempo para praticar yoga. Podia estar exausta, mas mesmo que fizesse práticas pequenas de 5 –10 minutos, só pelo simples fato de eu abrir um pouco meu quadril e alongar o Psoas diariamente, a minha mente era outra. Eu estava pouco preocupada se estava bonita, se era legal, se os atores com quem trabalhava ia com a minha cara ou não. Eu estava feliz e era isso que importava, ao contrário dessas últimas semanas em que passei muito tempo sentada escrevendo e sem praticar. Muitos anos atrás, em uma das minhas primeiras experiências com yoga ainda em Washington-DC, lembro da professora que já tinha seus 50 anos e muita experiência, terminar a aula na posição do Pombo - Eka Pada Rajakapotasana e dizer a seguinte frase: “Relaxa, aproveita esse momento para perceber todos os sentimentos que vão surgindo”, ali deitada sobre a perna direita e com a esquerda esticada para trás me lembro de pensar: Relaxa? Relaxar o que?! Essa mulher tá louca. Lembro também que saí daquela aula flutuando, com muita clareza e de pouco em pouco me tornei adepta a pose que aquele dia tanto me fez suar. Em uma outra aula, com outra professora, lembro de ter feito um modificação de “low lunge” na parede. “Anjanayasana - libera a raiva que está acumulada dentro de você”, dizia ela, enquanto nós todos sofriamos segurando aquela pose por 90 segundos. Não há dúvidas de que o nosso consciente e todas as nossas experiências dependem do nosso corpo, isto é a mente e o corpo são de certa forma inextricáveis. Mesmo que muitas pesquisas parecem já ter descoberto que a mente têm um poder por si só, um poder que pode ser alcançado através da meditação, reflexão, e treinos, para a maioria de nós o nosso estado mental ainda é o reflexo da nossa postura física. Depois daquela aula lembro de andar até em casa pensando – cara, que negócio incrível, quer dizer então que se guardamos todos esses sentimentos negativos pela região do psoas, não é à toa que bate aquela dor na lombar, aquela cólica forte em época de menstruação (para nós mulheres) e para aqueles que que passam muito tempo sentados em frente ao computador rola uma certa ansiedade e desespero de sair correndo depois do trabalho. Não é à toa que o Psoas é chamado o músculo da Alma. Relaxando a musculatura do Psoas, melhoramos a passagem de ar pelo corpo, melhoramos circulação e liberarmos também adrenalina, endorfina e demais toxinas que se acumulam pelo corpo e são os grandes causadores de stress, ansiedade, raiva, e todos aqueles sentimentos negativos que surgem as vezes não sabemos de onde e nem porque. Para quem não sabe o Psoas é o músculo mais profundo e estabilizador no corpo humano, e portanto é o responsável pelo nosso equilíbrio estrutural, a amplitude dos nossos movimentos, o funcionamento dos órgãos do abdomen e a mobilidade articular. O psoas é o único músculo que conecta a sua coluna à suas pernas e está ainda ligado ao seu diafragma, ou seja é responsável por tudo mesmo – seus movimentos, sua respiração, e a passagem de sangue e linfa para as células do corpo humano. E o que isso quer dizer? Simples, o “de acordo com pesquisas recentes, o Psoas é senão um órgão de percepção composto de tecido bio inteligente que incorpora literalmente o nosso desejo mais profundo de viver.” E é claro que se esse músculo tão importante vive tensionando, preso, sem mobilidade nenhuma, nossa vontade de fazer as coisas consequentemente também diminui. Tudo aquilo de negativo que sem querer pensamos durante dias, meses, as vezes até anos no caso de uma pessoa depressiva vão se acumulando por ali. Perdemos a força para andar, temos preguiça de ir até a padaria a pé, passamos muito tempo deitada ou sentada e sentimos muitas dores pelo corpo. As células do corpo que precisam de linfa para reagirem, começam a entender que talvez a gente não precise se exercitar...e de pouco em pouco o corpo vicia em ficar parado. Isso mesmo. Ficar parado, estagnado também é um vício. Depois de passar por essa rápida crise de ansiedade  eu entendi porque o Psoas é o músculo da Alma. Levantei no dia seguinte, fui caminhar pela praia, mergulhei no mar, e fiz algumas posturas de yoga chegando em casa. Qualquer tipo de exercício, e principalmente com a prática Yoga, estamos fortalecendo nosso Psoas e gradualmente, iluminando a nossa alma. Cuidando desse músculo tão essencial  ao bem estar, com poses como os Guerreiros I, 2 e 3, a postura do Pombo e muitas outras, nós temos o poder de acariciar o nosso coração, viver mais alegres, e mudar aqueles pensamentos e hábitos negativos que tentam tomar conta da gente. Não precisamos de truques para viver uma vida equilibrada, já nascemos com muitas ferramentas embutidas que estão só esperando para serem usadas, e o Psoas é uma delas. Da próxima vez que sentir-se meio pra baixo, ou cansada, lembre-se de lavantar da cadeira, ou da cama, nem que seja pra dar uma volta pela casa, e se for possível entra na pose do Pombo ou do “Low Lunge” , em qualquer variação– o resultado é imediato !   Quer saber mais sobre Asana, as posturas do Yoga? Baixe gratuitamente o livro preenchendo o formulário abaixo. new RDStationForms(\'ebook-asana-posturas-do-yoga-20927af5b3e8c03b81b9\', \'UA-68279709-2\').createForm(); Cuide bem do seu corpo, cuide bem da sua alma! Namaste !

1 2 3 14