Brand

A desculpa do Prem Baba – podcast #86

A desculpa do Prem Baba – podcast #86

Prem Baba recebeu denúncias de abuso sexual e reconheceu alguns dos seus erros. Como em vários momentos, usou a expressão tantra em sues pronunciamentos sobre o caso e o Hatha Yoga que ensino é de linhagem tantra, gravei esse podcast para esclarecer o que penso sobre tantra e também sobre os deslizes do mais famoso guru brasileiro.

 

LINKS

 

 

sem proselitismo – podcast #39

 

 

Wild Wild Wild Country – Série Comentada – COMPLETO

 

Sri swami satchidananda abrindo o Festival Woodstock em 1969, auge do movimento hippie.

 

Baixe o aplicativo do YogIN App e experimente 14 dias free

 

Transcriçã0 PARCIAL

A desculpa do Prem Baba – podcast #86

 

 

  1. Objetivo desse podcast – como o Hatha Yoga é de tradição Tantra, e várias vezes é falado sobre exercícios de Tantra. Além disso, esse tipo de assédio ou abuso sexual, é algo antigo no Yoga como vocês podem ouvir nesse trecho de uma aula de Carlos Eduardo Barbosa, pesquisador de Yoga
  1. Giridhari Das: Esse não é um assunto agradável de tratar, porque como seres humanos, todos nós estamos sujeitos aos erros, entretanto, muitos dos erros que cometemos é por falta de informação sobre o assunto. A informação, nos permite avaliar melhor e ter uma direção mais correta. Giridhari Das não era discípulo de Prem Baba, mas era próximo a ele, inclusive Prem Baba prefaciou um dos seus livros, mas ele fez um vídeo trazendo várias reflexões importantes

 

  1. Como acontece a transferência da visão do Tantra :  O Tantra parece ser um dos pilares no qual se apoiam muitos dos gurus com esse comportamento. Foi assim com Osho e parece continuar sendo com Derose ou Osho. Então parece essencial entendermos  como aconteceu a transferência da visão do Tantra? Em agosto de 1969 acontece nos Estados Unidos, o famoso festival de Woodstock como uma manifestação do movimento hippie. Os hippies buscaram alternativas de caminhos espirituais que condiziam com suas ideias de evolução e liberdade.

Sri Swami Satchidananda, Satyananda, guru indiano abriu o Woodstock entoando mantras para aproximadamente 500,000 pessoas. É o ápice do movimento hippie.

Como todo movimento, ao chegar ao ápice, começa o declínio, no caso do hippie, começou seu declínio com a divulgação dos assassinatos de outro guru da época, Charles Manson, que cometera crimes brutais, o mais famoso culminou na morte do cineasta Romam Polanski, sua esposa, a atriz Sharon Marie que estava grávida  foi morta pelo grupo de Manson.

Na década de 70, muitos jovens se deram conta que aquilo não estava produzindo bons frutos e começaram a se dedicar a suas carreiras e sucesso profissional, foram os chamados yuppies. Todo movimento cultural forte, e o movimento hippie assim, produz efeitos por muito tempo depois de se extinguir. Alguns jovens que ficaram órfãos do movimento começaram a ir para Índia em busca de um caminho espiritual. Os sistemas que os ocidentais encontraram inicialmente, não os agradou. Valores como a obediência cega a um guru, que é praxe na espiritualidade indiana, não condizia com a ideologia hippie que questionava justamente os sistemas autoritários. O conceito de liberdade para o indiano é totalmente diferente do que os ocidentais buscavam. Esperavam algo mais próximo ao hedonismo, inicialmente não encontraram.

Só que se hoje a Índia é um país em que a população é mais pobre que a brasileira, imagina como era nos anos 70. Quando os indianos, que não eram gurus respeitados na Índia, começaram a entenderam que o que os ocidentais buscavam era no fundo, uma base filosófica que apoiasse a ideia do movimento de busca pelo prazer e rompimento com todas as regras e tradições.

Gurus desonestos usaram os tantras, que são escrituras dos Nathas escritos nesse tipo de linguagem iniciática O sandhya bhasha é uma linguagem autêntica das sampradayas tântricas, uma linguagem iniciática para dar suporte a vontade de transar, pq na Índia não tem sexo antes do casamento, além disso, os indianos tem grande atração por mulheres brancas.

 

  1. Sem Proselitismo: Para compreender, porque os nathas usam esse tipo de linguagem iniciática para proteger e não para divulgar seus ensinamentos, sugiro que ouça o podcast #39 – Sem Proselitismo. Existem ideologias ou religiões que não fazem proselitismo, não querem convencer mais pessoas a aderirem às suas crenças. O próprio hinduísmo como religião segue essa lógica. Uma vez que os escolhidos, são os moradores das terras banhadas pelo rio Indu. Então, algumas tradições tentam preservar seu conhecimento para que os ensinamentos não sejam propagados, mas que também não sejam perdidos. Sandhya Bhasha é uma linguagem iniciática que tem o objetivo de proteger uma tradição. Essa linguagem é cifrada e só tem o entendimento quem receber instruções de algum guru pessoalmente. Além disso, o sexo era usado, pois como a cultura indiana é extremamente conservadora, evitava que muitas pessoas tivessem interesse nisso. Por isso, as expressões pênis (lingam), vagina (yoni)  ou esperma (bindu) aparecem em escrituras, mas o conceito não é de uma relação sexual, até porque os fundadores do Tantra são celibatários, mas de um encontro entre os mundos subjetivos e objetivos, tendo bindu o Atman ou alma.

 

  1. Os Filhos do Osho: Quem popularizou esse tipo de técnicas foi o Osho (já comentado aqui na série que discorre sobre o documentário Wild Wild Country do Netflix. Você conferir o episódio 63 ao 70 da série. As ideias do Osho ainda influenciam muita gente como é o caso do Derose, PremBaba e outros.

 

  1. Um pouco sobre o Prem Baba: Janderson, seu nome original, é de uma família de kardecistas, um estereótipo que tem mais aceitação no Ocidente para quem quer fazer um carreira como Guru do que os próprios gurus indianos. Formou-se em psicologia com enfoque Lacaniano.
    Fez formação com o Derose, que também faz essa linha de dizer que Tantra é exercícios ou coisas a mais relacionados a sexo e saiu para estudar mais sobre o Osho e outros mestres. Nesse período conheceu os rituais da Ayahuasca e os discípulos do Derose começaram a chamá-lo de Janderson do Daime.

Começou a ir regularmente à Índia, onde morou por um tempo num ashram e foi autorizado pelo seu guru a lecionar.

 

  1. O sucessor da Linhagem Satya: Apesar do nome Saccha significar verdade, há algumas incoerências entre o que Prembaba diz e como funciona a tradição da espiritualidade indiana. Como poucas pessoas têm informações sobre esse tema não conseguem analisar as desculpas que Prembaba usou. Uma dessas incoerências é que Prembaba se diz o sucessor do seu guru, Maharaji e que teria recebido a missão de levar esse conhecimento para o mundo.
    Dentro da tradição da espiritualidade indiana, um discípulo até receber esse tipo de orientação do seu guru, mas não poderá se dizer o sucessor dessa tradição. Existe uma ordem para ser nomeado o sucessor de uma tradição.

O sucessor de um Guru é sempre o guardião do Gadi, o assento do líder de um ashram. O escolhido para a continuidade de uma tradição, poderá sair sim, dar uma viajada rápida, mas não pode ser alguém que fica morando no ashram somente 4 meses por ano.

Quem quiser provar quem é o verdadeiro sucessor eleito pelo próprio Hansji Maharaj, deve ir ao ashram, pois o fato de já ter um guru lá deixa claro quem é o sucessor da linhagem Saccha.
Prem Baba sempre usa os ensinamentos do seu guru como base para suas atitudes, o problema nesse caso, é como Hansji Maharaj já faleceu, nem há como verificar se o que ele ensina é realmente dessa tradição ou criação das suas influências ocidentais.

Na primeira declaração que Prem Baba deu após o assunto estourar, ele segue uma linha que foi devido a uma orientação do guru para ele não se relacionar com sua shakti que fez com que ele se relacionasse com uma pessoa casada do seu grupo.

 

  1. Iluminado: Prembaba deu declarações que que atingiu a iluminação que na visão indiana significa que não será afetado por nada relacionado ao mundo material, alguém sem ego por exemplo. Entretanto, suas declarações após o ocorrido falam de sentimentos que não são vivenciados em quem se considera iluminado. (COLOCAR A PARTE QUE ELE FALA DOS SOFRIMENTOS)

 

  1. Celibatário?: Outra incoerência que veio à tona com as denúncias, foi a questão do celibato. A teoria de Prem Baba sobre a sexualidade é que quando se atinge o amor pleno, não existe nem mesmo a vontade do ato sexual. E por isso ele se declarava celibatário, pois o caminho da Meditação (COLOCAR A PARTE QUE ELE FALA DISSO)
    O brahmacharya é o celibato completo, não existe esse conceito que ele usa como desculpa de temporadas de castidades mais uma vez como Hansji Maharaj faleceu como confirmar que ele deu esse tipo de orientação que é totalmente contrária à tradição da espiritualidade indiana.

 

  1. Técnicas Tântricas: Essa transmissão de energia através do toque, não existe pela função de despertar energia sexual. Afinal isso é uma contradição na visão hindu, pois o estímulo sexual não pode desenvolver a espiritualidade, ele irá apenas produzir mais samskaras (impressões) e vasanas (condicionamentos) de sexo. O sexo é condenável? Não, mas pensar que o estímulo sexual irá produzir evolução espiritual, não é algo que a tradição dos nathas, que criaram o tantra vê como um caminho correto para moksha.

 

  1. O caminho do silêncio: Eu acredito que professores e orientadores podem nos ajudar no nosso caminho. Também não acho que nada do que o Prem Baba já ensinou tenha valor. O meu alerta é principalmente com essa ideia de mexer com a sexualidade como forma de evolução. A energia sexual é uma força tremenda dentro do homem. Os tântricos sim, faziam observações sobre a sua influência. Observavam-na ampliando-se e reduzindo, mostrando sua força, mas ao mesmo tempo perecibilidade, mas não usavam o estímulo sexual como exercício, pois acreditavam que isso só geraria mais necessidade de estímulos, o que os prenderia numa roda de condicionamentos.  

A transmissão de energia que é falada por esses gurus jamais pode ser um toque para excitação. Isso é o oposto de chitta vritti nirodha. Paul Brunton, fala dessa transmissão de energia através do olhar, shakti pada, quando conheceu Ramana Maharish, o que ele sentiu e era senso comum entre seus seguidores era uma sensação de silêncio, a presença de Ramana segundo Brunton estimulava seus seguidores a perceberem melhor o que era a presença do silêncio. E isso não tem nada a ver com sexo como cura.

Deve-se questionar – esses exercícios ditos tântricos de onde foram tirados, quais resultados produzem? A desrepressão  sexual é sempre bem vinda? Então, porque as mulheres que passaram por isso e seus maridos agora estão arrependidos de terem feito isso?

Se você vai fazer um tratamento reichiano, de onde vem boa parte das técnicas, ditas como tântricas no ocidente, você sabe o que pode encontrar. Existe estudos das vantagens e desvantagens desse tipo de tratamento pra cada tipo de paciente. Será que isso é também levado em conta em quem ensina exercícios tântricos para discípulos avançados?     

 

 

Daniel De Nardi

Head de conteúdo do YogIN App. Autor de 6 livros sobre Yoga. Pesquisador da História do Pensamento Indiano.